Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

A Anunciação

Frederick Holweck, Enciclopédia Católica

O fato da Anunciação da Santíssima Virgem Maria é narrado em São Lucas I,26-38. O evangelista nos conta que no sexto mês depois da concepção de São João Batista por Isabel, Deus enviou o arcanjo Gabriel à Virgem Maria, em Nazaré, uma pequena cidade nas montanhas da Galileia. Maria era da casa de Davi e estava desposada (isto é, casada) por José , da mesma família real. No entanto, ela não tinha começado a morar com o marido, mas ainda estava na casa da mãe, trabalhando, talvez, em seu dote. (Bardenhewer, Maria Verk, 69). E o anjo , tendo tomado a figura e a forma de um homem , entrou na casa e disse: “Ave, cheia de graça (a quem a graça é dada, favorecida), o Senhor está contigo”. Tendo ouvido as palavras de saudação não falou; ela estava perturbada em seu espírito, já que ela não conhecia o anjo, nem a causa de sua vinda, nem o significado da saudação. E o anjo continuou e disse: “Não tenha medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Tu conceberás em teu útero e dará à luz um filho, a quem chamarás Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; Ele reinará sobre a casa de Jacó para sempre e seu reino não terá fim”. A Virgem compreendeu que era a vinda do Redentor. Mas por que ela deveria ser escolhida entre as mulheres para a esplêndida dignidade de ser a mãe do Messias, depois de ter feito votos de virgindade a Deus? ( Santo Agostinho ) Portanto, sem duvidar da palavra de Deus, como Zacarias , mas cheio de medo e assombro, ela disse: “Como será isso, visto que não conheço homem algum?”

Para eliminar a ansiedade de Maria e assegurar-lhe que sua virgindade seria salva, o anjo respondeu: “O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo irá cobrir-te com sua sombra, então aquele que deve nascer será Santo e será chamado Filho de Deus. “Como sinal da verdade de sua palavra, ele lhe deu a conhecer a concepção de João Batista, a gravidez milagrosa de sua parente já velha e estéril:” Veja, também Isabel, sua parente, concebeu uma criança em sua velhice, e este já é o sexto mês para aquela a quem chamavam estéril, pois nada é impossível para Deus. “Maria ainda não tinha entendido o significado da mensagem celestial, e como a maternidade poderia ser conciliada com seu voto de virgindade, mas ela Ele agarrou-se às primeiras palavras do anjo e confiando na onipotência de Deus, disse: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Desde 1889, Holzmann e muitos autores protestantes tentaram mostrar que os versículos 34-35 de São Lucas I, que contêm a mensagem da concepção por meio do Espírito Santo, são interpolados. Usener deriva a origem do “mito” a partir do culto pagão aos heróis, mas Harnack tenta provar que é de origem judaica (Isaías VII,14: Eis que a virgem conceberá, etc.). Bardenhewer, no entanto, estabeleceu plenamente a autenticidade do texto (p. 13). São Lucas pode ter tomado conhecimento de um relato antigo, escrito em aramaico ou hebraico. As palavras “Bendita és tu entre as mulheres” (versículo 28) são espúrias e tiradas do versículo 42, o relato da Visitação . O Cardeal Caetano pretendeu compreender as palavras: “visto que não conheço o homem”, com não tratando do futuro, mas apenas do passado: até esta hora não conheço o homem. Este erro manifesto, que contradiz as palavras do texto, foi universalmente rejeitado por todos os autores católicos . A opinião de que, no tempo da Anunciação, José era um viúvo de idade e Maria de doze ou quinze anos é baseada apenas em documentos apócrifos. A tradição local de Nazaré aponta que o anjo cumprimentou Maria e a encontrou na fonte, e quando ela fugiu dele por medo, ele a seguiu para casa e lá ele continuou sua mensagem. (Buhl, Geogr. V. Palaest., 1896.) O ano e o dia da Anunciação não podem ser determinados, pois o material mais recente não lança mais luz sobre o assunto. A data atual da festa (25 de março) baseia-se em uma festa mais antiga, a do Natal .

A Anunciação é o início de Jesus em sua natureza humana; ele se torna um membro da raça humana por intermédio de sua mãe. Se a virgindade de Maria, antes, durante e depois da concepção de seu divino Filho, sempre foi considerada como parte do depósito da fé, isso foi feito apenas por conta de fatos históricos e testemunhos. A Encarnação do Filho de Deus em si não exigia essa exceção das leis da natureza. Apenas razões de conveniência são dadas para isso, sobretudo a finalidade da Encarnação. Prestes a fundar uma nova geração dos filhos de Deus, o Redentor não chega pelos meios de geração terrenos: o poder do Espírito Santo entra no casto seio da Virgem e forma a humanidade de Cristo. Muitos santos Padres (São Jerônimo , São Cirilo de Alexandria, Santo Efrém, Santo Agostinho ) dizem que o consentimento de Maria era essencial para a redenção. Foi a vontade de Deus, diz Santo Tomás (Suma Teológica, III:XXX), que a redenção da humanidade deve ter dependido do consentimento da Virgem Maria. Isso não significa que Deus em seus planos estava vinculado à vontade de uma criatura, e que o homem não teria sido resgatado se Maria não tivesse dado seu consentimento. Significa apenas que o consentimento de Maria foi planejado desde toda a eternidade e, portanto, foi recebido como essencial no plano de Deus.


Fonte: Holweck, Frederick. “The Annunciation.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 1. New York: Robert Appleton Company, 1907. 24 Mar. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/01541c.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em:

<https://ec.aciprensa.com/wiki/La_Anunciaci%C3%B3n>

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.