Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Roberto Belarmino

Sydney Smith, Enciclopédia Católica

Um distinto teólogo jesuíta, escritor e cardeal, nascido em Montepulciano, em 4 de outubro de 1542; morreu em 16 de setembro de 1621. Seu pai era Vincenzo Belarmino, sua mãe Cinthia Cervini, irmã do cardeal Marcello Cervini, depois papa Marcelo II. Foi levado ao colégio jesuíta recentemente fundado em sua cidade, e entrou na Companhia de Jesus em 20 de setembro de 1560, sendo admitido a seus primeiros votos no dia seguinte. Passou os três anos seguintes estudando filosofia na Universidade Romana, para depois ensinar humanidades, primeiro em Florença, depois em Mondovi. Em 1576 iniciou sua teologia em Pádua, mas em 1569  foi enviado para completá-la em Lovaina, onde ele poderia obter uma familiaridade mais completa com as heresias prevalecentes. Tendo sido ordenado lá,  logo ganhou reputação como professor e como pregador. Com essa última qualidade, arrastou para o seu púlpito tanto católicos quanto protestantes, mesmo de lugares distantes. Em 1576, foi chamado para retornar à Itália e encarregado do polêmico corpo docente recentemente fundado na Universidade Romana. Provou estar no ápice da árdua tarefa, e as conferências dadas resultaram no trabalho “De controversiis” que, entre muitos outros, de excelência, constitui o título principal de sua grandeza. Esta obra monumental foi a primeira tentativa de sistematizar as variadas controvérsias do seu tempo, e produziu uma impressão imensa em toda a Europa; o impacto sobre o protestantismo foi tão intensamente sentido na Alemanha e na Inglaterra que professorados especiais foram fundados para fornecer respostas a ela, que ainda não foi superada como o livro clássico em tal matéria, embora, como esperado, o progresso da crítica tenha afetado o valor de alguns de seus argumentos históricos. Em 1588, Belarmino tornou-se o pai espiritual da Universidade Romana, mas em 1590 foi como teólogo, com o cardeal Caetano, para a embaixada que Sisto V estava enviando para a França, para proteger os interesses da Igreja em meio aos problemas causados pelas guerras civis. Enquanto estava lá, chegou-lhe a notícia de que Sisto, que aceitara calorosamente a dedicação de seu “De Controversiis“, estava propondo colocar seu primeiro volume no Index. Isto ocorreu porque se descobriu que ele atribuiu à Santa Sé apenas um poder indireto e não direto sobre as questões temporais. Belarmino, cuja lealdade à Santa Sé era intensa, sentia isso muito em seu coração; foi, no entanto, desviada a atenção pela morte de Sisto, e o novo papa, Gregório XIV, chegou a conceder a distinção de uma aprovação especial à obra de Belarmino. Assim que a missão de Caetano terminou, Belarmino retomou seu trabalho como Pai Espiritual, e teve o consolo de guiar os últimos anos de S. Luís Gonzaga, que morreu na Universidade Romana em 1591. Muitos anos depois ele teve o consolo adicional de promover com sucesso a beatificação do jovem santo.

Também nessa época ele se juntou à comissão final para a revisão do texto da Vulgata. Essa revisão havia sido exigida pelo Concílio de Trento, e os papas posteriores haviam trabalhado por esse objetivo e quase o haviam alcançado. Mas Sisto V, embora não treinado neste ramo da crítica, introduziu alterações suas, que se revelaram piores. Chegara tão longe que até tinha uma impressão desta edição viciosa e distribuiu-a parcialmente junto com a bula proposta para impor seu uso. Ele morreu, no entanto, antes de sua promulgação, e seu sucessor imediato rapidamente removeu os erros e removeu de circulação a impressão defeituosa. A dificuldade foi então como substituí-la por uma edição mais correta sem anexar um estigma ao nome de Sisto, e Belarmino propôs que a nova edição continuasse em nome de Sisto, com uma explicação preliminar que, levando em conta a aliqua vitia vel typographorum vel aliorum [vícios tipográficos] que se haviam infiltrado, o próprio Sisto havia resolvido que uma nova impressão deveria ser feita. A sugestão foi aceita e o próprio Belarmino escreveu o prefácio, ainda pré-fixado à edição Clementina desde então em uso. Por outro lado, ele foi acusado de falsidade quando afirmou que Sisto havia resolvido que se deveria fazer uma nova impressão. Mas seu testemunho, como não há evidência do contrário, deve ser aceito como decisivo, levando-se em conta o quão cônscio ele era considerado por seus contemporâneos; e ainda mais, uma vez que não pode ser impugnada sem lançar vergonha no caráter de seus companheiros de comissão que aceitaram sua sugestão, e em Clemente VIII que, com pleno conhecimento dos fatos, sancionou o prefácio de Belarmino, prefixado na nova edição. Além disso, o mesmo Angelo Rocca, secretário da comissão revisora de Sisto V e os pontífices que o sucederam, escreveram um rascunho de prefácio para a nova edição, em que ele faz as mesmas declarações: (Sisto) “dum errores ex typographiâ ortos, et mutationes omnes, atque varias hominum opiniones recognoscere cœpit, ut postea de toto negotio deliberare atque Vulgatam editionem, prout debebat, publicare posset, morte præventus quod cœperat perficere non potuit“. Este prefácio preliminar, ao qual o de Belarmino foi preferido, é ainda existente como um anexo à cópia da edição da Sistina em que as correções de Clemente são indicadas, e pode ser observado na Biblioteca Angélica de Roma.

Em 1592 Belarmino foi nomeado Reitor da Universidade Romana e em 1595 Provincial de Nápoles. Em 1597, Clemente VIII chamou-o de volta a Roma e fez dele o seu próprio teólogo e, adicionalmente, o Bispo Examinador e Consultor do Santo Ofício. Mais tarde, em 1599, foi feito Cardeal-Pastor do título de Santa Maria in viâ, argumentando-se como razão para esta promoção que “a Igreja de Deus não teve outro igual em erudição”. Ele foi então nomeado, juntamente com o cardeal Dominico d’Ascoli, como assessor do Cardeal Madruzzi, o presidente da Congregação de Auxiliis, que havia sido instituída pouco antes para resolver a controvérsia que havia surgido recentemente entre os tomistas e os molinistas sobre a natureza da harmonia entre graça eficaz e liberdade humana. Desde o início, o conselho de Belarmino era que a questão teológica não deveria ser decidida autoritariamente, mas deixada para discussões posteriores nas escolas, proibindo estritamente os contendores de ambas as partes de permitir censuras ou condenações aos seus adversários. A princípio Clemente VIII inclinou-se a este ponto de vista mas depois modificou-o completamente e resolveu fazer uma definição doutrinal. A presença de Belarmino tornou-se embaraçosa e ele foi designado para o Arcebispado de Cápua, naquele momento vacante. Isso às vezes é mencionado como infortúnio do cardeal, mas Clemente consagrou-se com suas próprias mãos – uma honra que os papas geralmente acordam em ser um sinal de especial consideração. O novo arcebispo foi imediatamente embora para o seu quartel-general, e nos três anos seguintes ele deu um exemplo brilhante de zelo pastoral em sua administração.

Em 1605, Clemente VIII morreu, e  foi sucedido por Leão XI, que reinou apenas vinte e seis dias, e depois por Paulo V. Em ambos os conclaves, especialmente no segundo, o nome de Belarmino estava muito presente perante os eleitores, para sua grande aflição, mas seu status como jesuíta depôs contra ele na decisão de muitos dos cardeais. O novo papa insistiu em mantê-lo em Roma, e o cardeal, concordando obedientemente, exigiu que, pelo menos, ele se libertasse da cargo episcopal, dadas as obrigações que não poderia mais cumprir. Ele foi então membro do Santo Ofício e de outras congregações e, desde então, foi o principal conselheiro da Santa Sé no departamento teológico de sua administração.

Das operações particulares com as quais seu nome é normalmente associado, as mais importantes são as seguintes: A inquirição de Auxiliis para a qual, afinal, Clemente não havia encontrado uma maneira de decidir, foi então finalizada com uma resolução alinhada com a  sugestão original de Belarmino. 1606 marcou o início da disputa entre a Santa Sé e a República de Veneza que, sem consultar o papa, tinha a pretensão de anular a lei de isenção clerical da jurisdição civil e de tirar o direito da Igreja de ter bens reais. A disputa levou a uma guerra de panfletos em que a parte da República foi realizada por João Marsiglio e um monge apóstata chamado Paolo Sarpi, e da Santa Sé por Belarmino e Baronio. Contemporâneo com o episódio veneziano foi o Juramento da Aliança Inglesa. Em 1606, além das graves desqualificações que já pesavam sobre eles, os católicos ingleses eram obrigados, sob pena de prœmunire, a fazer um juramento de fidelidade sutilmente redigido de tal maneira que um católico que se recusasse a prestá-lo poderia aparecer como desobediente em relação a obrigações civis indubitáveis, ao passo que se o prestasse, não estaria meramente rejeitando mas até mesmo condenando como “ímpia e herética” a doutrina da deposição de poder, isto é, do poder que, corretamente ou erroneamente, a Santa Sé reivindicou e exerceu durante séculos com plena aprovação da cristandade, e que defenderam mesmo naqueles tempos, a grande massa dos teólogos da Europa. Tendo proibido a Santa Sé os católicos de fazer o juramento, o próprio rei Jaime saiu na frente como defensor de sua posição, em um livro intitulado “Tripoli nodo triplex cuneus” ao qual Belarmino respondeu com seu “Responsio Matthaei Torti“. Outros tratados de ambos os lados seguiram, e o resultado de um, escrito como rejeição do poder por deposição, o por Willam Barclay, um jurista inglês residente na França, foi que a resposta de Belarmino a ele foi marcada pelo regalista Parlamento de Paris. Assim aconteceu que, seguindo a via media do poder indireto, ele foi condenado em 1590 como muito regalista e em 1605 como muito papista.

Belarmino não viveu para lidar com a última e mais séria etapa do caso Galileu, mas em 1615 participou de sua fase inicial. Ele sempre demonstrou grande interesse pelas descobertas desse pesquisador, e foi em termos de correspondência amigável com ele. Ele também tomou — como foi testemunhado por sua carta a Foscarini, amigo de Galileu — exatamente a atitude correta em relação às teorias científicas em aparente contradição com as Escrituras. Se uma teoria científica é insuficientemente provada, como indubitavelmente foi o caso da teoria heliocêntrica de Galileu, ela deve ser defendida apenas como uma hipótese; mas se, como no caso da teoria atual, está solidamente demonstrada, deve-se tomar cuidado para interpretar as Escrituras apenas de acordo com ela. Quando o Santo Ofício condenou a teoria heliocêntrica, por um excesso na direção oposta, tornou-se dever oficial de Belarmino assinalar a condenação de Galileu e receber sua submissão. Belarmino viveu para ver outro conclave, o que escolheu Gregório XV (fevereiro de 1521). Sua saúde estava em declínio, e no verão do mesmo ano ele foi autorizado a se retirar para Sant’Andrea e se preparar para o fim. Sua morte foi muito edificante e um final apropriado para uma vida que não tinha sido menos notável por suas virtudes do que por suas conquistas.

Seu espírito de pregador, sua delicadeza singular de consciência e libertação do pecado, seu espírito de humildade e pobreza, juntamente com o desinteresse com que se mostrava, tanto sob seu hábito de cardeal quanto sob seu traje jesuíta, sua caridade pródiga com os pobres e sua dedicação ao trabalho combinavam-se para impressionar aqueles que o conheciam intimamente com a sensação de que ele estava entre os santos. De acordo com isso, quando ele morreu, era a expectativa geral de que sua causa fosse prontamente apresentada. E assim foi, sob Urbano VIII em 1627, quando ele apelou para o seu grau de Venerável. Mas um obstáculo técnico, decorrente da legislação geral do próprio Urbano VIII em relação às beatificações, exigiu sua prorrogação na época. Embora tenha sido reintroduzida várias vezes (1675, 1714, 1752 e 1832), e embora em cada ocasião houvesse uma grande preponderância de votos a favor da beatificação, somente após muitos anos teve êxito. Isto foi em parte devido à natureza influente de alguns que lançaram votos adversos, Barbarigo, Casante e Azzolino em 1675, e Passionei em 1752, mas ainda mais por razões de adequação política, uma vez que o nome de Belarmino está intimamente associado à doutrina da autoridade papal mais odiosa para os políticos regalistas da corte francesa. “Nós dissemos — escreveu Bento XIV ao Cardeal Tendeniano — em confiança ao Geral dos Jesuítas que o atraso da causa não vem das questões menores das quais o Cardeal Passionei é responsável, mas das tristes circunstâncias do momento” ( Etudes Religieuses, 15 de abril de 1896).

[Nota: Belarmino foi finalmente canonizado pelo Papa Pio XI em 1930 e declarado Doutor da Igreja Universal em 1931.]

Escritos

Uma lista completa dos escritos de Belarmino, e daqueles dirigidos contra ele pode ser vista no “Bibliothhque de la Compagnie de Jésus” de Sommervogel. A seguir estão os principais:

1. Obras sobre controvérsias. “Disputationes de Controversiis Christianae Fidei adversus hujus temporis hereticos“, de inúmeras edições das quais as principais são as de Ingolstadt (1586-1589), Veneza (1596), revisadas pessoalmente pelo autor, mas abundante em erros de impressão, Paris ou “Triadelphi” (1608), Praga (1721), Roma (1832); “De Exemptione clericorum“, e “De Indulgentiis et Jubilaeo“, publicado como monografias em 1599, mas posteriormente incorporado a “De Controversiis“; “De Transitu Romani Imperii a Graecis ad Francos” (1584); “Responsio ad praeciupua capita Apologiae … pro successione Henrici Navarreni” (1586); “Judicium de Libro quem Lutherani vocant Concordiae” (1585); quatro Risposte aos escritos sobre a República Veneziana de João Marsiglio e Pablo Sarpi (1606); “Responsio Matthaei Torti ad librum inscriptum Triplici nodo triplex cuneus” (1608); “Apologia Bellarmini pro responsi one sub ad libum Jacobi Magnae Britanniae Regis” (1609); “Tractatus de potestate Summi Pontificis em rebus temporalibus, adversus Gulielmum Barclay“(1610).

2. Trabalhos Espirituais e Catequéticos. “Dottrina Cristiana breve” e “Dichiarazione più copiosa della dottrina cristiana” (1598), duas obras catequéticas que receberam aprovação papal em mais de uma ocasião e foram traduzidas para várias línguas; “Dichiarazione del Simbolo” (1604), para o uso de sacerdotes; “Admonitio ad Episcopum Theanensem nepotem suum quae sint necessaria episcopo” (1612); “Exhortationes domesticae“, publicado apenas em 1899, por Père van Ortroy; “Conciones habitae Lovanii“, a edição mais correta (1615); “De Ascensione mentis in Deum” (1615); “De Aeterna felicitate sanctorum” (1616); “De gemitu columbae” (1617); “De septem verbis Christi” (1618); “De arte bene moriendi” (1620). As últimas cinco obras espirituais escritas durante seus retiros anuais.

3 Obras de exegese e outras obras. “De Scriptoribus eclesiasticis“. (1615); “Da Editione Latinae Vulgatae, quo sensu a Concilio Tridentino definitum sit ut ea pro authenticae habeatur“, não publicado até 1749; “In omnes Psalmos dilucida expositio” (1611). Foram publicadas edições completas da Opera omnia de Belarmino em Colônia (1617); Veneza (1721); Nápoles (1856); Paris (1870).


Bibliografia:

Ven. R. Bellarmini, S.R.E. Cardinalis, vita quam ipse scripsit (with an Appendix), written in 1613, at the request of Fathers Eudfmon Joannis and Mutius Vitelleschi, first published among the acta of the Process of Beatification 1675; republished in 1887 by DÖLLINGER AND REUSCH, with notes many of which are useful but the general tone of which is unfair and spiteful; a multitude of unpublished documents in the archives of the Vatican, Simancas, Salamanca, the Society of Jesus, etc.; Epistolœ familiares (1650); EUDAEMON JOANNIS, De pio obitu Card. Bellarmini (1621); FINALI, Esame fatto per me, that is, by the lay brother who attended him in his last sickness, MS.; lives by FULIGATI (1624; translated into Latin with additions by PETRA SANCTA, 1626) and BARTOLI, (1678); CERVINI, Imago virtutum (1625). These form the chief original material. Of derived lives the best are those by FRIZON (1708), and COUDERC (1893). See also LE BACHELET IN VACANT, Dict. de thiol. cath.; and for Bellarmine’s doctrine on papal authority, DE LA SERVIÈRE, De Jacobo Angl. Rege cum Card. R. Bellarmine . . . disputante (1900).


Fonte:  

Smith, Sydney. “St. Robert Francis Romulus Bellarmine.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 2. New York: Robert Appleton Company, 1907. 11 May 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/02411d.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Roberto_Francisco_R%C3%B3mulo_Belarmino>.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 13 de maio, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que, para repelir as ciladas dos erros, e combater pelos direitos da Sé Apostólica, ilustrastes o bem-aventurado Roberto, vosso Confessor e Doutor, por uma admirável sabedoria e virtude, por seus merecimentos e intercessão, concedei-nos que cresçamos no amor da verdade, e voltem à unidade da vossa Igreja os corações que estão no erro. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS

Deus, qui ad errórum insídias repelléndas et Apostólicæ Sedis jura propugnanda, beátum Robértum, Pontíficem tuum atque Doctórem, mira eruditióne et virtúte decorásti: ejus méritis et intercessióne concéde; ut nos in veritátis amóre crescámus, et errántium corda ad Ecclésiæ tuæ rédeant unitátem. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.