Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Lourenço

Johann Peter Kirsch, Enciclopédia Católica

São Lourenço, um dos diáconos da igreja romana, foi uma das vítimas da perseguição de Valeriano em 258, assim como o papa Sisto II e muitos outros clérigos romanos. No início de agosto de 258, o imperador emitiu um édito ordenando a morte imediata de todos os bispos, padres e diáconos (“episcopi et presbyteriet diacones incontinenti animadvertantur” – Cipriano, Epist. lxxx, 1). Esta ordem imperial foi imediatamente executada em Roma. Em 6 de agosto, o Papa Sisto II foi capturado em uma catacumba e imediatamente executado (“Xistum in cimiterio animadversum sciatis VIII id. Augusti et cum e o diacones quattuor.” Cipriano, ep. lxxx, 1). Dois outros diáconos, Felicíssimo e Agapito, foram executados no mesmo dia.

No calendário das festas romanas do século IV, a festa deles ocorre na mesma data. Quatro dias depois, em 10 de agosto do mesmo ano, Lorenzo, o último dos sete diáconos, também sofreu o martírio. O aniversário de morte deste santo mártir ocorre neste dia de acordo com o Almanaque de Filocalo para o ano de 354, um inventário que contém as principais festas dos mártires romanos de meados do século IV; ele também menciona a rua onde seu túmulo estaria localizado, a Via Tiburtina (“III id. Aug. Laurentii in Tibertina”; Ruinart, “Acta sincera”, Ratisbon, 1859, 632). Os itinerários dos túmulos dos mártires romanos, como ficaram conhecidos no século VII, referem que este mártir foi sepultado na Catacumba de Ciriaca em Agro Verano (De Rossi, “Roma Sott.”, I, 178).

Desde o século IV, São Lourenço foi um dos mártires mais venerados da igreja romana. Constantino, o Grande, foi o primeiro a erguer um pequeno oratório sobre o local onde ele foi sepultado. O Papa Pelágio II (579-90) ampliou e embelezou o local. O Papa Sisto III (432-40) construiu, no alto da colina onde foi sepultado, uma grande basílica de três naves cuja abside é sustentada pela antiga igreja. No século XIII, o Papa Honório III transformou os edifícios em um e é assim que a Basílica de São Lourenço está hoje. O Papa São Dâmaso (366-84) escreveu um panegírico em verso que foi gravado em mármore e colocado sobre seu túmulo. Dois contemporâneos deste Papa, Santo Ambrósio de Milão e o poeta Prudêncio, deram detalhes específicos sobre a morte de São Lourenço. Ambrósio relata (De officiis min. xxviii) que quando São Lourenço foi questionado sobre os tesouros da Igreja, ele trouxe adiante pobres entre os quais, em lugar de dar esmolas, ele distribuiu o tesouro; Santo Ambrósio também afirma que quando o Papa Sisto II foi levado para ser executado, ele confortou São Lourenço que queria compartilhar seu martírio, dizendo-lhe que o seguiria em três dias. O santo bispo de Milão também explica que São Lourenço foi queimado até a morte em uma grade de ferro (De offic., xli). Da mesma forma, mas com detalhes mais poéticos, Prudencio descreve o martírio do diácono romano em seu hino a São Lourenço (“Peristephanon“, Hino II).

O encontro entre São Lourenço e o Papa Sisto II, quando este seria executado, segundo o relato de Santo Ambrósio, não é compatível com os relatos contemporâneos sobre a perseguição de Valeriano. A forma como foi executado – queimado em uma grade de ferro em brasa – também levanta questões importantes. As narrativas de Ambrósio e Prudêncio baseiam-se mais na tradição oral do que na escrita. É bem possível que entre o ano 258 e o final do século IV tenham surgido lendas populares sobre esse venerado diácono romano e que algumas dessas histórias tenham sido preservadas por esses dois autores. Em todo caso, carecemos de meios para verificar em fontes anteriores os detalhes que derivam de Santo Ambrósio e Prudêncio, ou para estabelecer em que medida esses detalhes se baseiam na tradição histórica anterior. Provavelmente, no início do século VI outras versões mais completas do martírio de São Lourenço foram criadas, e nessas narrações muitos dos mártires da Via Tiburtina e das duas Catacumbas de S. Ciriaca em Agro Verano e S. Hipólito foram relatados em um forma romântica e totalmente lendária.

Os detalhes dados nestes Atos sobre o martírio de São Lourenço e sua atividade antes de sua morte carecem de credibilidade. No entanto, apesar das críticas às últimas versões de seu martírio, não há dúvida de que São Lourenço foi uma figura histórica real ou que o diácono tenha sido martirizado; Também não há dúvidas sobre o local onde aconteceu ou a data de seu enterro. O Papa Dâmaso construiu uma basílica em Roma dedicada a São Lourenço; esta é a igreja conhecida como San Lorenzo in Damaso. A igreja de San Lorenzo in Lucina, também dedicada a este santo, ainda existe. O dia de São Lourenço ainda é 10 de agosto). Ele é retratado artisticamente com a grelha de ferro em que se supõe que foi assado até a morte.

Fonte: Kirsch, Johann Peter. “St. Lawrence.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 9. New York: Robert Appleton Company, 1910. 9 Aug. 2020 <http://www.newadvent.org/cathen/09089a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Lorenzo>.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa a 10 de agosto, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Onipotente Senhor, fazei-nos a graça de apagar em nós a chama dos vícios, Vós que destes ao bem-aventurado Lourenço a força para vencer o fogo em que ardia no meio de tormentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Da nobis, quæsumus omnípotens Deus: vitiórum nostrórum flammas extínguere; qui beáto Lauréntio tribuísti tormentórum suórum incéndia superáre. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.