Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Francisco de Assis

Paschal Robinson, Enciclopédia Católica

Fundador da Ordem Franciscana, nasceu em Assis, na Úmbria, em 1181 ou 1182 – não há dados exatos. Ali mesmo ele morreu, em 3 de outubro de 1226.

Seu pai, Pietro Bernardone, era um rico comerciante de tecidos de Assis. De sua mãe, Pica, pouco se conhece, mas se diz dela que pertenceu a uma nobre família de Provença. Francisco foi um dos vários filhos. A lenda de que ele nasceu em uma manjedoura data apenas do século XV e parece ter sido originada pelo desejo de vários escritores de fazer sua vida se parecer com a de Cristo. Em seu batismo o santo recebeu o nome de João, o mesmo que seu pai mudou depois pelo de Francisco, por causa de seu amor pela França, aonde seus negócios o tinham levado na época do nascimento de seu filho. No entanto, pode ter sido que a mudança de nome ocorreu durante a sua infância e não teve nada a ver com a sua capacidade de aprender francês, como alguns pensavam. Francisco recebeu alguma educação elementar dos sacerdotes do templo de São Jorge em Assis, embora talvez tenha aprendido mais na escola dos trovadores, que naquela época lutavam pelo refinamento italiano. Uma coisa é certa, ele não era muito estudioso e sua educação literária nunca foi concluída. Embora ele trabalhasse com o pai no comércio, ele nunca mostrou grande interesse na carreira mercantil, e parece que seus pais entregaram-lhe a todos os seus caprichos. Tomás de Celano, seu primeiro biógrafo, fala da juventude de Francisco em termos muito severos. Certamente, a primeira parte da vida do santo não previu os anos dourados que estavam por vir. Ninguém gostava mais do prazer do que Francisco. Muito bom, ele cantava alegremente e gostava de usar roupas boas. Bem apessoado, jovial, audacioso, bem educado, ele logo se tornou o favorito dos jovens nobres de Assis, o mais bem sucedido em toda a atividade marcial, líder dos parrandas, o verdadeiro rei da diversão. Contudo, desde então ele já mostrou uma compaixão inata pelos pobres. Embora o dinheiro fosse desperdiçado, de alguma forma sempre fluía de uma maneira que testemunhava a magnanimidade de espírito digna de um príncipe. Quando estava com vinte anos, Francisco saiu com seus compatriotas para lutar contra os habitantes de Perúgia, em um dos tantos combates frequentes. entre cidades rivais da época. Naquela ocasião, os soldados de Assis foram derrotados, e Francisco, que estava entre os que foram capturados, estava em cativeiro em Perúgia há mais de um ano. Uma febre que o afetou naquele lugar parece tê-lo feito concentrar seus pensamentos em coisas eternas. Durante a longa doença, pelo menos o vazio da vida que levara até então se tornara claro. Apesar disso, assim que ele se curou, sua sede de glória foi despertada e sua fantasia voltou a vagar em busca de novas vitórias. Por fim, ele decidiu abraçar a carreira militar e tudo parecia favorecer tais aspirações. Um cavaleiro de Assis, Walter de Brienne, que pegara em armas contra o imperador nos estados napolitanos, estava prestes a se alistar no “nobre relato” e Francisco fez todos os preparativos para se juntar a ele. Os biógrafos nos contam que na noite anterior à partida Francisco teve um sonho estranho em que ele viu um grande salão cheio de armaduras marcadas que tinham a insígnia da cruz.”Estes” – disse uma voz – “são para você e seus jovens soldados”. “Agora sei que serei um grande príncipe!”, Exclamou Francisco, enquanto partia para Apúlia. Mas uma segunda doença parou seu caminho em Spoleto. É narrado que foi lá onde Francisco teve outro sonho em que ele foi ordenado a retornar a Assis, que ele imediatamente cumpriu. Era o ano de 1205. Embora Francisco ainda se juntasse às vezes aos partidos ruidosos de seus antigos camaradas, a diferença em sua atitude mostrava claramente que seu coração não estava mais inteiramente com eles. Uma espécie de saudade da vida do espírito o possuía. Os companheiros zombaram dele por andar nas nuvens e perguntaram se ele estava pensando em se casar. “Sim” – ele respondeu-lhes “Estou prestes a tomar uma esposa de beleza insuperável”. Ela não era nada menos que a Dama Pobreza, a quem tanto Dante quanto Giotto associavam inseparavelmente ao seu nome e a quem ele já havia começado a amar. Após um curto período de incerteza, ele começou a procurar uma resposta ao seu chamado em oração e solidão.] Ele havia ignorado completamente suas roupas chamativas e seu desperdício. Um dia, ao cruzar as planícies da Úmbria em seu cavalo, Francisco chegou inesperadamente perto de um pobre leproso. O súbito aparecimento de uma visão tão repulsiva encheu-o de náuseas e, instintivamente, recuou, mas tendo controlado a sua rejeição natural, desmontou, abraçou o pobre homem e deu-lhe todo o dinheiro que trouxe. Naquela época, Francisco fez uma peregrinação a Roma. A visão das pobres esmolas que foram depositadas no túmulo de São Pedro o mortificaram tanto que ali esvaziou toda a sua bagagem. E imediatamente, como se para testar seu caráter exigente, ele trocou suas roupas com um mendigo esfarrapado, e pelo resto do dia ele manteve um jejum entre a multidão de mendigos ao lado da porta da basílica. Pouco depois de seu retorno a Assis, estando em oração diante de um antigo crucifixo na capela esquecida de Santo Anselmo, na estrada da aldeia, ele ouviu uma voz dizendo: “Vá, Francisco, e conserte a minha casa, como você pode veja, está em ruínas “. Ele entendeu o chamado literalmente, como se estivesse se referindo à igreja arruinada na qual ele estava ajoelhado. Ele foi à oficina de seu pai, pegou muitos tecidos coloridos, montou em seu cavalo e correu para Foligno, naquela época um local mercantil de certa importância, onde ele vendia os tecidos e o cavalo para obter o dinheiro necessário para restaurar San Damiano No entanto, quando o pobre padre que estava celebrando lá recusou-se a receber dinheiro assim adquirido, Francisco lançou-o para ele desdenhosamente. O velho Bernardone, um homem muito mesquinho, ficou imensamente irritado com o comportamento de seu filho e Francisco, para evitar a ira de seu pai, se escondeu em uma caverna perto de San Damiano durante um mês inteiro. Quando ele saiu do esconderijo e voltou para a aldeia, imundo e emaciado pela fome, uma multidão escandalosa seguiu-o, jogando lama e pedras para ele e zombando dele como um louco. Finalmente seu pai o arrastou para casa, bateu nele, amarrou-o e o trancou em um armário escuro. Libertado por sua mãe durante uma ausência de Benardone, Francisco imediatamente retornou a San Damiano, onde pediu asilo ao padre. Ele logo foi convocado por seu pai antes do conselho da cidade. O pai, não contente por ter recuperado o ouro espalhado no chão de São Damião, procurou forçar seu filho a renunciar à sua herança. Francisco aceitou isso de bom grado, mas declarou que, desde que ele se colocara a serviço de Deus, ele não estava mais sob jurisdição civil. Com a presença do arcebispo, Francisco tirou as roupas que vestia e entregou ao pai: “Até hoje te chamei papai na terra, a partir de agora só quero dizer” Pai nosso que está em os céus. “Como Dante canta,” de vez em quando “celebravam-se as núpcias de Francisco com sua amada esposa, a Senhora Pobreza, sob cujo nome e na linguagem mística que mais tarde se tornaria tão familiar, ele entendeu o abandono total de bens terrestres, honras e privilégios. “E então Francisco partiu para as colinas nos fundos de Assis, improvisando hinos enquanto andava.” Eu sou o arauto do Grande Rei “, declarou em resposta aos bandidos que imediatamente o despiram. Quando estava nu e semi-congelado, Francisco arrastou-se para um mosteiro próximo, onde trabalhou por um tempo como copeiro, e em Gubbio, onde viajou mais tarde, Francisco obteve como esmola de um amigo uma túnica, uma cinta e um bastão de peregrino. Voltou para Assis, ele veio e foi ao redor da cidade pedindo pedras para a restauração de São Damião. Ele os levou para a antiga capela, colocou-os pessoalmente em seu lugar e finalmente os reconstruiu. Francisco restaurou duas outras capelas abandonadas, São Pedro, a certa distância da cidade, e Santa Maria dos Anjos, na planície da estrada, em um ponto chamado Porciúncula. Enquanto isso, ele redobrou seu zelo em obras de caridade, especialmente cuidando dos leprosos. Numa manhã de 1208, provavelmente no dia 24 de fevereiro, Francisco participou em missa na capela de Santa Maria dos Anjos, perto da qual construiu uma cabana. O evangelho do dia falava de como os discípulos de Cristo não deveriam possuir nem ouro nem prata, nem despesas de viagem, nem duas túnicas, nem calçados, nem bengala, e que deveriam exortar os pecadores ao arrependimento e penitência, e anunciar o reino de Deus. Francisco tomou essas palavras como se fossem dirigidas diretamente a ele, de modo que, assim que terminou a missa, deixou o pouco que restava de bens temporários: seus sapatos, a túnica, o cajado do peregrino e sua bolsa vazia. Finalmente ele encontrou seu chamado. Tendo obtido uma túnica áspera de lã, a “cor de um animal”, as roupas usadas pelos camponeses mais pobres da Úmbria e amarrando uma corda amarrada na cintura, Francisco imediatamente partiu na estrada, exortando o povo do campo ao penitência, amor fraterno e paz. O povo de Assis deixara de zombar de Francisco; agora pararam de espanto. Seu exemplo até atraiu outros.Bernardo de Quintavalle, um magnata local, foi o primeiro a se juntar a Francisco. Logo ele foi seguido por Pedro Cataneo, um renomado cônego da catedral. Com um verdadeiro espírito de entusiasmo religioso, Francisco restaurou a igreja de São Nicolau e procurou descobrir a vontade de Deus sobre eles, abrindo o livro dos Evangelhos no altar três vezes ao acaso. Cada vez houve passagens em que Cristo disse a seus discípulos que deveriam deixar tudo e segui-lo. “Esta será a nossa regra de vida”, exclamou Francisco, e conduziu seus companheiros à praça pública, onde entregaram todos os seus pertences aos pobres.Então eles adquiriram hábitos ásperos como o de Francisco, e pequenas cabanas foram construídas próximas à dele na Porciúncula. Poucos dias depois, Giles, que mais tarde se tornaria o grande contemplativo e pronunciamento de “boas palavras”, foi o terceiro seguidor de Francisco. O pequeno bando dividiu-se e marchou, dois a dois, causando tal impressão por suas palavras e comportamento que, depois de muito tempo, vários outros discípulos se reuniram em torno de Francisco, ansiosos por participar de sua pobreza. Entre eles estava Sabatino, “vir bonus et justus“, Moricus, que havia pertencido ao Crisol, João de Capella, que mais tarde deixou, Felipe, o “Largo”, e mais quatro dos quais só conhecemos os nomes. Quando o número de seus companheiros aumentou para onze, Francisco considerou conveniente escrever uma regra para eles. Essa primeira regra, como é conhecida, dos frades menores não nos alcançou em sua forma original. Parece que foi muito breve e simples, uma mera adaptação dos preceitos evangélicos que Francisco havia previamente selecionado para a orientação de seus primeiros companheiros, e que ele queria praticar perfeitamente. Uma vez que a regra foi elaborada, os Penitentes de Assis, como se chamavam Francisco e seus seguidores, marcharam para Roma para buscar a aprovação da Santa Sé, embora naquela época essa aprovação ainda não fosse obrigatória. Existem várias versões sobre a recepção que Inocêncio III deu a Francisco. O que se diz é que Guido, bispo de Assis, que estava em Roma na época, recomendou Francisco ao cardeal João de São Paulo e que, a pedido deste último, o papa chamou o santo, cujas primeiras exposições, parece , rejeitou com alguma grosseria. Além disso, em vez das previsões sinistras de outros no Colégio dos Cardeais, que viam o modo de vida proposto por Francisco como inseguro e impraticável, Inocêncio, movido, dizem, por um sonho que ele teve em que ele viu o Pobre de Assis Segurando uma cambaleante Basílica de Latrão, deu autorização verbal à regra apresentada por Francisco e concedeu ao santo e seus companheiros que saíssem e pregassem o arrependimento em todos os lugares. Antes de deixar Roma, todos receberam a tonsura eclesiástica e Francisco foi ordenado diácono.

Após seu retorno a Assis, os Frades Menores, como Francisco chamara seus irmãos – para os menores, ou classes mais baixas, como alguns pensam, ou em referência ao Evangelho (Mateus 25, 40-45), como outros creem, e para uma lembrança perpétua de sua humildade – eles encontraram abrigo em uma cabana abandonada em Rivo Torto, na planície descendo a colina da cidade. Mas eles foram forçados a sair daquele quarto por um camponês rude que jogou sua mula neles. Por volta de 1211 obtiveram uma base permanente perto de Assis, graças à generosidade dos beneditinos de Monte Subasio, que lhes deu a pequena capela de Santa Maria dos Anjos na Porciúncula. O convento franciscano foi formado assim que algumas pequenas cabanas de palha e lama, cercadas por uma cerca, foram erguidas ao lado do humilde santuário que havia sido o favorito de Francisco antes. A partir deste estabelecimento, que se tornou o berço da Ordem Franciscana (Caput et Mater Ordinis) e o ponto focal da vida de São Francisco, os frades menores saíram dois a dois exortando as pessoas da área circundante. Como crianças “sem cuidado para o dia”, elas iam de lugar em lugar cantando sua alegria, chamando-se trovadores do Senhor.Seu claustro era o mundo amplo; eles dormiam em palheiros, grutas, pórticos de igrejas e trabalhavam ao lado dos trabalhadores dos campos. Quando não receberam trabalho, eles imploraram. Em pouco tempo, Francisco e seus companheiros passaram a ter uma enorme influência, de modo que homens de todas as classes sociais e modos de pensar pediram para serem admitidos na ordem. Entre os novos recrutas da época estavam os famosos Três Companheiros, que mais tarde escreveram sua vida, a saber: Angelus Tancredi, nobre cavaleiro, Leon, secretário e confessor do santo, e Rufino, primo de Santa Clara. Além disso, Junípero, o famoso “menestrel do Senhor”.

Na Quaresma de 1212, Francisco teve uma nova alegria, tão grande quanto inesperada. Clara, uma jovem rica de Assis, movida pela pregação do santo na igreja de São Jorge, procurou-o e pediu-lhe que lhe permitisse abraçar o novo estilo de vida que ele fundara. Seguindo seu conselho, Clara, que na época mal tinha dezoito anos, deixou em segredo a casa do pai na noite após o Domingo de Ramos e, acompanhada por duas amigas, foi à Porciúncula, onde os frades o encontraram em procissão, com tochas. Então, depois de cortar o cabelo, Francisco colocou-a no hábito dos menores e assim a recebeu na vida de pobreza, penitência e aposentadoria. Clara ficou provisoriamente com algumas freiras beneditinas perto de Assis até que Francisco foi capaz de encontrar um lugar adequado para ela e Santa Inês, sua irmã e as outras piedosas virgens que se juntaram a ela. Por fim, estabeleceu-os em San Damiano, em uma sala anexa à capela que ele havia reconstruído com suas próprias mãos e que havia sido doada ao santo pelos beneditinos como um lugar de moradia para suas filhas espirituais. Essa casa tornou-se assim o primeiro mosteiro da Segunda Ordem Franciscana das Pobres Damas, hoje conhecidas como Pobres Clarissas. No outono do mesmo ano (1212), o ardente desejo de Francisco de converter os sarracenos levou-o a embarcar para a Síria, mas, depois de encalhar na costa eslava, teve de retornar a Ancona. Na primavera seguinte, dedicou-se a evangelizar a Itália central. Naquela época (1213) Francisco recebeu o Conde Orlando de Chiusi a montanha de La Verna, um pico isolado no meio dos Apeninos da Toscana, que se eleva a cerca de 1000 metros acima do Vale do Casentino, para servir como um retiro “especialmente favorável para contemplação “. Lá ele poderia se aposentar de vez em quando para orar e descansar.Francisco nunca separou a vida contemplativa da vida ativa, como testemunham os vários eremitérios associados com sua memória e as regras primitivas que ele escreveu para aqueles que os habitaram. Em pelo menos uma ocasião, o santo parece ter dominado o desejo de dedicar-se totalmente à vida contemplativa. Em algum momento do ano seguinte (1214) Francisco foi ao Marrocos, em outra tentativa de alcançar os infiéis e, se necessário, derramar seu sangue pelo Evangelho, mas estar na Espanha foi atacado por uma doença tão grave que Ele foi forçado a voltar para a Itália.

Infelizmente nos faltam detalhes autênticos da viagem de Francisco à Espanha e sua permanência nela.Provavelmente aconteceu no inverno de 1214-1215. Após seu retorno à Úmbria, recebeu na ordem vários nobres homens e advogados, inclusive a quem mais tarde seria seu biógrafo, Tomás de Celano. Os próximos dezoito meses abrangem o que pode ser considerado o período mais negro da vida do santo.Não se sabe ao certo se ele participou do Concílio de Latrão, em 1215; posso haver sido. Sabemos de Eccleston, no entanto, que Francisco esteve presente na morte de Inocêncio II, ocorrida em Perugia, em julho de 1216. Pouco tempo depois, isto é, no início do pontificado de Honório III, a famosa indulgência foi concedida. da Porciúncula. Dizem que uma vez, enquanto Francisco estava orando na Porciúncula, Cristo apareceu a ele e se ofereceu para fazer qualquer favor que ele pedisse. A salvação das almas era a solicitude constante da oração de Francisco e, desejando fazer da sua amada Porciúncula um santuário onde muitos encontrariam a salvação, pediu indulgência plenária àqueles que, confessando seus pecados, visitavam a pequena capela. Nosso Senhor concedeu seu desejo com a condição de que o papa ratificasse a indulgência. Então Francisco partiu para Perúgia com o irmão Maseo, para se encontrar com Honório III. Este último, apesar de alguma oposição da Cúria em favor tão incomum, concedeu a indulgência. Mas ele restringiu, no entanto, a um dia por ano. Posteriormente, ele fixou em 2 de agosto, em perpetuidade, o dia em que a Indulgência Porciúncula, comumente conhecida na Itália como o perdão de Assis, seria vencida. É o que a tradição diz. Mas o fato de que não há menção dessa indulgência nem nos arquivos papais nem nos arquivos diocesanos, nem a menor alusão a ela nas primeiras biografias de Francisco ou em documentos contemporâneos, levou alguns escritores a rejeitá-la. Tal argumentum ex silentio foi refutado, no entanto, por M. Paul Sabatier, que em sua edição crítica do “Tractatus de Indulgentia” de Fray Bartholi (ver BARTHOLI, FRANCESCO DELLA ROSSA) contribuiu com tudo o que pode ser considerado evidência realmente confiável em seu favor. Mas mesmo aqueles que consideram a concessão da indulgência como um fato histórico sustentável no qual tradicionalmente se acreditava admitem a falta de certeza da primeira narrativa. (Veja PORCIÚNCULA)

Em maio de 1217 realizou-se na Porciúncula o primeiro Capítulo geral dos Frades Menores, dividindo a ordem em províncias e o mundo cristão no mesmo número de missões franciscanas. Toscana, Lombardia, Provença, Espanha e Alemanha foram designados para cinco dos principais seguidores de Francisco. O santo reservou a França e, de fato, tomou rumos em direção àquele país, mas ao chegar a Florença foi persuadido pelo cardeal Ugolino, que fora nomeado protetor da ordem em 1216, para que não continuasse. Em vez disso, enviou Francisco ao seu tão útil Pacífico, reconhecido no século como poeta, junto com o irmão Agnello, que mais tarde fundou os frades menores na Inglaterra. Embora Francisco e seus frades tenham tido muito sucesso, com ele também veio a oposição. Para tentar corrigir qualquer preconceito que a Cúria pudesse nutrir sobre seus métodos, Francisco, por insistência do cardeal Ugolino, foi a Roma e pregou diante do papa e dos cardeais de Latrão. A visita, que aconteceu entre 1217 e 1218, foi aparentemente a ocasião do memorável encontro entre Francisco e Santo Domingo. Francisco dedicou o ano 1218 a viagens missionárias na Itália, que foram um triunfo para ele. Geralmente ele pregava ao ar livre, nos mercados, dos degraus das igrejas, das paredes dos pátios de algum castelo. Atraídos pela magia de sua presença, as multidões, admiradas pela insatisfação de uma pregação popular na língua do povo, seguiram Francisco de um lugar para outro, pendendo de seus lábios; os sinos da igreja tocavam para anunciar sua chegada; procissões do clero com as pessoas saíram para recebê-lo com música e canções; Eles levaram seus pacientes para serem abençoados e curados, e eles se beijaram no chão onde ele andava, e até tentaram cortar pedaços de sua túnica. O extraordinário entusiasmo com que o santo era bem-vindo em todos os lugares apenas correspondia ao resultado imediato e visível de sua pregação. Suas exortações, que dificilmente podem ser chamadas de sermões: curtas, caseiras, afetivas e patéticas, moviam-se até as mais frívolas e endurecidas. Como resultado, Francisco tornou-se um verdadeiro conquistador de almas. Uma vez aconteceu que, enquanto o santo estava pregando em Camara, uma pequena aldeia perto de Assis, a multidão foi motivada de tal maneira por suas “palavras de espírito e vida” que se apresentaram a ele como uma pessoa e imploraram que ele as admitisse. no seu pedido. Para responder a tais pedidos, Francisco criou a Ordem Terceira dos Irmãos e Irmãs da Penitência, como é chamada hoje, que ele via como uma espécie de meio termo entre o claustro e o mundo para aqueles que não podiam sair de casa ou trair suas vocações para entrar na Primeira Ordem dos Frades Menores ou na Segunda Ordem das Pobres Damas. Não há dúvida de que Francisco prescreveu obrigações específicas para esses terciários. Eles não devem portar armas, fazer um juramento, interferir em processos judiciais, etc. Embora seja dito que ele projetou uma regra formal para eles, também está claro que esta regra, que foi confirmada por Nicolau IV em 1289, pelo menos como chegou até nós, não representa a regra original de Os Irmãos e Irmãs de a penitência. Em qualquer caso, já é costume fixar a data da fundação da Terceira Ordem em 1221, embora a data exata seja desconhecida com certeza.

Durante o segundo capítulo geral (maio de 1219), determinado a realizar seu projeto de evangelização dos infiéis, Francisco confiou uma missão diferente a cada um de seus discípulos mais destacados e reservou para si o lugar da guerra entre os infiéis. Cruzados e os sarracenos. Com onze companheiros, incluindo o Irmão Ilustrado e Pedro de Cataneo, Francisco embarcou em Ancona em 21 de junho, com destino a São João de Acre, e esteve presente durante o cerco e captura de Damietta. Depois de pregar lá diante das forças cristãs, Francisco entrou sem medo no acampamento dos infiéis, onde foi feito prisioneiro e levado diante do sultão. De acordo com o testemunho de Jacques de Vitry, que estava entre os cruzados em Damietta, o sultão recebeu Francisco cortesmente, mas se ele obtivesse do governante um tratamento mais tolerante dos prisioneiros cristãos, a pregação do santo não teve maior efeito. Acredita-se que o santo, antes de retornar à Europa, visitou a Palestina e obteve lá para os frades a direita, que eles ainda preservam, para serem os guardiões dos lugares santos. O que é certo é que Francisco foi forçado a voltar apressadamente para a Itália por causa de vários problemas que surgiram em sua ausência. A notícia chegou ao Oriente de que Mateus de Narni e Gregório de Nápoles, os dois vigários gerais que ele deixara encarregados da ordem, convocaram um capítulo que, entre outras inovações, procurava impor um jejum maior aos frades. mais rigorosa do que a regra exigida. Além disso, o cardeal Ugolino impôs às senhoras pobres uma regra que era praticamente a mesma dos beneditinos e que o irmão Felipe a aceitou, pois Francisco a havia delegado para cuidar dos interesses das irmãs. Para piorar as coisas, João de Capella, um dos primeiros companheiros do santo, reuniu um grande número de leprosos, homens e mulheres, com a ideia de formar uma nova ordem religiosa com eles e partiu para Roma para pedir a aprovação de a regra que ele havia escrito para aquelas pessoas pobres. Finalmente, espalhou-se o boato de que Francisco havia morrido, de modo que, quando chegou à Itália com o irmão Elias – parece que ele desembarcou em Veneza em julho de 1220 – os frades caíram em um sentimento geral de inquietação.Além desses problemas, o pedido estava passando por um período de transição. Era evidente que as formas simples, familiares e informais que haviam distinguido o movimento franciscano em seus inícios estavam gradualmente desaparecendo. A heroica pobreza praticada por Francisco e seus companheiros no início tornou-se cada vez mais difícil com o aumento do número de frades. Ao retornar, Francisco não pôde evitar perceber tudo isso. O cardeal Ugolino assumiu a tarefa de “reconciliar inspirações tão carentes de reflexão e tão livres com uma ordem de coisas que eles mesmos haviam superado”. Este notável homem, que depois ascenderia ao trono papal com o nome de Gregório IX, amava profundamente Francisco, a quem venerava como santo e que, como alguns escritores nos dizem, dirigia como um fanático. Parece indiscutível que o cardeal Ugolino teve muito a ver com a modelagem dos altos ideais de Francisco “dentro de um certo escopo e direção”. Tampouco é difícil reconhecer sua mão nas importantes mudanças feitas na organização da ordem no chamado Capítulo das Esteiras. Diz-se que nessa famosa assembleia, realizada na Porciúncula de Whitsuntide, em 1220 ou 1221, (não há muita dúvida sobre a data exata e o número dos primeiros capítulos), havia cerca de 5 mil frades presentes, além de 500 postulantes do pedido. Cabanas de palha e lama deram abrigo a essa multidão.

Deliberadamente, Francisco evitara fazer provisões para ela, mas a caridade das cidades vizinhas lhes dava comida, enquanto cavaleiros e nobres os serviam com prazer. Foi nessa ocasião que Francisco, indubitavelmente aborrecido e desestimulado pela tendência de um grande número de frades de relaxar os rigores da regra segundo os ditames da prudência humana, talvez sentindo-se fora de lugar numa posição que exigia cada vez mais habilidades organizacionais, ele deu seu lugar como general da ordem a Pedro de Cataneo. Mas este último morreu em menos de um ano, sendo sucedido como vigário geral pelo infeliz Irmão Elias (ver ELIAS DE CORTONA), que continuou nessa posição até a morte de Francisco. Enquanto isso, o santo, durante seus anos de vida remanescentes, sempre procurou dar aos frades uma impressão do que ele pensava que deveriam ser através do silencioso ensinamento do exemplo pessoal. Certa ocasião, ao passar por Bolonha ao voltar do Oriente, recusara-se a entrar num convento porque ouvira dizer que se chamava “a casa dos frades” e porque ali havia instituído um instituto. Além disso, ordenou que todos os frades que ali viviam, mesmo doentes, saíssem imediatamente e só mais tarde, quando o cardeal Ugolino declarou que este edifício era sua propriedade, Francisco suportou que seu os irmãos entrarão nele novamente. Por mais que as convicções do santo fossem fortes e definidas, e a linha de vida que ele adotou fosse determinada, ele nunca se tornou escravo de qualquer teoria sobre a observância da pobreza ou qualquer outra coisa. Não havia nele nada de estreiteza ou fanatismo. Quanto ao estudo, Francisco apenas desejou aos seus frades tanto o conhecimento teológico como que foi necessário para a missão da ordem, que foi acima de tudo uma missão de exemplo. Por isso, viu o acúmulo de livros como um distanciamento da pobreza que os frades professavam, e resistiu ao desejo de simples erudição, tão popular em sua época, na medida em que afetava as raízes da simplicidade que estava tão profundamente enraizada a essência de sua vida e ideal, e ameaçou sufocar o espírito de oração, que ele considerava preferível sobre todo o resto.

Em 1221, alguns escritores nos dizem, Francisco escreveu uma nova regra para os Frades Menores.Outros veem essa regra de 1221 não como uma nova regra, mas como a primeira que foi aprovada oralmente por Inocêncio, não em sua forma original, é claro, porque não nos alcançou, mas foi adicionada e modificada ao longo de doze anos. Seja qual for a verdade, a chamada Regra de 1221 é totalmente diferente de qualquer outra regra que tenha sido elaborada. Era muito longo e vago para ser uma regra formal. Dois anos depois, Francisco retirou-se para a Fonte Colombo, um eremitério perto de Rieti, e reescreveu a regra de uma forma mais condensada. Ele confiou o esboço da regra revisada ao irmão Elias, que pouco depois confessou que o havia perdido por negligência. Diante dessa circunstância, Francisco retornou à solidão da Fonte Colombo e reescreveu a regra seguindo as mesmas linhas da anterior, mas reduzindo seus 23 capítulos para 12 e modificando certos detalhes de alguns de seus preceitos a mando do cardeal Ugolino. Foi desta forma que a regra foi solenemente aprovada por Honório III, em 29 de novembro de 1223 (Litt. “Solet annuere”). Esta Segunda Regra, como é comumente chamada, ou Regula Bullata dos Frades Menores, é a que já foi professada na Primeira Ordem de São Francisco (ver SÃO FRANCISCO, REGRA DE). Baseia-se nos três votos de obediência, pobreza e castidade, com ênfase especial na pobreza, que Francisco queria ser a característica de sua ordem e que se tornou sinal de contradição. Este voto de absoluta pobreza na primeira e segunda ordens e a reconciliação dos religiosos com o estado secular na Ordem Terceira da Penitência são as principais novidades introduzidas por Francisco na regulamentação monástica.

Foi durante o Natal daquele ano (1223) que o santo concebeu a ideia de celebrar tal festa em “uma nova forma”, reproduzindo a Natividade de Belém em um templo de Greccio. Desta forma, ele se tornou o iniciador da devoção popular à manjedoura. O Natal parece ter sido a festa favorita de Francisco e ele queria persuadir o imperador a fazer uma lei para forçar os cidadãos a cuidarem bem dos pássaros e animais, bem como dos pobres, para que todos tivessem a chance de se alegrar. no Senhor. No início de agosto de 1224, Francisco retirou-se com três companheiros para “aquele rochedo entre Tiber e Arno”, como Dante chamava La Verna, para jejuar quarenta dias em preparação para a festa de São Miguel.Durante o retiro, os sofrimentos de Cristo tornaram-se mais do que nunca o tema de suas meditações. Em poucas almas, talvez, ele tenha penetrado tão profundamente o pleno significado da Paixão. Foi durante ou perto da festa da Exaltação da Santa Cruz (14 de setembro), enquanto ele orava ao lado da montanha, que ele teve a maravilhosa visão dos serafins, cuja sequência foi a aparição em seu corpo dos sinais. visível das cinco chagas do Crucificado, dizia um dos primeiros escritores, já havia sido impresso em seu coração.

O irmão Leão, que estava com Francisco quando recebeu os estigmas, nos deixou em sua nota a bênção manuscrita do santo que é preservada em Assis uma narração simples e clara do milagre que, por outro lado, foi melhor atestada do que muitas outras. eventos históricos. Descreva o lado direito do santo como mostrando uma ferida aberta que parecia ter sido feita por uma lança, enquanto suas mãos e pés foram perfurados por pregos de carne preta cujas pontas estavam dobradas para trás. Depois de receber os estigmas, Francisco sofreu dores crescentes ao longo de seu corpo frágil, já enfraquecido pela mortificação contínua. Sendo condescendente com as fraquezas dos outros, ele tratou-se tão duramente que, no final, ele foi forçado a pedir desculpas ao “Irmão Asno”, como ele chamou seu corpo, por tê-lo tratado tão mal. Desgastado como Francisco era então por dezoito anos de trabalho incansável, a força dele deu completamente, e às vezes a visão dele falhou de forma que ele era quase cego. Durante um ataque de angústia, Francisco visitou Santa Clara em São Damião e foi naquela pequena cabana de postes, construída para ele no jardim, que o santo compôs o “Cântico do Sol”, no qual seu gênio poético se expôs de tal maneira. gloriosamente Isso aconteceu em setembro de 1225. Pouco tempo depois, por insistência do irmão Elias, Francisco se submeteu a uma operação mal sucedida dos olhos em Rieti.Parece que ele passou o inverno de 1225-1226 em Siena, onde ele havia sido levado para tratamento médico adicional. Em abril de 1226, durante um período de melhoria, Francisco foi transferido para Cortona e acredita-se que tenha estado lá, enquanto descansava no eremitério de Celle, que ele ditou seu testamento, que ele descreve como “um lembrete, um aviso e um exortação “. Nesse documento em movimento, escrito a partir da plenitude de seu coração, Francisco mais uma vez insta com sua simples eloquência os poucos, mas claramente definidos princípios que devem guiar seus seguidores: obediência implícita aos superiores que representam Deus, observância literal do ” governar sem polonês “, especialmente em relação à pobreza, e a obrigação de realizar o trabalho manual, que deve ser solenemente aceita pelos frades. Enquanto isso, ele desenvolvera sintomas alarmantes de hidropisia, de modo que estava quase em condição mortal que Francis partiu para Asàds. A pequena caravana que o acompanhava fez um desvio porque acreditava que, se tomassem o caminho direto, os habitantes insolentes de Perúgia poderiam tentar sequestrar Francisco para morrer em sua cidade e assim poder apropriar-se de suas preciosas relíquias. Foi assim que finalmente, em julho de 1226 e sob forte guarda, Francisco chegou em segurança ao palácio do arcebispo em sua cidade natal, em meio ao entusiasmo de toda a população. No início do outono, quando Francisco se sentiu com a mão da morte, foi levado para sua amada Porciúncula, para que pudesse exalar seu último suspiro no lugar onde sua vocação lhe havia sido revelada e onde sua ordem vira a luz. . No meio do caminho ele pediu para descer do beliche e, com esforço doloroso, invocou uma linda bênção em um Assis que seus olhos já não podiam distinguir. O santo passou seus últimos dias em uma pequena cabana na Porciúncula, perto da capela que funcionava como enfermaria. A chegada naqueles dias da senhora Jacoba de Settesoli, que chegara com seus dois filhos e um grande acompanhamento para despedir-se de Francisco, causou certa consternação porque as mulheres eram proibidas de entrar no convento. Mas Francisco, em terna gratidão a essa senhora romana, abriu uma exceção para ela, e “Irmão Jacoba”, como ele a chamava por causa de sua força, permaneceu até o fim. Na véspera de sua morte, o santo, em imitação de seu mestre, pediu que trouxessem pão e o quebrassem. Então, distribuiu-o entre os presentes, abençoando Bernardo de Quintaville, seu primeiro companheiro, Elias, seu vigário e todo o restante da ordem. “Eu fiz a minha parte” – disse ele imediatamente – “Espero que Cristo te ensine a fazer o seu”.

Mais tarde, ansioso por deixar um último sinal de desapego e mostrar que não tinha nada em comum com o mundo, Francisco tirou o seu mau hábito e prostrou-se no chão, coberto de roupas emprestadas, feliz por ter sido fiel à sua “Dama Pobreza” até o final. Depois de um momento, ele pediu para ser lido a paixão de acordo com São João, após o que ele começou a cantar o Salmo CXLI com uma voz fraca. Ao chegar ao verso final, “Libertar minha alma da prisão”, Francisco foi tirado deste mundo por “Irmã Morte”, em louvor ao qual ele havia recentemente acrescentado uma nova estrofe ao seu “Cântico do Sol”. Era a tarde de sábado, 3 de outubro de 1226. Francisco tinha quarenta e cinco anos e esse foi o vigésimo ano de sua perfeita conversão a Cristo.

Diz-se que o santo, em sua humildade, expressara o desejo de ser enterrado no Colle d’Inferno, uma colina desprezada nos arredores de Assis, na qual os criminosos eram executados. No entanto, pode ter sido, em 4 de outubro seu corpo foi levado em procissão triunfal à cidade, com uma parada em São Damião para que Santa Clara e seus companheiros venerassem os sagrados estigmas que agora eram visíveis a todos, e então foi colocado provisoriamente na igreja de São Jorge (que agora está dentro do claustro de Santa Clara), onde o santo aprendeu a ler e a pregar pela primeira vez. Há um registro de muitos milagres que ocorreram em seu túmulo. Francisco foi canonizado em São Jorge por Gregório IX em 16 de julho de 1228. No dia seguinte o papa colocou a primeira pedra da grandiosa igreja dupla de São Francisco, erguida em homenagem ao novo santo e para a qual o irmão Elías transportou secretamente os restos mortais. Francisco, em 25 de maio de 1230, para enterrá-lo profundamente sob o altar-mor da nave inferior. Depois de ter descansado lá por seis séculos, como o de Santa Clara, o caixão de Francisco foi encontrado em 12 de dezembro de 1818, como resultado de uma árdua busca que durou 52 noites. A descoberta dos restos mortais de Francisco é celebrada na ordem com um serviço especial todo 12 de dezembro, e a de sua tradução com outro em 25 de maio. Sua festa é celebrada na Igreja Universal em 4 de outubro e a comemoração da impressão dos estigmas em 17 de setembro.

Foi dito com compreensível ternura que Francisco entrou na glória durante o curso de sua vida, e que ele é o único santo a quem todas as gerações sucessivas concordaram em canonizar. Uma coisa é certa: além daquelas pessoas que sabem que o cristianismo é divino, mesmo aqueles que se importam pouco com a ordem fundada por ele, ou que nutrem pouca simpatia pela Igreja a qual ele sempre foi devotadamente fiel, buscam quase instintivamente um guia no maravilhoso Poverello da Úmbria e invoque seu nome em agradecida recordação através dos séculos. Sem dúvida, Francisco deve muito de sua posição única à sua personalidade gentil e encantadora. Poucos santos exalaram o “bom aroma de Cristo” tão intensamente quanto ele. Em Francisco houve também um cavalheirismo e poesia que deram a sua extra-mundaneidade um certo encanto romântico e uma singular beleza. Outros santos eram vistos na vida como inteiramente mortos para o mundo, enquanto Francisco estava sempre em contato com o espírito de seu tempo. Ele se deliciava com as canções provençais, regozijava-se com a recém-adquirida liberdade de sua cidade e sentia um carinho especial pelo que Dante chama de som agradável de sua amada terra. O requintado elemento humano que fazia parte do caráter de Francisco foi a chave para sua cativante simpatia. Ela pode ser chamada de seu presente característico. Como diz um velho cronista, em seu coração todos encontraram refúgio. De modo especial, os pobres, os doentes, os que haviam caído eram o objeto de seu pedido. Tendo como ele tinha Francisco, nenhum interesse nos julgamentos do mundo sobre ele, ele sempre foi muito cuidadoso em mostrar respeito pelas opiniões de todos e não ofender ninguém. Por isso, ele sempre advertia seus frades a usarem mesas baratas, de modo que “se algum mendigo tivesse que sentar-se ao lado deles, ele poderia sentir que estava entre iguais e não se envergonhasse de sua pobreza” … Uma noite, nos dizem, o convento Ele acordou à meia noite por causa de um grito: “Estou morrendo”. Francisco, levantando-se, perguntou: “Quem é você e por que você morre?” “Estou morrendo de fome”, respondeu a voz de alguém que tinha uma tendência a jejuar.Francisco pediu imediatamente que fosse colocada uma mesa, sentou-se ao lado do frade faminto e, para não sentir pena de comer sozinho, ordenou a todos os irmãos que se juntassem à refeição. A devoção de Francisco para consolar os aflitos o fez tão condescendente que não teve medo de morar com os leprosos em seus lazaretos imundos e de comer com eles no mesmo prato. Mas, acima de tudo, foi seu relacionamento com aqueles que erraram o que revelou o verdadeiro espírito cristão de sua caridade.”Mais santo que qualquer santo”, escreve Celano, “entre os pecadores ele era um deles”. Em uma carta a um certo ministro da ordem, Francisco diz: “Se houvesse um irmão no mundo que tivesse pecado, não importa quão grande fosse sua culpa, não o deixe ir, depois de ter visto o seu rosto, sem mostrar misericórdia. E se ele não buscar a misericórdia, pergunte-lhe se ele não o quer, por isso eu saberei se você me ama e a Deus. ” De acordo com a noção medieval de justiça, o malfeitor estava além da lei e não havia necessidade de ser fiel a ele. Segundo Francisco, não só deve ser justo, mesmo com os malfeitores, mas a justiça deve ser precedida de cortesia, como por um arauto. A cortesia, sem dúvida, no conceito do santo, é a irmã mais nova da caridade e uma das qualidades do próprio Deus, que “por sua cortesia”, como ele declara, “dá sol e chuva aos justos e aos injustos”. . Francisco sempre tentou inculcar esse hábito de cortesia entre seus discípulos. Ele escreve: “Quem vem a nós, seja amigo ou inimigo, ladrão ou bandido, deve ser recebido com bondade”, e a festa que ele preparou para o bandido faminto na floresta de Monte Casale é suficiente para mostrar que “ele agia como ele ensinava”. Até os animais encontraram em Francisco um terno amigo e protetor. Nós o encontramos discutindo com o povo de Gubbio para alimentar o feroz lobo que devastou seus rebanhos porque era “por causa da fome” que “Irmão Lobo” tinha feito aquele estrago. As primeiras lendas nos deixaram uma imagem idílica de como bestas e pássaros, suscetíveis ao charme da gentileza de Francisco, entraram em uma companhia agradável com ele; como a lebre perseguida procurou atrair sua atenção; como as abelhas meio congeladas rastejavam em direção a ele no inverno para alimentá-las; como o falcão selvagem pairava em torno dele; como a cigarra cantava para ele com doce contentamento nos pomares de carvalhos do Carceri, e como seus “passarinhos de irmãzinha” ouviam tão devotadamente seu sermão na beira da estrada perto de Bevagna que Francisco se repreendeu por não ter pensou em pregar para eles. O amor de Francisco pela natureza também aparece patentemente no mundo em que ele viveu. Ele adorava se comunicar com flores silvestres, a fonte cristalina, o fogo amigo e saudar o sol que se erguia sobre os belos vales da Úmbria. A este respeito, o “dom da simpatia” de Francisco, sem dúvida, parece ter sido ainda maior do que o de São Paulo, já que não encontramos evidências do amor do Apóstolo pela natureza e pelos animais.

Igualmente atraente que seu senso ilimitado de companheirismo era a sinceridade e simplicidade abertas de Francisco, sem sofisticação. “Queridos”, uma vez que um sermão começou depois de uma grave doença, “devo confessar a Deus e a você que durante a última Quaresma eu comi bolos feitos de manteiga”. E quando um guarda insistiu que Francisco usasse uma pele de raposa sob a túnica puída para se aquecer, o santo concordou com a condição de que outra pele do mesmo tamanho fosse costurada do lado de fora. Pois era de primordial importância que ele não escondesse dos homens o que era conhecido por Deus. “O que um homem é aos olhos de Deus”, ele gostava de repetir, “é tudo o que é e nada mais” – disse que aconteceu com “Imitação” e que tem sido freqüentemente citado. Outra característica atraente de Francisco, que inspira a mais profunda afeição, foi sua inabalável retidão de propósito e busca incessante de um ideal. “Seu desejo mais ardente durante sua vida”, escreve Celano, “era buscar sempre entre sábios e simples, perfeitos e imperfeitos, os meios para percorrer o caminho da verdade”. Para Francisco, a verdade mais verdadeira era o amor. Daí seu profundo senso de responsabilidade pessoal para com seus amigos. O amor de Cristo, e dele crucificado, permeava toda a vida e caráter de Francisco, e ele colocou sua principal esperança de redenção e superação para a humanidade sofredora na imitação literal de seu Divino Mestre. O santo imitou o exemplo de Cristo da maneira mais literal possível. descalço e em total pobreza proclamava o reino do amor. Aquela imitação heroica da pobreza de Cristo foi talvez a marca da vocação de Francisco, e foi sem dúvida, nas palavras de Bossuet, o mais ardente, mais entusiasta e desesperado amante da pobreza que o mundo já viu. O que Francisco mais odiava depois de dinheiro era discórdia e divisão. A paz, portanto, tornou-se sua palavra-chave. A patética reconciliação que ele alcançou em seus últimos dias entre o bispo e o potestade de Assis é apenas um exemplo entre muitas de suas forças para apaziguar as tempestades da paixão e restaurar a tranquilidade aos corações destruídos por conflitos civis. O dever de um servo de Deus, declarou Francisco, era elevar os corações dos homens e trazê-los à alegria espiritual. Isso porque o santo e seus seguidores dirigiram-se ao povo não “dos bancos dos mosteiros ou com a cuidadosa irresponsabilidade do estudante de clausura”, mas “viviam entre eles e lutavam com os males do sistema sob o qual as pessoas reclamavam “… Eles trabalhavam em troca de seu salário, executando as tarefas mais humildes e insignificantes, falando aos pobres com palavras de esperança que o mundo não ouvia há muito tempo. Foi assim que Francisco preencheu a lacuna entre o clero aristocrático e o povo comum e, embora não tenha ensinado nenhuma doutrina nova, ele popularizou novamente o que fora dado na montanha, que o Evangelho tomou nova vida e exigiu um novo tipo de amor.

Tais são, de forma muito resumida, algumas das características mais marcantes que tornam a figura de Francisco tão cativante que todos os tipos de pessoas são atraídas para ele com um sentimento de apego pessoal. Poucos, no entanto, entre aqueles que sentem o encanto da personalidade de Francisco, podem seguir o santo até sua altura solitária de comunhão com Deus. Pois, apesar de ser um atrativo “menestrel de Deus”, Francisco também era um profundo místico no verdadeiro sentido da palavra. O mundo inteiro era para ele uma escala luminosa, por cujos passos ele ascendeu à contemplação de Deus. É errado, no entanto, descrever Francisco como vivendo “em uma altura em que o dogma deixa de existir”, e ainda mais distante da verdade é representar a linha de seu ensino como aquele em que a ortodoxia estava sujeita a ” humanitarismo “. A menor das pesquisas sobre a fé religiosa de Francisco é suficiente para mostrar que ela abrange a totalidade do dogma católico, nem mais nem menos. Se os sermões do santo eram mais morais do que doutrinais, era porque ele falava para satisfazer as exigências do seu tempo e aqueles a quem ele falava não se desviaram do dogma; eles eram mais “ouvintes” do que “criadores” da Palavra. É por isso que Francisco deixou de lado as questões mais teóricas e voltou ao Evangelho.

Além disso, ver em Francisco o amigo amante de todas as criaturas de Deus, o alegre cantor da natureza, é ignorar completamente o aspecto de seu trabalho que explica todo o resto – seu lado sobrenatural.Poucas vidas foram tão imbuídas do sobrenatural, como o próprio Renan admite. Não há outro lugar, talvez, onde possamos encontrar um olhar mais apurado sobre o mundo interior do espírito e, no entanto, tão misturados são Francisco no sobrenatural com o natural, que até mesmo seu ascetismo às vezes o cobriu de romance, como Atesta a sua bravura para Dama Pobreza, no sentido de que ele deixou de ser figurativo. A imaginação particularmente vívida de Francisco estava imbuída das imagens do chanson de geste e, por causa dessa tendência tão marcada pelo drama, ele se deleitava em acomodar sua ação ao pensamento. Da mesma forma, a natureza pitoresca do santo levou-o a unir religião e natureza. Ele encontrou em todas as criaturas, por mais triviais que parecessem, algum reflexo da perfeição divina, e deleitou-se em admirar nelas a beleza, a força, a sabedoria e a bondade de seu Criador. Dessa forma, ele descobriu os sermões ainda nas pedras e a bondade em tudo. Além disso, a natureza simples e até infantil de Francisco foi fortalecida pela ideia de que, se tudo vem do mesmo Pai, então todos fazem parte da mesma família. É daí que vem o hábito de irmanação com todos os tipos de objetos animados e inanimados. A personificação, portanto, dos elementos do “Canto do Sol” é muito mais que uma figura literária. O amor de Francisco pelas criaturas não foi simplesmente o resultado de uma natureza fraca ou de uma disposição sentimental. Veio sim daquele profundo e permanente sentido da presença de Deus, que sublinhava tudo o que ele dizia ou fazia. O regozijo habitual de Francisco não era de natureza irresponsável, nem de alguém que não havia tocado a dor. Ninguém testemunhou as batalhas internas de Francisco, suas prolongadas agonias de lágrimas ou sua luta secreta em oração. E se o encontrarmos fazendo pantomimas de música, movendo um par de varinhas para imitar um violino e assim dar rédea solta à sua alegria, também o encontraremos com um coração dolorido pelo peso das dissensões na ordem que ameaçava fazer sua corrida ideal encalhar. . Nem nunca faltou tentações ou outros desconfortos. A leveza de Francisco teve sua origem em seu total abandono de tudo presente e fugaz, no qual ele encontrara a liberdade interior dos filhos de Deus; tomou sua força de sua íntima união com Jesus na Santa Comunhão. O mistério da Sagrada Eucaristia, sendo uma extensão da Paixão, ocupou um lugar preponderante na vida de Francisco, e nada tinha tanta importância em seu coração quanto o que se relacionava com o culto do Santíssimo Sacramento. Por isso, não só ouvimos Francisco exortar o clero a mostrar respeito a tudo o que está relacionado com o sacrifício da missa, mas o vemos varrendo igrejas pobres, procurando vasos sagrados para elas e providenciando pão para o altar feito por o mesmo. Tão grande era a reverência de Francisco pelo sacerdócio, por causa de sua relação com o sacramento adorável, que em sua humildade ele nunca se atreveu a aspirar a essa dignidade. A humildade era indubitavelmente a virtude dominante do santo. Embora ele fosse o ídolo de uma devoção entusiástica, ele nunca se considerava o mais jovem de todos. Igualmente admirável em Francisco foi sua pronta e dócil obediência à voz da graça dentro dele, mesmo nos primeiros dias em que sua ambição ainda não estava bem definida e seu espírito de interpretação não era tão preciso. Mais tarde, com uma clara consciência de sua missão como qualquer profeta poderia ter, ele se submeteu incondicionalmente ao que constituía a autoridade eclesiástica. Nenhum reformador, além disso, era menos agressivo que Francisco. Seu apostolado incorporava o mais nobre espírito de reforma; Ele sempre procurou corrigir os abusos baseados em manter seu ideal. Ele estendeu os braços para aqueles que desejavam “os melhores presentes”. Ele deixou os outros em paz.

Assim, sem conflito ou cisma, o Pequeno Homem de Deus de Assis tornou-se o meio de renovar a juventude da Igreja e iniciar o movimento religioso mais poderoso e popular desde o início do cristianismo.Não há dúvida de que seu movimento tinha um lado social e também religioso. Já é um fato histórico que a Terceira Ordem de São Francisco teve muito a ver com a re-cristianização da Europa medieval. No entanto, o objetivo final de Francisco era religioso. Reanimar o amor de Deus no mundo e reviver a vida do espírito nos corações dos homens, tal era a sua missão. Mas porque Francisco primeiro procurou o reino de Deus e sua justiça, muitas outras coisas foram dadas a ele. E o seu requintado espírito franciscano, como é chamado, quando transmitido ao vasto mundo, tornou-se uma fonte inesgotável de inspiração. Talvez seja visto como um exagero dizer, como já foi dito, que “todos os fios da civilização dos séculos subsequentes parecem partir de Francisco”, e que desde aquele dia “o caráter da Igreja Católica é notavelmente úmbria”. Será difícil, por outro lado, superestimar o efeito produzido por Francisco na mentalidade de seu tempo, ou na força aceleradora que ele exibiu nas gerações que o sucederam. Se mencionarmos apenas dois aspectos de sua influência persuasiva, Francisco deve fazer parte daqueles com quem o mundo das artes e das letras está endividado. Como Arnold comenta, a prosa não podia satisfazer a alma ardente do santo, então ele fez poesia. É claro que ele não era versado nas regras de composição para se mover nessa direção. Mas ele emitiu o primeiro grito da poesia nascente que encontrou sua máxima expressão na “Divina Comédia”. Por isso, Francisco foi chamado de precursor de Dante. O que o santo fez foi ensinar às pessoas “acostumadas à versificação artificial dos poetas da corte latina e provençal o uso de sua língua nativa em hinos espontâneos simples, que eram ainda mais populares entre os laudi e os canticias de seu seguidor poeta Japone de Todi “. Além disso, na medida em que a repraesentatio, como Salimbene os chama, feita por Francisco, do estábulo de Belém foram os primeiros pastorelas conhecidos na Itália, ele é contado como parte do renascimento do drama. De alguma forma, se o amor de Francisco por cantar convidava o início do verso italiano, sua vida também produziu o nascimento da arte italiana. Ruskin diz que sua história se tornou uma tradição apaixonada pintada em todos os lugares com prazer. A lenda primitiva franciscana, cheia de cor, possibilidades dramáticas e interesse humano, desde pintores com o material mais popular desde a vida de Cristo. Assim que apareceu na arte, a figura de Francisco tornou-se um assunto favorito, especialmente para a escola mística da Úmbria. É verdade que foi dito que, seguindo sua figura, podemos “construir uma história da arte cristã, dos predecessores de Cimabue a Guido Reni, Rubens e Van Dyck”.

Provavelmente, o retrato mais antigo de Francisco que chegou até nós é o que está preservado no Sacro Speco de Subiaco. Diz-se que foi pintado por um monge beneditino durante uma visita do santo àquele lugar, que pode ter ocorrido em 1218. A ausência de estigmas, halo e o título de santo naquele afresco é a principal razão para considerá-lo um trabalho daquele tempo. Não é, no entanto, um verdadeiro retrato no sentido moderno da palavra, e dependemos da apresentação tradicional de Francisco e não dos ideais de artistas, como a estátua de Della Robbia na Porciúncula, que sem dúvida constitui as efígies de vera. do santo, algo que nenhum retrato bizantino pode ser, e a descrição gráfica de Francisco deixada por Celano (Vita Prima, C.LXXXIII). De estatura abaixo da mediana, nos dizem, e de uma maneira frágil, Francisco tinha um rosto longo mas alegre e uma voz suave mas forte, pequenos olhos negros, cabelos castanhos escuros e barba fina. Ele não tinha uma personalidade imponente, no entanto, havia nele uma certa delicadeza, graça e distinção que o tornavam extremamente atraente.

Os materiais literários para a história de São Francisco são quase sempre copiosos e autênticos. Há poucas vidas medievais tão completamente documentadas. Temos, em primeiro lugar, os próprios escritos do santo. Estas não são volumosas e nunca foram escritas com o propósito de transmitir suas idéias de maneira sistemática, mas ainda assim carregam a marca de sua personalidade e as características de sua pregação. Parecem ser suficientes alguns pensamentos tomados “das palavras do Senhor”, que ele repete várias vezes, adaptando-os às necessidades das pessoas a quem ele estava se dirigindo. Seus escritos, curtos, simples e informais, respiram amor não estudado pelo Evangelho e reforçam a mesma moralidade prática, enquanto abundam em alegorias e personificações, e revelam um tecido de fraseologia bíblica.Nem todos os escritos do santo foram preservados, e alguns daqueles anteriormente atribuídos a ele são agora acreditados com maior certeza de serem obra de outros. A autêntica opuscula de Francisco que ainda existe compreende, além da regra dos Frades Menores e alguns fragmentos de outra legislação seráfica, várias cartas, incluindo uma dirigida a “todos os cristãos que habitam o mundo”, uma série de conselhos espirituais dirigidos aos seus discípulos, as “Laudes Creaturarum” ou “Cântico do Sol”, e alguns louvores menores, um escritório de Paixão compilado para seu uso pessoal, e algumas outras orações que mostram Francisco como Celano o viu, “não tanto um homem rezando, mas a oração em si. ” Além dos escritos do santo, as fontes da história de Francisco incluem algumas primeiras bulas papais e outros documentos diplomáticos, como são chamados, que tratam de sua vida e obra. Depois, há as próprias biografias. Eles incluem as vidas escritas entre 1229-1247 por Tomás de Celano, um dos seguidores de Francisco; uma narrativa conjunta de sua vida compilada em 1246 por Leon, Rufino e Angelo, companheiros íntimos do santo, a famosa lenda de São Boaventura, que surgiu por volta de 1263. Além disso, há uma lenda mais polêmica chamada “Speculum Perfectionis“, atribuída à Irmão Leo, mas cuja autoria ainda é motivo de controvérsia. Há também várias crônicas importantes do século XIII sobre a ordem, como as da Jordânia, Eccleston e Bernardo de Besse, juntamente com a “Chronica XXIV Generalium” e o “Liber de Conformitate“, que constituem uma classe de continuação dessas. Todas as biografias posteriores de Francisco são baseadas nesses trabalhos.

Os últimos anos testemunharam um notável crescimento de interesse na vida e obra de São Francisco, especialmente entre os não-católicos, e Assis, consequentemente, tornou-se o objetivo de uma nova classe de peregrinos. Esse interesse, principalmente literário e acadêmico, centra-se no estudo de documentos primitivos relacionados à história do santo e aos primórdios da ordem franciscana. Apesar de ter começado há vários anos, este movimento recebeu o seu maior impulso a partir da publicação em 1894 da “Vida de S. Francisco”, uma obra que foi quase simultaneamente coroada pela Academia Francesa e colocada no Index. Apesar da antipatia do autor em relação ao ponto de vista religioso do santo, sua biografia de Francisco revela uma grande erudição, pesquisa profunda e uma visão crítica rara que abriu uma nova era no estudo das fontes franciscanas. Para levar este estudo ainda mais longe, em 1902, foi fundada em Assis a Sociedade Internacional de Estudos Franciscanos, cujo objetivo é reunir uma biblioteca o mais completa possível de obras sobre a história franciscana e compilar um catálogo de manuscritos franciscanos atualmente dispersos. Em diferentes países, vários jornais dedicados exclusivamente a documentos e discussões franciscanos também foram criados. Embora em pouco tempo uma abundante literatura tenha crescido em torno do Poverello, nada essencialmente novo foi acrescentado ao que já se sabia sobre o santo. O intenso trabalho de pesquisa dos últimos anos resultou na recuperação de vários textos primitivos importantes e levou a muitos estudos críticos magníficos sobre as fontes; mas a melhor nota recebida desse interesse moderno pelas origens franciscanas foi a cuidadosa reedição e tradução dos escritos de Francisco e quase todos os manuscritos contemporâneos das autoridades que lidam com sua vida. Não são poucas as questões controversas relacionadas ao assunto, mesmo para aqueles que não são verdadeiros estudantes da lenda franciscana, mas não puderam ser tratados dentro dos limites deste artigo. Basta indicar algumas das principais obras sobre a vida de São Francisco.

Os escritos de São Francisco foram publicados em “Opuscula SPFrancisci Assisiensis” (Quaracchi, 1904);Böhmer, “Analekten zur Geschichte des Franciscus von Assisi” (Tübingen, 1904); Universidade de Alençon, “Os Opuscules de S. Francisco de Assis” (Paris, 1905); Robinson, “Os Escritos de São Francisco de Assis” (Filadélfia, 1906).


Fonte: Robinson, Paschal. “St. Francis of Assisi.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 6. New York: Robert Appleton Company, 1909. 3 Oct. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/06221a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/San_Francisco_de_As%C3%ADs>.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa em 4 de outubro, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que, pelos merecimentos do bem-aventurado Francisco, enriquecestes a vossa Igreja com uma família religiosa, fazei que, a seu exemplo, desprezemos as coisas da terra, e tenhamos a alegria de sempre participarmos dos bens do Céu. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.
OREMUS

Deus, qui Ecclésiam tuam beáti Franisci méritis fœtu novæ prolis amplíficas: tríbue nobis; ex ejus imitatióne, terréna despícere, et cæléstium donórum semper participatióne gaudére. Per Dominum Nostrum Jesum Christum. Amen.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.