Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Credo dos Apóstolos

Herbert Thurston, Enciclopédia Católica 



I. Introdução

O Credo dos Apóstolos é uma fórmula que contém em frases breves, ou “artigos”, os princípios fundamentais da fé cristã, e que tem como seus autores, de acordo com a Tradição, os doze apóstolos. 

II. Origem do Credo

Ao longo da Idade Média, cria-se que, no dia de Pentecostes, os apóstolos - inspirados diretamente pelo Espírito Santo – compuseram nosso Credo, tendo cada um deles contribuído com um dos doze itens. Essa lenda remonta ao século VI (ver Pseudo-Agostinho, em Migne , PL, XXXIX, 2189, e Pirminius, ibid, LXXXIX, 1034.) e foi prefigurada ainda mais cedo em um sermão atribuído a Santo Ambrósio (Migne, PL, XVII, 671; Kattenbusch, I, 81), que afirma que o Credo foi “compilado por doze trabalhadores independentes”. Rufino (Migne, PL, XXI, 337) faz um relato detalhado da composição do Credo, que ele professa ter recebido anteriormente (tradunt majores nostri). Embora ele não atribua explicitamente cada artigo à autoria de um apóstolo separado, afirma que foi o trabalho conjunto de todos, e implica que a deliberação ocorreu no dia de Pentecostes. Também declara que “por muitos motivos justos decidiu-se que a regra de fé devia ser chamada de ”símbolo”. A palavra grega significa tanto indício, ou seja, um sinal ou palavra-passe pelo qual os cristãos podem reconhecer uns aos outros, quanto colatio, isto é, uma oferta composta de contribuições separadas. 

Poucos anos antes, a carta que o Concílio de Milão ( Migne PL, XVI, 1213) destinou ao Papa Siricio fornece o exemplo conhecido da combinação mais antiga Symbolum Apostolorum com estas palavras notáveis: “se não dás crédito aos ensinamentos dos padres, deves dar, pelo menos, ao Símbolo dos Apóstolos, que a Igreja sempre preservou e manteve inviolado”. A palavra Symbolum a este respeito, por si só, encontramos pela primeira vez em meados do terceiro século na correspondência de São Cipriano e Firmiliano, este último em particular fala do Credocomo o “símbolo da Trindade” , e reconhece-o como parte integrante do rito do batismo (Migne, PL, III, 1165, 1143). Deve acrescentar-se, além disso, que Kattenbusch (II, p.80, nota) acredita que o mesmo uso de palavras pode ser rastreado até Tertuliano. Mesmo assim, nos primeiros dois séculos depois de Cristo, embora frequentemente encontremos menção ao Credo com outras denominações (por exemplo, regula fidei, doutrina, tradição), o nome símbolo não aparece. Portanto, Rufino estava errado quando declarou que os próprios apóstolos haviam escolhido o termo “por muitas razões justas”. Esse fato, juntamente com a improbabilidade intrínseca da história e o surpreendente silêncio do Novo Testamento e dos Padres Antenicenos, não nos deixa outra alternativa senão considerar a narrativa de Rufino como não-histórica. 

Entre os críticos recentes, alguns atribuíram ao Credo uma origem muito posterior à era apostólica. Harnack, por exemplo, afirma que na sua forma atual representa apenas a confissão batismal da igreja da Gália do sul. Estritamente interpretados, os termos desta declaração são precisos o suficiente; embora pareça provável que não estivesse na Gália, mas em Roma, que o Credo realmente assumiu sua forma final (Veja Burn no “Journal of Theol. Studies,” julho de 1902). Entretanto, a ênfase de Harnack no atraso de nosso texto aceito (T) é, para dizer o mínimo, um pouco enganadora. É verdade, como Harnack aceita, que outra forma mais antiga do Credo (R) surgiu, em Roma, antes de meados do século II. Além disso, como veremos, as diferenças entre R e T não são muito importantes e também é provável que R, se não em si mesmo escrito pelos Apóstolos, pelo menos se baseie em um esquema que remonta à era apostólica. Assim, tomando o documento como um todo, podemos dizer com confiança, nas palavras de uma autoridade protestante moderna, que “em e com o nosso Credo, confessamos o que desde os dias dos Apóstolos tem sido a fé da cristandade reunida” (Zahn, Credo dos Apóstolos, tr., p, 222). A questão da apostolicidade do Credo não deve ser terminada sem a devida atenção às seguintes cinco considerações: 

(1) Há, no Novo Testamento, vestígios muito sugestivos do reconhecimento de uma certa “forma de doutrina” ( typos didaches , Rom 6,17) que moldou, por assim dizer, a fé dos novos convertidos à lei de Cristo, e que envolveu não apenas a palavra da fé crida no coração, mas “a confissão da boca para alcançar a salvação” (Rom. 10,8 a 10). Intimamente relacionado a isso é a confissão de fé em Jesus Cristo exigida do eunuco ( Atos 8:37) como um passo antes do batismo.( Augustine , “De fide et operibus” capítulo IX; Migne , PL, LVII, 205) e a fórmula de batismo em nome das três pessoas da Trindade ( Mt. 28:19; e cf. o Didajé 7 : 2 e 9: 5). Além disso, assim que nós começamos a obter qualquer tipo de descrição detalhada da cerimônia do batismo, vemos que, antes da etapa de imersão real, requer-se do convertido uma profissão de fé, que exibe desde os primeiros tempos uma confissão separada e claramente dividida do Pai , do Filho e do Espírito Santo, que correspondem às pessoas divinas invocadas na fórmula do batismo. Como não encontramos em qualquer documento anterior a forma completa da profissão de fé, não podemos ter certeza de que ela é idêntica ao nosso Credo, mas, pelo contrário, é verdadeiro que não se encontrou nada incompatível com tal uma suposição. Ver, por exemplo as “Cânones de Hipólito” (c 220.) Ou “ DIDASCALIA ” (250 ° C). No “Bibliothek der Symbole” de Hahn (8, 14, 35); juntamente com algumas pequenas alusões em São Justino Mártir e Cipriano. 

(2) Todas as dificuldades resultantes quanto à existência da disciplina arcani nos primeiros tempos (Kattenbusch, II, 97 e seguintes.), Não pode haver qualquer dúvida que em Cirilo de Jerusalém, Hilário, Agostinho e muitas outras fontes do quarto e quinto séculos insistem fortemente na idéia de que, de acordo com uma tradição antiga, o Credo tinha que ser aprendido de cor, e nunca deveria ser escrito. Isto, sem dúvida, oferece uma explicação plausível para o fato de que o texto de qualquer credo não foi preservado de forma completa ou contínua. O que sabemos dessas fórmulas em seus primeiros estados é derivado do que podemos reconstruir a partir das citações, mais ou menos dispersas, encontradas em escritores como, por exemplo, Irineu e Tertuliano. 


(3) Embora nenhum tipo uniforme de Credo possa ser reconhecido com certeza entre os primeiros escritores orientais antes do Concílio de Nicéia, um argumento que muitos têm considerado e que refuta a existência de qualquer fórmula apostólica é um fato marcante de que as Igrejas Orientais no século IV possuíam um credo que reproduz com variações o tipo romano antigo. Este fato é plenamente admitido pelas autoridades protestantes como Harnack (em Realencyclopädie de Hauck, I, 747) e Katenbusch (I, 380 ss., II, 194ss, e 737ss.). É óbvio que esses dados se harmonizam muito bem com a teoria de que um credo primitiva tinha sido entregue à comunidade cristã de Roma, quer por São Pedro e São Paulo ou seus sucessores imediatos, e que ao longo do tempo teve de se espalhar por todo o mundo. 


(4) Deve também ser notado que pelo final do segundo século, podemos extrair dos escritos de Santo Irineu, na Gália do sul, e Tertuliano, na África, até dois credos quase completos que correspondem intimamente entre si e ao antigo Credo Roman (R) como sabemos por Rufino. Será útil traduzir de Burn (Intr aos credos, pp 50-51 ..) sua apresentação tabular das evidências no caso de Tertuliano (cf. MacDonald em “Ecclesiastical Review”, Fevereiro de 1903.): 

O VELHO CREDO ROMANO COMO CITADO POR TERTULIANO (c.200) 

De Virg. Vel. 1 Contra Praxeas 2 De Praecept., 13 e 26 
(1) Crer em um Deus Todo-Poderoso, criador do mundo, (1) Nós cremos em um só Deus (1) Eu creio em um Deus, criador do mundo 
(2) e seu Filho, Jesus Cristo, (2) e o filho de Deus, Jesus Cristo, (2) a Palavra, chamada seu filho, Jesus Cristo, 
(3) nascido da Virgem Maria, (3) nascido da Virgem, (3) pelo Espírito e pelo poder de Deus o Pai fez carne no ventre de Maria, e nasceu dela 
(4) crucificado no tempo de Pôncio Pilatos, (4) Ele sofreu, morreu e foi enterrado (4) fixado em uma cruz . 
(5) ao terceiro dia trazido à vida dos mortos, (5) voltou à vida, (5) Ele se levantou no terceiro dia, 
(6) recebido no céu, (6) levado de volta ao céu, (6) que foi arrebatado para o céu 
(7) Sentado agora à direita do Pai, (7) senta-se à direita do Pai, (7) fixado à mão direita do Pai, 
(8) virá para julgar os vivos e os mortos (8) virá para julgar os vivos e os mortos (8) Ele virá com glória para levar o bem à vida eterna e condenar os culpados ao fogo perpétuo, 

(9) que enviou o Espírito Santo do Pai. (9) enviou o poder vicário do seu Espírito Santo, 


(10) para governar os crentes (Nesta passagem, os artigos 9 e 10 vão antes de 8) 
(12) através da ressurreição da carne. 
(12) a restauração da carne. 

Esta tabela serve admiravelmente para mostrar quão incompleta é a evidência fornecida por meras citações do Credo, e quão cautelosamente deve ser tratada. Se tivéssemos apenas o “De Virginibus Velandis“, poderíamos dizer que o artigo sobre o Espírito Santo não fazia parte do Credo de Tertuliano. Se o “De Virginibus Velandis” tivesse sido destruído, teríamos declarado que Tertuliano não sabia nada da cláusula (ele sofreu sob Pôncio Pilatos etc.). 

(5) Não se deve esquecer que, antes do final do século IV, não há uma declaração explícita de que os apóstolos formaram a fórmula de fé, os primeiros Padres, como Tertuliano e Irineu insistem de maneira muito enfática. Tertuliano, em particular, no seu “De Praescriptione“, depois de mostrar que por esta regra (regula doctrinoe) ele entende algo praticamente idêntico ao nosso Credo, insiste em que a regra foi instituída por Cristo e entregue a nós ( tradita) como de Cristo pelos apóstolos ( Migne , PL, II, 26, 27, 33, 50). Para concluir esta evidência este escritor, sendo em geral de acordo com as autoridades, como Semeria e Batiffol não podemos estar certos Credo composição apostólica, considerados ao negar a possibilidade de tal origem é de ir além o que nossos dados atualmente garantem. Uma visão conservadora mais pronunciada é apresentada por MacDonald na “Revista Eclesiástica”, de janeiro a julho de 1903. 

III. O velho Credo Romano

O Catecismo do Concílio de Trento aparentemente assume a origem apostólica do nosso Credo atual, mas tal pronunciamento não tem força dogmática e deixa a opinião livre. Os apologistas modernos, defendendo a pretensão de apostolicidade, estendem-na apenas à antiga forma romana (R), e são um pouco embaraçados pela objeção de que se havia realmente afirmado que R foi inspirado na expressão dos apóstolos e não haveria sido modificado por várias igrejas locais (Rufino, por exemplo, atesta essa expansão no caso da igreja de Aquilea), e, em particular, nunca teria sido totalmente substituído por T, nossa forma atual. A diferença entre os dois ficará melhor lado a lado: 

R = forma romana antiga T = nosso Credo atual 
(1) Creio em Deus Pai Todo-Poderoso; (1) Creio em Deus Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra 
(2) E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor; (2) E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor; 
(3) que nasceu do Espírito Santo e daVirgem Maria ; (3) que foi concebido pela obra e graça do Espírito Santo, nasceu da Santa Virgem Maria, 
(4) crucificado no tempo de Pôncio Pilatos e sepultado; (4) padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morreu e foi sepultado; 
(5) No terceiro dia ressuscitou dos mortos, (5) desceu aos infernos; no terceiro dia ressuscitou dos mortos; 
(6) subiu aos céus, (6) Ele subiu ao céu, está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso; 
(7) está sentado à direita do Pai, (7) De lá virá para julgar os vivos e os mortos. 
(8) de onde virá para julgar os vivos e os mortos. (8) Creio no Espírito Santo, 
(9) E no Espírito Santo (9) na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos 
(10) na Santa Igreja, (10) no perdão dos pecados, 
(11) no perdão dos pecados; (11) na ressurreição da carne e 
(12) na ressurreição da carne. (12) na vida eterna. Amém. 

Omitindo pequenos pontos de diferença que, na verdade, para sua discussão adequada, faria necessário um estudo do texto latino, podemos ver que R não contém as cláusulas “Criador do céu e da terra”, “desceu ao inferno”, “comunhão dos santos”,”vida eterna”, ou as palavras “concebido”,”sofrido”,”morto” e “católico”. Muitas dessas adições provavelmente eram conhecidas por São Jerônimo na Palestina (c. 380. -Veja Morin na Revue beneditino, janeiro de 1904) e aproximadamente no mesmo tempo para os dálmatas, nicetas (Queime, Nicetas de Remesina 1905). Outros acréscimos aparecem nos credos da Gália meridional no começo do século seguinte, mas T provavelmente assumiu sua forma final em Roma em algum tempo antes de 700 dC (Burn, Introduction, 239; e Journal of Theol. Studies, julho de 1902). Não se sabe nada de concreto sobre as razões que levaram à adoção de T em detrimento de R. 

IV. Artigos do Credo

Embora T realmente contenha mais de doze artigos, sempre foi habitual manter a divisão em doze, como se originou e, mais rigorosamente, aplica-se a R. A alguns dos itens mais debatidos requerem um breve comentário. O primeiro artigo do R apresenta uma dificuldade. A partir da linguagem de Tertuliano, afirma-se que R originalmente omitiu a palavra Pai e acrescentou a palavra um; assim, “Creio em um Deus Todo-Poderoso”. Daí Zahn infere um original grego subjacente que sobrevive mesmo parcialmente no Credo niceno, e afirma que o primeiro artigo do Credo sofreu modificação para neutralizar os ensinamentos de heresia monarquiana. Aqui será suficiente dizer que, embora a língua original de R possa possivelmente ser grega, autoridades como Kattenbusch e Harnack não aceitam as premissas de Zahn em relação à formulação do primeiro artigo. 

Outra dificuldade textual é a inclusão da palavra “único” no segundo artigo; mas uma questão mais séria surge da recusa de Harnack em aceitar, seja no primeiro ou no segundo artigo de R, qualquer reconhecimento de uma relação pré-existente ou eterna de filiação e paternidade das Pessoas Divinas. A teologia trinitária de tempos posteriores, declara ele, tem lido no texto um significado que não era dono de seus autores. E diz, além disso, em relação ao nono artigo, que o escritor do credo não concebeu o Espírito Santo como uma Pessoa, mas como um poder e um dom. ”Não pode mostrar prova de que, em meados do século II, acreditava - se que o Espírito Santo é uma Pessoa. “É impossível fazer mais aqui do que dirigir o leitor àquelas respostas católicas como as de Baumer e Blume; e entre os anglicanos no volume muito conveniente de Swete. Para citar apenas um exemplo do ensino patrístico inicial, Santo Inácio de Antioquia, no final do primeiro século, repetidamente se referiu à filiação que está além dos limites do tempo: “Jesus Cristo … veio de um Pai”, “Ele estava com seu Pai antes que mundo era”(Carta a Magnus 6-7). Enquanto, em relação ao Espírito Santo, São Clemente de Roma, em uma data anterior, escreveu: “De acordo com Deus vive, e o Senhor Jesus Cristo vive, e o Espírito Santo, da mesma forma a fé e a esperança dos eleitos ” (capítulo LVIII). Esta e outras passagens similares mostram claramente a consciência de uma distinção entre Deus e o Espírito de Deus, análoga ao reconhecimento que existe entre Deus e o Logos. 

Um recurso semelhante deve ser feito aos primeiros escritores em relação ao terceiro artigo, que afirma o nascimento virginal. Harnack admite que as palavras “concebido … do Espírito Santo ” (T), realmente não acrescentam nada ao “nascido do Espírito Santo” (R). Consequentemente, ele admite que “no início do segundo século, a crença na concepção milagrosa havia se tornado uma parte estabelecida da tradição da Igreja”. Mas ele nega que a doutrina era parte da pregação do Evangelho mais antiga e, portanto, considera impossível que o artigo pode ter sido feita no primeiro século só pode responder aqui que o ônus da prova é sobre ele, e ensinando os Padres Apostólicos, como citado pelo Swete e outros , aponta para uma conclusão muito diferente. 

Rufino (c.400) afirma explicitamente que as palavras “desceu aos infernos” não estavam no Credo Romano, mas existiam no Aquileia. Eles também são encontrados em alguns credos gregos e no de São Jerônimo, recentemente recuperados por Morin. Foi, sem dúvida, um lembrete de 1 Pedro 3,19, de acordo com a interpretação de Santo Irineu e outros, que levou à sua inserção. A cláusula, “comunhão dos santos”, que aparece pela primeira vez em Nicetas em São Jerônimo, sem dúvida, deve ser considerado como uma mera extensão do artigo “Santa Igreja”. ”Santos”, como usado aqui, originalmente significava não mais do que os membros vivos da Igreja (Ver o artigo de Morin em Revue d’histoire et de ecclésiastique literatura. Maio 1904, e a monografia pelo JP Kirsch, Die Lehre von der Gemeinschaft der Heiligen, 1900). Quanto ao resto, só podemos observar que a palavra “católico”, aparecendo pela primeira vez em Niceta, é tratada separadamente; e que “o perdão dos pecados ” é, provavelmente, é para ser entendido principalmente por batismo e deve ser comparado com o “um só batismo para a remissão dos pecados” do Credo Niceno.

V. Uso e autoridade do Credo

Como já indicado, devemos recorrer ao rito de batismo para o uso mais primitivo e importante do Credo dos Apóstolos. É muito provável que o credo fosse originalmente nada mais que uma profissão de fé no Pai, no Filho e no Espírito Santo da fórmula batismal. A cerimônia totalmente desenvolvida que encontramos no sétimo Ordo Romano e,  provavelmente, representou a prática do século V, atribui um dia especial de “controle” para o ensino do Credo (symboli traditio), e outro, imediatamente antes da administração real do sacramento, para a symboli redditio, quando o neófito demonstrou sua vantagem em recitar o credo em voz alta. Um discurso imponente acompanhou a tradição e em um importante artigo Dom de Puniet (Revue d’Histoire Ecclesiastique, outubro de 1904) mostrou recentemente que esse discurso foi quase certamente composto por São Leão, o Grande. Além disso, no próprio ato do batismo, três perguntas foram feitas (Interrogationes) ao candidato, sendo elas apenas um resumo da forma mais antiga do credo. Tanto a recitação do Credo quanto as questões ainda são preservadas no ordo baptizandido nosso atual ritual romano, quanto o credo em forma interrogativa aparecem no serviço batismal do “Livro de Oração Comum” Anglicana. 

Fora da administração de batismo, o Credo dos Apóstolos é recitado diariamente na Igreja, não só pelo início das Matinas e Primas e ao final das Completas, mas também no curso de Primas e Completas. Muitos sínodos medievais definiram que ele devia ser aprendido por todos fiéis, e evidências mostram que, mesmo em países como Inglaterra e França, aprendia-se em latim. Como resultado desta íntima associação com a liturgia e o ensinamento da Igreja, sempre foi afirmado que o Credo dos Apóstolos tem a autoridade de uma declaração ex-cathedra. É comumente ensinado que todos os pontos da doutrina contidos nele são parte da fé católica, e não podem ser postos em dúvida, sob pena de heresia (S. Tomás, Summa Theologica, II-II: 1: 9). Para protestantes, quem o aceita apenas na medida em que representa o ensinamento evangélico da era apostólica, tornou-se de suma importância investigar sua forma e significado originais. Isso explica a quantidade preponderante de pesquisas que os estudiosos protestantes dedicaram a esse tópico em comparação com as contribuições de seus rivais católicos. 


Fonte: 

Thurston, Herbert. “Apostles’ Creed.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 1, pp. 629-632. New York: Robert Appleton Company, 1907. 19 Sept. 2016 <http://www.newadvent.org/cathen/01629a.htm>.

Traduzido por Gustavo Quaranta

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.