Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida do Papa São Marcelino

Papa São Marcelino em ilustração de Chevalier Artaud de Montor.

Johann Peter Kirsch, Enciclopédia Católica

Sua data de nascimento é desconhecida; foi eleito Papa em 30 de junho de 296; morreu em 304. Segundo o “Liber Pontificalis” , era romano, filho de um certo Projectus. O Catálogo Liberiano de papas (ed. Duchesne, “Lib. Pont.” I, 6-7) dá 30 de junho como o dia de sua eleição, e os anos 296-304 como o tempo de seu pontificado. Essas datas, aceitas pelo autor do “Liber Pontificalis”, são verificadas por aquela antiga fonte. Nada foi transmitido a respeito das atividades deste papa em seu reinado de oito anos. Aprendemos com o epitáfio do diácono romano Severo na Catacumba de Calisto (De Rossi, “Roma Sotterranea“, III, 46 tav. V) que nessa época foram feitas novas câmaras mortuárias no cemitério principal da Igreja Romana. Severo diz que ele tinha estabelecido um duplo cubiculum com luminare e arcosolium, “jussu papae sui Marcellini“. Isso aconteceu antes do início da grande perseguição de Diocleciano; pois nesta a Catacumba de Calisto foi confiscada, como os outros locais de encontro públicos da comunidade romana. De Rossi assume que os cristãos bloquearam as principais galerias da catacumba neste momento, para proteger da profanação os túmulos dos vários mártires enterrados lá. A perseguição de Diocleciano, cujos severos éditos contra os cristãos foram executados por Maximiano Hércules, causou a maior confusão na Igreja Romana depois de 303. Marcelino morreu no segundo ano da perseguição e, com toda probabilidade, de uma morte natural. Nenhuma fonte confiável do quarto ou quinto século o menciona como um mártir. Seu nome não aparece nem na lista dos mártires ou dos bispos no “Cronógrafo” romano do ano 354. Nem é mencionado no “Martyrologium Hieronymianum“. O “Marcellinus episcopus” em 4 de outubro no “Codex Bernensis” (ed. De Rossi-Duchesne, 129) provavelmente não é idêntico ao papa. Ao mencionar Marcelino, Eusébio usa uma expressão obscura; ele apenas diz: “a perseguição também o afetou” (“òn kaì a’utòn kateílephon ‘o diogmòs” História da Igreja VII.32 ). Disto se deve, obviamente, concluir que o papa não sofreu o martírio, caso contrário, Eusébio teria claramente afirmado isso. Posteriormente, circularam relatos de que o acusavam de ter desistido dos livros sagrados após o primeiro decreto, ou mesmo de ter oferecido incenso aos deuses, para se proteger da perseguição. Mas as fontes nas quais tais atos reprováveis são claramente afirmados são muito questionáveis.

O bispo donatista Petilianus de Constantino na África afirmou, na carta que escreveu em 400 e 410, que Marcelino e os sacerdotes romanos Melquíades, Marcelo e Silvestre (seus três sucessores) haviam abandonado os livros sagrados e oferecido incenso . Mas ele não pôde apresentar nenhuma prova. Nos atos de confisco dos edifícios da igreja em Roma que, na grande conferência cartaginesa entre católicos e donatistas, foram apresentados por estes últimos, apenas dois diáconos romanos, Estraton e Cássio, foram nomeados como traidores. Santo Agostinho, em suas respostas a Petilianus, contesta a veracidade do relato deste (Contra Petilian 2.202 : “De quibus et nos solum respondemus: aut non probatis et ad neminem pertinet, aut probatis et ad nos non pertinet“; “De unico baptismo contra Petilianum“, cap. xvi: “Ipse scelestos et sacrilegos fuisse dicit; ego innocentes fuisse respondeo“). Só se pode concluir da acusação de Petilianus de que tais rumores contra Marcelino e os padres romanos circularam na África; mas que não puderam ser provados, caso contrário Santo Agostinho não teria sido capaz de afirmar a inocência do acusado de forma tão decidida, ou segura, para se referir ao assunto na conferência cartaginesa. Mas mesmo em Roma, histórias semelhantes foram contadas sobre Marcelino em certos círculos, de modo que em dois relatos lendários posteriores uma apostasia formal foi atribuída a este papa , obviamente seguida de arrependimento e penitência. A biografia de Marcelino no “Liber Pontificalis“, que provavelmente alude a uma sua “passio” perdida, relata que ele foi levado ao sacrifício para espalhar incenso, o que ele fez. Mas depois de alguns dias ele foi tomado pelo remorso e foi condenado à morte por Diocleciano com três outros cristãos, e decapitado. É claro que este relato tenta combinar um boato de que o papa havia oferecido incenso aos deuses, com o fato de que, em outros círculos ele era considerado um mártir e seu túmulo venerado.

No início do século VI, um pouco mais tarde que esta “passio Marcellini”, apareceu uma coleção de documentos falsos, que foram fabricados na disputa entre o Papa Símaco e Laurêncio. Entre eles também são encontradas as atas apócrifas de um suposto sínodo de 300 bispos, que aconteceu em 303 em Sinuessa (entre Roma e Cápua), a fim de investigar a acusação contra Marcelino de que ele havia sacrificado por ordem de Diocleciano. Nos dois primeiros dias, Marcelino negou tudo, mas no terceiro dia admitiu seu lapso e se arrependeu; no entanto, o sínodo não emitiu nenhuma sentença sobre ele “quia prima sedes non judicatur a quoquam”. Quando Diocleciano soube da ocorrência, mandou executar o papa e vários bispos deste sínodo (Hefele , “Konziliengeschichte“, I, 2 Aufl. 143-45). O caráter espúrio dessas atas é quase certa. O falsificador aproveitou o boato sobre o lapso de Marcelino para seus próprios fins de uma maneira diferente da do autor da “passio“, que se infiltrou no “Liber Pontificalis“. Esses fragmentos apócrifos não podem por si só ser considerados como provas históricas, mais do que os rumores nos círculos donatistas na África. É aceito como certo que o papa não cumpriu o édito imperial por meio de qualquer ato aberto, como a rejeição das escrituras sagradas, ou mesmo a oferenda de incenso diante da estátua de um deus. Tal apostasia de um bispo romano teria, sem dúvida , recebido o maior destaque por autores contemporâneos. Eusébio não fez uso da ideia acima mencionada. E mais tarde, Teodoreto estava menos em posição de afirmar em sua “História da Igreja” que Marcelino havia se destacado na perseguição “ton ‘en tô diogmô diaprépsanta” ( História da Igreja I.2). E Agostinho também não teria podido afirmar de forma tão brusca em resposta a Petilianus, que Marcelino e os padres acusados ​​com ele de traidores e “lapsi” eram inocentes.

Por outro lado, é notável que no “Cronógrafo” Romano, cuja primeira edição foi em 336, apenas o nome deste papa esteja faltando, enquanto todos os outros papas de Lúcio I em diante estão apresentados. No manuscrito, há de fato em 16 de janeiro (XVIII kal. Fev.) O nome de Marcelino, mas isso é claramente um lapso de escrita para “Marcelo”; pois a festa deste papa encontra-se tanto no “Martyrologium Hieronymianum” como nos antigos livros litúrgicos romanos desta data, enquanto no “Liber Pontificalis” e, em conexão com ele, nos martirológios históricos do século IX, a festa de Marcelino é transferida para 26 de abril (Acta SS., junho, VII, 185). Para alguns investigadores (Mommsen, de Smedt) a falta do nome de Marcelino foi atribuída à omissão de um copista, devido à semelhança dos nomes, e no “Depositio Episcoporum” alegaram complementar o “Cronógrafo”: XVII kal. Febr. Marcelli in Priscillæ VI kal. Maii Marcellini in Priscillæ (de Smedt, “Introductio in hist. Eccl. Critice tractandam”, 512-13). Mas essa hipótese não é aceita. As datas da morte dos papas, desde Silvestre na lista das sucessões, são idênticos aos dias do mês em que suas festas são celebradas. Assim, Marcelino deve vir primeiro depois de Gaio, cujo nome está citado com a data X kal. Maii. Então Marcelino está faltando não apenas no “Cronógrafo”, mas também no “Martyrologium Hieronymianum” e em todas as listas de papas dos séculos V e VI . Essa omissão, portanto, não é acidental, mas intencional.

Em conexão com os rumores acima mencionados e as narrativas de fragmentos apócrifos, deve-se admitir que em certos círculos de Roma a conduta do papa durante a perseguição de Diocleciano não foi aprovada. Nesta perseguição , conhecemos apenas dois clérigos romanos que foram martirizados: o padre Marcelino e o exorcista Petrus. O bispo romano e os outros membros do alto clero, exceto os clérigos acima , foram capazes de iludir os perseguidores. Não sabemos como isso aconteceu . É possível que o Papa Marcelino tenha conseguido se esconder em um esconderijo seguro no devido tempo, como muitos outros bispos fizeram. Mas também é possível que na publicação do edital ele tenha garantido sua própria imunidade; nos círculos romanos isso teria sido imputado a ele como fraqueza, de modo que sua memória sofreu por isso, e por isso foi omitido pelo autor do “Depositio Episcoporum” do “Cronógrafo”, enquanto ele encontrava lugar no Catálogo Liberiano, que era quase contemporâneo. Mas seu túmulo foi venerado pelos cristãos de Roma, e ele foi posteriormente reconhecido como um mártir, como mostra a “passio“. Marcelino morreu em 304. O dia de sua morte não é certo; no “Liber Pontificalis” seu sepultamento foi erroneamente colocado em 26 de abril, data esta mantida nos martirológios históricos do século IX e, a partir deles, nos martirológios posteriores. Mas se calcularmos a data de sua morte a partir da duração de seu mandato dado no Catálogo Liberiano, ele teria morrido em 24 ou 25 de outubro de 304. Seu corpo foi enterrado na Catacumba de Priscila na Via Salaria, perto da cripta onde o mártir Crescêncio encontrou seu lugar de descanso. A catacumba de Calisto, o cemitério oficial da Igreja Romana, onde os predecessores de Marcelino foram sepultados durante várias décadas, foi evidentemente confiscado na perseguição, enquanto a Catacumba de Priscila, pertencente aos Acilii Glabriones, ainda estava à disposição dos cristãos .

A tumba de Marcelino foi venerada desde muito cedo data pelos cristãos de Roma. As declarações precisas sobre sua posição, no “Liber Pontificalis“, indicam isso. Num dos itinerários dos túmulos dos mártires romanos do século VII , no “Epitome de locis ss. Martyrum“, é expressamente mencionada entre os túmulos sagrados da Catacumba de Priscila (De Rossi, “Roma sotteranea“, I, 176). Nas escavações desta catacumba, a cripta de S. Crescêncio , ao lado da qual ficava a câmara mortuária de Marcelino, foi identificada de forma satisfatória. Mas nenhum monumento foi descoberto que fizesse referência a esse papa. A posição precisa da câmara mortuária, portanto, ainda é incerta. A perdida “passio” de Marcelino escrita no final do século V, que foi utilizada pelo autor do “Liber Pontificalis“, mostra que ele foi homenageado como um mártir naquela época; no entanto, seu nome aparece primeiro no “Martirológio” de Beda, que extraiu seu relato do “Liber Pontificalis” (Quentin, “Les martyrologes historiques“, 103, sq.). Sua festa é no dia 26 de abril. Os primeiros breviários, que seguem o relato do “Liber Pontificalis“, relativo ao seu lapso e arrependimento, foram alterados em 1883.
_____________

Bibliografia:
Liber Pontificalis, ed. DUCHESNE, I, 6, 7, 162-163; cf. Introduction, LXXIV sq. XCIX; Acta Sanct., April, III, 412-415, 999-1001; DE CASTRO, Difesa della causa di S. Marcellino, I, Pont. Rom. (Rome, 1819); LANGEN, Geschichte der römischen Kirche, I, 370-372; ALLARD, Histoire des persécutions, IV, 376-379; DUCHESNE, Histoire ancienne de l’Église, II, 92 sq.; MARUCCHI, Il sepolcro del papa Marcellino nel cimitero di Priscilla in Nuovo Bull. di archeol. crist. (1907), 115 sq.

_____________

Fonte:
Kirsch, Johann Peter. “Pope Saint Marcellinus.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 9. New York: Robert Appleton Company, 1910. 25 Apr. 2021 <http://www.newadvent.org/cathen/09637d.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, juntamente com a do Papa S. Cleto, a 26 de abril, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Fazei, senhor, que a gloriosa confissão dos bem-aventurados Mártires e Pontífices Cleto e Marcelino aqueça a nossa piedade e a sua piedosa intercessão nos proteja incessantemente. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Beatórum Mártyrum paritérque Pontíficum Cleti et Marcellíni nos, Dómine, fóveat pretiósa conféssio: et pia júgiter intercéssio tueátur. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.