Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Visitação da Santíssima Virgem Maria

Frederick Holweck, Enciclopédia Católica

O evento

Assumindo que a Anunciação e a Encarnação tiveram lugar até o equinócio de verão, Maria saiu de Nazaré ao final de março e cruzou os montes de Hebrom, ao sul de Jerusalém, para cuidar de sua prima Isabel, uma vez que sua presença e sobretudo a presença do Menino Deus em seu ventre, de acordo com a vontade de Deus, seriam a origem de graças muito importantes para São João, o precursor de Cristo.

O acontecimento narra-se em são Lucas I,39-57. Sentindo a presença do Divino Salvador, João, à chegada de Maria, saltou no seio de sua mãe; então foi lavado do pecado original e recebeu a graça de Deus. Agora pela primeira vez, Nossa Senhora cumpriu a obra que correspondia à Mãe de Deus feito homem: que Ele nos santificaria e glorificaria através dela. Provavelmente São José acompanhou Maria e voltou a Nazaré; e quando, ao cabo de três meses, regressou a Hebron para levar sua mulher para casa, pode ter se produzido a aparição do anjo, que menciona São Mateus I,19-25, para pôr fim às dúvidas que atormentavam José a respeito da maternidade de Maria. (cf. também MAGNIFICAT).

A festa

A primeira evidência da existência da festa é sua adoção pelo Capítulo Franciscano em 1263, seguindo o conselho de São Boaventura. Talvez não seja genuína a lista de festas nos “Statuta Synodalia eccl. Cenomanensis” (1237, revisados en 1247; Mansi, supplem., II, 1041), segundo os quais esta festa se celebrava em 2 de julho em Le Mans em 1247.

Com o breviário franciscano, esta festa se estendeu a muitas igrejas, mas se celebrava em dias diversos — em Praga e Ratisbona, em 20 de abril; em Paris, em 27 de junho; em Reims e Genebra, em 8 de julho (cf. Grotefend, “Zeitrechnung”, II, 2, 137). Em 6 de abril de 1389, Urbano VI a estendeu a toda a Igreja (decreto publicado pelo Papa Bonifácio IX em 9 de novembro de 1379), com a esperança de que Cristo e sua Mãe visitassem a igreja e pusessem fim ao Grande Cisma que dividia a túnica inconsútil de Cristo.

A festa, com uma vigília e uma oitava, foi assinalada em 2 de julho, o dia seguinte à oitava de São João, aproximadamente o momento em que Maria voltou a Nazaré. O ofício foi redigido por um inglês, o Cardeal Adam Easton, monge beneditino e Bispo de Lincoln (Bridgett, “Our Lady’s Dowry”, 235). Dreves (Analecta Hymnica, XXIV, 89) publicou este ofício rítmico junto com outros nove ofícios para mesma festa, encontrados nos breviários dos séculos XIV e XV. Uma vez que durante o Cisma muitos bispos da obediência oposta não adotaram a nova festa, esta foi confirmada pelo Concílio de Basileia em 1441.

O papa Pio V aboliu o ofício rítmico, a vigília e a oitava. O ofício atual foi compilado por ordem do papa Clemente VIII pelo minorita Ruiz. Em 13 de maio de 1850, Pio IX elevou a festa à categoria de dupla da segunda classe. Muitas ordens religiosas — carmelitas, dominicanos, cistercienses, mercedários, servitas e outras — assim como Siena, Pisa, Loreto, Vercelli, Colônia e outras dioceses, conservaram a oitava. Na Boêmia, a festa é celebrada no primeiro domingo de julho como dupla da primeira classe com uma oitava.


Bibliografia: HOLWECK, Fasti Mariani (Friburgo, 1892); GROTEFEND, Zeitrechnung (Leipzig, 1892). Para la iconografía del evento, vea GUENEBRAULT, Dictionnaire iconographique (París, 1850), 645; COLERIDGE, The Mother of the King (Londres, 1890).

Fonte: Holweck, Frederick. “Visitation of the Blessed Virgin Mary.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 15. New York: Robert Appleton Company, 1912. <http://www.newadvent.org/cathen/15480a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/Visitaci%C3%B3n_de_la_Sant%C3%ADsima_Virgen_Mar%C3%ADa>.


[Segue abaixo oração por ocasião da Festa da Visitação, a 2 de julho, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

Senhor, dignai-Vos conceder aos vossos servos o dom da graça celeste, a fim de , depois de haverem encontrado as primícias da salvação no parto da bem-aventurada Virgem Maria, tirarem, da festa da sua Visitação, um aumento de paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
OREMUS

Fámulis tuis, quæsumus Dómine, cæléstis grátiæ munus impertíre: ut, quibus beátæ Vírginis partus éxstitit salútis exórdium; Visitatiónis ejus votíva solémnitas, pacis tríbuat increméntum. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.