Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Lógica

William Turner, Enciclopédia Católica



I. Introdução

Lógica é a ciência e a arte que orientam a mente no processo de raciocínio e nos processos subsidiários, de modo a permitir que ela alcance clareza, consistência e validade em tais processos. O objetivo da lógica é assegurar clareza na definição e disposição de nossas idéias e outras imagens mentais, consistência em nossos julgamentos e validade em nossos processos de inferência.

II. O nome

A palavra grega logos, que significa “razão”, é a origem do termo lógica – logike (ou ainda, techenpragmateia ou episteme), como o nome de uma ciência ou arte, ocorre primeiro nos escritos dos estoicos. Aristóteles, o fundador da ciência, designa-o como “analítico”, e os epicuristas usam o termo canônico. Desde o tempo de Cícero, ademais, a palavra lógica é tem sido utilizada quase sem exceção para designar essa ciência. Os nomes dialético e analítico também costumam ser utilizados.

III. Definição 

Um fato peculiar é que, embora a lógica seja a ciência que trata da definição, os lógicos ainda não entraram em consenso sobre como a própria lógica deve ser definida. Há, ao todo, cerca de duzentas diferentes definições de lógica. Evidentemente, seria impossível enumerar até as principais definições aqui. Será suficiente mencionar e discutir alguns tópicos.

A. Lógica de Port Royal

A lógica de Port Royal (“L’Art de penser“, publicada em 1662) define a lógica como “a arte de usar bem a razão na aquisição do conhecimento das coisas, tanto para a própria instrução como para a dos outros”. Mais brevemente, “A lógica é a arte do raciocínio”. Esta última é a definição de Arnauld. Definições desse tipo são consideradas muito restritas, tanto porque definem a lógica em termos de arte, não deixando espaço para que seja considerada uma ciência, e porque, ao utilizar-se do termo raciocínio, a lógica fica restrita a um escopo de processos mentais. 

B. Hegel

Hegel vai para o outro extremo quando define a lógica como “a ciência da idéia pura”. Por idéia ele entende toda a realidade, de modo que para ele a lógica inclui a ciência da realidade subjetiva (lógica dos conceitos mentais) e a ciência da realidade objetiva (lógica do ser, metafísica). De maneira semelhante, as definições que não fazem distinção entre lógica e psicologia, definindo lógica como “a ciência dos processos mentais”, ou “a ciência das operações da mente”, são muito amplas. Definições que caracterizam a lógica como “a ciência das ciências”, “a arte das artes”, também são muito amplas: elas estabelecem uma reivindicação de lógica muito grande.

C. Santo Tomás de Aquino

Em seu comentário sobre os tratados lógicos de Aristóteles (“In Post. Anal.”, Lect. I, Leonine ed., I, 138), ele diz: “Ars quædam necessaria est, quae sit, ipsius actus rationis, por quam scilicet homo in ipso act rationis ordinate faciliter et sine errore procedat et et haec ars est logica, id est rationalis scientia.” Combinando essas duas sentenças, podemos tomar a definição de São Tomás como segue: “A lógica é a ciência e a arte que dirige o ato da razão, pelo qual um homem, no exercício de sua razão, pode prosseguir sem erro, confusão ou dificuldade desnecessária “. Tomando a razão em seu sentido mais amplo, de modo a incluir todas as operações da mente estritamente cognitivas, a saber, a formação de imagens mentais, julgamento e raciocínio, podemos expandir a definição de Santo Tomás e definir a lógica como “a ciência”  e arte que assim dirige a mente no processo de raciocínio e processos subsidiários, de modo a permitir que ela alcance clareza — ou ordem –, consistência e validade nesses processos “. A lógica é essencialmente diretiva. Disto difere da psicologia, que é essencialmente especulativa ou teórica, e que se refere apenas de maneira incidental e secundária à direção dos processos mentais. Lógica lida com processos da mente. Disto difere da metafísica, que tem por seu campo de investigação e especulação todo o universo do ser. A lógica lida com processos mentais em relação à verdade ou, mais particularmente, em relação à obtenção e exposição da verdade por processos que visam ser válidos, claros, ordenados e consistentes. Disto difere da ética, que trata das ações humanas, dos atos externos e dos pensamentos, em relação ao destino final do homem. Validade, clareza, consistência e ordem são qualidades lógicas de pensamento; bondade e maldade são qualidades éticas. Finalmente, a lógica não deve ser confundida com a retórica. A retórica, no antigo significado da palavra, era a arte da persuasão; ela usava todos os recursos, tais como apelo emocional, arranjo verbal, etc., a fim de provocar um estado de espírito que se referisse principalmente à ação e à convicção apenas num sentido secundário. A lógica é a ciência e a arte da convicção; usa apenas argumentos, descartando apelo emocional e empregando meramente palavras como símbolos de pensamentos.

A questão de se a lógica é uma ciência ou uma arte é agora geralmente decidida afirmando que ambas são. É uma ciência, na medida em que não apenas formula regras para o pensamento correto, mas deduz essas regras de princípios gerais baseados na natureza da mente e da verdade. É uma arte, na medida em que é direta e imediatamente relacionada ao desempenho, ou seja, aos atos da mente. Como as belas artes dirigem o pintor ou o escultor nas ações pelas quais ele pretende produzir uma bela imagem ou uma bela estátua, a lógica direciona o pensador nas ações pelas quais ele visa atingir a verdade, ou expor a verdade que alcançou. 

IV. Divisão da Lógica

O modo tradicional de dividir a lógica, em “formal” e “material”, é mantido em muitos tratados modernos sobre o assunto. Na lógica formal, os processos de pensamento são estudados independentemente de, ou sem consideração de seu conteúdo. Na lógica material, a questão principal é a verdade do conteúdo dos processos mentais. Um exemplo da aritmética servirá para ilustrar a função da lógica formal. Quando adicionamos dois e dois, e pronunciamos o resultado como quatro, estamos lidando com um processo de adição em seu aspecto formal, sem prestar atenção ao conteúdo. O processo é válido, seja qual for o conteúdo, se os “dois e dois” se referem a livros, cavalos, árvores ou círculos. É exatamente assim que estudamos julgamentos e argumentos na lógica. Do julgamento “Todo A é igual a B” inferimos “Portanto, algum B é A”; e o processo é válido se a proposição original é “Todos os círculos são redondos” ou “Todos os leões são carnívoros”. Na lógica material, pelo contrário, investigamos o conteúdo dos juízos ou premissas e procuramos determinar se são verdadeiros ou falsos. A lógica material foi denominada pelos antigos escritores de “lógica principal”, “lógica crítica” ou simplesmente “crítica”. Nos últimos tempos, a palavra epistemologia (ciência do conhecimento), que significa uma investigação do valor do conhecimento, entrou em uso geral e designa a parte da filosofia que investiga o valor objetivo de nossos conceitos, a importância e o valor dos julgamentos e do raciocínio, os critérios da verdade, a natureza da evidência, a certeza, etc. Sempre que esse novo termo é adotado, há uma tendência a restringir o termo lógica a significar apenas lógica formal. A lógica formal estuda conceitos e outras imagens mentais, com a finalidade de assegurar clareza e ordem entre os conteúdos da mente. Estuda juízos com o propósito de mostrar quando e como eles são consistentes ou inconsistentes, isto é, quando algum pode ser inferido de outro (conversão), e quando eles são opostos (oposição). Ele estuda os dois tipos de raciocínio, dedutivo e indutivo, de modo a direcionar a mente para usar esses processos validamente. Finalmente, ele estuda sofismas (ou falácias) e método com o propósito de mostrar quais erros devem ser evitados, e qual arranjo deve ser seguido em uma série complexa de processos de raciocínio. Mas, embora seja verdade em geral que em todas essas tarefas a lógica formal preserva seu caráter puramente formal, e não questiona o conteúdo do pensamento, no entanto, ao lidar com o raciocínio indutivo e ao estabelecer as regras para definição e divisão, a lógica leva em conta a questão do pensamento. Por essa razão, parece desejável abandonar a antiga distinção entre formal e material, designar como lógica o que antes era chamado de lógica formal, e reservar o termo epistemologia para aquela parte da filosofia que, ao indagar sobre o valor do conhecimento humano em geral, abrange o terreno que era o domínio da lógica material.

Existem certos tipos de lógica que não se adequam aos conceitos formais e materiais. A lógica transcendental (Kant) é a investigação do conhecimento humano com o propósito de determinar quais elementos ou fatores no pensamento humano são a priori, isto é, independentes da experiência. A lógica simbólica (Lambert, Boole) é uma aplicação de métodos matemáticos aos processos de pensamento. Ele usa certos símbolos convencionais para representar termos, proposições e as relações entre eles; e então, sem qualquer referência adicional às leis do pensamento, aplica as regras e métodos do cálculo matemático (Venn, “Symbolic Logic”, Londres, 1881). ). Lógica aplicada, no sentido mais estrito, é sinônimo de lógica material no sentido mais amplo, significa lógica aplicada ao estudo das ciências naturais, lógica aplicada à educação, lógica aplicada ao estudo do direito, etc. poder da mente pelo qual a maioria das pessoas é competente para julgar corretamente e raciocinar validamente sobre os assuntos e interesses da vida cotidiana; ela é contrastada com a lógica científica, que é lógica como ciência e arte cultivada.

V. História da lógica

A história da lógica desperta um interesse além do trivial, pois, por um lado, toda mudança no ponto de vista do metafísico e do psicólogo tendeu a produzir uma mudança correspondente na teoria e prática lógicas, enquanto, por outro lado, mudanças no método e procedimento lógico tendem a afetar as conclusões e o método do filósofo. Apesar dessas tendências à variação, a ciência da lógica sofreu poucas mudanças radicais desde o início de sua história.

A. O Nyaya

Um sistema de filosofia que foi estudado na Índia no quinto século a.C., embora seja, talvez, de data muito mais antiga, leva o nome da palavra nyaya, que significa argumento lógico ou silogismo. Essa filosofia, como todos os sistemas indianos, ocupou-se com o problema da libertação da alma do cativeiro, e sua solução era que a alma fosse libertada dos obstáculos da matéria por meio de raciocínio sistemático. Essa visão da questão levou naturalmente a uma análise dos métodos de pensamento e à construção de um tipo de raciocínio que se assemelha ao do silogismo. O nyaya, ou silogismo indiano, como às vezes é chamado, consiste em cinco proposições. Se, por exemplo, se deseja provar que a colina está em chamas, começa-se com a afirmação: “A colina está em chamas”. Em seguida, a razão é dada: “O fogo faz fumaça”. Então vem um exemplo: “Assim como o fogo da cozinha”; que é seguido pela aplicação “Assim também a colina faz fumaça”. Finalmente chega a conclusão: “Portanto, está em chamas”. Entre isso e o claro silogismo aristotélico, com suas principais e pequenas premissas e conclusões, existe toda a diferença existente entre o modo de pensar oriental e o grego. Não é necessário dizer que não há evidência histórica de que Aristóteles tenha sido de alguma forma influenciado em sua lógica por Gotama, o reputado autor do nyaya.

B. Lógica pré-aristotélica na Grécia

Os primeiros filósofos da Grécia dedicaram atenção exclusivamente ao problema da origem do universo. Os eleatas, especialmente Zenão de Eléia, os sofistas e os megarianos desenvolveram a arte da argumentação com um alto grau de perfeição. Zeno foi especialmente notável a este respeito, e às vezes é denominado o Fundador da Dialética. Nenhum destes, no entanto, formulou leis ou regras de raciocínio. O mesmo é verdadeiro para Sócrates e Platão, embora o primeiro tenha enfatizado muito a definição e a indução, e o último exaltou a dialética, ou discussão, em um importante instrumento do conhecimento filosófico.

C. Aristóteles, o fundador da Lógica

Nos seis tratados que dedicou ao assunto, Aristóteles examinou e analisou os processos de pensamento com o propósito de formular as leis do pensamento. Estes tratados são

“As Categorias”,

“Interpretação”,

Análise a Priori”,

“Análise a Posteriori”,

“Tópicos” e

“Sofismas”. 

A estes foi posteriormente dado o título de “Órganon”, ou “Instrumento de Conhecimento”; esta designação, no entanto, não entrou em uso comum até o século XV.

Os primeiros quatro tratados contêm, com excursões ocasionais ao domínio da gramática e da metafísica, a ciência da lógica formal essencialmente a mesma que é ensinada nos dias atuais. Os “Tópicos” e os “Sofismas” contêm as aplicações da lógica à argumentação e a refutação de falácias. Em conformidade com o princípio fundamental de sua teoria do conhecimento, a saber, que todo o nosso conhecimento vem da experiência, Aristóteles reconhece a importância do raciocínio indutivo, isto é, raciocinando de instâncias particulares para princípios gerais. Se ele e seus seguidores não desenvolveram mais plenamente essa parte da lógica, não foi porque não reconheceram sua importância em princípio. Sua reivindicação ao título de Fundador da Lógica nunca foi seriamente contestada; o máximo que seus oponentes na era moderna poderiam fazer era estabelecer sistemas rivais em que a indução substituísse o raciocínio silogístico. Um dos dispositivos dos opositores do escolasticismo é identificar os escolásticos e Aristóteles com a defesa de uma lógica exclusivamente dedutiva.

D. A lógica pós-aristotélica entre os gregos

Dentre os discípulos mais recentes de Aristóteles, Teofrasto e Eudemo dedicaram atenção especial à lógica. Às vezes é atribuída a invenção do silogismo hipotético, embora a mesma afirmação seja às vezes feita para os estoicos. O último, a quem, provavelmente, devemos o nome de lógica, reconheceu essa ciência como uma das partes constitutivas da filosofia. Incluíram nela dialética e retórica, ou a ciência da argumentação e a ciência da persuasão. Eles se ocuparam também com a questão do critério da verdade, que ainda é um problema importante na lógica principal, ou, como é chamado agora, epistemologia. Sem dúvida, eles melhoraram a lógica de Aristóteles em muitos pontos de detalhe; mas em que medida, e em que aspecto, é uma questão de conjectura, devido à perda dos volumosos tratados estoicos sobre a lógica. Seus rivais, os epicuristas, professavam um desprezo pela lógica – ou “canônica”, como eles a denominavam. Eles sustentam que é um complemento da física, e que o conhecimento dos fenômenos físicos adquiridos através dos sentidos é o único conhecimento que tem valor na busca da felicidade. Depois dos estoicos e dos epicureus vieram os comentaristas. Estes podem, por conveniência, ser divididos em gregos e latinos. Os gregos de Alexandre de Afrodisias, no segundo, a São João de Damasco no oitavo século de nossa era, floresceram em Atenas, em Alexandria e na Ásia Menor. Com Fócio, no século IX, a cena é transferida para Constantinopla. Ao primeiro período pertencem Alexandre de Afrodisias, conhecido como “o Comentador” Temístio, Davi o Armênio, Filopono, Simplício e Porfírio, autor do Isagoge (Eisagoge), ou “Introdução” à lógica de Aristóteles. Nesta obra, o autor, por meio de sua enumeração explícita dos cinco predicáveis ​​e de seu comentário, lançou um desafio aos lógicos medievais, que eles adotaram na famosa controvérsia sobre universais. Para o segundo período pertencem Fócio, Miguel Pselo o mais jovem (século XI), Nicéforo Blemides, Jorge Paquimeres e Leo Magentinus (século XIII). Todos estes fizeram pouco mais que resumir, explicar e defender o texto das obras aristotélicas sobre lógica. Uma exceção deveria, talvez, ser feita em favor do médico Galeno (século II), que teria introduzido a quarta figura silogística e que escreveu uma obra especial, “Sobre Falácias da Dicção”.

E. Comentadores Latinos

Entre os comentadores latinos de Aristóteles encontramos em quase todos os casos mais originalidade e mais inclinação para acrescentar à ciência da lógica do que no caso dos gregos. Após a tomada de Atenas por Sila (84 aC), as obras de Aristóteles foram levadas para Roma, onde foram organizadas e editadas por Andrônico de Rodes. O primeiro tratado lógico em latim é o resumo de Cícero dos “Tópicos”. Então veio um longo período de inatividade. Por volta de DO.160, Apuleio escreveu um breve relato da “Interpretação”. Em meados do século IV, Mário Vitorino traduziu “Isagoge” de Porfírio. À época de Santo Agostinho pertencem os tratados “Categoriae Decem” e “Principia Dialectica“. Ambos foram atribuídos a Santo Agostinho, embora o primeiro seja certamente falso e o segundo de autenticidade duvidosa. Eles foram muitas vezes transcritos no início da Idade Média, e os tratados lógicos dos séculos IX e X fazem uso muito livre de seus conteúdos. O mais popular, no entanto, de todas as obras latinas sobre lógica foi a curiosa mistura de prosa e verso “De Nuptiis Mercurii et Philologiae“, de Marciano Capella (cerca de 475 d.C.). Nela, a dialética é tratada como uma das sete artes liberais (ver AS SETE ARTES LIBERAIS), e essa parte do trabalho era o texto em todas as escolas de lógica do início da Idade Média. Outro escritor de lógica que exerceu uma influência generalizada durante o primeiro período do escolasticismo foi Boécio (470 524),que escreveu dois comentários sobre o “Isagoge” de Porfírio, dois sobre “Interpretação” de Aristóteles e um sobre as “categorias”. Além disso, ele escreveu os tratados originais, “Sobre os silogismos categóricos”, “Sobre a divisão” e “Sobre as diferenças tópicas”, e traduziu várias partes das obras lógicas de Aristóteles. De fato, foi principalmente através de suas traduções que os primeiros escritores escolásticos, que via de regra eram inteiramente ignorantes do grego, tiveram acesso aos escritos de Aristóteles. Cassiodoro, contemporâneo de Boécio, escreveu um tratado, “Sobre as Sete Artes Liberais”, no qual, na parte dedicada à dialética, ele fez um resumo e uma análise dos escritos aristotélicos e porfirianos sobre a lógica. Isidoro de Sevilha (falecido em 636), Venerável Beda (673-735) e Alcuíno (736-804), os precursores dos escolásticos, contentaram-se em resumir em suas obras lógicas os escritos de Boécio e Cassiodoro.

F. Os Escolásticos

Os primeiros mestres das escolas na era de Carlos Magno e no século seguinte não se familiarizaram com as obras de Aristóteles. Eles usaram as obras e traduções de Boécio, os tratados pseudo-agostinianos mencionados acima, e o trabalho de Marciano Capella. Pouco a pouco, o seu interesse centrou-se nos problemas metafísicos e psicológicos sugeridos naqueles tratados, especialmente no problema dos universais e no conflito entre o realismo e o nominalismo. Como conseqüência desta mudança do centro de interesse, muito pouco foi feito para aperfeiçoar a técnica da lógica, e há uma escassez muito perceptível do trabalho original durante os séculos IX e X. João Escoto Erígena, Eric e Remi, de Auxerre, e os professores de St. Gall, na Suíça, limitaram suas atividades a comentar e a comentar os textos tradicionais, especialmente Pseudo-Agostinho e Marciano Capella. No caso dos professores de St. Gall, temos, no entanto, a título excepcional, um trabalho sobre a lógica, que contém traços evidentes da influência de Erígena e uma coleção de versos mnemônicos contendo os dezenove silogismos válidos.

Roscelin (por volta de 1050-1100), por sua franca profissão de nominalismo, concentrou a atenção de seus contemporâneos e sucessores imediatos no problema dos universais. Na discussão desse problema, a arte da disputa dialética foi desenvolvida, e o gosto pela argumentação foi fomentado, mas nenhum dos dialéticos do século XII, com exceção de Abelardo, contribuiu para o avanço da ciência da lógica. Este Abelardo fez de várias maneiras. Em seu trabalho ao qual Cousin deu o título “Dialectica“, e em seus comentários, ele se esforçou para ampliar o escopo e aumentar a utilidade da lógica como uma ciência. Não só é a ciência da disputa, mas também a ciência da descoberta, por meio da qual os argumentos fornecidos por um estudo da natureza são examinados. A principal aplicação da lógica, no entanto, está na discussão da verdade religiosa. Aqui Abelardo, citando a autoridade de Santo Agostinho, sustenta que os métodos da dialética são aplicáveis ​​à discussão de toda verdade, revelada tanto quanto racional; eles são aplicáveis ​​até aos mistérios da fé. Em princípio, ele estava certo, embora na prática ele fosse mais longe do que o exemplo de Santo Agostinho o autorizaria a ir. Sua condenação subseqüente tinha por base, não o uso da dialética na teologia, mas o uso excessivo da dialética ao ponto do racionalismo. Abelardo, deve-se notar, conhecia apenas os tratados de Aristóteles que haviam sido traduzidos por Boécio e que constituíam a logica vetus. Seu contemporâneo, Gilbert de la Porrée, acrescentou à velha lógica uma obra intitulada “Liber Sex Principiorum“, um tratado sobre as seis últimas categorias aristotélicas. Em meados do século XII, o restante do “Organon” aristotélico tornou-se conhecido, de modo que a lógica das escolas, a partir daí conhecida como lógica nova, agora continha:

“Categorias” e “Interpretação” de Aristóteles e “Isagoge” de Porfírio (conteúdo da logica vetus);

“Analítica”, “Tópicos” e “Sofismas” de Aristóteles;

G. “Liber Sex Principiorum” de Gilbert.

Esse era o texto nas escolas quando São Tomás começou a ensinar, e continuou a ser usado até ser substituído pela lógica moderna, que incorporava as contribuições de Pedro Hispano. O primeiro escritor de importância que revela uma familiaridade com o “Organon” aristotélico em sua totalidade é John de Salisbury (falecido em 1182), um discípulo de Abelardo, que explica e defende o uso legítimo da dialética em sua obra “Metalogicus“.

O triunfo definitivo da lógica aristotélica nas escolas do século XIII foi influenciado pela introdução na Europa cristã das obras completas de Aristóteles em grego. A ocasião foi a tomada de Constantinopla pelos cruzados em 1204. As Cruzadas tiveram também o efeito de trazer a Europa cristã a um contato mais próximo com os estudiosos árabes que, desde o século IX, cultivaram a lógica aristotélica, assim como a interpretação neo-platônica da Metafísica de Aristóteles. Foram os árabes que distinguiram logica docens e logica utens. A primeira é a lógica como ciência teórica; a segunda é a lógica como arte aplicada, lógica prática. A eles também é atribuída a distinção entre as primeiras intenções e as segundas intenções. Os árabes, no entanto, não exerceram uma influência determinante no desenvolvimento da lógica escolástica; eles contribuíram para esse desenvolvimento apenas de maneira externa, ajudando a tornar a literatura aristotélica acessível aos pensadores cristãos. São Tomás de Aquino e seu professor, o beato Alberto Magno sinalizaram o serviço à lógica escolástica, não tanto acrescentando às suas regras técnicas como definindo seu alcance e determinando os limites de suas legítimas aplicações à teologia. Ambos compuseram comentários sobre as obras lógicas de Aristóteles e, além disso, escreveram tratados lógicos independentes. O trabalho, no entanto, que leva o nome “Summa Totius Logicae“, e é encontrado entre os “Opuscula” de S. Tomás, é agora julgado como sendo da pena de um discípulo dele, Herve de Nedellac (Hervaeus Natalis). João Duns Scot também foi um comentarista da lógica de Aristóteles. Seus mais importantes tratados originais sobre lógica são “De Universalibus“, em que ele percorre o terreno coberto por Porfírio no “Isagoge” e “Grammatica Speculativa“. Esta última é uma contribuição interessante para a lógica crítica.

A técnica da lógica recebeu atenção especial de Pedro Hispano (Papa João XXI, falecido em 1277), autor da “Summulae Logicales“. Esta é a primeira obra medieval a cobrir todo o fundamento da lógica aristotélica de uma maneira original. Todos os seus antecessores eram apenas resumos ou resumos das obras de Aristóteles. Nela ocorrem as linhas mnemônicas, “Barbara, Celarent”, etc., e quase todos os dispositivos de um tipo semelhante que são agora usados ​​no estudo da lógica. Eles são os primeiros do tipo na história da lógica, as linhas no manuscrito do século IX mencionadas acima são versos para ajudar a memória, sem o uso de sinais arbitrários, como a designação de tipos de proposições por meio de vogais. E o crédito de tê-los apresentado agora é quase unanimemente dado ao próprio Pedro. A teoria de que ele os emprestou de uma obra grega de Pselo (veja acima) é desacreditada por um exame dos manuscritos, o que mostra que os versos gregos são de data posterior aos dos “Summulae“. De fato, foi o escritor bizantino que copiou o professor parisiense, e não, como sustentou Prantl, o latim que tomou emprestado do grego. Guillherme de Occam (1280-1349) melhorou o arranjo e método das “Summulae” em sua “Summa Totius Logicae“. Ele também fez contribuições importantes para a doutrina da suposição de termos. Ele não concordou, no entanto, com São Tomé e Santo Alberto Magno, em sua definição do escopo e da aplicação da lógica. Sua própria concepção do propósito da lógica era suficientemente séria e digna. Foram seus seguidores, os occamistas dos séculos XIV e XV, que, pelo abuso de métodos dialéticos, desacreditaram a lógica escolástica. Um dos mais originais de todos os lógicos escolásticos foi Raimundo Lúlio (1234-1315). Em sua “Dialectica” ele expõe clara e concisamente a lógica de Aristóteles, juntamente com as adições feitas a essa ciência por Pedro Hispano. Em sua “Ars Magna“, no entanto, ele descarta todas as regras e prescrições da ciência formal, e compromete-se, por meio de sua “máquina lógica”, a demonstrar de maneira perfeitamente mecânica toda a verdade, tanto sobrenatural quanto natural.

A lógica escolástica, como pode ser vista neste esboço, não modificou a lógica de Aristóteles de nenhuma maneira essencial. No entanto, a lógica das escolas é uma melhoria da lógica aristotélica. Os escolásticos deixaram claro muitos pontos obscuros nas obras de Aristóteles: por exemplo, eles determinaram com mais precisão do que ele a natureza da lógica e seu lugar no plano das ciências. Isso foi provocado naturalmente pelas exigências da controvérsia teológica. Além disso, os escolásticos fizeram muito para fixar os significados técnicos dos termos nas línguas modernas, e, embora o espírito científico das épocas que se seguiram rejeitassem os métodos dos lógicos escolásticos, seu próprio trabalho foi muito facilitado pelos esforços dos escolásticos. distinguir os significados das palavras e traçar a relação entre linguagem e pensamento. Finalmente, para os escolásticos, a lógica deve os vários artifícios auxiliares da memória, cuja ajuda é muito facilitada pela tarefa de ensinar ou aprender os detalhes técnicos da ciência.

H. Lógica Moderna

O século XV testemunhou as primeiras tentativas sérias de revolta contra a lógica aristotélica das Escolas. Humanistas como Ludovicus Vico e Lorenzo Valla tornaram os métodos dos lógicos escolásticos o objeto de seu impiedoso ataque ao medievalismo. De maior importância na história da lógica é a tentativa de Ramus (Pierre de La Ramée, 1515-1572) de suplantar a lógica tradicional por um novo método que ele expôs em suas obras “Aristotelicae Animadversiones” e “Scholae Dialecticae“. Ramus foi imitado na Irlanda por George Downame (ou Downham), bispo de Derry, no século XVII, e no mesmo século ele teve um ilustre adepto na Inglaterra na pessoa de John Milton, que, em 1672, publicou “Artis Logicae Plenior Institutio ad Petri Rami Methodum Concinnata“. As inovações de Ramus, no entanto, estavam longe de receber aprovação universal, mesmo entre os protestantes. A “Erotemata Dialectica” de Melanchthon, que era substancialmente aristotélica, foi amplamente usada nas escolas protestantes e exerceu uma influência mais ampla do que a “Animadversiones” de Ramus. Francis Bacon (1561-1626) inaugurou um ataque ainda mais formidável. Lucrando com as dicas expostas por seu compatriota e homônimo, Roger Bacon (1214-1294), ele atacou o método aristotélico, argumentando que era totalmente estéril de resultados em ciência, que era, na verdade, essencialmente não científico, e não precisava muito a ser reformado para ser totalmente suplantado por um novo método. Isso ele tentou fazer em seu “Novum Organum“, que foi introduzir uma nova lógica, uma lógica indutiva, para tomar o lugar da lógica dedutiva de Aristóteles e dos escolásticos. Agora é reconhecido até pelos partidários de Bacon que ele errou em dois aspectos.

Ele errou ao descrever a lógica de Aristóteles como exclusivamente dedutiva, e errou ao reivindicar para o método indutivo a capacidade de direcionar a mente na descoberta científica e na invenção prática. Bacon não conseguiu derrubar a autoridade de Aristóteles. Nem Descartes (1596-1649), que desejava fazer a lógica servir aos propósitos do matemático como Bacon, era fazê-lo servir à causa da descoberta científica. O Port Royal Logic (“L’Art de penser“, 1662), escrito pelos discípulos de Descartes, é essencialmente aristotélico. Assim, embora em um grau menor sejam os tratados lógicos de Hobbes (1588-1679) e Gassendi (1592-1655), ambos sofreram a influência das idéias de Bacon. Nos séculos XVII e XVIII, o padre Buffier, Le Clerc (Clericus), Wolff e Lambert procuraram modificar a lógica aristotélica na direção do empirismo, do sensismo ou do inatismo leibniziano. Nos tratados que eles escreveram sobre lógica, não há nada que se possa considerar de importância primordial.

Kant e os outros transcendentalistas alemães do século XIX adotaram uma visão mais equitativa dos serviços de Aristóteles à ciência da lógica. Via de regra, reconheciam o valor do que ele havia realizado e, em vez de tentar desfazer seu trabalho, tentaram complementá-lo. É uma questão, no entanto, se eles não causaram tanto dano à lógica de uma maneira como Bacon e Descartes fizeram em outra. Retirando o domínio da lógica do que é empírico e confinando a ciência a um exame das “leis necessárias do pensamento”, os transcendentalistas deram oportunidade a Mill e outros associacionistas para acusarem a lógica de serem irreais e sem contato com as necessidades. de uma era que era, acima de tudo, uma era da ciência empírica. A maior parte da literatura alemã recente sobre lógica é caracterizada pela quantidade de atenção que presta tanto a investigações históricas quanto a indagações sobre o valor do conhecimento ou à investigação dos fundamentos filosóficos das leis da lógica. Acrescentou muito pouco à parte técnica da ciência.A maior parte da literatura alemã recente sobre lógica é caracterizada pela quantidade de atenção que presta tanto a investigações históricas quanto a indagações sobre o valor do conhecimento ou à investigação dos fundamentos filosóficos das leis da lógica. Acrescentou muito pouco à parte técnica da ciência. Na Inglaterra, o evento mais importante da história da lógica no século XIX foi a publicação, em 1843, do “System of Logic“, de John Stuart Mill. Mill renovou todas as reivindicações apresentadas por Bacon e com algum grau de sucesso. Pelo menos, ele provocou uma mudança no método de ensinar a lógica nas grandes sedes inglesas da aprendizagem. Levando o empirismo de Locke à sua conclusão final, e adotando a teoria da associação da mente humana, ele rejeitou toda a verdade necessária, descartou o silogismo não apenas como inútil, mas falacioso, e sustentou que todo raciocínio é de particulares a particulares. Ele não fez muitos convertidos a essas visões, mas conseguiu dar à lógica indutiva um lugar em todos os livros sobre lógica publicados desde sua época. Não tão bem-sucedida foi a tentativa de Sir William Hamilton de estabelecer uma nova lógica (a “nova analítica”), com base no princípio de que o predicado, bem como o tema de uma proposição, deveria ser quantificado. Tampouco era realmente original: a idéia fora apresentada no século XVII pelo filósofo católico Caramuel (1606-82). A literatura lógica recente em inglês tem se esforçado acima de tudo para obter clareza, inteligibilidade e utilidade prática em sua exposição das leis do pensamento. Sempre que se dedica à especulação sobre a natureza dos processos mentais, é claro que é colorido pelas várias filosofias da época.

De fato, a história da lógica é interessante e lucrativa, principalmente porque mostra como as teorias filosóficas influenciam o método e a doutrina do lógico. O empirismo e o sensismo da escola inglesa, descendendo de Hobbes a Locke, Hume e os associacionistas, não poderiam levar à lógica outra conclusão senão aquela que leva à rejeição de Mill do silogismo e de toda a verdade necessária. Por outro lado, a exaltação da dedução de Descartes e a adoção do método matemático de Leibniz têm sua origem naquela doutrina do inatismo que é o oposto do empirismo. Mais uma vez, a dominação do industrialismo e a insistência de reconhecimento por parte do economista social tiveram, em nossos dias, o efeito de empurrar a lógica cada vez mais para a posição de provedor de regras para a descoberta científica e a invenção prática. O materialismo da segunda metade do século XIX exigia que a lógica provasse sua utilidade de maneira prática. Daí a proeminência dada à indução. Mas, de todas as crises pelas quais a lógica passou, a mais interessante é aquela que é conhecida como a “Tempestade e Estresse do Escolasticismo”, na qual o misticismo, por um lado, rejeitou a dialética como “a arte do diabo” e sustentou que ” Deus não escolheu a lógica como um meio de salvar seu povo “, enquanto o racionalismo do outro lado não estabeleceu limites para o uso da lógica, indo tão longe a ponto de colocá-lo em um plano com fé divina.Desse conflito emergiu a escolástica do século XIII, que deu o devido crédito à contenda mística, na medida em que essa contenção era sólida e, ao mesmo tempo, reconheceu livremente as reivindicações do racionalismo dentro dos limites da ortodoxia e da razão. São Tomás e seus contemporâneos consideravam a lógica como um instrumento para a descoberta e exposição da verdade natural. Eles consideraram, além disso, que é o instrumento pelo qual o teólogo é capaz de expor, sistematizar e defender a verdade revelada. Essa visão do uso teológico da lógica é a base para a acusação de intelectualismo que os filósofos modernistas imbuídos de kantismo fizeram contra os escolásticos. O modernismo afirma que o nexo lógico é “o elo mais fraco” entre a mente e a verdade espiritual. Para que a disputa travada no século XII seja renovada em termos ligeiramente diferentes em nossos dias, a aplicação da lógica à teologia é agora, como então, o principal ponto em disputa.

Em todo sistema de lógica existe uma teoria filosófica subjacente, embora isso nem sempre seja formulado em termos explícitos. É impossível explicar e demonstrar as leis do pensamento sem recorrer a alguma teoria da natureza da mente. Por essa razão, os filósofos e educadores católicos, bem como aqueles que por sua posição na Igreja são responsáveis ​​pela pureza da doutrina nas instituições católicas, reconheceram que há na lógica o ponto de vista católico e não-católico. Nossa objeção a uma boa parte da literatura lógica recente não se baseia em uma estimativa desfavorável de sua qualidade científica: o que objetamos é o sensismo, subjetivismo, agnosticismo ou outra doutrina filosófica, que fundamenta as teorias lógicas do autor. Os trabalhos sobre lógica escritos pelos católicos geralmente aderem muito de perto à tradicional lógica aristotélica das escolas. No entanto, essa não é a razão pela qual eles são aprovados. Eles são aprovados porque estão livres de falsas suposições filosóficas. Em muitas obras não-católicas sobre lógica, a filosofia subjacente não é apenas errônea, mas subversiva de todo o corpo da verdade espiritual natural que a Igreja Católica guarda com tanto cuidado quanto ela faz com o depósito da fé.


Fonte: Turner, William. “Logic.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 9. New York: Robert Appleton Company, 1910. 13 Apr. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/09324a.htm>.

Traduzido por Isabel Serra

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.