Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Sermão 288 sobre a natividade de S. João Batista

Santo Agostinho

1. A festa de hoje, em seu retorno anual, nos traz de volta à memória que o precursor do Senhor nasceu admiravelmente antes que o próprio Admirável [1] . É conveniente que, especialmente hoje, reflitamos sobre este nascimento e o louvemos. Para este fim, uma data anual foi dedicada ao milagre, para que o esquecimento não apague do nosso coração os benefícios de Deus e as maravilhas do Excelso. João, então, o precursor do Senhor, foi enviado diante dele, mas foi feito por ele. Todas as coisas foram feitas pela Palavra e sem ela nada foi feito [2] . Precedendo o homem Deus foi enviado um homem que reconheceu seu Senhor e anunciou seu criador, identificando-o internamente quando ele estava na terra e mostrando-o com o dedo. De João são aquelas palavras que mostram o Senhor e prestam testemunho: Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo [3] . Não admira, portanto, que uma mulher estéril tenha dado à luz o pregoeiro e uma virgem o juiz. A esterilidade recebeu fertilidade na mãe de João, enquanto, na mãe de Cristo, a fertilidade não destruiu a integridade. Se a vossa paciência, o vosso desejo sereno e o vosso silêncio atento me permitem dizer o que a ajuda do Senhor me concede que eu diga, será, sem dúvida, fruto da vossa atenção e recompensa pela nossa vontade de propor aos vossos ouvidos e ao vosso coração algo relacionado com um grande mistério.

2. Antes de João houve profetas; houve muitos, grandes e santos, dignos e cheios de Deus, anunciadores do Salvador e testemunhas da verdade. No entanto, nenhum deles poderia dizer o que foi dito de João: Entre os nascidos de mulheres, não surgiu ninguém maior do que João Batista [4]. Que significa essa grandeza enviada antes que o Grande? Foi enviado como um testemunho de sublime humildade. Ele era, com efeito, tão grande que podia passar por Cristo. João poderia abusar do erro dos homens e, sem fadiga, convencê-los de que ele era o Cristo, algo que eles já haviam pensado, sem que ele tivesse dito, aqueles que o ouviram e viram. Ele não tinha necessidade de semear o erro; seria suficiente confirmá-lo. Mas ele, humilde amigo do esposo, cheio de zelo por ele, sem usurpar adulteramente a condição de esposo, dá testemunho a favor do amigo e confia a esposa àquele que é o autêntico esposo. Para ser amado nele, odiava ser amado em vez dele. O esposo — diz ele — é aquele que tem a esposa [5]. E como se perguntásseis: “Que dizes tu?”, respondeu: “Mas o amigo do esposo”, ele diz, “está de pé ao seu lado, ouvindo-o e regozijando-se da voz do esposo” [6]. Está de pé ao seu lado e escuta: o discípulo escuta o mestre. A prova de que escuta é que está de pé; pois se não escuta, cai. Aqui aparece com toda evidência a grandeza de João. Sendo capaz de passar por Cristo, ele preferiu dar testemunho de Cristo e torná-lo mais precioso; humilhe-se antes de usurpar sua pessoa e se enganar. Com razão se disse dele que era mais do que um profeta. De fato, o próprio Senhor fala dos profetas antes de sua vinda nestes termos: Muitos profetas e justos quiseram ver o que vós vedes e não viram [7]. Adverte que aqueles homens, cheios do Espírito Santo a ponto de anunciar a vinda de Cristo, desejavam, se possível, vê-lo já presente na terra. Motivo pelo qual Simeão adiava o deixar esta vida até ver nascido aquele por quem o mundo foi criado [8] . E ele certamente viu a Palavra de Deus na carne de um menino que ainda não falava; mas ainda não ensinava, ele ainda não tinha se tornado um mestre que, junto com o Pai, já era um mestre dos anjos. Simeão, então, viu, mas como uma criança ainda sem fala; João, por outro lado, quando ele já estava pregando e escolhendo seus discípulos. Onde? Na margem do Jordão. Ali, de fato, começou o magistério de Cristo; já havia recomendado o futuro batismo cristão, já que o batismo recebido foi um batismo que antecipou e preparou o caminho. Dizia: Preparai o caminho para o Senhor, endireitai suas veredas [9]. Com efeito, o Senhor queria ser batizado por seu servo para mostrar o que aqueles que são batizados pelo Senhor recebem. Começou, então, onde o profeta acabara de o preceder: Ele governará de mar a mar e do rio até os confins do orbe terrestre [10]. Ao lado do próprio rio, de onde Cristo começou a dominar, João viu a Cristo, reconheceu-o e deu testemunho dele. Ele se humilhou diante do Grande, para ser exaltado, em sua humildade, pelo Grande. Ele também se declarou amigo do esposo. Mas que tipo de amigo? Talvez igual a ele? De maneira nenhuma; bem abaixo dele. Quão abaixo? Eu não sou digno — diz ele — de desatar a alça da sua sandália [11]. Este profeta, melhor, este que é mais do que um profeta, mereceu ser pré-anunciado por outro profeta, pois por causa dele Isaias disse no texto que hoje lemos: Voz que clama no deserto: “Preparai o caminho ao Senhor e endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, e toda montanha e colina serão niveladas; os tortos se tornarão retos e os brutos serão claros, e toda a carne verá a salvação de Deus ” [12]. — Grita — Que hei de gritar? Toda a carne é feno e toda o seu resplendor, como a flor do feno: o feno seca e a flor cai, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. Preste atenção à sua caridade. Tendo perguntado a João quem ele era, se o Cristo, ou Elias, ou o Profeta [14] , respondeu: Eu não sou o Cristo, nem Elias, nem o Profeta [15] E eles: Então, quem és tu? Eu sou a voz daquele que clama no deserto [16]. Ele disse que era a voz. Observe que João é a voz. O que é Cristo, senão a Palavra? Primeiro a voz é enviada para que então a Palavra seja entendida. Mas que palavra? Escutai, que isso é mostrado claramente: No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ela estava no princípio junto a Deus. Tudo foi feito por ela e, sem ela, nada foi feito . Se tudo, também João. Por que nos surpreendemos que a Palavra tenha criado sua voz? Olhai, olhai junto ao rio uma e outra coisa: a voz e a Palavra. João é a voz, Cristo a Palavra.

3. Investiguemos qual é a diferença entre a voz e a palavra. Investiguemos com atenção. Não é coisa sem importância e requer não pequena atenção. O Senhor nos concederá que não me fadigue de explicá-lo, nem a vós de ouvi-lo. Eis aqui duas coisas ordinárias: a voz e a palavra. Que é a voz? Que é a palavra? Que são? Escutai algo que tendes de experimentar em vós mesmos, sendo vós mesmos que fazeis as perguntas e dais as respostas. Uma palavra não recebe esse nome se não significa algo. Quanto à voz, por outro lado, mesmo que seja apenas um som ou um ruído sem sentido, como o de alguém que grita sem dizer nada, pode-se falar, sim, de voz, mas não de palavra. Suponha que alguém soltou um gemido: é uma voz; ou proferiu um lamento: é também uma voz. É um certo som informe que transporta ou produz nos ouvidos um certo ruído, sem qualquer significado. A palavra, por outro lado, se não significa algo, se não porta uma coisa externamente ao ouvido e outra internamente à mente, não recebe esse nome. Como eu estava dizendo, se você grita, estamos diante de uma voz; se você diz: «Homem», já nos deparamos com uma palavra, como se dissesse: besta, Deus, mundo »ou qualquer outra coisa. Mencionei vozes que tinham um significado, não sons vazios, que soam sem ensinar nada. Então, se já percebestes a distinção entre a voz e a palavra, escutai algo que vos causará admiração nestes dois, em João e em Cristo. A Palavra tem grande valor mesmo que a voz não a acompanhe; a voz sem a palavra é algo vazio. Digamos o porquê  e expliquemos o que foi dito, se nos é possível. Suponde que quereis dizer alguma coisa; a própria coisa que quereis dizer, vós já a concebestes em vosso coração: a memória a retém, a vontade a organiza e ela vive na mente. E a mesma coisa que vós quereis dizer não pertence a nenhum idioma concreto. O que quereis dizer e já foi concebido em vosso coração não é típico de qualquer idioma: nem do grego, nem do latim, nem do púnico ou do hebraico, ou de qualquer outro idioma. É apenas algo concebido no coração e pronto para sair dele. Como eu disse, é uma coisa: uma frase, uma ideia concebida no coração e pronta para sair dele para se manifestar ao ouvinte. Deste modo, logo que ela sabe quem o está levando em seu coração, é uma palavra, já conhecida por quem vai dizer, mas ainda não por quem a ouvirá. Assim, a palavra já formada, já em íntegra, permanece no coração; procura sair de lá para ser pronunciada para quem ouve. Quem concebeu a palavra que pretende dizer e que já conhece em seu coração, olha para quem dirigi-la. Eu vou falar, em nome de Cristo, a ouvidos já instruídos na Igreja, e ouso sugerir algo mais sutil para aqueles que não estão em pousio. Que preste atenção vossa caridade. Vede que a palavra concebida no coração procura deixar que seja pronunciada; olha a quem vai se dirigir. Trata-se de um grego? Procure uma voz grega que possa alcançar o grego. Um latino? Procure uma voz latina para alcançar o Latino. Um púnico? Encontre uma voz púnica com a qual se alcança o púnico. Deixem de lado a diversidade dos ouvintes: aquela palavra concebida no coração não é nem grega, nem latina, nem púnica, nem de qualquer outra língua. Para manifestar-se, busca a voz adequada para o ouvinte presente. Agora, irmãos, vou propor um exemplo que vos permita compreendê-lo. No meu coração eu concebi, para dizer “Deus”. O que é concebido no meu coração é algo grande. Deus é algo mais do que duas sílabas, porque Deus não se identifica com essa breve voz. Eu quero dizer “Deus”, e eu olho para quem eu vou dizer isso. Um latino? Eu digo Deum. Um grego? Eu digo Theón. Falando a um Latino, digo Deum, e falando para um grego, Theón. A diferença entre Deum Theón é apenas som; as letras são diferentes em ambos os termos; mas no meu coração, naquilo que quero expressar, no que estou pensando, não há diversidade de letras ou sons diferentes das sílabas. É o que é. Uma voz foi usada para apresentá-lo a um latino, e para um grego, outra; Se eu quisesse apresentá-lo a um púnico, eu teria que empregar outra; diga-se o mesmo se se tratasse de um hebreu, um egípcio ou um habitante da Índia. A que grande variedade de vozes a diversidade das pessoas obriga, sem que se mude ou varie a palavra do coração! A um latino chega mediante uma voz latina; a um grego, mediante uma grega, e a um hebraico, mediante uma hebraica. Atinge o ouvinte, mas não se afasta daquele que fala. Eu perco, por acaso, o que transmito para outro quando estou falando? Aquele som se faz mediador: trouxe a ti algo que não se afastou de mim. Eu já pensei em Deus. Tu ainda não ouviste minha voz; Uma vez que a ouviste, também começaste a ter o que eu pensava, mas sem perder eu aquilo que tinha. Então, em mim, como na porta do meu coração ou no cofre da minha mente, minha palavra precedeu a minha voz. Antes da voz soar na minha boca, a palavra já está presente no meu coração. Mas para que aquilo que eu concebi em meu coração saia para chegar até ti, busca-se a ajuda da voz.

4. Se, com a ajuda de vossa atenção e orações, puderdes dizer o que eu pretendo, penso que quem entender será cheio de alegria. Quem não for capaz de compreendê-lo, seja compassivo com o homem que se esforça por isso e suplique a misericórdia de Deus. Com efeito, até o que estou dizendo procede dele. Lá, no meu coração, fonte das minhas palavras, o que vou dizer está presente, mas o serviço da voz é necessário para que chegue com fadiga às vossas mentes. Então, o que irmãos? Então  o quê? Certamente,  já captastes, já entendestes que a palavra estava em meu coração antes de aplicar a ela a voz pela qual ela alcançaria vossos ouvidos. Penso que todos os homens entendem, porque o que acontece comigo acontece com todos aqueles que falam. Vede, eu já sei o que quero dizer, está no meu coração; mas eu procuro a ajuda da voz. Antes que a voz soe na minha boca, a palavra é mantida no meu coração. Assim, a palavra precede a minha voz, e em mim está antes a palavra que a voz; por outro lado, para que tu possas compreender, a voz chega antes ao teu ouvido, de modo que a palavra se insinua em tua mente. Não poderias saber o que estava em mim antes que a voz não estivesse em ti depois de emitida. Portanto, se João é a voz, Cristo é a Palavra. Cristo existiu antes de João, mas como Deus, e depois dele, mas entre nós. Grande mistério, irmãos! Estai atentos, percebei a grandeza do assunto uma e outra vez. Agrada-me que entendais e isso me torna mais audaz diante de vós, com a ajuda daquele a quem anuncio; eu tão pequeno, a ele, tão grande; Eu, um homem qualquer, à Palavra — Deus. Sua ajuda, então, me deixa mais audaz diante de vós, e depois de ter explicado a distinção entre a voz e a palavra, volto ao que se segue dela. João representou o papel da voz nesse mistério; mas não somente ele era uma voz, pois todo homem que anuncia a Palavra é a voz da Palavra. Com efeito, qual é o som da nossa boca com respeito à palavra que carregamos dentro de nós, essa mesma coisa é toda alma piedosa que a anuncia em relação àquela Palavra da qual foi dito: No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto a Deus e a Palavra era Deus; ela estava no princípio com Deus [18]. Quantas palavras, ou melhor, quantas vozes a palavra concebida no coração não origina! Quantos pregadores tem a Palavra que permanece no Pai! Ele enviou os patriarcas, os profetas; Ele enviou muitos grandes pregadores seus. A Palavra que permanece enviou as vozes e, tendo enviado muitas vozes antes, a mesma Palavra veio em sua voz, em sua carne, como em seu próprio veículo. Recolhei, então, como em uma unidade, todas as vozes que precederam a Palavra e as compile na pessoa de João. Ele personificava o mistério de todas elas; ele, só ele, era a personificação sagrada e mística de todas elas. Com razão, portanto, chama-se voz, qual selo e mistério de todas as vozes.

5. Portanto, considerai agora o alcance dessas palavras: Convém que ele cresça e que eu diminua [19]. Prestai atenção, caso eu consiga me expressar; e, se isso não for possível, caso eu seja capaz de insinuar, ou pelo menos de pensar, de que maneira, com que sentido, com que intenção, por que motivo — de acordo com a distinção mencionada entre a voz e a palavra — , disse a voz em pessoa, o próprio João: É apropriado que ele cresça e que eu diminua. Oh, grande e admirável sacramento! Considerai como a pessoa da voz, personificação misteriosa de todas as vozes, fala sobre a pessoa da Palavra: Convém que ele cresça e que eu diminua. Por quê? Estai atentos. O apóstolo diz: Em parte sabemos disso e em parte profetizamos; Mas quando o perfeito chegar, o parcial desaparecerá [20] . Em que consiste o perfeito? No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto a Deus, e a Palavra era Deus [21] . Ela representa o perfeito. Em que, então, consiste o perfeito? Diga-o também o apóstolo Paulo: que, existindo na forma de Deus, não julgou por roubo o ser igual a Deus [22]. A esta Palavra de Deus que está junto a Deus, igual a Deus Pai, por quem todas as coisas foram criadas, a veremos tal como é, mas ao final. Pois agora o que o evangelista diz é verdade: Amadíssimos, somos filhos de Deus e o que ainda não foi manifestado aquilo que seremos. Amadíssimos, sabemos que, quando se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como é [23]. Esta visão a temos prometida, e pensando nela, somos instruídos e purificamos nossos corações. Bem-aventurados —  diz ele —  os puros de coração, porque eles verão a Deus [24]. Ele mostrou sua carne; mostrou-se aos seus servos, mas sob a forma de um servo. Como se fosse sua própria voz, entre muitas outras vozes que ele enviou à frente, ele também mostrou sua própria carne. O Pai foi procurado como se já pudesse ser visto como é; o Filho, como o Pai, falou aos seus servos na forma de um servo. Senhor —  diz Filipe —  mostra-nos o Pai, e nos basta [25]. Buscava o que era o objetivo de todos os seus desejos, isto é, o objetivo de seu caminho, alcançado o qual, nada mais teria que buscar. Mostre-nos, disse ele , o Pai, e isso nos basta. Bem, Filipe, bem; Bem entendeste que o Pai é o suficiente para ti. Que isso significa? Não buscar mais nada; Ele te encherá, te satisfará e te levará à perfeição. Mas estejas atento, para que não seja também suficiente para ti este a quem estás ouvindo. Ele é suficiente sozinho ou junto com o Pai? Mas como ele pode bastar sozinho se nunca se afastou do Pai? Responda-se, então, a Filipe, que queria vê-lo: Por quanto tempo eu estive convosco e ainda não me conheceis? Filipe, quem viu a mim, também viu o Pai [26] . Que significa: Filipe, quem me viu, também viu o Pai, senão: Tu não me viste e é por isso que está procurando pelo Pai? Filipe, que me viu, também viu o Pai. Porém tu me vês e não me vês. Com efeito, não vês em mim Aquele que te criou, mas aquilo que me fiz por ti. Quem me viu —  diz ele —  também viu o Pai. De que outra forma, senão que, existindo na forma de Deus, não julgou por roubo o ser igual a Deus? O que, então, Filipe viu? Que ele se aniquilou tomando a forma de um servo, feito à semelhança de homens e encontrado no porte exterior como um homem [27]. Era a forma de servo que Filipe via, que logo teria a liberdade de ver sua forma de Deus. Assim, pois, João personificava todas as vozes e Cristo a Palavra. É necessário que todas as vozes diminuam quando progredimos na visão de Cristo. Quanto mais você progride na visão da sabedoria, menos precisa da voz. A voz aparece nos profetas, nos apóstolos, nos Salmos e no Evangelho. Chegue-se à conclusão que: No princípio era a Palavra, e a Palavra estava ao junto a Deus, e a Palavra era Deus. Quando o virmos como ele é, o Evangelho então será lido? Devemos ouvir, talvez, as profecias? Ou vamos ler as cartas dos apóstolos? Por quê? Porque as vozes diminuem à medida que a Palavra cresce, pois “convém que ele cresça e eu diminua”. A Palavra em si não cresce ou diminui. Diz-se, no entanto, que ela cresce em nós quando crescemos progredindo nela, da mesma forma que a luz cresce nos olhos quando, curada a visão, ela enxerga melhor, do que antes, quando estava fraca, e via certamente pior. A luz era menor para os olhos doentes e maior para os saudáveis, embora em si não diminuiu antes nem aumentou depois. Portanto, a necessidade da voz diminui quando a mente progride em direção à Palavra. Desta forma, é apropriado que Cristo cresça e que João, por outro lado, diminua. Isso é indicado por suas mortes. Com efeito, João diminuiu sendo decapitado; Cristo foi exaltado, como se tivesse crescido na cruz. As datas de seus respectivos nascimentos indicam o mesmo, já que a partir do dia do nascimento de João os dias começam a se tornar menores, enquanto a partir do dia de Cristo eles voltam a crescer.


Notas

[1] Isaías 9,5

[2] São João 1,3

[3] São João 1,29

[4] Mt 11,11

[5] São João 3,29

[6] São João 3,29

[7] São Mateus 13,17

[8] São Lucas 2,26

[9] São Mateus 3,3

[10] Salmos 71,8

[11] São Marcos 1,7

[12] Isaías 40,3-5 LXX

[13] Isaías 40,6-8

[14] Deuteronômio 18,15

[15] São João 1,20-21

[16] São João 1,23

[17] São João 1,1-3

[18] São João 1,1s

[19] São João 3,30

[20] I Coríntios 13,9s

[21] São João 1,1

[22] Filipenses 2,6

[23] Filipenses 2,6

[24] São Mateus 5,8

[25] São João 14,8

[26] São João 14,9

[27] Filipenses 2,7

_______

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola de Pío de Luís, OSA, disponível em <http://www.augustinus.it/spagnolo/discorsi/discorso_402_testo.htm>.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.