Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Henrique II

Franz Kampers, Enciclopédia Católica

Rei alemão e imperador do Sacro Império Romano. Filho do duque Henrique II (o Batalhador) e da princesa Gisela da Borgonha, nascido em 972, morreu em seu palácio de Grona, em Göttingen, em 13 de julho de 1024. Assim como seu antecessor, Otto III, ele teve a educação literária de seu tempo. Em sua juventude, ele foi destinado ao sacerdócio. Dessa forma, ele conheceu assuntos eclesiásticos em uma idade jovem. 

Ele voluntariamente realizou práticas piedosas, alegremente também fortaleceu a Igreja na Alemanha, sem deixar de considerar as instituições eclesiásticas como os principais suportes de seu poder, de acordo com a visão de Otto, o Grande. Com toda a sua sabedoria e piedade, Henrique era um homem extremamente sóbrio, dotado de sabedoria e senso comum prático. Ele tinha um proceder circunspecto, tentava fazer o que era possível e, onde era viável, aplicando os métodos de bondade e um bom senso razoável. Essa prudência, no entanto, foi combinada com energia e conscienciosidade. Doente e sofrendo de febre, ele cruzou o império para manter a paz. Em todos os momentos ele usou seu poder para consertar problemas. Ele queria especialmente ajudar as pessoas. 

A Igreja, como a Igreja constitucional da Alemanha e, portanto, como garantidora das demandas alemãs de unidade e sucessão, elevou Henrique ao trono. O novo rei imediatamente assumiu a política de Otto I em assuntos internos e externos. Esta política apareceu em primeiro lugar no tratamento das Marcas Orientais. As invasões do duque Boleslau, que fundou um grande reino, impeliram-no a intervir. Mas seu sucesso não foi notável. 

Na Itália, a oposição local e nacional ao universalismo do rei alemão encontrou um defensor em Arduíno de Ivrea. Este último assumiu a coroa lombarda em 1002. Em 1004, Henrique cruzou os Alpes. Arduíno rendeu-se ao seu poder superior. Então, o arcebispo de Milão o coroou rei da Itália. Este rápido sucesso foi principalmente devido ao fato de que uma grande parte do episcopado italiano apoiou a ideia de um Império Romano e da unidade da Igreja e do Estado. 

Sua segunda expedição a Roma foi motivada pela disputa entre os condados da Toscana e Crescente sobre a nomeação ao trono papal, derrotou os inimigos do pontífice e restaurou seu alto cargo. O papa Bento VIII o coroou solenemente, em 14 de fevereiro de 1014, em Roma, como imperador da Alemanha, Itália e Polônia. Mas foi só mais tarde, em sua terceira expedição a Roma, que ele conseguiu restaurar completamente o prestígio do império. No entanto, antes disso acontecer, ele foi forçado a intervir no Ocidente. Motins eram especialmente frequentes em todo o noroeste. Lorraine causou grandes problemas. O conde de Luxemburgo, cunhado do rei, era o coração e a alma do descontentamento naquele país. Deles, Adalberto havia sido nomeado bispo de Tréveris por métodos não canônicos (1003); 

De acordo com seu dever, o rei não poderia ser induzido a incitar qualquer política familiar egoísta às custas do Império. Embora Henrique, em geral, fosse capaz de manter sua autopersistência contra essas condes do Luxemburgo, a autoridade real sofreu uma grande perda de prestígio no noroeste. Borgonha forneceu uma compensação a ela. O senhor daquele país era Rodolfo que, para proteger contra os seus vassalos, aliou-se com Henrique II, filho de sua irmã, Gisela, e sem filhos legou seu ducado a Henrique, apesar da oposição dos nobres (1006). Henrique teve que empreender várias campanhas antes que ele pudesse dar força às suas demandas. Ele não obteve nenhum resultado tangível e deixou as alegações teóricas sobre a Borgonha para seus sucessores. 

Melhor sorte aguardava o rei nas partes central e oriental do Império. É verdade que ele teve um confronto com os Conradianos sobre a Caríntia e a Suábia: mas Henrique foi vitorioso porque seu reino repousou sobre os alicerces sólidos de uma íntima aliança com a Igreja. Que a sua atitude em relação à Igreja foi ditada em parte por razões práticas, e a princípio promoveu as instituições da Igreja, principalmente, para torná-las mais úteis ao seu poder real; isso é claramente demonstrado por sua política. A maneira pela qual Henrique corajosamente se levantou como o governante real da Igreja é vista particularmente no estabelecimento da Sé de Bamberg, que seguiu completamente seu próprio esquema. 

Ele realizou essa medida, em 1007, apesar da forte oposição contra essa mudança na organização da Igreja do Bispo de Wurtzburgo. O primeiro propósito do novo bispado era a germanização das regiões do Alto Principal e do Regnitz, onde os povos (ndt “sorabos”, um povo eslavo) haviam sido estabelecidos. Como uma grande parte do contorno de Bamberg pertencia ao rei, ele podia ricamente alicerçar as fundações do novo bispado. A importância da situação de Bamberg, principalmente no campo da cultura que ele promoveu principalmente por suas escolas prósperas. Portanto, Henrique confiou na ajuda da Igreja contra o poder secular que se tornara considerável. Mas ele não fez concessões à Igreja. 

Embora naturalmente piedoso e bem familiarizado com a cultura eclesiástica, ele era de coração um estranho para o seu espírito. Ele dispunha autocraticamente dos bispados. Sob seu governo, os bispos, de quem ele exigia total obediência, pareciam ser oficiais do Império. Ele exigiu a mesma obediência dos abades. No entanto, essa dependência política não prejudicou a vida interior da Igreja alemã sob Henrique. Por meio de seus recursos econômicos e educacionais, a Igreja teve uma influência benéfica nessa época. Mas foi precisamente esse poder civilizador da Igreja alemã que despertou as suspeitas dos reformistas. Isso foi importante porque Henrique estava ganhando cada vez mais as ideias desse grupo. Em um sínodo em Goslar, ele confirmou decretos que tendiam a cumprir as exigências feitas pelos partidários da reforma. Finalmente, essas tendências não puderam subverter o sistema otoniano, além disso, não puderam criar uma oposição à Igreja na Alemanha como ela foi constituída. 

Esta hostilidade por parte da Igreja alemã encontrou uma cabeça na disputa do imperador contra o arcebispo Aribo de Mainz. Aribo se opunha à reforma dos monges de Cluny. O imbróglio político do casamento de Hammerstein deu-lhe a oportunidade que ele desejava de oferecer uma frente contra Roma. Otto von Hammerstein havia sido excomungado por Aribo por causa de seu casamento com Irmengard, e Irmengard apelara com sucesso para Roma. A isto se opunha o Sínodo de Seligenstadt, em 1023, que proibia o apelo a Roma sem o consentimento do bispo. Este passo significou uma rebelião aberta contra a ideia da unidade da Igreja e seu último resultado teria sido o nascimento de uma Igreja nacional alemã. Nesta disputa, o imperador estava completamente do lado dos reformistas. Ele até queria iniciar um processo internacional contra o arcebispo desobediente por meio de tratados com o rei francês; mas sua morte o impediu. 

Antes desta, Henrique fez sua terceira viagem para Roma em 1021, ele foi para as demandas dos bispos fiéis italianos, que haviam alertado em Estrasburgo aspecto perigoso da situação italiana, também o Papa que insinuou em Bamberg, em 1020. Então, o poder imperial, que já havia começado a se retirar da Itália, foi convocado novamente para lá. Nesta época, o objetivo era acabar com a supremacia dos gregos na Itália. Seu sucesso não foi completo; conseguiu, no entanto, restaurar o prestígio do império no norte e no centro da Itália. Henrique era um homem razoável demais para pensar seriamente em adotar novamente os planos imperialistas de seus predecessores. Ele estava satisfeito por ter assegurado a posição dominante do império na Itália dentro de limites razoáveis. O poder de Henrique foi assegurado e foi devido ao seu principal compromisso de basear sua autoridade nacional. Lendas eclesiásticas mais tarde atribuíram traços ascéticos a esse governante, alguns dos quais certamente não podem resistir a críticas sérias. Por exemplo, o próprio assunto de seu casamento virginal com Cunegunda certamente não tem base de fato. 

Chamado de “o piedoso”. Poucos governantes desfrutaram de uma maneira tão extraordinária de afeição de seu povo, como Santo Henrique. Um dia, um empregado que o aconselhou a tratar os desordeiros com crueldade, respondeu: “Deus não me deu autoridade para fazer as pessoas sofrerem, mas para tentar fazer o maior bem possível”. Ele era um verdadeiro pai para seus súditos. A fama de sua bondade logo se espalhou pela Alemanha e Itália, ganhando simpatia geral. Em sua obra de caridade, ele foi ajudado por sua virtuosa esposa, Santa Cunegunda. Ele morreu em 13 de julho do ano 1024, a Igreja canonizou este imperador em 1146 e sua esposa Cunegunda em 1200.


[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 15 de julho, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943.]

OREMOS.

Ó Deus que, neste dia, fizestes passar o bem-aventurado Henrique, vosso Confessor, do fastígio de um império terrestre para o Reino eterno, nós Vos suplicamos que, da mesma forma que lhe destes que vencesse, pela abundância da vossa graça, todas as seduções do século, façais com que, a seu exemplo, também nós resistamos aos atrativos deste mundo, e pela pureza dos nossos corações cheguemos até Vós. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS.

Deus, qui hodiérna die beátum Henricum Confessórem tuum e terréni cúlmine impérii ad regnum ætérnum transtulísti: te súplices exorámus; ut, sicut illum grátiæ tuæ ubertáte prævéntum, illécebras sæculi superáre fecísti, ita nos fácias, ejus imitatióne, mundi hujus blandiménta vitáre, et ad te puris méntibus pervenire. Per Dóminum nostrum Jesum Christum.

Fonte: Kampers, Franz. “St. Henry II.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 7. New York: Robert Appleton Company, 1910. 14 Jul. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/07227a.htm>.

Traduzido por Ruan Gabriel

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.