Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Sermão (268) sobre Pentecostes

Santo Agostinho

A vinda do Espírito Santo nos vestiu com solenidade neste dia; é o quinquagésimo da Ressurreição, um número que vem da multiplicação dos dias da semana por sete. Se contar as sete semanas, você encontrará apenas quarenta e nove dias, mas a unidade é adicionada para aproximar a unidade. Qual foi a vinda do Espírito Santo? O que Ele fez? Como mostrou sua presença? O que foi usado para manifestar isso?  

Todos falavam nas línguas de todos os povos. Cento e vinte pessoas foram reunidas em um lugar, um número sagrado resultante da multiplicação do número dos apóstolos por dez. Como isso aconteceu? Cada um daqueles em quem veio o Espírito Santo falava uma das línguas, enquanto outros falavam outras línguas? A realidade era diferente: cada homem, um homem, falava as línguas de todos os povos. Um homem falou as palavras de todos os povos: aqui está simbolizado a unidade da Igreja nas línguas de todas as nações. Aqui também estamos intimados com a unidade da Igreja Católica difusa em todo o mundo. 

Portanto, quem tem o Espírito Santo está dentro da Igreja que fala as línguas de todos. Quem está fora dele, a este, falta o Espírito Santo. O Espírito Divino se dignou a manifestar-se nas línguas de todos os povos para que aquele que permanece na unidade da Igreja, que fala em todas as línguas, entenda que tem o Espírito. Um corpo – diz o apóstolo Paulo – e um Espírito. Considere nossos membros. O corpo é composto de muitos membros e um único espírito traz vida a todos eles. Vê-se que, graças à alma humana pela qual eu sou um homem, eu mantenho todos os membros juntos. Eu ordeno aos membros que se movam, eu aplico os olhos para ver, os ouvidos para ouvir, a língua para falar, as mãos para agir e os pés para andar. As funções dos membros são diferentes, mas um único espírito unifica tudo. Muitas são as ordens, muitas as ações, mas apenas uma que dá ordens e somente uma que é obedecida. Qual é o nosso espírito, isto é, a nossa alma, com respeito aos nossos membros, esse mesmo é o Espírito Santo com respeito aos membros de Cristo, ao corpo de Cristo que é a Igreja.  

Então, o apóstolo, ao mencionar apenas um corpo, para que não pensássemos em um morto, disse: Um só corpo, mas eu lhe pergunto: – Este corpo está vivo? Sim, vive. – Onde ele consegue sua vida? – De um único Espírito. Portanto, irmãos, atenção ao nosso corpo, para que o aparte daqueles que se afastam da Igreja. Cada um de nossos membros desempenha suas funções enquanto estamos vivos, enquanto permanecemos saudáveis; se alguém sofre de alguma causa, todos os membros sofrem com isso. No entanto, uma vez que está no corpo, pode sentir dor, mas não pode expirar. Agora, se um membro é separado do corpo… O membro em questão é reconhecido: é um dedo, uma mão, um braço, uma orelha; fora do corpo tem apenas a forma, mas não a vida. O mesmo acontece com o homem separado da Igreja. Você procura o sacramento nele e o encontra; você busca o batismo e o encontra; você procura pelo símbolo e o encontra. É a forma exterior; mas, se o espírito não o revigora internamente, em vão você se glorifica externamente com o rito. 

Amados, Deus insiste na unidade. Deve fazer você pensar que, no começo da Criação, quando Deus fez todas as coisas, quando Ele criou as estrelas no firmamento, e na terra as ervas e árvores, disse: Produza a terra, e as árvores apareceram e quanto verde! Ele disse: Deixe os peixes e os pássaros produzirem as águas; e isso foi feito. Deixe a terra produzir a alma viva de todos os animais domésticos e animais selvagens; e foi isso que aconteceu. Deus, por acaso, de um pássaro fez todos os outros? De um único peixe, ou de um único cavalo, fez o restante dos peixes e cavalos? Por acaso, a terra não produziu muitas coisas ao mesmo tempo e muitos seres com múltiplos fetos? Mas veio a Criação do homem e legou apenas um, e daquele, toda a raça humana. Ele nem queria fazer dois, homens e mulheres, separadamente, mas apenas um, e desse primeiro homem fazer apenas uma mulher. Por que assim? Porque a raça humana começa com um único homem. Mas por que é assim que a unidade da raça humana é intimada? Também Cristo, o Senhor, nasceu de uma só mulher, porque a unidade é virginal: preserva a virgindade, mantém a incorrupção. 

O próprio Senhor enfatiza a unidade da Igreja aos apóstolos. Ele lhes aparece e eles pensam que estão vendo um espírito e se assombram. O Senhor pergunta: por que estais perturbados e elevais esses pensamentos aos vossos corações? Vejam minhas mãos; toquem e verão que um espírito não tem ossos ou carne, como vedes que eu tenho. Não foi isso que eu lhes falei quando ainda estava convosco, a saber, que era apropriado que o que estava escrito sobre mim na lei, nos profetas e nos salmos fosse cumprido? E completou: assim está escrito. Era apropriado que Cristo sofresse e ressuscitasse dos mortos no terceiro dia. Aqui está a nossa cabeça, mas onde estão os membros? Aqui está o marido; onde está a esposa? Ouça o que Ele diz. Onde você está procurando por Cristo? Nas fábulas humanas ou na verdade dos evangelhos? Ele sofreu, ressuscitou no terceiro dia, manifestou-se aos seus discípulos. Nós já O temos. 

Era apropriado que Cristo sofresse e ressuscitasse dos mortos no terceiro dia. Isso já aconteceu, já está à vista. Dize-nos, Senhor, para que não cometamos erros. E em seu nome é pregada a penitência e o perdão dos pecados por todas as cidades, começando por Jerusalém. Começou em Jerusalém e nos alcançou. Está lá e aqui, porque para vir até nós ele não saiu de lá; é sobre expansão, não migração. Isso ele insinuou depois de sua ressurreição. Ele esteve com os apóstolos por quarenta dia. Prestes a subir ao céu, nos confiou a Igreja. O marido, pronto para fazer a viagem, confiou sua esposa aos seus amigos; não para que ela lhes destinasse seu amor, mas para que eles a protegessem. Os amigos do marido se preocupam com isso e não permitem que ele perca a virgindade por causa de um amor lascivo.  

Considere agora o amigo invejoso: quando ele vê que a mulher é entregue, por assim dizer, à fornicação nos braços de amigos do marido, diz: eu ouvi dizer que existem cismas entre vós. Disseram-me, irmãos, que há discórdias entre cada um de vós. Um diz: eu sou de Paulo; o outro: eu, de Apolo; segue: eu, de Cefas, e assim por diante. Cristo é dividido? Paulo foi crucificado por você ou você foi batizado em nome de Paulo? Ele rejeita o amor de uma esposa que não é dele. Ele não quer ser amado como se ele fosse o marido, a fim de reinar com o marido. A Igreja foi confiada a nós, então. Além disso, quando Cristo subiu ao céu, ele disse àqueles que lhe perguntaram sobre o fim do mundo: não deveis saber o momento que o Pai reservou em seu poder.  

Ouça o que o mestre lhe ensina, ó discípulo! Você receberá a força do Espírito Santo que virá sobre você. E assim aconteceu: nos quarenta dias Ele subiu ao céu, e eis que hoje, com a chegada do Espírito Santo, que encheu a todos eles, falam as línguas de todos os povos. Mais uma vez, a unidade é mais cara através das línguas de todos os povos. O Senhor nos torna mais caros quando se levanta. Cristo ascende ao céu e hoje o Espírito Santo confirma isso.


Traduzido por Gustavo Quaranta a partir da versão espanhola disponível em <http://www.augustinus.it/spagnolo/discorsi/discorso_379_testo.htm>.

Segue abaixo texto com o próprio da Missa do Domingo de Pentecostes.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.