Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Romualdo

Leslie Toke, Enciclopédia Católica

Nascido em Ravena, provavelmente por volta de 950; morreu em Val-di-Castro, em 19 de junho de 1027. São Pedro Damião, seu primeiro biógrafo, e quase todos os escritores camaldulenses afirmam que a idade de São Romualdo em sua morte era de cento e vinte anos, e que, portanto, ele nasceu por volta de 907. Isso é contestado pela maioria dos escritores modernos. Tal data não só resulta em uma série de improbabilidades em relação aos eventos da vida do santo, mas também é inconciliável com datas conhecidas, e provavelmente foi determinada por alguma inferência equivocada de São Pedro Damião. Em sua juventude, Romualdo se entregou à habitual vida irrefletida e até mesmo viciosa dos nobres do século X, mas sentiu-se muito atraído pelo vida eremítica. Aos vinte anos, horrorizado porque seu pai havia matado um inimigo em um duelo, ele fugiu para a Abadia de San Apollinare-in-Classe e depois de alguma hesitação entrou para a vida religiosa. San Apollinare havia sido recentemente reformada por São Majolo de Cluny, mas ainda não era rigorosa o suficiente em sua observância para satisfazer Romualdo. Sua correção imprudente dos menos zelosos despertou tal inimizade contra ele que pediu, e lhe foi prontamente concedida, permissão para se retirar para Veneza, onde se colocou sob a direção de um eremita chamado Marinus e viveu uma vida de extraordinária severidade. Por Volta de 978, Pietro Orseolo I, Doge de Veneza, que havia obtido seu cargo por aquiescência no assassinato de seu antecessor, começou a sentir remorso por seu crime. A conselho de Guarinus, abade de San Miguel-de-Cuxa, na Catalunha, e de Marinus e de Romualdo, Pietro Orseolo abandonou seu cargo e relações, fugindo para Cuxa, onde tomou o hábito de São Bento, enquanto Romualdo e Marinus erigiram uma ermida perto do mosteiro. Durante cinco anos o santo viveu uma vida de grande austeridade, reunindo à sua volta um grupo de discípulos. Então, ao saber que seu pai, Sérgio, que se tornara monge, estava atormentado por dúvidas quanto à sua vocação, voltou às pressas para a Itália, submeteu Sérgio a severa disciplina e assim resolveu suas dúvidas. Nos trinta anos seguintes, São Romualdo parece ter perambulado pela Itália, fundando muitos mosteiros e ermidas. Por algum tempo ele fez de Pereum seu local de descanso favorito. Em 1005 foi para Val-di-Castro por cerca de dois anos, e deixou-a, profetizando que voltaria para morrer lá sozinho e sem ajuda. Novamente ele vagou pela Itália; então tentou ir para a Hungria, mas foi impedido por doença persistente. Em 1012 apareceu em Vallombrosa, de onde se mudou para a Diocese de Arezzo. Aqui, segundo a lenda, um certo Maldolus, que teve uma visão de monges em vestes brancas ascendendo ao céu, deu-lhe algumas terras, depois conhecidas como Campus Maldoli, ou Camaldoli. São Romualdo construiu neste terreno cinco celas para eremitas, que, com o mosteiro de Fontebuono, construído dois anos depois, se tornou a famosa casa-mãe da Ordem dos Camaldulenses. Em 1013 retirou-se para Monte-Sítria. Em 1021 foi para Bifolco. Cinco anos depois voltou a Val-di-Castro onde morreu, como havia profetizado, sozinho em sua cela. Muitos milagres foram feitos em seu túmulo, sobre o qual um altar foi autorizado a ser erguido em 1032. Em 1466 seu corpo foi encontrado ainda incorrupto; foi traladado para Fabriano em 1481. Em 1595 Clemente VIII fixou sua festa em 7 de fevereiro, dia da traladação de suas relíquias, e estendeu sua celebração a toda a Igreja. Ele é representado na arte apontando para uma escada na qual monges ascendem ao Céu.

____________________

Bibliografia: Acta SS., Feb., II (Venice, 1735), 101-46; CASTANIZA, Historia de S. Romvaldo (Madrid, 1597); COLLINA, Vita di S. Romualdo (Bologna, 1748); GRANDO, Dissertationes Camaldulenses (Lucca, 1707), II, 1-144; III, 1-160; MABILLON, Acta SS. O.S.B., saec. VI, par. I (Venice, 1733), 246-78; MITTARELLI AND COSTADONI, Annales Camaldulenses, I (Venice, 1755); St. Peter Damian in P.L., CXLIV (Paris, 1867), 953-1008; TRICHAUD, Vie de Saint Romuald (Amiens, 1879); WAITZ in PERTZ, Mon. Germ. Hist.: Script., IV (Hanover, 1841), 846-7.

____________________

Fonte: Toke, Leslie. “St. Romuald.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 13. New York: Robert Appleton Company, 1912. 6 Feb. 2022 <http://www.newadvent.org/cathen/13179b.htm>

Traduzido por Leonardo Brum

[Segue abaixo oração aos santo, por ocasião de sua festa, a 8 de novembro, Extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943.]

OREMOS

Recomende-nos, Senhor, Vo-lo pedimos, a intercessão de São Romualdo, Abade, para que consigamos por seu patrocínio o que pelos próprios méritos não podemos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.