Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Antônio

Niccolò Dal-Gal, Enciclopédia Católica

Taumaturgo franciscano nascido em Lisboa, 1195, morreu em Vercelli [N.d.E.: em verdade em Arcella], em 13 de junho de 1231. Ele recebeu no batismo o nome de Fernando.

Escritores posteriores ao século XV afirmam que seu pai foi Martin Bouillon, descendente do famoso Godofredo de Bouillon, comandante da Primeira Cruzada; e sua mãe, Teresa Tavejra, descendente de Froila I, quarto rei de Astúrias. Infelizmente, no entanto, sua genealogia é incerta; Tudo o que sabemos de seus pais é que eles eram nobres, poderosos e tementes a Deus, e que, à época do nascimento de Fernando, eram ambos ainda jovens e viviam próximo à Catedral de Lisboa.  

Tendo sido educado na escola Catedral, Fernando, com a idade de quinze anos, se juntou ao Cônegos Regulares de Santo Agostinho, no convento de São Vicente, cuja localidade era apenas fora das muralhas da cidade (1210). Dois anos mais tarde, para evitar se distrair com parentes e amigos, que freqüentemente vinham visitá-lo, ele dirigiu-se com a permissão de seu superior ao Convento de Santa Cruz, em Coimbra (1212), onde permaneceu por oito anos, ocupando seu tempo principalmente com estudo e oração. Dotado de um excelente entendimento e uma memória prodigiosa, ele logo encontrou nos estudos a partir da Sagrada Escritura e dos escritos dos Santos Padres um tesouro de conhecimento teológico.  

No ano de 1220, tendo visto transportado para a Igreja de Santa Cruz os corpos dos primeiros mártires franciscanos que haviam sofrido a morte no Marrocos, a 16 de janeiro do mesmo ano, foi então inflamado com o desejo de martírio, e resolveu se tornar um Frade menor, para que pudesse pregar a fé para os sarracenos e sofrer por amor de Cristo. Tendo confidenciado a sua intenção a alguns dos irmãos do convento de Olivares (perto de Coimbra), que chegou a pedir esmolas na abadia dos Cônegos Regulares, pôde recebeu o hábito franciscano das mãos desses, no mesmo convento de Santa Cruz. Assim, Fernando deixou o Cônegos Regulares de Santo Agostinho para se juntar à Ordem dos Frades Menores, tendo ao mesmo tempo o novo nome de Antônio — um nome que, mais tarde, o Convento de Olivares também adotou. 

Pouco tempo depois de sua entrada em ordem, Antônio começou a pregar pelo Marrocos. Porém, acometido por uma doença grave que o debilitou durante todo o inverno, foi obrigado a embarcar para Portugal na primavera seguinte, em 1221. Seu navio, no entanto, foi atingido por uma violenta tempestade e conduzido para a costa da Sicília, onde o santo, em seguida, permaneceu por algum tempo, até que tivesse sua saúde recomposta. Enquanto isso, tendo ouvido dos irmãos de Messina que havia um Capítulo Geral a ser realizado em Assis, 30 de maio, ele viajou para lá, chegando a tempo de tomar parte nela. Após isso, Antônio permaneceu totalmente despercebido.  

“Ele não disse uma palavra de seus estudos”, escreve seu biógrafo mais antigo “nem dos serviços que ele tinha realizado, seu único desejo era seguir a Jesus Cristo e este crucificado.” Assim, ele se candidatou ao padre Graziano, Provincial de Coimbra, para um lugar onde ele poderia viver na solidão e penitência, e entrar mais plenamente o espírito e a disciplina da vida franciscana. Pai Graziano, que àquele momento necessitava de um padre para a ermida de Montepaolo (perto de Forli), enviou-o para lá, para que pudesse celebrar a Missa para os leigos-irmãos.  

Enquanto Antônio vivia aposentou em Montepaolo aconteceu que, um dia, certo número de frades franciscanos e dominicanos foram enviados juntos para Forli a fim de serem ordenados. Antônio também estava presente, no entanto apenas como companhia do Provincial. Quando o tempo para a ordenação chegou, verificou-se que ninguém havia sido nomeado para pregar. O superior foi então ligado pela primeira vez aos dominicanos, e afirmou que um deles deveria dirigir algumas palavras aos irmãos montados; todos se recusaram, alegando não estarem preparados. De última hora, em seguida, escolheu Antônio, sobre o qual eles acreditavam somente ser capaz de ler o Missal e Breviário, e ordenou-lhe para falar o que quer que o espírito de Deus pusesse em sua boca. Antônio, compelido pela obediência, falou de início devagar e timidamente, mas logo acendeu com fervor, de tal modo que começou a explicar o sentido mais escondido da Sagrada Escritura com tão profunda erudição e doutrina sublime que todos ficaram impressionados. E eis que assim se inicia a carreira pública de Antônio.  

São Francisco, ciente de sua cultura, o dirigiu pela seguinte carta para ensinar teologia aos irmãos:  

Para o irmão Antônio, meu bispo (ou seja, professor de Ciências Sagradas), o irmão Francisco envia suas saudações. É um prazer que você ensine teologia entre os irmãos; desde que, no entanto, como a regra prescreve, o espírito de oração e devoção seja jamais extinto. Adeus. (1224) 

Antes de empreender nos estudos, Antônio passou por algum tempo para Vercelli, para confirmar com o famoso abade, Thomas Gallo; daí, ele ensinou sucessivamente em Bolonha e Montpellier, em 1224, e mais tarde em Toulouse. Nada restou sobre sua instrução; os documentos primitivos, bem como os lendários, mantêm completo silêncio sobre esta questão. No entanto, através do estudo de suas obras, podemos formar para nós mesmos uma ideia suficiente do caráter de sua doutrina; a doutrina, a saber, que, deixando de lado toda a especulação árida, prefere um caráter totalmente seráfico, correspondendo ao espírito e os ideais de São Francisco. 

Foi como orador, no entanto, que — ao invés de como professor — Antônio colheu seus frutos mais ricos. Ele possuía em um grau eminente todas as boas qualidades que caracterizam um pregador eloquente: uma voz alta e clara, um semblante vencedor, memória esplêndida e aprendizado profundo, ao qual foram adicionados desde o alto o espírito de profecia e um dom extraordinário de milagres . Com o zelo de um apóstolo, ele se comprometeu a reformar a moralidade de seu tempo combatendo de forma especial os vícios de luxo, a avareza e tirania. O fruto de seus sermões era, portanto, tão admirável quanto sua eloquência que lhe era própria. Não menos fervorosa era estar na extinção da heresia, nomeadamente a dos cátaros e os patarinos, que infestavam o centro e norte da Itália e, provavelmente, também a dos albigenses, no sul da França, embora não se tenha documentos autorizados para tal efeito. Entre os muitos milagres Santo Antônio forjado na conversão de hereges, os três mais notáveis registrados por seus biógrafos são os seguintes:  

A primeira é a de um cavalo, que, mantido em jejum por três dias, recusou-se à aveia colocada diante dele, até que ele se ajoelhou e adorou o Santíssimo Sacramento, que Santo Antônio tinha nas mãos. Há narrativas lendárias do século XIV afirmando que esse milagre ocorreu em Toulouse, em Pastas, em Bruges; o lugar real, no entanto, foi Rimini. 

O segundo milagre mais importante é que a comida envenenada lhe foi oferecida por alguns hereges italianos, a qual desintoxicou pelo sinal da cruz. 

O terceiro milagre digno de menção é a do famoso sermão aos peixes na margem do rio Brenta, no bairro de Pádua; não em Pádua, como geralmente se supõe. 

O zelo com que Santo Antônio lutou contra a heresia, e as grandes e numerosas conversões causadas por ele, o tornava digno do título glorioso de Martelo dos Hereges. Apesar de sua pregação ter sido sempre temperada com o sal do critério, no entanto, ele falou abertamente para todos, para os ricos e para os pobres, para as pessoas, bem como aqueles que detinham autoridade. Em um sínodo em Bourges, na presença de muitos prelados, ele reprovou o Arcebispo Simon de Sully, de forma tão severa, que o induziu à sincera emenda.  

Depois de ter sido guardião em Le-Puy (1224), encontramos Antônio no ano de 1226, Guardião Provincial da província de Limousin. Os milagres mais autênticos desse período são os seguintes: 

Pregando uma noite na Quinta-feira Santa na igreja de São Pierre,  consulta em Limoges, lembrou-se que ele tinha que cantar uma lição do Ofício Divino. Interrompendo subitamente seu discurso, ele apareceu no mesmo momento entre os frades em coro para cantar sua lição, depois que ele continuou seu sermão. 

Outro dia pregando na Praça des Creux des Arenes em Limoges, ele miraculosamente manteve sua audiência preservada da chuva. 

Em St. Junien, durante o sermão, ele previu que até um artifício do diabo do púlpito iria quebrar, mas que todos iriam permanecer sãos e salvos. E assim ocorreu: enquanto pregava, o púlpito foi derrubado, mas ninguém ferido: nem mesmo o próprio santo. 

Em um mosteiro de beneditinos, onde ele havia caído doente, ele livrou por meio de sua túnica um dos monges de grandes tentações. 

Da mesma forma, através da respiração no rosto de um novato (a quem ele próprio tinha recebido na ordem), ele confirmou-o em sua vocação. 

No Brive, onde havia fundado um convento, ele preservou da chuva a serva de uma benfeitora que estava trazendo alguns legumes para os irmãos para a sua refeição magra. 

Isto é tudo o que é historicamente certo da permanência de S. Antônio Limousin. 

Em relação à aparição célebre do Menino Jesus ao nosso santo, escritores franceses mantêm que esta ocorreu na província de Limousin no Castelo de Chateauneuf-la-Foret, entre Limoges e Eymoutiers, enquanto que os hagiógrafos italianos fixam o local em Camposanpiero, perto de Pádua. Os documentos existentes, todavia, não decidiram a questão. Temos mais certeza sobre a aparição de São Francisco a Santo Antônio no capítulo provincial de Áries, enquanto o segundo estava pregando sobre os mistérios da Cruz. 

Após a morte de São Francisco, em 3 de outubro de 1226, Antônio voltou para a Itália. Seu caminho levou-o através de La Provence, ocasião em que ele operou o seguinte milagre: Fatigado pela viagem, ele e seu companheiro entraram na casa de uma mulher pobre, que colocou pão e vinho diante deles. Ela tinha esquecido, no entanto, para desligar a torneira do vinho de barril e, para adicionar a esta desgraça, o companheiro do Santo quebrou o vidro. Antônio começou a rezar, e de repente o vidro foi curado e o barril cheio de novo com vinho.  

Pouco depois de seu retorno à Itália, Antônio foi eleito Ministro provincial da Emilia. Mas, a fim de dedicar mais tempo à pregação, ele renunciou este escritório no Capítulo Geral de Assis, 30 de maio, 1230, e retirou-se para o Convento de Pádua, que ele próprio fundou. A última Quaresma que pregou foi a de 1231; uma multidão de pessoas vieram de todas as partes para ouvi-lo, e não poucas vezes ultrapassavam 30.000. Seus últimos sermões eram principalmente dirigidos contra o ódio e inimizade, e seus esforços foram coroados de êxito descomunal. Reconciliações permanentes foram efetuadas, paz e concórdia restabelecida, liberdade dada aos devedores e outros prisioneiros, restituição feita, e enormes escândalos reparados; De fato, os sacerdotes de Pádua não eram mais suficientes para o número de penitentes, e muitos deles declararam que tinha sido advertido pela visão celestial, e enviado para Santo Antônio, ser guiado por seu conselho. Outros após sua morte, disse que ele apareceu-lhes em seus sonos, admoestando-os a ir à confissão.  

Em Pádua, também ocorreu o famoso milagre do pé amputado, que escritores franciscanos atribuir a Santo Antônio. Um jovem, Leonardo pelo nome, em um acesso de raiva chutou sua própria mãe. Arrependido, ele confessou sua culpa para Santo Antônio, que disse a ele: “O pé dele que chuta sua mãe merece ser cortado.” Leonardo correu para casa e cortou-lhe a pé. Sabendo disto, Santo Antônio tomou o membro amputado do jovem infeliz e, milagrosamente, colocou-o de volta.  

Através dos esforços de Santo Antônio, o município de Pádua, em 15 de março de 1231, aprovou uma lei a favor dos devedores que não podiam pagar suas dívidas. Uma cópia desta lei ainda está preservada no Museu de Pádua. A partir deste, bem como a seguinte ocorrência, a importância civil e religiosa de influência do Santo no século XIII é facilmente compreensível. Em 1230, à medida que a guerra se alastrava na Lombardia, Santo Antônio dirigiu-se para Verona para solicitar do Ezzelino feroz a liberdade dos prisioneiros guelfos. Uma lenda apócrifa relata que o tirano se humilhou diante do santo e concedeu o seu pedido. Isso não vem ao caso, mas o que importa, mesmo que ele tenha falhado em sua tentativa, é que o santo punha em risco sua própria vida por causa daqueles que são oprimidos pela tirania e, assim, mostrou seu amor e simpatia para as pessoas. Convidado para pregar no funeral de um usurário, ele levou para seu texto as palavras do Evangelho: “Onde está o teu tesouro, lá também está teu coração.” No decorrer do sermão, ele disse: “Aquele homem rico é morto e enterrado no inferno, mas vá para os seus tesouros e lá você vai encontrar o seu coração.” Os parentes e amigos do falecido, tomados por curiosidade, seguiram esta ordem, e encontraram seu coração, ainda quente, entre as moedas. Assim, o triunfo da carreira missionária de Antônio se manifesta não somente em sua santidade e numerosos milagres, mas também pela popularidade e assunto de seus sermões, já que ele teve que lutar contra os três vícios mais obstinados de luxo, avareza e tirania.  

No final da Quaresma, 1231, Antônio retirou-se para Camposanpiero, no bairro de Pádua, onde, depois de um curto espaço de tempo, foi acometido por uma doença grave. Transferido para Vercelli, e reforçado pela aparição de Nossa Senhor, morreu com a idade de trinta e seis anos, em 13 de junho de 1231. Ele viveu quinze anos com seus pais, dez anos como um cânone regular de Santo Agostinho, e onze anos na Ordem dos Frades Menores. 

Imediatamente após sua morte, ele apareceu em Vercelli ao Abade, Thomas Gallo, e sua morte também foi anunciada para os cidadãos de Pádua por uma tropa de crianças chorando: “O Santo Padre está morto! Santo Antônio está morto!” Gregório IX, firmemente persuadido de sua santidade pelos numerosos milagres que havia feito, inscreve-lo dentro de um ano da sua morte (Pentecostes, 30 de maio de 1232) no calendário de santos da Catedral de Spoleto. Na Bula de canonização ele declarou que havia conhecido pessoalmente o santo, e  sabemos que o mesmo pontífice, após ouvir um de seus sermões em Roma e, espantado com seu profundo conhecimento da Sagrada Escritura, o chamou “Arca da Aliança”. Que este título está bem fundamentado também é mostrado por suas várias obras: “Expositio in Psalmos”, escrito em Montpellier, 1224; o “Sermones de tempore”, e o  “Sermones de Sanctis”, escrito em Pádua, 1229-1230.  

O nome de Antônio tornou-se célebre em todo o mundo, e com ele, o nome de Pádua. Os habitantes daquela cidade ergueram em sua memória um magnífico templo, onde suas preciosas relíquias foram transferidas em 1263, na presença de São Boaventura, Ministro Geral no momento. Quando o cofre em que por trinta anos seu corpo esteve depositado foi aberto, a carne foi encontrado reduzido a pó, mas a língua ilesa, fresca e de uma cor vermelha viva. São São Boaventura, vendo esta maravilha, levou a língua carinhosamente em suas mãos e beijou-o, exclamando: “Ó abençoada Língua que sempre elogiou o Senhor e fez outros abençoá-Lo, agora é evidente que grande mérito tu tens diante de Deus!”  

A fama de santo dos milagres de Antônio nunca diminuiu, e até mesmo nos dias de hoje ele é reconhecido como o maior Taumaturgo dos tempos. Ele é especialmente invocado para a resolução de causas perdidas, como também se expressa no célebre gradual de Frei Julian de Spiers: 

Si quaeris miracula . . .  

. . . resque perditas. 

Em verdade, sua popularidade muito tem até certo ponto obscurecido sua personalidade. Se podemos acreditar nas conclusões dos críticos recentes, alguns dos biógrafos do santo, a fim de atender à demanda crescente de milagres indicados por seus fiéis devotos, e comparativamente indiferentes às características históricas de sua vida, se dedicaram à tarefa de entregar para a posteridade os milagres póstumos forjados por sua intercessão. Não é surpresa, portanto, encontrar citações de seus milagres que podem parecer triviais para a mente moderna, ou incríveis, ocupando um tão grande espaço nas biografias anteriores de Santo Antônio. Pode ser verdade que alguns dos milagres atribuídos a Santo Antônio sejam lendários, mas outros vêm até nós em tão alta autoridade que é impossível, para qualquer um eliminá-los ou explicá-los a priori sem que para isso sejam violentados os fatos da história.


Fonte:  Dal-Gal, Niccolò. “St. Anthony of Padua.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 1. New York: Robert Appleton Company, 1907. 13 Jun. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/01556a.htm>.

Traduzido por Isabel Serra.

[Segue abaixo oração ao santo por ocasião de sua festa, a 11 de junho, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

A Solenidade anual do bem-aventurado Antônio, vosso Confessor, alegre a Vossa Igreja, Senhor, para que seja sempre fortificada pelos auxílios espirituais e mereça gozar das alegrias eternas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Ecclésiam tuam, Deus, beáti Antónii Confessóris tui solémnitas votíva lætíficet: ut spirituálibus semper muniátur auxíliis et gáudiis pérfrui mereátur ætérnis. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.