Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Santos Inocentes

Frederick Holweck, Enciclopédia Católica

São as crianças mencionadas em São Mateus II, 16-18 :

“Herodes, vendo que fora enganado pelos Magos, entrou em grande cólera e ordenou que se matassem em Belém e nos seus arredores todos os meninos de dois anos de daí para baixo, segundo o tempo de que tinha procurado saber com os magos. Realizou-se então a palavra de Jeremias: Uma voz se ouviu em Ramá, soluços e longos gemidos: era Raquel que chorava seus filhos, e não queria ser consolada, porque eles já não existem.”

A liturgia grega afirma que Herodes matou 14.000 meninos (ton hagion id chiliadon Nepion), os sírios falam em 64.000, muitos autores medievais em 144.000, de acordo com Apocalipse XIV, 3. Escritores modernos reduzem o número consideravelmente, já que Belém era uma cidade bastante pequena. Knabenbauer reduz para quinze ou vinte (Evang. S. Matt., I, 104), Bisping para dez ou doze (Evang. S. Matt.), Kellner para cerca de seis (Christus and seine Apostel, Freiburg, 1908); cf. “Anzeiger kath. Geistlichk. Deutschl.”, 15 de fevereiro de 1909, p. 32. Este ato cruel de Herodes não é mencionado pelo historiador judeu Flávio ​​Josefo, embora ele relate uma série de atrocidades cometidas pelo rei durante os últimos anos de seu reinado. O número dessas crianças era tão pequeno que esse crime parecia insignificante entre os outros crimes de Herodes. Macrobius (Saturn., IV, XIV, de Augusto et jocis ejus) relata que quando Augusto ouviu que entre os meninos menores de dois anos o próprio filho de Herodes também tinha sido massacrados, ele disse: “É melhor ser de Herodes porco [ous], do que seu filho [houios],” aludindo à lei judaica de não comer e, conseqüentemente, não matar suínos. A Idade Média deu fé a essa história; Abelardo a inseriu em seu hino para a festa dos Santos Inocentes:

Ad mandatum regis datum generale
nec ipsius infans tutus est a caede.
Ad Augustum hoc delatum risum movit,
et rex mitis de immiti digne lusit:
malum, inquit, est Herodis esse natum.
prodest magis talis regis esse porcum.

(Dreves, “Petri Abaelardi Hymnarius Paracletensis“, Paris, 1891, pp. 224, 274.)

Mas essa “criança” mencionada por Macróbio é Antípatro, filho adulto de Herodes, que, por ordem do rei moribundo, foi decapitado por ter conspirado contra a vida de seu pai.

É impossível determinar o dia ou o ano da morte dos Santos Inocentes, uma vez que a cronologia do nascimento de Cristo e os eventos bíblicos subsequentes é muito incerta. Tudo o que sabemos é que as crianças foram mortas dentro de dois anos após a aparição da estrela aos Reis Magos (Belser, em Tübingen Quartalschrift“, 1890, p. 361). A Igreja venera essas crianças como mártires (flores martyrum); são os primeiros botões de flor da Igreja mortos pela geada da perseguição; eles morreram não apenas por Cristo, mas em seu lugar (Santo Agostinho, “Sermo 10us de sanctis“). Em conexão com eles, o apóstolo lembra as palavras do Profeta Jeremias (XXXI, 15) falando sobre a lamentação de Raquel. Em Ramá está a tumba de Raquel, representante dos ancestrais de Israel. Lá os remanescentes da nação foram reunidos para serem levados ao cativeiro. Assim como Raquel, depois da queda de Jerusalém, chorou de seu túmulo pelos filhos de Efraim, agora ela chora novamente pelos filhos de Belém. A ruína de seu povo, levado para a Babilônia, é apenas uma figura da ruína que ameaça seus filhos agora, quando o Messias está para ser assassinado e é compelido a fugir do meio de Sua própria nação para escapar da espada do bedel. A lamentação de Raquel após a queda de Jerusalém recebe seu eminente complemento com a visão da queda de seu povo, introduzida pela matança de seus filhos e o banimento do Messias.

A Igreja Latina instituiu incialmente a festa dos Santos Inocentes em uma data agora desconhecida, não antes do final do século IV e não após o final do século V. É, com as festas de Santo Estêvão e São João, encontrada pela primeira vez no Sacramentário Leonino, datando de cerca de 485. No Calendário Filocaliano de 354 tal festa é desconhecida. Os latinos a mantêm em 28 de dezembro, os gregos em 29 de dezembro, os sírios e caldeus em 27 de dezembro. Essas datas nada têm a ver com a ordem cronológica do evento; a festa é mantida dentro da oitava do Natal porque os Santos Inocentes deram sua vida pelo Salvador recém-nascido. Estevão, o primeiro mártir (mártir por desejo, amor e sangue), João, o Discípulo Amado (mártir pelo desejo e pelo amor), e estas primeiras flores da Igreja (mártires apenas pelo sangue) acompanham o Santo Menino Jesus a entrar neste mundo no dia de Natal. Somente a Igreja de Roma aplica a palavra Innocentes a essas crianças; em outros países latinos são chamados simplesmente de Infantes e a festa tinha o título “Allisio infantium” (Brev. Gótico), “Natale infantum” ou “Necatio infantum“. Os armênios a mantêm na segunda-feira após o segundo domingo após o Pentecostes (Armenian Menology, 11 May), porque acreditam que os Santos Inocentes foram mortos quinze semanas após o nascimento de Cristo.

No Breviário Romano a festa era apenas uma semidupla (nos outros breviários, uma dupla menor) até a época de Pio V, que, em seu novo Breviário (1568), a elevou a uma dupla da segunda classe com uma oitava (G. Schober, “Expl. Rit. Brev. Rom.”, 1891, p. 38). Ele também introduziu os dois hinos “Salvete flores martyrum” e “Audit tyrannus ansius“, que são fragmentos do hino da Epifania de Prudêncio. Antes de Pio V, a Igreja de Roma cantou os hinos de Natal na festa dos Santos Inocentes. O prefácio adequado do sacramentário gelasiano para esta festa ainda se encontra no Missal Ambrosiano. Possuímos um longo hino em homenagem aos Santos Inocentes da pena do Venerável Beda, “Hymnum canentes martyrum” (Dreves, “Analecta hymnica“) e uma sequência composta por Notker, “Laus tibi Christe“, mas a maioria das Igrejas na Missa utilizou o “Clesa pueri concrepant melodia” (Kehrein , “Sequenzen“, 1873, p. 348). Em Belém a festa é um dia santo de preceito. A cor litúrgica da Igreja Romana é roxa, não vermelha, porque essas crianças foram martirizadas em uma época em que não podiam alcançar a visão beatífica. Mas, por compaixão, por assim dizer, para com as mães chorosas de Belém, a Igreja omite na Missa tanto o Glória como o Aleluia ; esse costume, entretanto, era desconhecido nas Igrejas da França e da Alemanha. No dia da oitava, e também quando a festa cai em um domingo, a Liturgia Romana prescreve a cor vermelha, o Glória e o Aleluia. Na Inglaterra, a festa era chamada de “Childermas“.

A Estação Romana de 28 de dezembro fica em São Paulo Fora dos Muros , porque se acredita que essa igreja possui os corpos de vários dos Santos Inocentes. Parte dessas relíquias foi transferida por Sisto V para Santa Maria Maior (festa em 5 de maio; é uma semi-dupla). A igreja de Santa Justina em Pádua, as catedrais de Lisboa e Milão e outras igrejas também preservam corpos que afirmam ser de alguns dos Santos Inocentes. Em muitas igrejas na Inglaterra, Alemanha e França na festa de São Nicolau (6 de dezembro) era eleito um menino-bispo, que oficiava na festa de São Nicolau e dos Santos Inocentes. Ele usava uma mitra e outras insígnias pontifícias, cantava a Coleta, pregava e dava a bênção. Ele se sentava na cadeira do bispo enquanto os meninos do coral cantavam nas baias dos cônegos. Eles dirigiram o coro nesses dois dias e tinham sua procissão solene (Schmidt, “Thesaurus jur eccl.”, III, 67 sqq .; Kirchenlex., IV, 1400; PL, CXLVII, 135).

____________
Bibliografia:

HELMLING IN Kirchenlex., XII, 369-71; NILLES, Kal. man. utriusque eccl. (Innsbruck, 1897); TONDINI, Calendrier de la nation armenienne (Rome, 1906); HAMPSON, Calendarium medii aevi (London, 1857); HOEYNCK, Augsburger Liturgie (Augsburg, 1889); ROCK, Church of Our Fathers (London, 1905).

Fonte:

Holweck, Frederick. “Holy Innocents.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 7. New York: Robert Appleton Company, 1910. 26 Dec. 2020 <http://www.newadvent.org/cathen/07419a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum

[Segue abaixo oração aos Santos Inocentes, por ocasião de sua festa, a 28 de dezembro, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, cuja glória os Inocentes Mártires publicaram neste dia, não por palavras mas morrendo, destruí em nós os perniciosos efeitos dos nossos pecados, para que a vossa fé que professamos de boca seja também afirmada por nossa vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, cujus hordiérna die præcónium Innocéntes Mártyres non loquéndo, sed moriéndo conféssi sunt: ómnia in nobis vitiórum mala mortífica; ut fidem tuam quam lingua nostra lóquitur, étiam móribus vita fateátur. Per Dóminum Nostrum Jesum Chirstum.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.