Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Tomás de Aquino

Daniel Kennedy, Enciclopédia Católica

Filósofo, teólogo, doutor da Igreja (Doutor Angélico), patrono das universidades e escolas católicas. Nascido em Rocca Secca, no Reino de Nápoles em 1225 ou 1227; falecido em Fossa Nuova, 7 de março de 1274. 

Os principais acontecimentos de sua vida são conhecidos, mas os biógrafos diferem em alguns detalhes e datas. Henry Denfile morreu antes de poder cumprir seu projeto para escrever uma biografia crítica do santo. O amigo e aluno de Denfile, Dominic Prümmer, OP, professor de teologia na Universidade de Freiburg, Suíça, foi responsável pelo trabalho e publicou o “Fontes Vitae S. Thomae Aquinatis, Notis Historicis et Critica illustrati”; e o primeiro fascículo (Toulouse, 1911) já apareceu, dando a vida de São Tomás por Pedro Calo (1300), agora publicado pela primeira vez. Ptolomeu de Lucca … diz que quando o santo morreu, duvidava-se de sua idade exata (Prümmer, op. Cit 45). Normalmente, o final de 1225 é dado como o momento do seu nascimento. Padre Prümmer, baseado em Calo, acredita que 1227 é a data mais provável (op.cit., 28). Há um consenso geral de que sua morte ocorreu em 1274. 

Landolfo, seu pai, era conde de Aquino. Teodora, sua mãe, condessa de Teano. Sua família estava relacionada com os imperadores Henrique VI e Frederico II, e os reis de Aragão, Castela e França. Calo conta que um eremita sagrado predisse sua carreira, dizendo a Teodora antes de seu nascimento: “Ele entrará na Ordem dos Frades Pregadores, e seu conhecimento e santidade serão tão grandes que, em vida, ninguém será encontrado igual a ele”. (Prümmer, op.cit., 18). Aos cinco anos, de acordo com os costumes da época, ele foi enviado para receber sua primeira formação com os monges beneditinos do Monte Casino. Diligente em seus estudos, desde muito jovem, sua boa disposição para meditação e oração foi observada, e seu professor ficou surpreso ao ouvi-lo perguntar repetidamente: “O que é Deus?” 

Por volta de 1236, ele foi enviado para a Universidade de Nápoles. Calo diz que a transferência foi feita por iniciativa do Abade de Monte Casino, que escreveu ao pai de Tomás que um garoto de talento não deveria ser deixado à sombra (Prümmer, op.cit., 20). Em Nápoles, seus professores foram Pietro Martín e Petrus Hibernos. O cronista diz que logo ultrapassou Martín na gramática e foi transferido para Pedro de Irlanda, que o formou em Ciências Lógicas e Naturais. Os costumes da época dividiam Filosofia e Letras em dois cursos: o Trivium, que cobria Gramática, Lógica e Retórica; o Quadrivium, composto de Música, Matemática, Geometria e Astronomia … Tomás repetiu as aulas com maior profundidade e lucidez que seus professores. O coração do jovem permaneceu puro no meio da corrupção que o rodeava e decidiu abraçar a vida religiosa. 

Entre 1240 e 1243 recebeu o hábito da Ordem de São Domingos, atraído e dirigido por João de São Julião, um conhecido pregador do convento de Nápoles. A cidade ficou maravilhada ao ver um jovem nobre como ele tomar o hábito de um pobre frade. Sua mãe, com sentimentos de alegria e tristeza ao mesmo tempo, correu para Nápoles para ver seu filho. Os dominicanos, temendo que o levassem, enviaram-no a Roma, embora seu destino final fosse Paris ou Colônia. Teodora convenceu os irmãos de Tomás, que eram soldados do imperador Federico, que capturaram o noviço perto da cidade de Aquependente e o confinaram na fortaleza de San Juan de Rocca Secca. Lá ele ficou detido por quase dois anos, enquanto seus pais, irmãos e irmãs fizeram todo o possível para destruir sua vocação. Seus irmãos até mesmo armaram ciladas contra sua virtude, mas o noviço puro lançou a tentadora para fora do quarto com uma brasa que tirou do fogo. No final de sua vida, Santo Tomás confidenciou a seu fiel amigo e companheiro, Reinaldo de Piperno, o segredo de um favor especial que ele recebeu na época. Quando jogou a tentadora para fora do recinto, ele se ajoelhou e implorou ardentemente a Deus que lhe concedesse a integridade da mente e do corpo. Caindo num sono leve e, enquanto dormia, dois anjos lhe apareceram para assegurar-lhe que sua oração fora ouvida. Eles prenderam um cinto, dizendo: “Cingimos você com o cinturão da virgindade perpétua”. E daquele dia em diante ele nunca experimentou o menor movimento de concupiscência. 

O tempo em cativeiro não foi perdido. Sua mãe começou a ceder após os primeiros impulsos de raiva e tristeza; os dominicanos foram autorizados a fornecer-lhe novos hábitos e, com a ajuda de sua irmã, obteve alguns livros – as Sagradas Escrituras, a Metafísica de Aristóteles e as “Sentenças” de Pedro Lombardo. Depois de um ano e meio ou dois na prisão, ou porque sua mãe percebeu que a profecia do eremita seria cumprida ou porque seus irmãos temiam as ameaças de Inocêncio IV e Frederico II, foi libertado. Abaixaram-no em uma cesta para os braços dos dominicanos que se admiravam quando perceberam que durante o cativeiro “ele progredira tanto quanto se estivesse em um studium generale” (Calo op.cit., 24). 

Tomás imediatamente fez seus votos, e seus superiores o enviaram para Roma. Inocêncio IV examinou cuidadosamente as razões que o levaram a entrar na Ordem dos Pregadores, despediu-o com uma bênção e proibiu qualquer interferência em sua vocação. João Teutônico, quarto Mestre Geral da Ordem, levou o jovem estudante a Paris e, segundo a maioria dos biógrafos do santo, a Colônia, em 1244 ou 1245, sob o comando de Alberto Magno, o mais famoso professor da Ordem. Nas escolas, o caráter humilde e taciturno de Tomás era mal interpretado como indício de retardamento mental, mas quando Alberto ouviu sua brilhante defesa de uma tese difícil, ele exclamou: “Chamamos a este jovem um boi mudo, mas seu mugido doutrinal um dia ressoará até os confins do mundo “. 

Em 1245, enviaram Alberto para Paris e Tomás o acompanhou como estudante. Em 1248 retornaram a Colônia. Alberto havia sido nomeado regente do novo studium generale, erguido naquele ano pelo Capítulo Geral da Ordem e Tomás deveria ensinar sob sua autoridade como Bacharel. (Sobre o sistema de titulação no século XIII, ver ORDEM DE PREGADORES — II, A, 1, d). Durante sua estada em Colônia, provavelmente em 1250, foi ordenado sacerdote por Conrado de Hochstaden, arcebispo daquela cidade. Ao longo de sua vida, pregou a Palavra de Deus na Alemanha, França e Itália. Seus sermões eram caracterizados por sua força, piedade, ensino sólido e abundantes referências bíblicas. Em 1251 ou 1252, o Mestre Geral da Ordem, assessorado por Alberto Magno e Hugo de São Caro, nomeou Tomás como bachiller (subregente) do studium dominicano em Paris. Essa nomeação pode ser considerada como o início de sua vida pública, já que seu ensino rapidamente chamou a atenção de professores e alunos. Seus deveres consistiam principalmente em explicar as “Sentenças” de Pedro Lombardo, e seus comentários sobre esse texto teológico deram-lhe o material e, em grande medida, num esquema geral de sua obra-prima, a “Summa Theologica”. Com o tempo, recebeu ordens para se preparar para o doutorado em teologia pela Universidade de Paris, mas adiou a concessão do título por causa de uma disputa entre a universidade e os frades. O conflito, originalmente uma disputa entre a universidade e as autoridades civis, surgiu após um incidente com a guarda da cidade que resultou em um estudante morto e três outros feridos. A universidade, zelosa para com sua autonomia, exigiu uma satisfação que foi negada. Os doutores fecharam suas faculdades, juraram solenemente que não as abririam até que suas exigências fossem satisfeitas e decretassem que no futuro ninguém receberia o título de doutor, a menos que jurasse seguir a mesma linha de conduta em circunstâncias semelhantes. Os dominicanos e franciscanos, que continuaram a lecionar em suas escolas, recusaram-se a prestar o juramento exigido, e daí surgiu um amargo conflito que estava no auge quando São Tomás e São Boaventura estavam prontos para receber seus doutorados. Guilherme de Saint-Amour ampliou a disputa para além do tema original, atacou violentamente os frades, dos quais ele evidentemente ficou ciumento, e lhes negou o direito de ocupar cadeiras na universidade. Contra o seu livro “De periculis novissimorum temporum” (Os Perigos dos Últimos Tempos), São Tomás escreveu o tratado “Contra impugnantes religionem”, uma apologia das ordens religiosas (Touron op.cit., II cc. Vii sqq.). O livro de Guilherme de Saint-Amour foi condenado por Alejandro IV em Anagni, em 5 de outubro de 1256 e o ​​Papa ordenou que os frades mendicantes fossem admitidos ao doutorado. 

Neste momento, Santo Tomás também lutou contra um livro perigoso, “O Evangelho Eterno” (Touron op.cit., II, cxii). As autoridades da universidade não obedeceram imediatamente; a influência de São Luís IX e onze Breves Pontifícios foi necessária para alcançar a paz novamente. Santo Tomás recebeu seu doutorado em teologia. A data dada pela maioria de seus biógrafos é 23 de outubro de 1257. Seu tema era “A Majestade de Cristo”. Seu texto: “Ele banha os montes desde seus aposentos; com o fruto de suas obras será saciada a terra” (Salmo 103, 13), sugerido, acredita-se, por um visitante celestial, foi profético de sua vida futura. A tradição diz que São Boaventura e Santo Tomás receberam o doutorado no mesmo dia e que houve uma “luta” de humildade entre os dois amigos para ver quem seria o primeiro nomeado. 

Desde então, a vida de Tomás pode ser resumida em poucas palavras: orar, pregar, ensinar, escrever, viajar. As pessoas queriam mais ouvi-lo do que a Alberto, a quem Santo Tomás superava com precisão, clareza, concisão e força de expressão, senão na universalidade do conhecimento. Paris reivindicou-o como seu; os Papas desejavam tê-lo com eles; os studia da Ordem ansiavam por desfrutar dos benefícios de seu ensino; assim, nós o encontramos sucessivamente em Anagni, Roma, Bolonha, Orvieto, Viterbo, Perugia e Paris novamente e finalmente em Nápoles, sempre ensinando e escrevendo, vivendo na terra com uma paixão, um ardente zelo para expor e defender a verdade Cristã. Tão dedicado foi ele à sua missão sagrada que, com lágrimas, implorou para poder recusar a posse do Arcebispado de Nápoles, que lhe foi indicado por Clemente IV em 1265. Se ele tivesse aceitado esse compromisso, provavelmente nunca teria escrito a “Summa Theologica”.  

Curvando-se aos pedidos de seus irmãos, participou em várias ocasiões das deliberações dos Capítulos Gerais da Ordem. Um desses capítulos teve lugar em Londres em 1263. Em outro, realizado em Valenciennes (1259), ele colaborou com Alberto Magno e Pierre de Tarentaise ​​(que seria o Papa Inocêncio V) para formular um sistema de estudos que permanece substancialmente até hoje nos studia. generalia da Ordem Dominicana. (Douais, op.cit.) 

Não é surpreendente ler nas biografias de Santo Tomás que ele muitas vezes se abstraía e permanecia em êxtase. No final de sua vida, esses momentos de êxtase aconteceram com mais frequência. Uma vez em Nápoles, em 1273, depois de concluir seu tratado sobre a Eucaristia, três irmãos o viram levitar em êxtase e ouviram uma voz vinda do crucifixo do altar que dizia: “Tu escreveste bem de mim, Tomás, que recompensa tu desejas? “ Tomás respondeu: “Nada além de Vós, Senhor”. (Prümmer, op.cit., P.38). Diz-se que isso se repetiu em Orvieto e Paris. 

E em 6 de dezembro de 1273, ele deixou sua pena e não escreveu mais. Naquele dia, durante a missa, ele experimentou um êxtase de duração muito maior do que o habitual; sobre o que foi revelado a ele, só podemos conjecturar por sua resposta ao Padre Reinaldo, que o encorajou a continuar seus escritos: “Eu não posso fazer mais, foram-me revelados tais segredos que tudo o que escrevi até agora parece ser de pouco valor” (modica, Prümmer, op.cit., p 43). A Summa Theologica só foi completada até a questão 90 da terceira parte (De partibus poenitentiae). 

Tomás começou sua preparação imediata para a morte. Gregório X, tendo convocado um conselho geral a ser realizado em Lyon em 1 de maio de 1274, convidou Santo Tomás e São Boaventura para participar das deliberações, ordenou que o primeiro que trouxesse ao conselho seu tratado “Contra errores Graecorum” (Contra os erros de os gregos). Ele tentou obedecer e partiu a pé em janeiro de 1274, mas sua força falhou; Ele caiu ao solo próximo a Terracina, de onde foi levado para o Castelo de Maienza, onde morava sua sobrinha, a condessa Francesca Ceccano. Os monges cistercienses de Fossa Nuova insistiram que ele aceitasse sua hospitalidade, e assim ele foi transferido para seu monastério, e ao entrar, sussurrou para seu companheiro: “Este é para sempre o lugar do meu repouso, eu vou viver aqui porque eu quero” (Salmo 131: 14) Quando o padre Reinaldo lhe pediu para ficar no castelo, o santo respondeu: “Se o Senhor quiser me levar com ele, seria melhor para mim estar entre os religiosos do que entre os leigos”. Os cistercienses deram-lhe tanta atenção e gentileza que impressionaram o senso de humildade de Thomas. ”De onde vem tal honra”, exclamou ele, “que os servos de Deus carreguem a lenha para o meu fogo!”. Por insistência dos monges, o santo ditou um breve comentário sobre o Cântico dos Cânticos. 

O fim estava se aproximando; A Extrema-unção foi administrada. Quando foi trazido o Sagrado Viático seu quarto, ele pronunciou o seguinte ato de fé: 

Se neste mundo houvesse algum conhecimento desse sacramento mais forte do que o da fé, agora eu gostaria de usá-lo para afirmar que acredito firmemente e sei com certeza que Jesus Cristo, Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem, Filho de Deus e Filho da Virgem Maria está neste sacramento… Eu Te recebo, o preço da minha redenção, por cujo amor eu observei, estudei e trabalhei. Eu tenho pregado a Ti, ensinado a Ti. Eu nunca disse nada contra TI: se eu disse algo errado, é apenas culpa da minha ignorância. Tampouco quero ser obstinado em minhas opiniões, por isso submeto todas elas ao julgamento e à emenda da Santa Igreja Romana, em cuja obediência deixo agora esta vida.

Ele morreu em 7 de março de 1274. Numerosos milagres testemunharam sua santidade. Foi canonizado por João XXII, em 18 de julho de 1323. Os monges da Fossa Nuova queriam a todo custo manter seus restos sagrados, mas Urbano V ordenou que o corpo fosse entregue aos seus irmãos dominicanos, sendo solenemente transferido para a igreja dominicana em Toulouse, em  28 de janeiro de 1369. A magnífica capela erguida em 1628 foi destruída durante a Revolução Francesa e seu corpo mudou-se para a igreja de San Sernin, onde repousa até hoje em um sarcófago de ouro e prata, que foi solenemente abençoado pelo Cardeal Desprez em 24 de julho de 1878. O osso principal do seu braço esquerdo é preservado na catedral de Nápoles. O braço direito, doado à Universidade de Paris e originalmente conservado na Capela de Santo Tomás da Igreja Dominicana, atualmente é mantido na igreja dominicana de Santa Maria Sopra Minerva em Roma, para onde foi transferido durante a Revolução Francesa. 

Calo (Prümmer, op.cit., P.401) deu uma descrição da aparência do santo: ele diz que suas características correspondiam à grandeza de sua alma. Ele era alto e corpulento, ereto e bem proporcionado. Sua pele era “como a cor do trigo novo”: sua cabeça era grande e bem formada e um tanto careca. Todos os retratos o representam como nobre, meditativo, doce e ao mesmo tempo forte. São Pio V proclamou a Santo Tomás como Doutor da Igreja em 1567. Na Encíclica “Aeterni Patris” de 4 de agosto de 1879, sobre a restauração da filosofia cristã, Leão XIII declarou-o “príncipe e mestre de todos os doutores escolásticos”. O mesmo ilustre pontífice, através de um Breve Pontifício de 4 de agosto de 1880, nomeou-o patrono de todas as universidades, academias e escolas católicas em todo o mundo. 


Fonte:  Kennedy, Daniel. “St. Thomas Aquinas.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 14. New York: Robert Appleton Company, 1912. 6 Mar. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/14663b.htm>.

Tradução parcial do verbete por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/Santo_Tom%C3%A1s_de_Aquino>.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, em 7 de março, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que ilustrais a vossa Igreja com a admirável erudição de S. Tomás, vosso Confessor, e a fecundais pela santidade das suas obras, concedei-nos a graça, Vos pedimos, de penetrar com inteligência no que ele ensinou, e, imitando-o, fazer o que ele fez. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS

Deus, qui Ecclésiam tuam beáti Thomæ, Confessóris tui mira eruditióne claríficas, et sancta operatióne fœcúndas: da nobis, quæsmus; et quæ dócuit, intelléctu conspícere, et quæ egit, imitatióne complére. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.