Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida do Papa São Zeferino

Johann Peter Kirsch, Enciclopédia Católica

Governou a Igreja entre 198 e 217. Sua data de nascimento é desconhecida; Morreu em 20 de dezembro de 217. Após a morte do Papa São Vítor I em 198, Zeferino foi eleito e consagrado como seu sucessor. O Papa é descrito por Santo Hipólito na “Philosophymena” (IX, XI) como um homem simples sem educação . Obviamente, isso significa que Zeferino não completou o ensino superior e se dedicou à administração prática da Igreja e não aos estudos teológicos. Imediatamente após sua ascensão à Sé Romana, Zeferino chamou a Roma o confessor Calisto, que vivia em Antium e recebia uma pensão mensal do papa Vítor, e encarregou-o da supervisão do coemeterium. É evidente que, pouco tempo antes, a comunidade cristã romana, sob Vítor, tornou-se dona de um local de sepultamento comum na Via Apia, e Zeferino colocou Calisto aos cuidados desse cemitério que recebeu o nome deste último. Sem dúvida, Zeferino também nomeou Calisto diácono da Igreja Romana. Ele era o conselheiro confidencial do papa, a quem ele sucedeu. As posições sociais dos cristãos, que permaneceram favoráveis ​​durante os primeiros anos do governo do imperador Septímio Severo (193-211), estavam piorando a cada dia, e em 202 ou 203 o edito de perseguição parecia que proibia a conversão ao cristianismo sob severas punições. Nada se sabe sobre o cumprimento do decreto em Roma ou dos mártires da Igreja Romana na época.

No entanto, é certo o que se sabe sobre as disputas internas da Igreja a respeito da doutrina da Santíssima Trindade . Os seguidores do professor herético Teódoto de Bizâncio, haviam sido excomungados com seu líder pelo Papa Vítor. Eles formaram uma comunidade herética independente em Roma, administrada por outro Teódoto, o Cambista e Asclepíades. Esses homens persuadiram um confessor de Roma chamado Natálio, que havia reconhecido sua fé sem hesitação perante um juiz pagão e sofrera tortura, a ser nomeado bispo daquela seita por um pagamento mensal de 170 denários. Natálio, no entanto, recebeu muitos avisos em sonhos . A princípio ele não prestou atenção a essas visões, mas em uma ocasião ele acreditou ter sido severamente torturado por anjos e a partir de então começou a refletir sobre o assunto. De manhã cedo vestiu roupas de penitência , cobriu-se de cinzas e se prostrou chorando aos pés de Zeferino. Ele confessou seu mau desempenho e implorou para ser recebido de volta à comunhão da Igreja, que foi finalmente concedida (Eusébio de Caesareia , História da Igreja, V.32). 

Na mesma época, os seguidores de Montano também trabalhavam com grande energia em Roma. O montanista Próculo (ou Proclo) publicou um trabalho em defesa das novas profecias. Uma réplica a Proclo na forma de um diálogo foi escrita por um cristão romano iluminado e rigidamente ortodoxo chamado Caio, no qual ele se refere à tumba de São Pedro na Colina do Vaticano e a de São Paulo na Via Ostiense. Caio rejeitou o Apocalipse de São João , o qual considerou uma obra do herege Cerinto. Em oposição a Caio, Hipólito escreveu a sua “Capita contra Caium” (cf. Eusébio, História da Igreja, II.28 e VI.20).

Hipólito foi o teólogo mais importante entre os presbíteros romanos da época. Ele foi um declarado defensor da doutrina do Logos Divino. Ele ensinou que o Logos Divino se fez homem em Jesus Cristo, que o Logos é diferente de Deus em tudo, que ele é o mediador entre Deus e o mundo das criaturas. Esta doutrina, na forma que foi exposta por Hipólito e sua escola, levantou muitas dúvidas , e outra escola teológica apareceu que se opunha a ele. Esta última escola foi representada em Roma por Cleômenes e particularmente por Sabélio. Esses homens eram opositores rígidos dos teodocianos, mas não estavam dispostos a reconhecer a Encarnação do Logos e enfatizavam acima de tudo a unidade absoluta (monarchia) de Deus. Eles explicaram a Encarnação de Cristo no sentido de que esta era outra manifestação (modus) de Deus em sua união com a natureza humana. Conseqüentemente, eles eram chamados modalistas ou patripassianos, porque segundo eles não era o Filho de Deus, mas o Pai, que havia sido crucificado. O povo cristão comum apoiava, acima de tudo, a Unidade de Deus e, ao mesmo tempo, a verdadeira Divindade de Jesus Cristo. Originalmente não havia nenhum sentimento neles de desconfiança desta doutrina. O papa Zeferino não interveio com autoridade na disputa entre as duas escolas . A heresia dos modalistas a princípio não era claramente evidente, e a doutrina de Hipólito oferecia muitas dificuldades em relação à tradição da Igreja. Zeferino simplesmente disse que ele reconheceu apenas um Deus, e que este era o Senhor Jesus Cristo, mas que o Filho, não o Pai, era quem havia morrido. Esta era a doutrina da tradição da Igreja. Hipólito insistiu que o papa aprovasse um dogma distinto que representasse a Pessoa de Cristo como verdadeiramente diferente da do Pai e condenasse as opiniões opostas dos monarquianos e patripassianos. No entanto, Zeferino não concordou com isso. O resultado foi que Hipólito ficou cada vez mais irritado e irado contra o papa e particularmente contra o diácono Calisto, que, como conselheiro do papa, era responsável pela posição deste último. Quando, após a morte de Zeferino, Calisto foi eleito Bispo de Roma, Hipólito se retirou da Igreja com seus eruditos, causou um cisma e se tornou um bispo rival.

Zeferino foi sepultado em uma câmara sepulcral separada, acima do cemitério de Calisto, na Via Apia (cf. Wilpert, “Die papstgruber und die Suciliengruft in der Katakombe des hl. Kallistus“, Freiburg, 1909, 91 sqq.). O “Liber Pontificalis” atribui dois decretos a Zeferino: um sobre a ordenação do clero e outro sobre a liturgia eucarística nas igrejas titulares de Roma. O autor da biografia atribuiu estes decretos ao papa arbitrariamente e sem base histórica.


Bibliografia: Liber Pontificalis, ed. DUCHESNE, I, 139; DUCHESNE, Histoire ancienne de Peglise, 292 sqq.; LANGEN, Geschichte der römischen Kirche, I (Bonn, 1881), 200 sqq.; BAGEMANN, Die romische Kirche und ihr Einfluss auf Dissiplin und Dogma in den ersten drei Jahrhunderten (Friburgo in Mr., 1864), 84 sqq..

Fonte: Kirsch, Johann Peter. “Pope St. Zephyrinus.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 15. New York: Robert Appleton Company, 1912. <http://www.newadvent.org/cathen/15756c.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em: <https://ec.aciprensa.com/wiki/Papa_San_Ceferino>.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 26 de agosto, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943.]

OREMOS

Deus onipotente, nós Vos suplicamos que façais com que nos deem força os exemplos do bem-aventurado Zeferino, vosso Mártir e Pontífice, do qual celebramos com alegria os merecimentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS

Præsta, quæsumus, omnípotens Deus: ut beáti Zephyrini Mártyris tue atque Pontíficis, cujus gaudémus méritis instruámus exémplis. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.