Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santa Maria Madalena

Hugh Pope, Enciclopédia Católica

Maria Madalena era assim chamada ou por Magdala, perto de Tiberíades, na costa oeste da Galileia, ou possivelmente por uma expressão talmúdica que significa “cabelo encaracolado de mulher”, embora o Talmude a descreva como uma adúltera.

No Novo Testamento, ela é mencionada entre as mulheres que acompanharam e seguiram a Cristo (Lc 8: 2-3), onde também se diz que sete demônios haviam sido expulsos dela (Mc 16, 9). É a segunda pessoa nomeada aos pés da cruz (Mc 15,40; Mt 27,56; Jo 19,25; Lc 23,49). Ela viu a Cristo quando jazia em seu túmulo e foi a primeira testemunha reconhecida da Ressurreição.

De uma maneira geral, os Padres Gregos distinguiram três pessoas: a “pecadora” de Lc 7: 36-50; a irmã de Marta e Lázaro, Lc 10,38-42 e Jo 11; e Maria Madalena.

Por outro lado, a maioria dos latinos considerava que essas três pessoas eram uma e a mesma. Críticos protestantes, no entanto, acreditam que havia duas e talvez três pessoas diferentes. É impossível provar a identidade das três; mas esses comentaristas indubitavelmente foram longe demais ao afirmar, como fez Wescott (em Jo 11: 1) “que a identidade de Maria com Maria Madalena é uma mera conjectura sem apoio em evidência direta e contrária ao teor geral do Evangelhos”. É a identificação de Maria de Betânia com a “pecadora” de Lucas 7:37, a mais combatida pelos protestantes. Parece que a relutância deles em identificar “a pecadora” com a irmã de Marta é devido a uma falha em entender o significado completo do perdão do pecado. As tendências com a intenção de harmonizar entre tantos críticos modernos também são responsáveis ​​por grande parte da confusão existente.

O primeiro fato mencionado no Evangelho em relação ao assunto em discussão é a unção dos pés de Cristo, por uma mulher, uma “pecadora” na cidade (Lucas 7, 37-50). Isso pertence ao ministério Galileu, precede o milagre da alimentação dos cinco mil e a terceira Páscoa. Imediatamente depois, São Lucas descreve um circuito missionário na Galileia e fala de uma mulher que seguiu Cristo entre eles, sendo “Maria, a chamada Madalena, de quem sete demônios foram exorcizados” (Lc 8,2); mas não nos diz que é com ela que a “pecadora” do capítulo anterior é identificada. Em 10.38-42, ele nos fala da visita de Cristo a Marta e Maria “em certa cidade”; é impossível identificar as pessoas, mas é claro, em 9, 53, que Cristo havia definitivamente saído da Galileia e é bem possível que esse “povo” fosse Betânia. Isto parece confirmado pela parábola precedente do Bom Samaritano, que quase certamente foi dita na estrada entre Jericó e Jerusalém. Mas aqui, novamente, notamos que nada sugere uma identificação das três pessoas (a “pecadora”, Maria Madalena e Maria de Betânia) e se apenas tivermos São Lucas para nos guiar, certamente não temos base para identificá-las. São João, no entanto, identifica claramente Maria de Betânia com a mulher que ungiu os pés de Cristo (12, cf. Mt 26 e Mc 14). É notável que já em 11.2 São João falou de Maria como “aquela que ungiu os pés do Senhor” (ἡ ἀλείψασα, he aleipsasa); É comum dizer que ele estava se referindo à consequente unção descrita por ele mesmo em 12: 3-8; embora possa ser questionado se ele teria usado a expressão “he aleipsasa” se tivesse sido outra mulher, e não a “pecadora” da cidade. É concebível que São João, por ter escrito muito depois dos acontecimentos e numa época em que Maria estava morta, deseje salientar que ela era realmente a mesma que a “pecadora”. Da mesma forma, São Lucas poderia ter ocultado sua identidade precisamente porque não queria difamar alguém vivo; certamente algo semelhante acontece no caso de São Mateus, (5: 7) que esconde sua identidade com Levi, o publicano.

Se o argumento acima for mantido correto, Maria de Betânia e a “pecadora” são uma e a mesma pessoa com Maria Madalena. Com São João, aprendemos o nome da “mulher” que ungiu os pés de Cristo antes da Última Ceia. Podemos notar aqui que parece desnecessário manter isto porque São Mateus e São Marcos disseram “dois dias antes da Páscoa” enquanto São João diz “seis dias”, há duas unções diferentes uma após a outra. São João não significa necessariamente que a Ceia e a unção tenham ocorrido seis dias antes, mas que Cristo veio a Betânia seis dias antes da Páscoa. Então, naquela Ceia, Maria recebeu a gloriosa recomendação “ela fez uma boa obra em Mim … ungindo Meu corpo para o meu enterro … onde quer que este Evangelho seja pregado … que também o que ela fez por mim seja contado em memória dela”. Considerando tudo isso, é crível que esta Maria não tenha tido lugar aos pés da cruz, nem no túmulo de Cristo? No entanto, é Maria Madalena que, de acordo com todos os evangelistas, ficou ao pé da cruz e compareceu ao funeral e foi a primeira testemunha registrada da ressurreição. E enquanto São João a chama de “Maria Madalena” em 19:25; 20: 1 e às 20:18, ele simplesmente a chama de “Maria” em 20:11 e 20:16.

Sob a visão do que defendemos, a série de eventos constitui um todo consistente; a “pecadora” aparece no início do ministério em busca de perdão; ela é descrita imediatamente depois como Maria Madalena “mulher de quem vieram sete demônios”; Logo depois, nós a encontramos “sentada aos pés do Senhor e ouvindo Suas palavras”. Para a mente católica, tudo parece natural e apropriado. Em um período posterior, Maria e Marta se voltam para “o Cristo, o Filho do Deus vivo” e Ele as devolve ao seu irmão Lázaro; Pouco tempo depois, eles o convidaram para jantar e Maria novamente repetiu o ato que ele havia realizado como penitente. Na Paixão, ela está ao seu lado; ela o vê deitado no túmulo; e é a primeira testemunha da Sua Ressurreição – exceto, sempre, por Sua Mãe, a quem Ele deve ter necessariamente aparecido primeiro, embora o Novo Testamento seja silencioso sobre tal ponto. Em nossa visão, então, houve duas unções aos pés de Cristo — certamente não há dificuldade quando São Mateus e São Marcos falam de sua cabeça — a primeira (Lucas 7) ocorreu em uma data relativamente mais antiga; a segunda, dois dias antes da última Páscoa. Mas foi a mesma mulher que realizou este ato piedoso em todas as ocasiões.

História subsequente de Santa Maria Madalena

A Igreja Grega afirma que a santa se retirou para Éfeso com a Santíssima Virgem e morreu ali, que suas relíquias foram transferidas para Constantinopla no ano 886 e estão preservadas lá. Gregório de Tours (De miraculis, I, xxx) apóia a ideia de que ela foi para Éfeso. No entanto, de acordo com a tradição francesa (ver SÃO LAZARO DE BETÂNIA), Maria, Lázaro e alguns companheiros foram para Marselha convertendo toda a Provença. Diz-se que Madalena se retirou para uma colina, La Sainte-Baume, muito próxima, onde se entregou a uma vida de penitência durante trinta anos. Quando chegou o momento de sua morte, foi levada por anjos para Aix até o oratório de São Máximo, onde recebeu o viático; Então, seu corpo estaria em um oratório construído por São Máximo em Villa Lata, mais tarde chamada São Máximo. A história permanece silenciosa em relação a essas relíquias, até o ano de 745, quando, segundo o cronista Sigebert, elas foram mudadas para Vezelay por medo dos sarracenos. Não há registro de seu retorno, mas em 1279, quando Carlos II, rei de Nápoles, ergueu o convento em La Sainte-Baume para os dominicanos, o túmulo foi encontrado intacto, com uma inscrição declarando por que ele havia sido escondido. No ano de 1600 as relíquias foram colocadas em um sarcófago enviado por Clemente VIII, com a cabeça colocada em um vaso separado. Em 1814, a Igreja de La Sainte-Baume, que desmoronou durante a Revolução, foi restaurada e em 1802 a gruta foi novamente consagrada. A cabeça da santa está agora ali, onde esteve por tanto tempo e onde esteve no centro de muitas peregrinações.


Fonte: Pope, Hugh. “St. Mary Magdalen.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 9. New York: Robert Appleton Company, 1910. 21 Jul. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/09761a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola, disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/Santa_María_Magdalena>.

[Segue abaixo oração à santa, por ocasião de sua festa, a 22 de julho, extraída do Missale Romanum, ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Senhor, dignai-Vos fazer com que sejamos assistidos dos sufrágios da bem-aventurada Maria Madalena, cujas orações obtiveram de Vós a ressurreição do seu irmão Lázaro, havia já quatro dias morto; Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos.
OREMUS

Béatæ Mariæ Magdalénæ, quæsumus, Dómune, suffrágis ajuvémur: cujus précibus exorátus, quatriduánum fratrem Lázarum vivum ab ínferis resuscitásti: Qui vivis et regnas per omnia sæcula sæculorum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.