Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santa Clara de Assis

Pascal Robinson, Enciclopédia Católica

Co-fundadora da Ordem das Pobres Damas, ou Clarissas, e primeira abadessa de São Damião; nascida em Assis em 16 de julho de 1194; morreu na mesma cidade em 11 de agosto de 1253. Ela era a filha mais velha de Favorino Scifi, conde de Sasso-Rosso, rico representante de uma antiga família romana, a quem pertencia um grande palácio em Assis e um castelo nas encostas do Monte Subásio. Isto é, pelo menos, o que a tradição diz. Sua mãe, Ortolana, pertencia à nobre família dos Fiumi e destacava-se por seu zelo e piedade. Desde seus primeiros anos Clara parecia dotada das mais raras virtudes. Quando criança, gostava muito da oração e da prática da mortificação e, quando chegou à adolescência, seu desgosto pelo mundo e seu desejo por uma vida mais espiritual aumentaram. Quando Clara tinha dezoito anos São Francisco foi à igreja de São Jorge para pregar durante a Quaresma. As palavras inspiradas do pobrezinho de Assis acenderam uma chama no coração de Clara. Ela foi procurá-lo em segredo e implorou-lhe para ajudá-la a viver também “de acordo com o modo do Santo Evangelho”. São Francisco, que imediatamente reconheceu em Clara uma daquelas almas escolhidas destinadas por Deus para grandes coisas, e que, sem dúvida, também previu que muitos outros poderiam seguir seu exemplo, prometeu ajudá-la. No Domingo de Ramos, Clara, adornada, assistiu à Missa na Catedral, mas quando os outros se aproximaram do altar para pegar um buquê de palmeiras, ela permaneceu em seu lugar. Todos os olhos caíram sobre a garota. Então o bispo desceu do altar e colocou a palma em sua mão. Esta foi a última vez que o mundo olhou para Clara. Naquela mesma noite, ela secretamente deixou a casa de seu pai seguindo o conselho de São Francisco e, acompanhado por sua tia Bianca, foi à humilde capela da Porciúncula, onde São Francisco, depois de cortar o cabelo, a vestiu com um grande manto e véu grosso. Desta forma, a jovem fez um voto de serviço a Jesus Cristo. Era 20 de março de 1212.

Clara foi provisoriamente instalada por São Francisco com as freiras beneditinas da abadia de São Paulo, perto de Bastia Umbra, mas seu pai, que estava esperando para ela um esplêndido casamento, e que estava furioso com sua fuga secreta, fez o possível, ao descobrir seu retiro, para impedi-la de seu projeto e até tentou levá-la para casa à força. Mas Clara manteve-se firmemente acima de sua idade e o conde Favorino foi finalmente forçado a abandoná-la. Poucos dias depois, São Francisco, para dar a Clara a solidão que queria, transferiu-a para Santo Ângelo de Panzo, outro mosteiro beneditino em um dos contrafortes do Monte Subásio. Aqui, dezesseis dias depois de sua fuga, ela foi acompanhado por sua irmã Inês, de que a qual fora um instrumento de libertação em face da perseguição de seus parentes furiosos. Clara e sua irmã permaneceram com as freiras de Santo Ângelo até que, junto com outras fugitivas do mundo, foram estabelecidas por São Francisco em uma acomodação rústica adjacente à pobre capela de São Damião, localizada fora dos muros da cidade, construída em grande parte por suas próprias mãos, e que ele obteve dos beneditinos como uma morada permanente para suas filhas espirituais. Desta forma, foi fundada a primeira comunidade da Ordem das Pobres Damas, ou Clarissas, como ficou conhecida esta segunda ordem de São Francisco.  

A história das Clarissas será tratada em um artigo separado. Aqui basta indicar que podemos distinguir, durante a vida de Santa Clara, três etapas da complicada história inicial. No início, Santa Clara e suas companheiras não tinham nenhuma regra escrita a seguir, exceto por uma breve formula vitae dada por São Francisco, e que pode ser encontrada em seus trabalhos. Alguns anos depois, aparentemente em 1219, durante a viagem de São Francisco ao Oriente Médio, o cardeal Ugolino, protetor da ordem na época, e mais tarde Gregório IX, delineou uma regra escrita para as Clarissas de Monticelli, baseada na Regra de São Bento, mantendo seus pontos fundamentais e acrescentando algumas constituições especiais. Esta nova regra que, com efeito, se não na intenção, removia das Clarissas a característica franciscana da pobreza absoluta tão cara ao coração de São Francisco, e fez delas, para propósitos práticos, uma congregação de beneditinas, que foi aprovada por Honório III (Bula “Sacrosancta“, 9 de dezembro de 1219 ). Quando Clara soube que a nova ordem, tão rígida em outros aspectos, permitia a posse de propriedades em comum, ela corajosamente e com sucesso se opôs às inovações de Ugolino, por se opor completamente às intenções de São Francisco. Ele havia proibido as Pobres Damas, como fizera com seus frades, de possuir qualquer imóvel, mesmo em comum. Por não possuírem nada, dependiam inteiramente do que os frades menores podiam pedir por elas. Esta renúncia completa de toda a propriedade foi, no entanto, considerada por Ugulino inviável para as mulheres de clausura. Portanto, quando em 1228 ele foi para Assis para a canonização de São Francisco (tendo entretanto subido ao trono papal como Gregório IX), ele visitou Santa Clara em São Damião, e pressionou-a tentando desviá-la da prática da pobreza que tinha mantido até aquele momento em São Damião, e fazê-la aceitar alguns bens para cobrir as necessidades imprevistas da comunidade. Mas Clara recusou com firmeza. Gregório IX, acreditando que sua renúncia poderia ser devido ao medo de violar o voto de absoluta pobreza que ela havia feito, se ofereceu para absolvê-la. ”Santo Padre, anseio pela absolvição dos meus pecados”, Clara respondeu, “mas eu não desejo ser absolvida da minha obrigação de seguir a Jesus Cristo”.   

O desprendimento heroico de Clara encheu o papa de admiração, como mostra a carta ainda existente, que lhe escreveu com depoimentos eloquentes, ao ponto de outorgá-la em 17 de setembro de 1228 a famoso Privilegium Paupertis, com algumas considerações sobre a correção da regra de 1219. A cópia original deste privilégio – a primeira desse tipo solicitada ou concedida pela Santa Sé – é guardada no arquivo de Santa Clara de Assis. O texto é o seguinte:

Gregório, Bispo Servo dos Servos de Deus. À nossa querida filha em Cristo Clara e a outras servas de Cristo que vivem juntos na Igreja de São Damião da Diocese de Assis. Saúde e Bênção Apostólica. É evidente que o desejo de se consagrar somente a Deus a levou a abandonar todo o desejo por coisas temporárias. Depois de vender todos os seus bens e distribuí-los entre os pobres, você se propõe a não ter posse, pois o braço esquerdo do seu Marido Celestial está acima de sua cabeça para sustentar a fraqueza de seu corpo, que, de acordo com a ordem de caridade, você tem sujeitado à lei do espírito. Finalmente, Aquele que alimenta os pássaros e dá aos lírios do campo suas roupas finas e seu sustento, não o deixará na necessidade de roupas ou alimentos até que Ele venha para os assistentes na eternidade quando, a saber, a mão direita de Sua consolação a abraça na plenitude de sua visão beatífica. Desde então, você pediu por isso. Confirmamos seu favor apostólico como sua resolução da mais nobre pobreza e, pela autoridade das presentes cartas, garantimos que você não pode ser forçada por ninguém a receber posses. Ninguém, portanto, pode violar nossa concessão ou se opor a ela com imprudente audácia. Mas se alguém pretende tentar contra ela, deixe-a saber que ela vai incorrer na ira do Deus Todo-Poderoso e seus Apóstolos Abençoados, Pedro e Paulo. Dado em Perúgia quinze dias depois do calendário de outubro do segundo ano do nosso pontificado. 

Não é improvável que Santa Clara tenha pedido um privilégio como o anterior em uma data precedente, e que ela o tivesse obtido em voz alta. É verdade que depois da morte de Gregório IX, Clara teve que lutar mais uma vez pelo princípio da absoluta pobreza prescrito por São Francisco, já que Inocêncio IV queria dar às Clarissas uma nova e mitigada regra. Mas a firmeza com que ela resistiu, venceu o papa. Finalmente, dois dias antes da morte de Clara, Inocêncio, sem hesitar ao repetido pedido da abadessa agonizante, solenemente confirmou a Regra definitiva das Clarissas (Bula “Solet Annuere“, 9 de agosto de 1253), e assim ele assegurou-lhes o precioso tesouro da pobreza que Clara, em imitação de São Francisco, tirara do momento de sua conversão. O autor desta última regra, que em grande parte é uma adaptação mutatis mutandis da regra que São Francisco elaborou para seus Frades menores em 1223, parece ter sido o cardeal Reginaldo, bispo de Ostia, e protetor da ordem, mais tarde Alexandre IV, embora seja muito provável que a própria Santa Clara desse uma ajuda para a compilação. Visto desta maneira, não pôde ser mantido por mais tempo que São Francisco era, de algum modo, o autor desse governo formal das Clarissas; ele apenas deu  a Santa Clara, como princípio de sua vida religiosa, a breve formula vivendi já mencionada. 

Santa Clara, que em 1215 se tornara superiora de São Damião por São Francisco, em grande parte contra sua vontade, continuou a governar ali como abadessa até sua morte em 1253, quase quarenta anos depois. Não há boas razões para acreditar que ela teria cruzado as muralhas de São Damião durante todo esse tempo. Não é de admirar, portanto, que comparativamente poucos detalhes da vida de Santa Clara no claustro “oculto com Cristo em Deus” nos tenham chegado. Sabemos que se tornou uma réplica viva da pobreza, humildade e mortificação de São Francisco. Ele tinha uma devoção especial à Sagrada Eucaristia e, para aumentar seu amor pelo Cristo crucificado, aprendeu de coração o Ofício da Paixão, composto de São Francisco, e durante o tempo em que deixavam seus exercícios devocionais, dedicavam-se ao trabalho manual. Não é necessário acrescentar que durante a orientação de Santa Clara, a comunidade de São Damião tornou-se o santuário da virtude, um verdadeiro viveiro de santos. Clara teve o consolo não só de ver sua irmã mais nova Beatriz, sua mãe Ortolana e sua devota tia Bianca seguindo sua irmã Inês e entrando na ordem, mas também testemunhando a fundação dos conventos das Clarissas largamente na Europa. Seria difícil, no entanto, estimar o quanto a influência silenciosa da abadessa fez para guiar as mulheres medievais em direção a metas mais altas. Em particular, Clara espalhou esse charme irresistível em torno de sua pobreza que só as mulheres podem comunicar ao heroísmo civil ou religioso, e ela se tornou a ajudante mais eficaz de São Francisco na promoção desse espírito de desapego que, de acordo com o conselho de Deus, “produziu uma restauração da disciplina da Igreja, da moralidade e da civilização na Europa Ocidental”. Certamente não foi a parte menos importante do trabalho de Clara, a ajuda e o incentivo que ela deu a São Francisco. Em uma ocasião em que ele acreditava que sua vocação repousava em uma vida contemplativa, ele se voltou para ela com suas dúvidas, e Clara insistiu para que ele continuasse sua missão para o povo. Quando em um ataque de cegueira e doença São Francisco foi visitar São Damião pela última vez, Clara ergueu para ele uma pequena cabana em um bosque de oliveiras perto do convento, e foi lá que ele compôs sua gloriosa “Canção das Criaturas”. Após a morte de São Francisco, a procissão que acompanhava seus restos da Porciúncula até a cidade parou em São Damião para que Clara e suas irmãs venerassem as mãos e os pés furados daqueles que os transformaram no amor do Cristo crucificado – uma cena cheia de alegria que Giotto recordou em um dos seus melhores afrescos. No entanto, no que diz respeito à Clara, São Francisco esteve sempre vivo, e não há nada, talvez, mais marcante em sua vida posterior do que sua lealdade inabalável aos ideais do Poverello (O Pobrezinho de Assis), e o cuidado ciumento com que ela agarrava seu governo. e seu ensinamento. 

Quando, em 1234, o exército de Frederico II devastou o Vale do Espoleto, os soldados, preparando-se para o assalto de Assis, escalaram as muralhas de São Damião à noite espalhando terror entre a comunidade. Clara levantou-se do leito de doente e, tirando o cibório da pequena capela ligada à cela, enfrentou os invasores, que já haviam apoiado uma escada numa janela aberta. Dizem que, enquanto ela erguia o Santíssimo Sacramento, os soldados que iam entrar recuaram como se estivessem deslumbrados, e os outros que estavam prontos para segui-los começaram a fugir. Devido a este incidente, Santa Clara é geralmente representada carregando um cibório. 

Quando, algum tempo depois, uma força maior, liderada pelo general Vitale di Aversa, que não estava presente no primeiro ataque, voltou a assaltar Assis, Clara, junto com suas irmãs, ajoelhou-se na oração mais sincera para que a cidade pudesse ser salva. Em pouco tempo irrompeu uma furiosa tempestade, que espalhou as tendas dos soldados em todas as direções e causou tanto pânico que eles se colocaram em fuga. A gratidão dos habitantes de Assis, que de comum acordo atribuíram sua libertação à intercessão de Clara, aumentou seu amor pela “Mãe Seráfica”. Clara havia sido guardada nos corações das pessoas, e sua veneração por ela se tornou mais manifesta quando, desgastada por doenças e austeridades, ela estava chegando ao fim. Corajosa e alegre até o fim apesar de suas longas e dolorosas enfermidades, Clara fez com que a levantassem na cama e, assim reclinada, diz seu biógrafo contemporâneo, “ela girou os fios mais finos com o propósito de tê-los entrelaçados no material mais delicado, com o qual ela fez mais tarde mais de uma centena de cabos e, guardando-os num saco de seda, ordenaram que fossem distribuídos entre as igrejas dos campos e montanhas de Assis. “ Quando ela finalmente sentiu que o dia de sua morte estava se aproximando, Clara, chamando suas religiosas aflitas ao seu redor, lembrou-as dos muitos benefícios que elas tinham recebido de Deus e as encorajou a perseverarem cheias de fé na observância da pobreza evangélica. O Papa Inocêncio IV veio de Perúgia para visitar a santa moribunda, que já havia recebido os últimos sacramentos do cardeal Reginaldo. Sua própria irmã, Santa Inês retornou de Florença para consolá-la em sua última doença; Leão, Ângelo e Junípero, três dos primeiros companheiros de São Francisco, também estavam presentes no leito mortal, e Santa Clara pediu-lhes que lessem em voz alta a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João, como haviam feito trinta e sete anos antes, quando Francisco estava deitado morrendo na Porciúncula. Finalmente, antes do amanhecer de 11 de agosto de 1253, a santa fundadora das Pobres Damas morreu em paz entre cenas que seu biógrafo contemporâneo registrou com simplicidade tocante. O papa, com sua corte, fora a São Damião para o funeral da santa, que assumiu quase a natureza de uma procissão triunfal. 

As Clarissas desejavam manter o corpo de sua fundadora com elas em São Damião, mas os magistrados de Assis interferiram e tomaram medidas para garantir à cidade os restos venerados de quem, como eles acreditavam, a salvaram duas vezes da destruição. Os milagres de Clara haviam sido contados em todos os lugares. Não era seguro, de acordo com os cidadãos de Assis, deixar o corpo de Clara em um lugar solitário do lado de fora dos muros; Também foi justo que Clara “a principal concorrente do Beato Francisco na observância da perfeição do Evangelho” também tivesse uma igreja construída em sua homenagem em Assis. Enquanto isso, os restos mortais de Clara foram depositados na capela de São Jorge, onde a pregação de São Francisco tocou seu jovem coração pela primeira vez, e onde seu próprio corpo também foi colocado enquanto a Basílica de São Francisco foi erguida. Dois anos depois, em 26 de setembro de 1255, Clara foi solenemente canonizada por Alexandre IV, e não muito depois a construção da igreja de Santa Clara, em homenagem ao segundo grande santo de Assis, foi iniciada sob a direção de Filippo Campello, um dos principais arquitetos do seu tempo. Em 03 de outubro de 1260, os restos mortais de Clara foram transferidos da capela de São Jorge e enterrados nas profundezas da terra, sob o altar principal da nova igreja, longe da vista e do alcance de qualquer um. Depois de ter permanecido escondida por seis séculos – como os restos mortais de São Francisco – e depois de muitas buscas terem sido realizadas, a tumba de Clara foi localizada em 1850, para a grande alegria dos habitantes da cidade. Em 23 de setembro daquele ano, o caixão foi desenterrado e aberto; a carne e as roupas da santa foram reduzidas a pó, mas o esqueleto estava em perfeitas condições. Finalmente, em 29 de setembro de 1872, os ossos da santa foram transferidos, com muita pompa, pelo arcebispo Pecci, mais tarde Leão XIII, para o sepulcro erguido na cripta de Santa Clara para recebê-los e onde agora podem ser vistos. A festa de Santa Clara é celebrada em toda a Igreja no dia 12 de agosto; a festa de seu primeiro traslado se mantém na ordem no dia 03 de outubro e o da descoberta de seu corpo em 23 de setembro. 

 As fontes da história de Santa Clara à nossa disposição são poucas em número. Eles incluem (1) um Testamento atribuído à santa e algumas adoráveis ​​Cartas escritas para ela pela Beata Agnes, Princesa da Boêmia; (2) a Regra das Clarissas e certo número de primeiras Bulas Pontifícias relacionadas com a Ordem; (3) uma biografia contemporânea, escrita em 1256 por ordem de Alexandre IV. Esta vida, que atualmente é geralmente atribuída a Tomás de Celano, é a fonte de onde os biógrafos de Santa Clara obtiveram a maior parte de suas informações.


Fonte: Robinson, Paschal. “St. Clare of Assisi.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 4. New York: Robert Appleton Company, 1908. 11 Aug. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/04004a.htm>.

Traduzido por Ruan Gabriel a partir da versão espanhola, disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/Santa_Clara_de_As%C3%ADs>.

[Segue abaixo oração à santa, por ocasião de sua festa a 12 de agosto, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ouvi-nos, ó Deus nosso Salvador, para que, celebrando com alegria a festa da bem-aventurada Clara, vossa Virgem, sejamos animados dos sentimentos de uma terna devoção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.