Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Paulino de Nola

Klemens Löffler, Enciclopédia Católica

(Pontius Meropius Anicius Paulinus)

Nasceu em Bordeaux por volta de 354 e morreu em 22 de junho de 431. Veio de uma família distinta da Aquitânia e sua educação foi confiada ao poeta Ausônio. Ele se tornou governador da província da Campânia, mas logo percebeu que não conseguia encontrar a felicidade que procurava na vida pública. De 380 a 390, ele viveu quase inteiramente em sua terra natal. Casou-se com uma espanhola, uma cristã chamada Teresa. Ele deve sua conversão a Teresa, ao bispo Delfino de Bordeaux, ao seu sucessor, o presbítero Amando, e a São Martinho de Tours, que o curou de uma doença ocular. Delfino, batizou a ele e a seu irmão no mesmo dia. Quando Paulino perdeu seu único filho de oito dias, e quando ele foi ameaçado com a acusação de assassinar seu irmão, ele e sua esposa decidiram se retirar do mundo e abraçar a vida monástica . Eles foram para a Espanha por volta de 390.

No Natal 394 ou 395, os habitantes de Barcelona o obrigaram a se ordenar, o que não era canônico, uma vez que ele não havia recebido as outras ordens anteriormente. Por ter uma devoção especial por São Félix , que havia sido enterrado em Nola (Campânia), ele construiu uma bela avenida que levava diretamente à igreja que continha o túmulo do santo e, ao lado dela, erigiu um hospital. Ele decidiu se estabelecer lá com Teresa e distribuiu grande parte de seus bens entre os pobres. Em 395, mudou-se para Nola, onde levou uma vida monástica ascética e rigorosa, ao mesmo tempo contribuindo generosamente com a Igreja, o aqueduto de Nola e a construção das basílicas em Nola, Fondi, etc. A basílica de Nola tinha cinco naves e tinha em cada lado quatro adições ou capelas (cubicula) e uma abside em forma de trevo. Isso foi conectado à antiga capela mortuária de São Félix através de uma galeria. Esta parte foi ricamente decorada com mármore, lâmpadas de prata e lustres, pinturas, imagens e inscrições. Na abside havia um mosaico representando a Santíssima Trindade dos quais alguns restos foram encontrados em 1512.

Por volta de 409, Paulino foi eleito bispo de Nola. Durante vinte anos, ele cumpriu seus deveres de maneira louvável. Suas cartas contêm muitas referências e alusões bíblicas; Ele fez tudo no Espírito da Bíblia e o expressou em linguagem bíblica. Genádio menciona os escritos de Paulino em sua continuação de “De Viris Illustribus” (XLIX) de São Jerônimo. O elogio sobre o imperador Teodósio infelizmente se perdeu, assim como o “Opus sacramentorum et hymnorum“, o “Epistolae ad Sororem“, o “Liber de Paenitentia“, o “Liber de Laude Generali Omnium Martyrum” e um tratado poético do “De Regibus” de Suetônio, o qual Ausônio menciona. Foram preservadas 49 cartas endereçadas a amigos, como Sulpício Severo, Santo Agostinho , Delfino, Bispo Vitrício de Rouen, Desidério, Amando, Pamáquio, etc. Há também trinta e três poemas. Depois de 395, ele compunha um hino todos os anos para a comemoração de São Félix, no qual glorificava principalmente a vida, as obras e os milagres de seu santo padroeiro.. Voltando no tempo, ele apresentou vários motivos religiosos e poéticos. As partes épicas são muito vivas, as letras cheias de realismo, entusiasmo simples e uma apreciação ardente da natureza. Desses quatorze poemas e fragmentos, treze foram preservados.

Entre suas obras, destacam-se as Epístolas a Ausônio, o hino nupcial a Juliano, que exalta a dignidade e a santidade do casamento cristão, e um poema para confortar os pais de Celso pela morte de seu filho. Apesar do estilo de Paulino ter grande versatilidade e beleza, ele não é totalmente livre de maneirismos e da cultura ornamental de seu tempo. Todos os seus escritos emanam charme, uma personalidade ideal, livre de laços terrenos em um esforço para se erguer. Segundo Santo Agostinho, ele tinha uma idéia exagerada sobre a veneração de santos e relíquias. Sua carta XXXII, dirigida a Sulpício Severo, recebeu atenção especial por descrever a Basílica de Nola, que ele construiu, e fornece numerosos relatos de sua existência, construção e finalidade dos monumentos cristãos. Graças a ele, também temos informações a respeito da presença de São Pedro em Roma. Durante sua vida, Paulino foi considerado um santo. Seu corpo foi enterrado pela primeira vez na Catedral de Nola; mais tarde em Benevento; posteriormente foi transferido por Oto III para São Bartolomeu all’Isola em Roma e, finalmente, de acordo com a regulamentação do Papa São Pio X de 18 de setembro de 1908 (Acta Apostolicae Sedis, I, 245 ss.) ,foi restabelecido à catedral de Nola. Sua festa, comemorada em 22 de junho, foi elevada à categoria de dupla.

Fonte: Löffler, Klemens. “St. Paulinus, Bishop of Nola.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 11. New York: Robert Appleton Company, 1911. 21 Jun. 2020 http://www.newadvent.org/cathen/11585b.htm.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola, disponível em https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Paulino_de_Nola.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 22 de junho, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que prometestes aos que tudo abandonam por vós, o cêntuplo neste mundo, e no outro a vida eterna, dignai-Vos conceder-nos a graça de, seguindo as pegadas do santo Pontífice Paulino, desprezarmos os bens da terra e só desejarmos os do Céu: Vós que, sendo Deus, viveis e reinais.

OREMUS

Deus, qui ómnia pro te in hoc sæculo relinquéntibus, céntuplum in futúro et vitam ætérnam promitísti: concéde propítius; ut sancti Pontíficis Paulíni vestígiis inhæréntes, valeámus terréna despícere, et sola cæléstia desideráre: Qui vivis et regnas.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.