Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São José

Esposo da Santíssima Virgem Maria
e pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Charles Souvay, Enciclopédia Católica

Nota prévia: favor atentar-se às três notas adicionadas por nós na seção ‘Matrimônio’ para correção, a partir de estudos mais aprofundados, de algumas informações equívocas ou mesmo impiedosas, como algumas de falsos evangelhos apócrifos (reconhecidos como não confiáveis pelo autor do artigo).



I. Vida

A. Fontes

As principais fontes de informação sobre a vida de São José são os primeiros capítulos dos nossos primeiro e terceiro Evangelhos; estas também são praticamente as únicas fontes confiáveis, já que, enquanto na vida do santo patriarca, bem como em vários outros assuntos relacionados à história do Salvador que não foram tratados pelos escritos canônicos, a literatura apócrifa está cheia de detalhes. A não aceitação destas obras dentro do Corpo do Cânon das Sagradas Escrituras suscita uma forte suspeição sobre seus conteúdos e, mesmo que se dê por certo que vários dos fatos assim compilados podem ser fundados em tradições confiáveis, na maioria dos casos é quase impossível discernir e peneirar tais partículas da história verdadeira dentre os componentes imaginários com os quais estão associados. Entre estas produções apócrifas que tratam mais ou menos vastos episódios da vida de São José, pode-se destacar o chamado “Evangelho de Tiago”, o “Pseudo-Mateus”, o “Evangelho da Natividade da Virgem Maria”, a “História” de José, o Carpinteiro “, e a “Vida da Virgem e a Morte de José”. 

B. Genealogia 

São Mateus (1,16) chama São José, filho de Jacó. Segundo São Lucas (3,23), Eli era seu pai. Este não é o lugar apropriado para recitar os diversos esforços para resolver as incertezas decorrentes das divergências entre ambas as genealogias, nem é necessário especificar as explicações que melhor respondam a todos os requisitos do problema (ver Genealogia de Cristo), basta lembrar ao leitor que, contrariamente ao que foi anteriormente afirmado, os escritores mais modernos admitem que, em ambos os documentos, temos a genealogia de José, e que é bastante viável conciliar ambos os dados. 

C. Residência 

Em todo caso, Belém, a cidade de Davi e seus descendentes, parece ter sido o local de nascimento de José. Quando, no entanto, a história do Evangelho começa, alguns meses antes da Anunciação, ele estava localizado em Nazaré. Quando e por que ele deixou sua terra natal para radicar-se na Galileia não foi determinado; alguns assumem – e a suposição não é improvável – que as circunstâncias então humildes da família e a necessidade de ganhar a vida podem ter motivado a mudança. São José, por sinal, foi um tekton, como podemos aprender em Mateus (13,55) e Marcos (6,3). A palavra significa tanto mecânico em geral, quanto carpinteiro em particular; São Justino está inclinado ao último significado (Dial. Cum Tryph., LXXXVIII, em P.G., VI, 688), e a tradição aceitou essa interpretação, seguida pela Bíblia inglesa. 

D. Matrimônio

Foi, provavelmente, em Nazaré, que José se comprometeu e casou com aquela que mais tarde seria a Mãe de Deus. Quando o casamento ocorreu – se antes ou depois da Encarnação – não é fácil estabelecer, e os mestres da exegese não concordam quanto a isso. A maioria dos intérpretes modernos, seguindo os passos de Santo Tomás, entende que, no momento da Anunciação, a Santíssima Virgem estava somente comprometida com São José, não a tendo ele desposado ainda. Tal interpretação é melhor adaptada a todos os dados evangélicos [1].

É interessante lembrar, apesar de quão pouco confiáveis ​​são, as numerosas histórias sobre o casamento de São José que podemos encontrar nos escritos apócrifos. Quando tinha quarenta anos, ele se casou com uma mulher chamada Melcha ou Escha para alguns, Salomé para outros, com quem ele morava por quarenta e nove anos e com quem tinha seis filhos, duas filhas e quatro filhos, o mais novo de quem era Santiago (o Menor, chamado “o irmão do Senhor”) [2]. Um ano após a morte de sua esposa, quando os sacerdotes anunciaram em toda a Judeia que desejavam encontrar na tribo de Judá algum homem respeitável para se casar com Maria, então contando entre doze e quatorze anos de idade, José, que já teria naquele tempo noventa anos, foi a Jerusalém entre os candidatos [3]. Um milagre teria manifestado a eleição de José feita por Deus e, dois anos depois, ocorreu a Anunciação. Esses sonhos, como São Jerônimo os caracteriza, nos quais vários artistas cristãos se inspiraram (veja, por exemplo, “Os Esponsores da Virgem” de Raphael), estão viciados em sua autoridade. Apesar disso, eles adquiriram uma certa popularidade ao longo dos anos, levando alguns escritores eclesiásticos a buscarem neles a resposta à conhecida dificuldade decorrente da menção nos Evangelhos dos “irmãos do Senhor”, dos quais também a credulidade popular, contrariamente a todas as probabilidades, bem como à tradição atestada por antigas obras artísticas, manteve a crença de que São José era um velho no momento do casamento com a Mãe de Deus.

E. Encarnação

O casamento, verdadeiro e completo, pretendia, na intenção dos cônjuges, ser um casamento virginal (cf Santo Ago, “De Evang consagrado”. II, I em PL XXXIV, 1071-72; “Cont. Julian.”, V, XII, 45 em PL XLIV, 810, St. Thomas, III: 28, III: 29: 2). Mas logo a fé de José em sua esposa seria testada dolorosamente: ela iria ter um filho. Apesar de quão dolorosa a descoberta deve ter sido para ele, sem a consciência do que o mistério da Encarnação significava, seus sentimentos nobres proibiram-no de difamar a sua noiva e, então, resolveu “abandoná-la em segredo”. Mas enquanto pensava nos acontecimentos, o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos, dizendo: “José, filho de Davi, não tenha medo de receber Maria como esposa, pois o que foi concebido nela é obra do Espírito Santo. E José, levantando-se do sono, fez como o anjo do Senhor o confiou e a tomou por mulher” (Mt 1,19-20, 24). 

F. Nascimento e fuga ao Egito

Alguns meses depois, chegou a hora do santo casal ir a Belém, para serem recenseados, de acordo com o decreto emitido por César Augusto; uma nova fonte de angústia para José, já que os dias da gestação se tinham cumprido e a Virgem Maria tinha que ser auxiliada no nascimento, e “não havia lugar para eles na pousada” (Lucas 2,1-7). Quais foram os pensamentos desse santo homem no nascimento do Salvador, na vinda dos pastores e sábios, e nos eventos que ocorreram durante a Apresentação de Jesus no Templo, só podemos adivinhá-los. São Lucas diz apenas que ele ficou “surpreso com as coisas que lhe falaram” (2,33). Novas provações logo seguiriam. A notícia de que um rei dos judeus havia nascido era suficiente para inflamar no coração perverso do velho e sangrento tirano, Herodes, o fogo do ciúme. Então, “um anjo do Senhor apareceu em um sonho com José, dizendo: Levanta-te, toma a criança e a mãe e foge para o Egito e permanece ali até ser avisado” (Mateus 2,13). 

G. Retorno a Nazaré

O chamado para retornar à Palestina só ocorreu depois de alguns anos, e a Sagrada Família restabeleceu-se em Nazaré. A vida de São José é, a partir de agora, a vida simples e pacífica de um judeu humilde, que manteve a si próprio e a família com seu trabalho e observou fielmente as práticas religiosas prescritas pela Lei ou observadas pelos israelitas piedosos. O único incidente notável, registrado nos Evangelhos, é a busca angustiante de Jesus, depois de doze anos, quando Ele perdeu durante a peregrinação anual para a Cidade Santa (Lucas 2,42-51). 

H. Morte

Essa é a última coisa que lemos sobre São José nas Sagradas Escrituras, e podemos admitir que o pai adotivo de Jesus morreu antes do início da vida pública do Salvador. Em várias circunstâncias, é claro, os Evangelhos nos falam sobre a mãe e os irmãos (Mt 12,46; Mc 3,31; Lc 8,19; Jo 7,3), mas nunca falam sobre seu pai em conexão com o resto da família; eles apenas nos dizem que Nosso Senhor, durante sua vida pública, foi mencionado como o filho de José (Jo 1,45, 6,42, Lc 4,22), o carpinteiro (Mt 13,55). É inverossímil, por exemplo, pensar que Jesus, quando estava prestes a morrer na Cruz, confiaria sua mãe aos cuidados de João, enquanto São José estivesse vivo?

De acordo com a apócrifa “História de José o Carpinteiro”, o homem santo chegou a cento e onze anos quando morreu em 20 de julho (ano do Senhor 18 ou 19) [fato inverossímil, conforme nota 3]. Santo Epifânio atribuiu-lhe noventa anos de idade no momento da sua morte, e se consideramos o que disse o Venerável Beda, ele foi enterrado no Vale de Josafá. Em verdade, não sabemos quando São José morreu. É muito improvável que ele tenha alcançado uma idade tão elevada quanto nos falam a “História de São José” e Santo Epifânio. Possivelmente, ele morreu e foi enterrado em Nazaré. 

II. Devoção a São José

José era um “homem justo”. Este louvor concedido pelo Espírito Santo e o privilégio de ter sido escolhido por Deus para ser o pai adotivo de Jesus e esposo da Virgem Mãe são os fundamentos das honras atribuídas a São José pela Igreja. Tão convincentes são essas bases que é surpreendente que seu culto tenha demorado tanto para ganhar reconhecimento. A principal causa disso é o fato de que “durante os primeiros séculos da existência da Igreja, foram apenas os mártires que apreciaram a veneração” (Kellner). Longe de ser ignorado ou negligenciado durante os primeiros anos do cristianismo, as prerrogativas de São José foram ocasionalmente confrontadas pelos Padres. Tudo o que foi escrito a seu respeito atesta que as idéias e a devoção expressas ali eram familiares, não só a teólogos e pregadores, e que deveriam ter sido facilmente recebidas pelas pessoas. Os primeiros sinais de reconhecimento público da santidade de São José são encontrados no Oriente. Sua festa, se pudéssemos confiar nas afirmações de Papebroch, foi levada em conta pelos coptas já no século IV. Nicephorus Calixto também diz – cuja credibilidade não sabemos – que na grande basílica erguida em Belém por Santa Helena, havia um magnífico oratório dedicado em homenagem ao santo. A verdade é, no entanto, que a festa de “José o Carpinteiro” está registrada a 20 de julho em um dos antigos calendários copistas que chegaram em nossas mãos, bem como em um Synazarium do oitavo e nono século publicado pelo Cardeal May (Script., Veterinarian Nova Coll., IV, 15 sqq.). As menologias gregas de uma data posterior, por sua vez, mencionam São José em 25 ou 26 de dezembro, e outra comemoração dele junto com outros santos foi feita nos domingos imediatamente antes e depois do Natal.

No Ocidente, aparece o nome do pai adotivo de Nosso Senhor (Nutritor Domini) em alguns martirológios locais dos séculos IX e X, e encontramos em 1129, pela primeira vez, uma igreja dedicada em sua homenagem em Bolonha. Sua devoção, apenas privada até então, ganhou um grande ímpeto devido à influência e zelo dos santos da estatura de São Bernardo, Santo Tomás de Aquino, Santa Gertrude e Santa Brígida da Suécia. “A opinião generalizada sobre o que foi aprendido é que os Padres Carmelitas foram os primeiros a importar de Oriente a Ocidente, de acordo com Bento XVI (De Be Beati., I, IV, nº 11, XX, nº 17) a prática louvável de prestar culto total a São José – “sua festa, introduzida definitivamente pouco depois no calendário dominicano, gradualmente ganhou uma posição segura em muitas dioceses da Europa Ocidental. Entre os mais zelosos promotores da devoção naquela época estão São Vicente Ferrer, Pedro de Ailly, São Bernardino de Siena e Jehan Charlier Gerson. No Concílio de Constância (1414), houve a primeira tentativa de promover o reconhecimento público do culto universal ao pai adotivo do Cristo. Entretanto, foi apenas no pontificado de Sixto IV (1471-84) que os esforços desses homens abençoados foram recompensados. O calendário romano estabeleceu 19 de março como dia de São José. Desde então, a devoção tornou-se cada vez mais popular e de crescimento constante. Em 1621, a pedido de Fernando III e Leopoldo I (sacro-imperadores) e do Rei Carlos II de Espanha, o Papa Gregório XV estabeleceu a data como festa obrigatória. Bento XIII, em 1726, acrescentou o nome na Litania dos santos.

Um feriado no ano, no entanto, não foi considerado suficiente para satisfazer a piedade popular. A festa da Santíssima Virgem e São José, tão vigorosamente defendida por Gerson, concedida por Paulo III aos franciscanos, depois a outras ordens religiosas e dioceses individuais, foi, em 1725, concedida a todos os países que a solicitaram. Não foi tudo; a Ordem reformada dos Carmelitas Descalças, na qual Santa Teresa infundiu sua grande devoção ao pai adotivo de Jesus, o escolheu, em 1621, como seu patrono, e em 1689, eles foram autorizados a celebrar a festa de seu patrocínio no terceiro domingo após a Páscoa. Esta celebração, em breve, adotada em todo o Reino de Espanha, foi posteriormente estendida a todos os estados e dioceses que solicitaram o privilégio. Nenhuma outra devoção, talvez, tenha crescido tão universalmente como esta, nem qualquer outra parecia ter atraído tão fortemente os corações dos cristãos, e particularmente das classes trabalhadoras, durante o século XIX, como a de São José.

Esse aumento formidável da popularidade tem sido outro prêmio atribuído ao culto do santo. Completamente, um dos primeiros atos do pontificado de Pio IX, sendo ele mesmo dedicado a São José, foi estender a toda a Igreja a festa do Patrocínio (1847) e, em dezembro de 1870, de acordo com os desejos dos bispos e toda a congregação, solenemente declarou o Santo Patriarca José, como patrono da Igreja Católica, fixando sua festa em 19 de março. Seguindo os passos de seus predecessores, Leão XIII e Pio X exibiram um desejo semelhante de adicionar suas próprias jóias à coroa de São José: o primeiro, permitindo em certos dias a leitura do Ofício Votivo do santo e o segundo, aprovando, em 18 de março de 1909, uma ladainha em homenagem àquele cujo nome recebeu em seu batismo.


Fonte: Souvay, Charles. “St. Joseph.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 8. New York: Robert Appleton Company, 1910. 16 Mar. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/08504a.htm>.

Traduzido por Gustavo Quaranta a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/San_Jos%C3%A9>.

Notas desta nossa edição:

[1] Ao menos hoje há um entendimento melhor dessa questão, em sentido contrário. A Bíblia é clara ao dizer “Estando Maria, sua mãe, desposada com José, achou-se ter concebido (por obra) do Espírito Santo, antes de coabitarem.” (Mt 1, 18).

A confusão é causada pelo misterioso silêncio da Virgem Santíssima com São José, quanto aos grandes mistérios realizados n’Ela, que induziu teólogos a pensarem que na verdade Maria e José não tinham verdadeiros ligames de esposos e, portanto, recíproca intimidade, à época da Encarnação. Mons. Pier Carlo Landucci esclarece a questão:

“Esta questão se resolve facilmente, não negando que a palavra µνηστευθείσης – diga-se de passagem, genitivo absoluto – signifique propriamente prometida, comprometida, mas observando que segundo os usos hebreus (cf; Riccioti, op. cit., § 231; Holzmeister, De Sancto Joseph Quaest. Bibl., p. 69 e ss.), o compromisso não era a simples promessa de futuro matrimônio, senão que antes era o contrato legal perfeito de matrimônio [nota: “Sponsalia tantum valente quantum matrimonium”: é um precioso testemunho de Fílon, contemporâneo de Jesus (De Special. legibus, III, 12.72). Cf. Strack-Billerbeck, Kommentar zum N. T. aus Talmud und Midrasch, München, 1922-28, II, 372-400).], ou seja, o verdadeiro “matrimonium ratum”. Por conseguinte, a mulher comprometida era já esposa, podia ter verdadeiras relações matrimoniais, podia receber o escrito de divórcio de seu comprometido marido; em caso de pecado, era igualmente punida com a lapidação (Dt 22, 22-24); à morte do prometido, tornava-se regularmente viúva e gozava da lei do levirato, que obrigava o irmão do falecido, sem prole, a tomá-la como mulher. Com as bodas, que consistiam na introdução solene da esposa na casa do esposo – e sucedia, amiúde, em vista dos necessários preparativos, depois de um mês para uma viúva e depois de doze meses para uma virgem (cf. Holzmeister, op. cit., p. 71) -, o verdadeiro fato nitidamente novo era só a coabitação.” (LANDUCCI, P. C. Maria Santíssima no Evangelho: 1. Ed. Brasília: Pinus, 2018, pp. 112-113).

[2] As informações sobre um casamento anterior e outros filhos de São José, retiradas de escritos apócrifos duvidosos, devem ser rejeitadas como opinião impiedosa. Para corrigi-la, reproduziremos excerto do capítulo “Virgindade de São José” do livro “Glória e poder de São José”, do pe. Ascânio Brandão:

“Em vão a impiedade, a heresia e uma falsa tradição de alguns evangelhos apócrifos, procuram negar a virgindade perpétua de São José. A tradição teológica reprova estes erros e afirma com unanimidade impressionante o admirável privilégio do Santo Patriarca. É uma verdade teologicamente certa, da qual não é lícito nem sequer duvidar. É uma crença dos tempos mais remotos da Igreja. É um dogma de fé que Jesus nasceu de Maria Virgem por obra e graça do Espírito Santo. José foi virgem para ser Esposo predestinado da Virgem Mãe. Os Padres mais antigos da Igreja defendem com ardor a virgindade de São José. São Justino e OrígenesSanto Atanásio. É certo, diz este, que José e Maria guardavam perpétua continência (‘De Incarnat. Contra Appolin.’ Lib. I – n. 4). E São Jerônimo, combatendo o herege Helvídio que negava a virgindade de Maria, diz: Dizes que Maria não permaneceu virgem. Pois eu afirmo ainda mais: por Maria foi virgem também São José” (‘Adus. Helv.’ – n. 19). E Santo Agostinho“Guarda, ó José, com Maria a comum virgindade, para que sejas Pai de Cristo pela castidade e honra da virgindade” (‘Sermo’ 15 – ‘De Nativitate Domini’). (…) A virgindade de São José foi inviolável, antes e depois do mistério da Encarnação. É doutrina certa, diz o Cardeal Lépicier (‘Tractatus de Sancto Joseph’ – P. II, art. 7, n. 6), e a opinião contrária é inteiramente errônea, falsa e ofende aos ouvidos pios.

São José fez voto de castidade, consagrou-se a Deus. Maria consagrou a Deus a sua virgindade e ao anjo responde não ser possível a sua Maternidade. Só se tranquiliza e diz sim, quando o Enviado Celeste lhe garante que havia de conceber pela virtude do Espírito Santo e seria Mãe permanecendo virgem. Ora, diz o Pe. Cantera, a prudência exigia da parte de Maria Santíssima que se não unisse em matrimônio a um homem cujos propósitos ignorava e de cuja fidelidade e pureza não tivesse sólidas garantias. Dado o amor de Maria pela virgindade a tal ponto, segundo muitos autores, que a preferia à própria Maternidade Divina, não teria aceito como esposo quem, como Ela, não estivesse obrigado pelo mesmo voto (‘San José nel plan divino’ – p. 409). Por revelação ou por outros meios, Nossa Senhora sabia dos propósitos de São José. Assim pensam Santo Tomás de Aquino e todos os teólogos. Por ser esposo de Maria, foi virgem São José. Se o Salvador, escreve Santo Tomás, na cruz antes de expirar, quis recomendar sua Mãe virgem a um discípulo virgem, como poderia suportar que o Esposo de Maria não fosse virgem também? (‘S. Thom., ‘In Epist. Ad Galat.’). José foi sombra do Pai Eterno, a sua imagem divina. Era mister pois uma virgindade excelsa, mais que angélica, para merecer tão grande honra. O mistério da Encarnação o exige. Tudo, em torno dele, há de ser puro e santo. O pai adotivo do Rei das virgens havia de ser virgem.” (BRANDÂO, A. Glória e poder de São José. São Paulo: Ave Maria, 1945, pp. 81-83).

[3] Atualmente há consenso de que São José não seria idoso ao casar-se com Maria, mas teria a idade de 16 a 25 anos, apropriada para um hebreu casar à época, em consonância com sua virgindade perpétua e com o vigor físico necessário para cumprir a missão de Chefe e Protetor da Sagrada Família. A ideia de uma eleição anunciada por sacerdotes em toda a Judeia, com um eleito de noventa anos, é por demais contrária à aparência comum e discreta que o santo matrimônio virginal deveria passar, para guardar o mistério da Encarnação dos homens.

Sobre isso, diz o pe. José Antônio Bartolin, OSJ, em seu “Curso de Josefologia”:

“É comum apreciarmos a cena do casamento de José com Maria onde ele é representado como um velho, fruto da invenção dos apócrifos em faze-lo um esposo decrépito de Maria, a fim de eximi-lo de qualquer que fosse a responsabilidade na concepção virginal de Maria. Esta idéia foi bem acolhida especialmente por alguns Padres do Oriente como Santo Epifânio, São João Damasceno, São João Crisóstomo, além de dominar depois em nível popular na arte, na escultura, no teatro religioso, etc., sempre apresentando-o velho, careca ou com poucos cabelos brancos, numa atitude que representava mais um servo de Maria do que seu digno esposo.

Uma reação a esta concepção errada e injusta só chegou com Gerson (1363- 1429), o qual passou a exaltar a grande missão de José como esposo de Maria semelhante a ela nos dons e virtudes (L. Martin Gonzáles, Iconografia de São José, sus fuentes – Estudios Josefinos, 26 [1972] pg 203-212). Após Gerson os escritores começaram a atribuir a José uma idade madura, de um homem cheio de sabedoria, portanto com a média de idade dos 40 anos para cima. Assim escreveram autores como F. Suárez (1548-1617) que atribuía a José a idade entre 30 a 40 anos, ou como Jerônimo Graccián, que lhe atribuía a idade entre 40 a 50 anos. O mesmo seguiram grandes pintores como El Greco, Rafael e inúmeros outros, assim como alguns escultores.

Naturalmente as razões para negar uma idade avançada a José, como esposo a partir de então, foram que se ele fosse muito velho seria um homem incapaz de gerar filhos, tanto que nem poderia defender Maria de eventuais calunias de adultério e nem Jesus de ser um filho adulterino. Além disso, não poderia desenvolver suas funções de pai nas diversas circunstâncias como a viagem de Nazaré a Belém e depois ao Egito com o retorno para Nazaré. Acrescenta-se ainda que teria dificuldade de prover as necessidades naturais para Jesus e Maria, pois teria suas forças físicas debilitadas. É interessante levar em consideração a intenção banal dos apócrifos de que se José não fosse velho, seria-lhe impossível conviver castamente com Maria, sua jovem esposa; uma idéia inclusive ofensiva a esse homem dotado de uma graça especialíssima de Deus. Face a isso, segundo o conhecimento e as fontes de que hoje dispomos, e que os antigos escritores não tinham, é consenso comum atribuir a José aquela idade que era própria para um jovem hebreu casar-se, ou seja, entre os 18 a 25 anos (H.Haag, Diccionario de la Biblia, 1963 – voz matrimonio, col 1199).” (BERTOLIN, J. A. B. Curso de Josefologia, p. 36).


Orações a São José

1. Oração ao santo por ocasião de sua festa, a 19 de março, extraída do Missale Romanum, 1943:

OREMOS

Senhor, pelos merecimentos do Esposo de vossa Mãe Santíssima, sejamos auxiliados, para que o que não nos é possível alcançar, o obtenhamos por sua intercessão: Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos.
OREMUS

Sanctíssime Genitrícis tuæ Sponsi, quæsumus, Dómine, méritis adjuvémur: ut, quod possibílitas nostra non óbtinet, ejus nobis inercessióne donétur: Qui vivis et regnas per omnia sæcula sæculorum.

2. Oração publicada na Carta Encíclica Quamquam Pluires (1889), sobre a devoção a São José, do Papa Leão XIII:

A vós, São José, recorremos em nossa tribulação e, tendo implorado o auxílio de vossa santíssima esposa, cheios de confiança solicitamos também o vosso patrocínio.

Por esse laço sagrado de caridade que vos uniu à Virgem Imaculada Mãe de Deus, e pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente vos suplicamos que lanceis um olhar favorável sobre a herança que Jesus Cristo conquistou com o seu sangue, e nos socorrais em nossas necessidades com o vosso auxílio e poder.

Protegei, ó guarda providente da Divina Família, o povo eleito de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó pai amantíssimo, a peste do erro e do vício. Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas, e assim como outrora salvastes da morte a vida ameaçada do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus das ciladas do Inimigo e de toda adversidade.

Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, a fim de que, a vosso exemplo e sustentados com o vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, morrer piedosamente e obter no céu a eterna bem-aventurança. Amém.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.