Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Nossa Senhora das Neves

Michael Ott, Enciclopédia Católica 

Uma festa celebrada em 5 de agosto para comemorar a dedicação da Igreja de Santa Maria Maior no Monte Esquilino em Roma. A igreja foi originalmente construída pelo Papa Libério (352-366) e foi nomeada por sua causa “Basilica Liberii” ou “Liberiana“. Foi restaurada pelo Papa Sixto III (432-440) e dedicada a Nossa Senhora. Desde aquela época ela foi conhecida como “Basilica S. Mariæ” ou “Mariæ Majoris“; a partir do século VII ficou conhecida também como “Maria ad Præsepe“. O título “ad Nives” (das Neves) originou-se algumas centenas de anos depois, tal como a lenda que deu seu nome à igreja. A lenda diz o seguinte: durante o pontificado de Libério, o patrício romano João e sua esposa, que não tinham herdeiros, fizeram um voto segundo o qual doariam suas posses a Nossa Senhora. Eles oraram a ela para saber de que maneira deveriam dispor a propriedade em sua honra. Em 5 de agosto, durante a noite, a neve caiu sobre o cume do Monte Esquilino e, em obediência a uma visão que eles tiveram na mesma noite, construíram uma basílica, em honra a Nossa Senhora, no local que estava coberto com a neve. Devido ao fato de que não há qualquer menção feita a respeito desse alegado milagres senão alguns séculos depois, nem mesmo por Sixto III em sua inscrição dedicatória de oito linhas [editada por de Rossi, “Inscript. Christ.“, II, I (Rome, 1888), 71; Grisar (que falhou em comprovar a autenticidade do alegado milagre), “Analecta Romana”, I (Rome, 1900), 77; Duchesne, “Liber Pontificalis“, I (Paris, 1886), 235; Marucchi, “Eléments d’archéologie chrétienne“, III (Paris and Rome, 1902), 155, etc.], parece que a lenda não tem base histórica. A festa era originalmente celebrada apenas em Santa Maria Maior; no século XIV ela foi estendida a todas as igrejas de Roma e finalmente converteu-se numa festa universal por Pio V. Clemente VIII a elevou de festa dupla para dupla maior. A missa é a comum das Festas da Santíssima Virgem; o ofício também é o comum da Santíssima Virgem, com a exceção da segunda Noturna, na qual se conta o alegado milagre. A congregação que Bento XVI instituiu para a a reforma do Breviário em 1741, propôs que a leitura da lenda fosse suprimida do ofício e que a festa deveria novamente receber seu nome original, “Dedicatio Sanctæ Mariæ“.


Bibliografia:

Analecta Juris Pontificii, XXIV (Rome, 1885), 915; HOLWECK, Fasti Mariani (Freiburg, 1892), 164-6.

Fonte:

Ott, Michael. “Our Lady of the Snow.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 11. New York: Robert Appleton Company, 1911. 3 Aug. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/11361c.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.