Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santa Inês

Johann Peter Kirsch, Enciclopédia Católica

De todas as virgens mártires de Roma, nenhuma como Santa Inês tinha honras tão elevadas da Igreja primitiva, desde o início do século IV. Sua festa foi estabelecida em 21 de janeiro, ainda no antigo calendário romano das festividades dos mártires (Depositio Martyrum), que foi reincorporado na coleção de Furius Dionysius Philocalus. Esta coleção data de 354 e foi reimpressa frequentemente, por exemplo em Ruinart (Acta Sincera Martyrum [ed. Ratisbon, 1859], 63 e ss). Nesta última carta, o nome da estrada perto da qual a sua sepultura está localizada (Via Nomentana) é indicado. Os primeiros sacramentalistas deram a mesma data para sua festa, que ainda hoje está preservada sua memória sagrada é preservada pela Igreja Latina.

Desde o final do século IV, tanto os Padres da Igreja quanto os poetas cristãos cantaram louvores exaltando o heroísmo e a virtude da santa na tortura. É claro, no entanto, como produto de uma variedade de fontes que se estendem até o final do século IV, que não se contava com uma narrativa precisa de seu martírio. Em um ponto, entretanto, há comum acordo: a juventude da santa, a quem Santo Ambrósio atribui cerca de 12 anos (De Virginibus, I, 2; PL, XVI, 200-202: Haec duodecim annorum martyrum fecisse traditur) , Santo Agostinho a fixa aos 13 anos (Agnes puella tredecim annorum; Sermo cclxxiii, 6, PL, XXXVIII, 1251). Este último harmoniza-se com as palavras de Prudêncio: Aiunt jugali vix habilem touro (Peristephanon, Hymn xiv, 10 in Ruinart , Sinc., Ed cit., 486). Dâmaso mostra-a como se estivesse na iminência do martírio desde o colo de sua mãe ou ama (Nutricis gremium subito liquisse puella; em St. Agneten, 3, ed. Ihm, Damasi epigrammata, Leipzig , 1895, 43, nº 40) Hoje não temos motivos para duvidar dessa tradição, o que explica bem a popularidade alcançada pela jovem mártir.

Fontes

Já citamos o relato de três testemunhas do martírio de Santa Inês: 

(i) Santo Ambrósio, De Virginibus, I, 2; 

(ii) a inscrição do Papa Dâmaso em seu túmulo de mármore, um texto cujo original ainda pode ser visto ao pé das escadas que levam ao túmulo na igreja de Santa Inês (Sant’Agnese fuori le muri); 

(iii) Prudencio, Peristephanon, Anthem 14.

A narrativa retórica de Santo Ambrósio, além da idade do mártir, não acrescenta mais dados, exceto sua execução por meio de uma espada. 

O panegírico métrico do papa Dâmaso nos diz que, imediatamente após a promulgação do édito imperial contra os cristãos, Agnes declarou-se voluntariamente cristã e sofreu muito firmemente martírio do fogo, dando pouca antenção aos terríveis tormentos que ela teve que suportar, preocupada apenas pelos véus que a cobriam, pois seus cabelos agora estavam entregues ao vento, seu casto corpo entregue à vista da multidão (Nudaque profusum crinem per membra dedisse, Ne domini templum fácies peritura videret).

Prudêncio, em sua descrição do martírio, adere ao relato de Santo Ambrósio, mas acrescenta um episódio: o juiz ameaçou dar sua virgindade a uma casa de prostituição, chegando mesmo a executar esta ameaça final. No entanto, quando um jovem a viu com olhos lascivos, ele caiu no chão cego e lá ficou como morto. Possivelmente é a isso que Dâmaso e Ambrósio se referem quando dizem que a pureza de Santa Inês estava em perigo; este último em particular indica (loc. Cit.): Habitis igitur em um martyrium dúplex hostil, pudoris e religionis: et virgo permansit et martyrium obtinuit (Havia assim na mesma vítima um martírio duplo, um de modéstia e o outro da religião. Ela permaneceu virgem e obteve a coroa do martírio). Portanto, Prudêncio pode ter derivado a substância deste episódio a patir de alguma lenda popular confiável.

Agnes beatae virginis

Outra fonte de informação, ainda anterior às Atas de seu martírio, é o glorioso hino Agnes beatae virginis, que, embora provavelmente não se tenha originado da pena de Santo Ambrósio (uma vez que os relatos do poeta estão mais próximos dos de Dâmaso), ainda contém algumas adulterações do texto do santo, tendo sido composto pouco depois deste (ver o texto de Dreves, Aur. Ambrosius der Vater des Kirchengesanges, 135 Friburgo, 1893).

Atas do martírio de Santa Inês 

As Atas do martírio de Santa Inês pertencem a um período bastante tardio e são encontrados em três textos, dois em grego e um em latim. O mais antigo deles é o mais curto dos dois textos em grego, que também serviu de base para o texto latino, embora este tenha sido aumentado. O texto grego mais extenso é a tradução desse texto em latim, o estendido (Pio Franchi de Cavalieri, St. Agnese nella tradizione e nella legenda, em Römische Quartalschrift, Suplemento X, Roma, 1899, ver Acta SS., Jan. II, 350 e seguintes).

O texto em latim e, consequentemente, o texto mais curto em grego datam da primeira parte do século V, quando São Máximo, bispo de Turim (450-470) evidentemente usou o latim das Atas em um sermão (PL, LVII, 643 e seguinte). Nestes eventos, temos o episódio do bordel mais elaborado e o fato de que a virgem é decapitada depois de ter permanecido sem ser tocada pelas chamas.

Após o martírio 

Não sabemos com certeza sob que perseguição a corajosa virgem conquistou a coroa do martírio. Anteriormente era costume atribuir sua morte à perseguição de Diocleciano (c. 304), mas outros argumentos foram desenvolvidos, baseando-se na inscrição de Dâmaso, para provar que os eventos ocorreram durante uma das perseguições do século III, após a que foi empreendida por Décio.

O corpo da virgem  mártir foi colocado em um sepulcro separado na Via Nomentana, e ao redor de seu túmulo havia uma catacumba maior, que leva seu nome. A laje original que cobria seus restos mortais, com a inscrição Agne Sanctissima, é provavelmente a mesma que hoje é preservada no museu de Nápoles. Durante o reinado de Constantino, através dos esforços de sua filha Constantina, uma basílica foi erguida no túmulo de Santa Inês, que foi então completamente remodelada pelo Papa Honório (625-638) e permaneceu inalterada. Na abside, no alto, um mosaico mostra a mártir no meio das chamas, com uma espada a seus pés. Uma bela escultura da santa é encontrado em uma laje de mármore datada do século IV e que originalmente fazia parte do altar de sua igreja. Desde a Idade Média, Santa Inês foi representada com um cordeiro, o símbolo de sua inocência virginal. Em sua festa, dois cordeiros são solenemente abençoados, e de sua lã são feitos pálios que o Papa envia aos arcebispos.


Fonte: Kirsch, Johann Peter. “St. Agnes of Rome.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 1. New York: Robert Appleton Company, 1907. 19 Jan. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/01214a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em: <https://ec.aciprensa.com/wiki/Santa_In%C3%A9s_de_Roma>.

[Segue abaixo oração à santa, por ocasião de sua festa, a 21 de janeiro, extraída do Missale Romanum, 1943.]

OREMOS

Onipotente e sempiterno Deus, que escolheis a fraqueza deste mundo para confundirdes a força, por vossa bondade dignai-Vos fazer com que, celebrando a solenidade da bem-aventurada Inês, vossa Virgem e Mártir, sintamos os efeitos do seu patrocínio junto de Vós. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS

Omnípotens sempitérne Deus, qui infírma mundi éligis, ut fórtia quæque confúndas: concéde propítius; ut, qui beátæ Agnétis Vírginis et Mártyris tuæ solémnia cólimus, ejus apud te patrocínia sentiámus. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.