Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida do Papa São Cornélio

Foi mártir (251 a 253).

Podemos aceitar a afirmação do catálogo liberiano de que seu pontificado durou dois anos, três meses e dez dias, pois Lipsio, Lightfoot e Harnack mostraram que esta lista é uma autoridade de primeira classe para esta data. Seu antecessor, o Papa São Fabiano, foi executado por Décio em 20 de janeiro de 250. Por volta do início de março de 251, a perseguição diminuiu devido à ausência do imperador, contra quem dois rivais apareceram. Foi possível reunir dezesseis bispos em Roma e Cornélio foi eleito mesmo contra seu desejo. (Cipriano, Ep. LV, 24), “Pelo julgamento de Deus e Cristo , pelo testemunho de quase todo o clero , pelo voto das pessoas presentes, pelo consentimento dos sacerdotes anciãos e dos homens bons, numa época em que nenhum havia sido nomeado antes dele, quando o lugar de Fabiano, que é o lugar de Pedro, e o trono sacerdotal estava vago.” “Que fortaleza em sua aceitação do episcopado, que força de mente, que firmeza de fé, com as quais ele se tomou intrepidamente seu assento nesse trono sacerdotal, no momento em que a tirania em seu ódio aos bispos fazia ameaças atrozes, quando ouviu com muita paciência que um príncipe rival estava se levantando contra ele, que o bispo de Deus foi designado para Roma (Ibid., 9)”. São Cipriano pergunta: “Ele não deveria ser contado entre os gloriosos confessores e mártires que ficaram tanto tempo esperando a espada, a cruz, a estaca ou qualquer outra tortura?”.

Algumas semanas depois, o sacerdote romano Novaciano tornou-se antipapa , e o cristianismo interiro foi convulsionado pelo cisma em Roma. Mas a adesão de São Cipriano de Cartago assegurou a Cornélio os cem bispos da África, e a influência de São Dionísio, o Grande, bispo de Alexandria, levou o Oriente em poucos meses a uma decisão correta. Na Itália, o Papa reuniu um sínodo de sessenta bispos (ver NOVACIANO). Fábio, bispo de Antioquia, parecia ter hesitado. Três cartas a ele de Cornélio eram conhecidas por Eusébio de Cesaréia , que deu trechos de uma delas (História Eclesiástica, VI.43), na qual o Papa lista com amargura considerável as falhas nas eleições e na conduta dos novatos. Sabe-se incidentalmente que na Igreja Romana havia quarenta e seis sacerdotes, sete diáconos, sete subdiáconos, quarenta e dois acólitos, cinquenta e dois ostiários e mais de 1.500 viúvas e pessoas em miséria. A partir disso, Burnet estimou o número de cristãos em Roma em cinquenta mil, e Gibbon também; mas Benson e Harnack pensam que tal número é possivelmente muito alto. O papa Fabiano estabeleceu sete regiões; e parece que cada um tinha um diácono, um subdiácono e seis acólitos. Chegaram até nós duas cartas de Cornélio para Cipriano, além de nove de Cipriano para o Papa. Monsenhor Merrati mostrou que, no texto verdadeiro, as letras de Cornélio estão no coloquial “latim vulgar” da época, e não no estilo mais clássico seguido pelo ex-orador cipriano e pelo filósofo educado Novaciano. Cornélio sancionou as leves medidas propostas por São Cipriano e aceitas pelo Concílio de Cartago de 251 para a restauração da comunhão, após várias formas de penitência, daqueles que caíram durante a perseguição de Décio. (ver SÃO CIPRIANO DE CARTAGO).

Uma nova perseguição eclodiu no início de 252. Cornélio foi exilado para Centumcellæ (Cidade Velha). Não houve deserções entre os cristãos romanos; Eles eram todos confessores. O papa “levou seus irmãos à confissão”, escreveu Cipriano (Ep. LX, ad Corn.), Com uma clara referência à confissão de São Pedro. “Com um coração e uma voz, toda a Igreja Romana confessou. Então foi vista, mui querido irmão, aquela fé que os abençoados apóstolos louvaram em ti (Rm 1,8); mesmo assim, ele previu em espírito sua fortaleza gloriosa e sua firmeza”. Em junho, Cornélio morreu como mártir, como São Cipriano o chama repetidamente. O catálogo liberiano tem o “ibi cum gloriâ dormicionem accepit” e isso pode significar que ele morreu devido aos rigores de seu exílio; no entanto, mais tarde, diz-se que foi decapitado. São Jerônimo diz que Cornélio e Cipriano sofreram no mesmo dia em anos diferentes, e seu comentário descuidado foi geralmente seguido. De fato, a festa de São Cipriano foi celebrada em Roma, na tumba de Cornélio, pois no século IV o “Depositio Martirum” tem “XVIII kl octob Cypriani Africæ Romæ celebratur em Callisti”. São Cornélio não foi enterrado na capela dos Papas, mas em uma catacumba adjacente, possivelmente uma das filiais dos nobres Cornelii, cuja inscrição é em latim: CORNELIUS * MARTYR *, enquanto as de Fabiano e Lúcio estão em grego (Northcote e Brownlow, “Roma sotteranea”, I, VI) Sua festa foi estabelecida junto com a de São Cipriano em 14 de setembro¹, possivelmente no dia de sua transferência de Centumcellæ para as catacumbas.


Nota:

¹ Atualmente a festa dos Santos Cornélio e Cipriano é celebrada em 16 de setembro.

Bibliografia : As duas cartas em latim foram encontradas em todas as edições de Cipriano. O melhor texto de MERCATI, D’alcuni muori sussidi, pelas críticas ao texto de S. Cipriano (Roma, 1899). Eles podem ser encontrados com os fragmentos em COUSTANT, Epp. Rom. Pontt. e em ROUTH, Reliquæ Sacræ. Há uma carta espúria de São Cipriano no apêndice de suas obras, outra para Lupicino, de Viena, e mais duas foram falsificadas por Pseudo Isidoro. Tudo isso é encontrado nas coleções do conselho e no MIGNE. NELKE atribui a Cornélio o pseudo-cipriota Ad Novatianum. Die Chronol der Corresponddenz Cyprians (Thorn, 1902); Mas é de um contemporâneo desconhecido. Sobre Cornélio, ver TILLEMONT, III; Minutos SS. 14 de setembro; BENSON, Cipriano (Londres, 1897). Os atos de San Cornelio são inúteis.

Fonte : Chapman, John. “Papa Cornelius.” A Enciclopédia Católica. Vol. 4. Nova York: Robert Appleton Company, 1908. < http://www.newadvent.org/cathen/04375c.htm >.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/Papa_San_Cornelio>.

[Segue abaixo oração aos santos Cornélio e Cipriano, por ocasião de sua festa, em 16 de setembro, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943.]

OREMOS

Protejam-nos, Vo-lo rogamos, Senhor, as festas dos bem-aventurados Mártires e Pontífices Cornélio e Cipriano, e seja-nos recomendação junto de Vós a sua veneranda oração. Por Nosso Senhor Jesus Cristo
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.