Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Hilário de Poitiers


Léon Clugnet, Enciclopédia Católica

Bispo, nasceu em Poitiers no início do século IV e morreu em 1º de novembro, segundo a mais creditável opinião e, segundo o Breviário Romano, em 13 de janeiro de 368. Pertencente a uma família nobre e, muito provavelmente, pagã, foi instruído em tudos os ramos do conhecimento profano, mas tendo empreendido o estudo das Sagradas Escrituras e, encontrando nelas a verdade que tão ardentemente buscou, renunciou à idolatria e foi batizado. A partir desse momento seu grande conhecimento e seu zelo pela fé alcançaram tamanho renome que no ano de 350 ele foi escolhido para governar a comunidade de fiéis com a qual a cidade contava a partir do século III.

Não se sabe nada dos bispos que governaram esta sociedade em suas origens. Hilário é o primeiro de quem temos informações confiáveis, e isso se deve ao importante papel que ele desempenhou na luta contra a heresia ariana . A Igreja naquela época sofreu grande discórdia interna e a autoridade dos Papas não foi suficientemente eficaz na prática para evitá-las ou detê-las. O arianismo ficou notável por seus efeitos devastadores em muitas regiões e ameaçava se espalhar pela Gália, onde já contava com numerosos partidários secretamente afiliados. Saturnino, bispo de Arles, o mais ativo deles, acusado por Hilário, convocou e presidiu um concílio em Béziers no ano 356 com a intenção de justificar-se e até mesmo impor sua falsa doutrina . O bispo de Poitiers apresentou-se ousadamente para defender a ortodoxia, mas o concílio, composto principalmente por arianos, recusou-se a ouvi-lo e pouco depois Hilário foi acusado diante do imperador Constâncio, protetor do arianismo, e por sua ordem foi enviado para as costas distantes da Frígia.

Mas a perseguição não poderia derrotar o bravo campeão. Em vez de permanecer inativo durante seu exílio, dedicou-se a estudar, completou algumas das obras que iniciara e escreveu seu tratado sobre os sínodos. Neste trabalho ele analisa as profissões de fé proclamadas pelos bispos orientais nos concílios de Ancira, Antioquia e Sirmio, e enquanto as condenou, uma vez que elas eram arianas em substância, ele queria demonstrar que as diferenças entre as doutrinas de certas heresias e as crenças ortodoxas davam-se muitas vezes  mais nas palavras do que nas idéias, razão pela qual aconselhava os bispos do Ocidente a serem prudentes em suas sentenças. Sua atitude indulgente foi amargamente reprovada por alguns católicos fervorosos, liderados pelo bispo Lúcifer de Cagliari. No entanto, no ano de 359, a cidade de Selêucia testemunhou a reunião em sínodo de um grande número de bispos orientais, dos quais quase todos eram anomeanos ou semi-arianos. Hilário, a quem todos queriam ver e ouvir, já que sua reputação de conhecimento e virtude era grande, foi convidado a comparecer à assembléia. Até mesmo o governador da província lhe forneceu cavalos e carruagens para a viagem. Na presença dos Padres Gregos, ele expôs as doutrinas dos bispos gauleses e mostrou facilmente que, contrariamente à opinião generalizada do Oriente, os últimos não eram sabelianos. Depois participou nas violentas discussões que se realizaram entre os semi-arianos, que se inclinavam para a reconciliação com os católicos, e os anomeanos, que formavam a extrema esquerda do arianismo .

Depois do concílio, o qual não obteve outro resultado senão o aprofundamento da separação entre estes irmãos em inimizade, Hilário foi a Constantinopla, reduto da heresia , para continuar ali sua luta contra o erro. Mas enquanto os semi-arianos, menos numerosos e menos poderosos, queriam que ele se tornasse o intermediário entre sua comunidade e os bispos do Ocidente, os anomeanos, que tinham a imensa vantagem de serem favorecidos pelo imperador, pediram a ele que mandasse de volta à sua terra natal aquele bispo gaulês que, disseram, semeou discórdia e perda na Igreja Oriental. Constâncio concordou com seus desejos e, consequentemente, o exílio obrigou Hilário a iniciar a viagem de volta a sua casa. No ano de 361, Hilário, triunfante, retornou a Poitiers e tomou posse de sua sede novamente. Seus fiéis e seus irmãos no episcopado receberam-no com alegria; e ele recebeu a visita de Martin , seu antigo discípulo e posteriormente bispo de Tours. O sucesso obtido em sua luta contra os erros adquiriu maior brilho pouco depois, por causa da demissão de Saturnino, o bispo ariano de Arles que o perseguira. No entanto, como na Itália ainda se lembravam com amargura as tentativas que fizera em favor da reconciliação entre semi-arianos convertidos e católicos, dirigiu-se ao ano 364 ao bispo de Vercelli, em um esforço para eliminar a intolerância dos partidários do bispo Lúcifer, mencionado acima. Quase imediatamente depois, para mostrar que, assim como ele estava cheio de indulgência para aqueles que tinham finalmente se livrado de seus erros, era rigoroso para com aqueles que persistiam em permanecer nele, Hilário viajou para Milão para confrontar Auxêncio, bispo daquela cidade e firme defensor das doutrinas arianas. Mas o imperador Valentiniano, que protegia o herege, ordenou que Hilário deixasse Milão imediatamente. Ele retornou, então, a Poitiers , sua cidade, de onde ele não estaria mais ausente e na qual ele morreria.

Este bispo sábio e tenaz lutou contra o erro com a pena e a voz. A melhor edição de suas obras abundantes e importantes é a publicação de Dom Constant com o título “Sancti Hilarii, Ópera Episcopi Pictavorum, ad manuscripts códices galicanos, romanos, belgicas, necnon ad veteres editiones castigata” (Paris, 1693). A Igreja latina celebra sua festa em 14 de janeiro e o papa Pio XII elevou-o ao posto de Doutor da Igreja Universal. Embora a igreja de Puy se orgulhe de preservar o que supostamente são suas relíquias, uma tradição popular indica que seu corpo foi transferido para a igreja de San Denis, perto de Paris, enquanto outra conta que foi tirada da igreja de S. Hilário em Poitiers e queimado pelos protestantes em 1572.


Bibliografia : BARONIO, Ann. (1590), 355, 69-83; 358, 11-19; 360, 1-17; 362, 228-238; 369, 6-27; TILLEMONT, Mem. Pour serve o`hist. eccles. (1700), VII, 432-469; CEILLIER, Hist. gen. Aut sacr. et eccles. (Paris, 1735), VI, 1-150; DUTEMS, Clerge de France (Paris, 1774), II, 396-402; Ad. VIEHAUSER, Hilarius Pictaviensis geschild. em seinem Kampfe gegen den Arianismus (Klagenfurt, 1860); BARBIER, Vie de S.Hilaire, eveque de Poitiers, docteur et pere de l”Eglise (Tours e Paris, 1882).

Fonte: Clugnet, Léon “St. Hilary de Poitiers”. A Enciclopédia Católica. Vol. 7. Nova York: Robert Appleton Company, 1910. <http://www.newadvent.org/cathen/07349b.htm >.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Hilario_de_Poitiers>.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.