Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Antonino

Arthur McMahon, Enciclopédia Católica

Arcebispo de Florença, nascido nesta cidade em 1 ° de março de 1389; morreu em 2 de maio de 1459; conhecido também pelo nome de baptismo Antonius (Antônio), que se encontra nos seus autógrafos, em alguns manuscritos, nas edições impressas das suas obras e na Bula da canonização, mas que acabou por ser rejeitado pela forma diminutiva que lhe foi dada pelos seus afetuosos concidadãos. Seus pais, Niccolò e Thomasina Pierozzi, estavam em alta posição social, sendo Niccolò um notário da República Florentina. Na idade de quinze anos (1404) Antonino candidatou-se ao Beato João Domingos, o grande italiano reformador religioso da época, depois no Convento de Santa Maria Novella em Florença, para admissão à Ordem Dominicana. Só um ano depois é que foi aceito, sendo o primeiro a receber o hábito para o Convento de Fiesole que estava a ser construído pelo Beato João Domingos. Com Fra Angelico e Fra Bartolommeo, que se notabilizaram como pintor e como miniaturista, respectivamente, foi enviado a Cortona para fazer o noviciado sob o Beato Lourenço de Ripafratta. Ao terminar o ano de noviciado, voltou a Fiesole, onde permaneceu até 1409, quando com seus irmãos, todos fiéis adeptos do Papa Gregório XII, foi forçado pelos florentinos, que haviam recusado a obediência, a se refugiar no Convento de Foligno. Alguns anos depois, iniciou a sua carreira como zeloso promotor das reformas inauguradas pelo Beato João Domingos. Em 1414 foi vigário do convento de Foligno, posteriormente subprior e prior do convento de Cortona, e depois prior dos conventos de Roma (Minerva), Nápoles (São Pedro Mártir), Gaeta, Sienna e Fiesole (várias vezes). De 1433 a 1446 foi vigário da Congregação Toscana formada pelo Beato João Domingos, cujos conventos adotaram uma disciplina mais rigorosa. Durante este período, ele fundou o famoso convento de São Marcos em Florença (1436), onde formou uma notável comunidade com os irmãos do convento de Fiesole. Foi nesta época também que ele construiu, com a ajuda generosa de Cosimo de’ Medici, a igreja adjacente, cuja consagração o Papa Eugênio IV assistiu (Epifania, 1441). Como teólogo, ele participou do Concílio de Florença (1439) e deu hospitalidade em São Marcos aos teólogos dominicanos chamados para o concílio por Eugênio IV.

Apesar de todos os esforços de Santo Antonino para escapar das dignidades eclesiásticas, ele foi forçado por Eugênio IV, que tinha conhecimento pessoal de seu caráter santo e capacidade administrativa, a aceitar o arcebispado de Florença. Ele foi consagrado no convento de Fiesole, em 13 de março de 1446, e imediatamente tomou posse da sé sobre a qual governou até sua morte. Como no passado trabalhou pela construção da vida religiosa em toda a sua Ordem, doravante trabalhou por ela na sua diocese, dedicando-se à visitação às paróquias e às comunidades religiosas, ao remédio para os abusos, ao fortalecimento da disciplina, à pregação do Evangelho, à melhoria da condição dos pobres e à redação de livros para o clero e os leigos. Estes trabalhos foram interrompidos várias vezes para que ele pudesse atuar como embaixador da República Florentina. Problemas de saúde o impediram de participar de uma missão diplomática ao imperador em 1451, mas em 1455 e novamente em 1458 ele estava à frente das missões enviadas pelo governo ao Sumo Pontífice. Ele foi chamado por Eugênio IV para ajudá-lo em suas últimas horas de vida. Era frequentemente consultado por Nicolau V sobre questões de Igreja e Estado, e foi encarregado por Pio II de empreender, com vários cardeais, a reforma da Corte Romana. Quando de sua morte, em 2 de maio de 1459, Pio II deu instruções para o funeral e o presidiu oito dias depois. Ele foi canonizado por Adriano VI em 31 de maio de 1523.

As produções literárias de Santo Antônio, embora evidenciam um mudança eminentemente prática em sua mente, mostram que ele foi um profundo estudante de história e teologia. Sua obra principal é a “Summa Theologica Moralis, partibus IV distincta“, escrita pouco antes de sua morte, que marcou um novo e muito considerável desenvolvimento na teologia moral. Ela também contém fundamentos para o estudante da história do século XV. Igualmente desenvolvidos são seus elementos jurídicos que foram publicados sob o título de “Juris Pontificii et Caesarei Summa“. Uma tentativa foi feita recentemente por Crohns (Die Summa theologica des Antonin von Florenz und die Schätzung des Weibes im Hexenhammer, Helsingfors, 1903) para traçar os princípios fundamentais da misogonia, tão manifestos no “Martelo das Feiticeiras” dos Inquisidores Alemães, a esta obra de Antonino. Mas Paulus (Die Verachtung der Frau beim hl. Antonin, em Historisch-Politische Blätter, 1904, pp. 812-830 ) mostrou mais claramente do que vários outros, especialmente os escritores italianos, que esta hipótese é insustentável, porque baseada na leitura de apenas uma parte da “Summa” de Antonino. Dentro de cinquenta anos após a primeira aparição da obra (Veneza, 1477), quinze edições foram impressas em Veneza, Espira, Nuremberg , Estrasburgo , Lião e Basileia. Outras edições apareceram no século seguinte. Em 1740 foi publicada em Verona em 4 volumes de fólio editados por P. Ballerini; e em 1841, em Florença por Mamachi e Remedelli, OP.

De considerável importância são os manuais para confessores e penitentes contendo resumos, reproduções e traduções da “Summa” e frequentemente publicados nos séculos XV e XVI sob o nome de Santo Antonino. Uma tentativa malsucedida foi feita para mostrar que ele não era o autor das edições italianas. No máximo, deve-se conceder que ele confiou a outros a tarefa de editar uma ou duas. As várias edições e títulos dos manuais causaram confusão e fizeram parecer que havia mais de quatro obras distintas. Uma distinção e classificação cuidadosas são fornecidas por Mandonnet no “Dictionnaire de théologie catholique“. Tão valiosos para lançar luz sobre a vida doméstica de seu tempo são seus tratados sobre a vida cristã, escritos para mulheres da família Medici e publicado pela primeira vez no século passado sob os títulos: – (1) “Opera a ben vivere … Con altri ammaestramenti“, ed. Padre Palermo, um volume (Florença, 1858) (2) “Regola di vita cristiana“, um volume (Florença, 1866). Suas cartas (Lettere) foram coletadas e editadas, algumas pela primeira vez por Tommaso Corsetto, OP, e publicadas em um único volume, em Florença, 1859.

Sob o título “Chronicon partibus tribus distta ab initio mundi ad MCCCLX” (publicado também sob os títulos “Chronicorum opus” e “Historiarum opus”), ele escreveu uma história geral do mundo com o objetivo de apresentar aos leitores uma visão do funcionamento da providência divina. Embora não tenha cedido à imaginação ou a histórias “pintadas”, ele muitas vezes caiu no erro, tão comum entre os cronistas de seu período, de aceitar muito do que a crítica histórica rejeitou como inverídica ou duvidosa. Mas isso pode ser dito apenas das partes em que ele tratou da história primitiva. Ao escrever sobre os eventos e a política de sua própria época, ele exerceu um juízo que foi do maior valor para historiadores posteriores. A história foi publicada em Veneza, 1474-79, em quatro volumes de sua “Opera Omnia” (Veneza, 1480; Nuremberg, 1484; Basileia, 1491; Lião, 1517, 1527, 1585, 1586, 1587). Uma obra sobre a pregação (De arte et vero modo praedicandi) teve quatro edições no final do século XV. O volume dos sermões (Opus quadragesimalium et de sanctis sermonum, sive flos florum) é obra de outra pessoa, embora publicada sob o nome de Santo Antonino.

__________________________________
Bibliografia:

Unedited chronicles of the convents of St. Mark, Florence and St. Dominic, Fiesole: Quétif and Echard, SS. Ord. Praed.; Touron, Histoire des hommes illustres de l’ordre de S. Dominique; Maccarani, Vita di S. Antonino (Florence, 1708); Bartoli, Istoria dell’ arcivescovo S. Antonino e de suoi più illustri discepoli (Florence, 1782); Moro, Di S. Antonino in relazione alla riforma cattolica nel sec. XV (Florence, 1899); Schaube, Die Quellen der Weltchronik des heiligen Antoninus (Hirschberg, 1880).

Fonte:

McMahon, Arthur. “St. Antoninus.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 1. New York: Robert Appleton Company, 1907. 8 May 2021 <http://www.newadvent.org/cathen/01585b.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 10 de maio, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Fazei, Senhor, que encontremos auxílio nos merecimentos de S. Antonino, vosso Confessor e Pontífice, a fim de que, proclamando-Vos admirável no vosso servo, possamos glorificar-nos da vossa misericórdia para conosco. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Sancti Antoníni, Dómine, Confessóris tui atque Pontíficis méritis adjuvémur: ut, sicut te in illo mirábilem prædicámus, ita in nos misericórdem fuísse gloriémur. Per Dóminum nostrum Jesum Crhistum.



Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.