Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Sexta-feira Santa

Thomas Gilmartin, Enciclopédia Católica



I. Introdução

Sexta-Feira Santa, chamada Feria VI in Parasceve no Missal Romano,  hagia kai megale paraskeue  (Santa e Grande Sexta-Feira) na Liturgia Grega, Sexta-feira Santa em Línguas Românicas, Charfreitag  (Sexta-feira Dolorosa) em alemão, é a designação dada à sexta-feira na Semana Santa - isto é, a sexta-feira em que a Igreja mantém o aniversário da crucificação de Jesus Cristo. 

Parasceve, o latim equivalente de paraskeue, preparação (ou seja, a preparação que foi feita no sexto dia para o sábado; ver Marcos 15:42 ), veio por metonímia para significar o dia em que a preparação foi feita; mas enquanto os gregos mantiveram este uso da palavra como aplicado a toda sexta-feira, os latinos limitaram sua aplicação a uma sexta-feira. Irineu e Tertuliano falam da Sexta-Feira Santa como o dia da Páscoa; mas os escritores posteriores distinguem entre a Pascha staurosimon  (a passagem para a morte) e a Pascha anastasimon (a passagem para a vida, ou seja, a ressurreição).  Atualmente, a palavra Páscoa é usada exclusivamente no último sentido. As duas Páscoas são as festas mais antigas do calendário. 

Desde os primeiros tempos, os cristãos mantiveram todas as sextas-feiras como dia de festa;  e as razões óbvias para esses usos explicam por que a Páscoa é o domingo por excelência, e porque a sexta-feira que marca o aniversário da morte de Cristo veio a ser chamada de Grande ou Santa ou Sexta-Feira Santa. A origem do termo ”Good“¹ não é clara.  Alguns dizem que é da “sexta-feira de Deus” (God’s Friday);  outros sustentam que é do alemão Gute Freitag, e não especialmente do inglês.  Às vezes, também, o dia se chamava Sexta-feira Longa pelos anglo-saxões;  assim também hoje na Dinamarca. 

II. Ofício e cerimonial 

Não há, talvez, nenhum ofício em toda a liturgia tão peculiar, tão interessante, tão complexo, tão dramático quanto o ofício e cerimonial da Sexta-feira Santa. 

Sobre o ofício da vigília, que nos primeiros tempos começava à meia-noite no Romano, e às 3 da manhã na Igreja Galicana², bastaria observar que, por 400 anos passados, foi antecipado por cinco ou seis horas, mas retém aqueles características peculiares do luto que marcam os oficios noturnos do dia anterior e posterior, todos os três sendo conhecidos como Tenebrae

O ofício da manhã está em três partes distintas. A primeira parte consiste em três lições da Sagrada Escritura (dois cânticos e uma oração sendo interposta) que são seguidos por uma longa série de orações para várias intenções; a segunda parte inclui a cerimônia de desvelar e adorar a cruz, acompanhada pelo canto da Improperia; a terceira parte é conhecida como a Missa dos Pré-Santificados, que é precedida por uma procissão e seguida por vésperas. Cada uma dessas partes será brevemente notada aqui. 

Terminada a Hora Nona, o celebrante e os ministros, vestidos de vestes negras, aproximam-se do altar e prostram-se por um breve período em oração. Enquanto isso, os acólitos espalhavam um único tecido no altar desnudo. Nenhuma luz é usada. Quando o celebrante e os ministros sobem ao altar, um leitor toma o seu lugar no lado da epístola, e lê uma passagem de Oseias 6. Isto é seguido por um trato cantado pelo coro. Em seguida vem uma oração cantada pelo celebrante, que é seguida por outra passagem de Êxodo 12, cantada pelo subdiácono. Isto é seguido por outro trecho (Salmo 139), no final do qual a terceira passagem, a Paixão segundo São João é cantada pelos diáconos ou recitada de um púlpito nu - “dicitur passio super nudum pulpitum“. Quando isso termina, o celebrante canta uma longa série de orações por diferentes intenções para a Igreja, papa, bispo da diocese, para as diferentes ordens na Igreja, para o imperador romano (agora omitido fora dos domínios da Áustria ), para os catecúmenos. A ordem das passagens acima, cânticos e orações para a Sexta-feira Santa é encontrada em nossas primeiro Ordinário Romano, datando de cerca de 800 dC. Representa, segundo Duchesne (234), “a ordem exata das sinaxes antigas sem uma liturgia”, e a ordem das primeiras reuniões de oração cristãs, em que, no entanto, a liturgia propriamente dita, ou seja, a missa, não foi celebrada. Esse tipo de reunião para adoração era derivado do serviço da sinagoga judaica e consistia em passagens, cânticos e orações. Com o passar do tempo, talvez em 150 d.C. (ver “Origines Liturgiques” 137 de Cabrol), a celebração da Eucaristia foi combinada com este serviço puramente eucológico para formar um ato solene do culto cristão, que veio a ser chamado de Missa. É de notar que a Missa ainda está em duas partes, a primeira consistindo de passagens, cânticos e orações, e a segunda é a celebração da Eucaristia (incluindo o Ofertório, Canon e Comunhão). Enquanto  Judica, o introito e o Gloria in Excelsis foram adicionadas a esta primeira parte da Missa e a longa série de orações foi omitida, a ordem mais antiga das sinaxes, ou reunião sem Missa, foi mantida na Sexta-Feira Santa. A forma das orações merece ser notada. Cada oração em três partes. 

O celebrante convida a congregação a orar por uma intenção específica. 

O diácono diz então: “Vamos nos ajoelhar” (Flectamus genua); então as pessoas deveriam orar por um tempo ajoelhadas em silêncio, mas no momento imediatamente após o convite para se ajoelharem o subdiácono as convida a se levantar (Levate). 

O celebrante coleciona, por assim dizer, todas as suas orações e as pronuncia em voz alta. 

A coleta moderna é a representante desta velha e solene forma de oração. A primeira parte é reduzida ao Oremus, a segunda parte desaparece e a terceira parte permanece em sua totalidade e passou a ser chamada de coleta. É curioso notar, nessas antigas orações da Sexta-Feira Santa, que a segunda parte é omitida nas orações pelos judeus, devido ao fato de terem insultado a Cristo ao dobrar os joelhos em escárnio perante Ele. Essas orações não eram peculiares à Sexta-Feira Santa nas primeiras eras (elas foram ditas na Quarta-feira de Espião até o oitavo século); sua retenção aqui, pensa-se, foi inspirada pela ideia de que a Igreja deve orar por todas as classes de homens no dia em que Cristo morreu por todos. Duchesne (172) é da opinião que o Oremus agora dito em toda Missa, antes do Ofertório, que não é uma oração, permanece para mostrar onde esta antiga série de orações foi uma vez dita em todas as Missas. 

III. Adoração da cruz 

O dramático desvelar e adorar a cruz, introduzido na liturgia latina no sétimo ou oitavo século, teve sua origem na Igreja de Jerusalém.  A “Peregrinatio Sylviae” (o nome real é Etheria) contém uma descrição da cerimônia como ocorreu em Jerusalém no final do século IV. 

Então uma cadeira é colocada para o Bispo no Gólgota, atrás da Cruz uma mesa coberta com um pano de linho é colocada diante dele; os diáconos estão ao redor da mesa, e um caixão de prata dourado é trazido no qual está a madeira da cruz sagrada. O caixão é aberto e (a madeira) é retirada, e tanto a madeira da Cruz como o Título são colocados sobre a mesa. Agora, quando foi colocado sobre a mesa, o Bispo, enquanto está sentado, segura firmemente as extremidades da madeira sagrada em suas mãos, enquanto os Diáconos que estão ao redor a guardam. É guardado assim porque o costume é que as pessoas, fiéis e catecúmenas , venham uma a uma e, curvando-se à mesa, beijem a madeira sagrada e passem adiante. (Duchesne, tr. McClure, 564) 

Nossa cerimônia atual é um desenvolvimento óbvio disso, a maneira de adorar a Verdadeira Cruz na Sexta-Feira Santa, observada em Jerusalém. Uma imagem velada do Crucifixo é gradualmente exposta, enquanto o celebrante, acompanhado por seus assistentes, canta três vezes o “Ecce lignum Crucis“, etc. (Eis o lenho da Cruz do qual pendeu a salvação do mundo), ao qual o coro responde, a cada vez, “Venite adoremus” (Vinde adoremos). Durante o canto dessa resposta, toda a assembléia (exceto o celebrante) se ajoelha em adoração. Quando a cruz é completamente desvelada, o celebrante a carrega até o pé do altar e a coloca em uma almofada preparada para ela. Ele então tira os sapatos e se aproxima da cruz (fazendo genuflexões três vezes no caminho) e a beija. O diácono e o subdiácono também se despojam de seus sapatos (o diácono e o subdiácono podem tirar os sapatos, se for o costume do lugar, SCR, nº 2769, ad X, q. 5) e agir de maneira semelhante. Um relato da cerimônia peculiarmente impressionante é conhecida como o “Rastejando até a Cruz”, que já fora observado na Inglaterra. O clero dois em dois seguem, enquanto um ou dois sacerdotes vestidos com sobrepeliz e de estola preta pegam a cruz e a apresenta aos fiéis presentes para ser beijada. Durante esta cerimônia o coro canta o que é chamado Improperia, o Trisagion (em grego como latim), se o tempo permitir o hino Crux fidelis. (Oh, Cruz, nossa esperança). A Improperia é uma série de censuras que deveriam ser endereçadas por Cristo aos judeus.. Eles não são encontrados nas antigas Ordines Romanas. Duchesne (249) encontra, segundo ele, um fragmento gálico neles; enquanto Martene (III, 136) encontrou alguns deles alternando com o Trisagion em documentos galicanos do século IX. Eles aparecem em um Ordo romano, pela primeira vez, no século XIV, mas a retenção do Trisagion em grego mostra que ele havia encontrado um lugar no serviço romano da Sexta-Feira Santa antes do cisma fociano (nono século). 

Um não-católico pode dizer que tudo isso é muito dramático e interessante, mas alegam uma grave desordem no ato de adoração da cruz de joelhos. A adoração não é devida somente a Deus? A resposta pode ser encontrada em nosso menor catecismo. O ato em questão não pretende ser uma expressão da suprema adoração suprema (latreia) que, naturalmente, é devida somente a Deus. A nota essencial da cerimônia é a reverência (proskynesis) que tem um caráter relativo, e que pode ser melhor explicado nas palavras do Pseudo-Alcuíno: “Prosternimur corpore ante crucem, mente ante Dominium. Veneramur crucem, por quam redempti sumus, e ill deprecamur, qui redemit” (Enquanto nós curvando o corpo ante a cruz, nos inclinamos em espírito diante de Deus. Enquanto reverenciamos a cruz como instrumento de nossa redenção, oramos a Ele que nos redimiu). Pode ser exortado: por que cantar “Eis o lenho da cruz”, revelando a imagem da cruz? O motivo é óbvio. A cerimônia originalmente teve ligação imediata com a Verdadeira Cruz, que foi encontrada por Santa Helena em Jerusalém por volta do ano 329 d.C. As igrejas que obtiveram uma relíquia da Verdadeira Cruz podem imitar esta cerimônia ao pé da letra, mas outras igrejas tinham que estar com uma imagem que nesta cerimônia particular representa a madeira da Verdadeira Cruz . 

Como seria de esperar, a cerimônia do desvelar e da adoração da cruz deu origem a usos peculiares em igrejas particulares. Depois de descrever a adoração e o beijo da cruz na Igreja anglo-saxônica, Rock (A Igreja de Nossos Pais, IV, 103) prossegue dizendo: “Embora não insistisse em observar em geral, havia uma rubrica que permitia um ritual. Nesta parte do ofício, a ser seguida, que pode ser chamado O Enterro do Crucifixo. Na parte de trás do altar foi feito uma espécie de sepulcro, pendurado em toda a cortina. Dentro deste recesso, a cruz, depois que a cerimônia do beijo estivesse feita, era carregada por dois diáconos, que, no entanto, primeiro o embrulharam em um pano de linho ou lençol. Enquanto carregavam seu fardo, eles cantavam certos hinos até chegarem a esse ponto e lá deixavam a cruz; e permaneceu assim sepultada até a manhã de Páscoa, vigiado por dois, três ou mais monges, que entoavam salmos de dia e de noite. Quando o enterro foi concluído, o diácono e o subdiácono vieram da sacristia com o anfitrião reservado. Depois seguiu-se a missa do pré-santificado. Uma cerimônia um pouco semelhante (chamada Apokathelosis) ainda é observada na Igreja grega. Uma imagem de Cristo, colocada sobre um esquife, é levada pelas ruas com uma espécie de pompa fúnebre, e é oferecida aos presentes para serem adorados e beijados . 

IV. Missa dos pré-santificados 

Para voltar ao rito romano, quando a cerimônia de adoração e beijo da Cruz é celebrada, a Cruz é colocada no ar no altar entre velas acesas, uma procissão é formada a qual procede à capela de repouso, onde a segunda sagrada hóstia consagrada na missa da quinta-feira, desde então, foi sepultada em uma urna decorada e cercada de luzes e flores. Esta urna representa o sepulcro de Cristo (decreto de SCR, n. 3933, ad I). O Santíssimo Sacramento é agora levado de volta ao altar em solene procissão, durante a qual é cantado o hino “Vexilla Regis prodeunt“. Chegados ao santuário, o clero vai para seus lugares, mantendo velas acesas, enquanto o celebrante e seus ministros sobem ao altar e celebram o que é chamado de Missa do Pré-Santificado. Esta não é uma missa no sentido estrito da palavra, pois não há consagração das espécies sagradas. O hóstia que foi consagrada na Missa de ontem (daí a palavra ”pré-santificados”) é colocada no altar, incensada, elevada (“que possa ser vista pelo povo”), e consumida pelo celebrante. É substancialmente a parte da Comunhão da Missa, começando com o”Pater noster“, que marca o fim da Canon. Desde os primeiros tempos, era costume não celebrar a Missa na Sexta-Feira Santa. Falando sobre essa cerimônia, Duchesne (249) diz: 

É meramente a comunhão separada da celebração litúrgica da Eucaristia propriamente dita. Os detalhes da cerimônia não são encontrados mais cedo do que nos livros do oitavo ou do nono século, mas o serviço deve pertencer a um período muito anterior. Na época em que as sinaxes sem liturgia eram frequentes, a “Missa do Pré-santificado” também deveria ter sido frequente. Na Igreja grega era celebrada todos os dias na Quaresma, exceto aos sábados e domingos , mas na Igreja latina estava confinada à Sexta-Feira Santa. 

Atualmente [1909] só o celebrante comunica, mas aparece a partir das antigas Ordines romanas que anteriormente todos os presentes se comunicavam (Martene, III, 367). A omissão da Missa assinala no espírito da Igreja a profunda tristeza com que ela mantém o aniversário do Sacrifício do Calvário. Sexta-feira Santa é uma festa da tristeza. Um jejum negro, vestes negras, um altar desnudo, o canto lento e solene dos sofrimentos de Cristo, orações para todos aqueles por quem Ele morreu, a denudação e reverência do Crucifixo, estes tomam o lugar da liturgia festiva habitual; enquanto as luzes na capela do repouso e a Missa do Pré-santificado é seguida pela recitação das vésperas, e a remoção do pano de linho do altar (“As Vésperas são recitadas sem canto e o altar é desnudado”).

V. Outras cerimônias 

As rubricas do Missal Romano não prescrevem mais nenhum cerimonial para este dia, mas há costumes louváveis ​​em diferentes igrejas que são permitidas. Por exemplo, o costume (onde existe) de transportar em procissão uma estátua de Nossa Senhora das Dores é expressamente permitido por decretos da Convenção de S. Con. de Ritos (nºs 2375 e nº 2682); também o costume (onde existe) de expor uma relíquia da Santa Cruz no altar-mor (nº 2887), e o costume de transportar tal relíquia em procissão dentro das paredes da igreja, não, no entanto, durante as costumeiras cerimônias (nº 3466), são expressamente permitidas. Rocha (op. cit. 279, 280) observa, com detalhes interessantes, um costume seguido de uma só vez na Inglaterra de submeter-se voluntariamente à vara de penitência na Sexta-Feira Santa.


Notas:

¹ Em inglês, idioma original do artigo, a Sexta-feira Santa é chamada “Good Friday“.

² Não se trata da heresia conhecida como galicanismo, mas do rito católico galicano.


Fonte: 

Gilmartin, Thomas. “Good Friday.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 6. New York: Robert Appleton Company, 1909. 18 Apr. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/06643a.htm>.

Traduzido por Ruan Gabriel.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.