Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Dedução

Peter Coffey, Enciclopédia Católica



I. Introdução

(Do latim de ducere, conduzir, sacar, derivar de; especialmente, a função de derivar a verdade a partir da verdade). O tópico será tratado em duas seções:

  • • Como argumento ou processo de raciocínio: trata-se de um tipo de inferência mediada pela qual, a partir de verdades já conhecidas, avançamos para o conhecimento de outras verdades  necessariamente implicadas na primeira; o produto mental ou resultado desse processo. 

  • • Como método: o método dedutivo, pelo qual aumentamos nosso conhecimento através de uma série de inferências desse tipo.  

II. Como um argumento ou processo de raciocínio   

A expressão típica da inferência dedutiva é o silogismo. A característica essencial da dedução é o caráter necessário da conexão entre o antecedente ou premissas e o consequente ou conclusão. Concedendo a verdade dos juízos antecedentes, o consequente deve seguir; e a firmeza de nosso assentimento em relação ao segundo argumento é condicionado por nosso consentimento ao primeiro. O antecedente contém o fundamento ou razão que é o motivo de nossa concordância com o consequentemente; o último, portanto, não pode ter maior firmeza ou certeza que o primeiro. Essa relação de sequência necessária constitui o aspecto formal da dedução. Isso pode ser percebido mais claramente quando o argumento é expresso simbolicamente, seja na forma hipotética:  

  • 1. “Se qualquer coisa (S) for M, é P; 
  • 2. mas esse S é M; 
  • 3. portanto, este S é P “, 

ou na forma categórica, 

  • 1. “Qualquer que seja (S) é M é P; 
  • 2. mas esse S é M; 
  • 3. portanto, este S é P “.  

O aspecto material do argumento dedutivo é a verdade ou falsidade dos juízos que o constituem. Se estas são certas e evidentes, a dedução é chamada de demonstração, a apodeixis aristotélica. Uma vez que a conclusão está necessariamente implícita nas premissas, estas devem conter algum princípio geral abstrato, do qual a conclusão é uma aplicação especial; caso contrário, a conclusão não poderia ser necessariamente derivada deles; e todas as inferências mediatas devem ser dedutivas, pelo menos nesse sentido, que envolvem o reconhecimento de alguma verdade universal e não procedem diretamente do particular para o particular sem a intervenção do universal.  

III. Como um método   

Quando, partindo de princípios gerais, avançamos por uma série de passos dedutivos para a descoberta e prova de novas verdades, empregamos o método dedutivo ou sintético. Mas como nos tornamos certos desses princípios que formam nossos pontos de partida?   

  • • Podemos aceitá-los com autoridade, como, por exemplo, os cristãos aceitam o depósito da revelação cristã sobre a autoridade Divina e procedem a extrair suas implicações pelo raciocínio dedutivo que formou e moldou a ciência da teologia

  • • Ou podemos apreendê-los pela intuição intelectual como verdades abstratas auto-evidentes sobre a natureza do pensamento, do ser, da matéria, da quantidade, do número, etc., e daí prosseguir para construir as ciências dedutivas da lógica, da metafísica, da matemática. Durante a Idade Média, o pensamento esclarecido foi fixado quase exclusivamente nesses dois grupos de dados, tanto sagrados como profanos; e isso explica a plenitude do desenvolvimento escolar da dedução. 

  • • Mas além de ser e de quantidade, o universo apresenta mudança, evolução, recorrências regulares ou repetição de fatos particulares, desde a cuidadosa observação e análise das quais podemos ascender até a descoberta de uma terceira grande classe de verdades ou leis gerais.  


Essa ascensão do particular para o geral é chamada de indução, ou o método indutivo ou analítico. Comparativamente pouca atenção foi dada a este método durante a Idade Média. Aparelhos para a observação precisa e medição exata de fenômenos naturais eram necessários para dar o primeiro ímpeto real ao cultivo das ciências físicas, naturais ou indutivas.

Nesses departamentos de pesquisa, a mente aborda a realidade do lado do concreto e do particular e ascende ao abstrato e ao geral, ao passo que, na dedução, desce do geral para o particular. Mas embora a mente se mova em direções opostas em ambos os métodos, o raciocínio ou inferência propriamente dita, empregado na indução, não é em nenhum sentido diferente do raciocínio dedutivo, pois também implica e é baseado em verdades abstratas e necessárias.


Fonte: Coffey, Peter. “Deduction.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 4. New York: Robert Appleton Company, 1908. 16 Aug. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/04674a.htm>.

Traduzido por Isabel Serra.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.