Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Festa da Purificação da Santíssima Virgem

Frederick Holweck, Enciclopédia Católica

Também chamada Festa da Candelária e Festa da Apresentação do Menino Jesus no Templo. No Rito Latino, é observada em 2 de fevereiro.

De acordo com a lei mosaica, uma mãe que deu à luz uma criança do sexo masculino era considerada impura por sete dias; Ela também deveria ficar trinta e três dias “na purificação de seu sangue”; mas se ela deu à luz uma menina, o tempo que excluiu a mãe do santuário era dobrado. No final do tempo de sua purificação (quarenta ou oitenta dias) a mãe tinha que “levar ao Templo um cordeiro para o holocausto e uma pomba ou uma rolinha para o pecado”; se ela não pudesse oferecer um cordeiro , poderia apresentar duas rolinhas ou dois filhotes; o sacerdote orava por ela e depois ficava limpa ( Levítico 12: 2-8).

Quarenta dias depois do nascimento de Cristo, Maria cumpriu este preceito da lei; Ela redimiu seu primogênito no Templo (Números 18:15) e foi purificada pela oração do Abençoado Simeão, na presença de Ana, a profetisa (Lucas 2:22 ss.). Sem dúvida, a Igreja primitiva de Jerusalém celebrou este evento, a primeira apresentação solene de Cristo na casa de Deus. Isto se encontra testemunhado durante a primeira metade do século IV pelo peregrino de Bordeaux, Egéria ou Sílvia. O dia (14 de fevereiro) foi solenemente mantido com uma procissão à Basílica Constantiniana da Ressurreição , uma homilia acerca de Lucas 2:22 ss. e o Santo Sacrifício . Mas ainda assim a festa não tinha nome próprio; foi chamada simplesmente o quadragésimo dia após a Epifania. Esta última circunstância prova que a Epifania em Jerusalém foi então a Festa do Nascimento de Cristo.

De Jerusalém esta festa do quadragésimo dia foi estendida a toda a Igreja, e mais tarde foi celebrada em 2 de fevereiro, pois nos últimos vinte e cinco anos do quarto século a festa romana da Natividade de Cristo foi introduzida (25 de dezembro).  Isso foi testemunhado em Antioquia em 526 (Cedreno); O imperador Justiniano apresentou-a a todo o Império do Oriente (542) em agradecimento pela cessação da grande peste que havia despovoado a cidade de Constantinopla. Na Igreja Grega foi chamada Hypapante tou Kyriou, o encontro (ocorrido) do Senhor e sua mãe com Simeão e Ana. Os armênios chamam-na: “A vinda do Filho de Deus ao Templo” e ainda a observam em 14 de fevereiro (Tondini di Quaracchi, Calendrier de la Nation Arménienne, 1906, 48); os coptas chamam de “a apresentação do Senhor no Templo” ( Nilles , Kal. Man., II 571, 643). Talvez o decreto de Justiniano também tenha dado à Igreja Romana (a Gregório I ?) A ocasião de apresentar esta festa, mas ainda há falta de informação definitiva sobre este ponto.

A solenidade aparece no sacramentário gelasiano (tradição manuscrita do século VII) sob o novo título de Purificação da Virgem Maria, mas a procissão não é mencionada. O papa Sérgio I (687-701) introduziu uma procissão para este dia. O sacramentário gregoriano (tradição do século VIII) não fala dessa procissão, fato que comprova que a procissão de Sérgio era “a da estação” ordinária, não o ato litúrgico de hoje. Certamente, o Papa Gelásio não introduziu esta festa para suprimir os excessos da “Lupercalia” [1] ( Migne , Missale Gothicum, 691), e ela se espalhou lentamente no Ocidente; não é encontrado na “Lecionário” de Silos (650), nem no “Calendário” (731-741) de Santa Genoveva de Paris . No Oriente, foi celebrada como uma festa do Senhor; no Ocidente como uma festa de Maria; embora o invitatório (Gaude et lætare, Jerusalem, occurrens Deo tuo), as antífonas e os responsórios nos lembram de sua concepção original como uma festa do Senhor. A bênção das velas não entrou em uso comum antes do século XI; isso não tem nada em comum com a procissão da “Lupercalia“. Na Igreja Latina, esta festa (Purificatio B.M.V.) é uma dupla de segunda classe. Na Idade Média, teve uma oitava na maioria das dioceses; Também hoje as ordens religiosas cujo propósito especial é a veneração à Mãe de Deus (Carmelitas, Servitas) e muitas dioceses (Loreto, a província de Siena, etc.) celebram a oitava.

Bênção das velas e procissão

De acordo com o Missal Romano, depois da Tertia o celebrante, vestido de estola e pluvial roxos, fica do lado do altar de onde a epístola é lida e abençoa as velas (que devem ser feitas com ceras de abelha) Tendo cantado ou recitado as cinco orações prescritas, asperge e incensa as velas; então ele as distribui ao clero e aos leigos enquanto o coro canta “O Cântico de Simeão (Nunc Dimittis)” O hino “Lumen ad revelationem gentium et gloriam plebis tue Israel” é repetido após cada verso, de acordo com o costume medieval de cantar as antífonas Durante a procissão que se segue, e em que todos os presentes levam velas acesas nas mãos, o coro canta o hino “Adorna thalamum tuum, Sion“, composto por São João Damasceno , uma das poucas peças cujo texto e música a Igreja Romana tomou emprestado dos gregos. As outras antífonas são de origem romana.

A procissão solene representa a entrada de Cristo, que é a Luz do Mundo, no Templo de Jerusalém. Constitui uma parte essencial dos serviços litúrgicos do dia, e deve ser celebrada em cada paróquia onde os ministros requeridos podem ser encontrados. A procissão é sempre celebrada em 2 de fevereiro, embora o Ofício e a Missa da festa tenham sido transferidos para o dia 3 de fevereiro. Antes da reforma da liturgia latina por São Pio V (1568), nas igrejas do norte e oeste dos Alpes esta cerimônia foi mais solene. Após a quinta oração, um prefácio era cantado. O hino “Ave Maria” precedia o “Adorna“. Enquanto agora a procissão é realizada dentro da igreja, na Idade Média o clero deixava a igreja e visitava o cemitério que a rodeava. Uma vez que a procissão retornava, um padre com a imagem do Deus Menino, recebia-a na porta e entrava na igreja com o clero, que cantava o hino de Zacarias, o “Benedictus Dominus Deus Israel”. Na conclusão, ao entrar no santuário, o coro cantava o responsório “Gaude Maria Virgo” ou a prosa “Inviolata” ou alguma outra antífona em honra da Santíssima Virgem.


[1] Lupercalia: Festival da fertilidade na Roma Antiga que se celebrava em 15 de fevereiro em honra ao deus pastoral Luperco.

Fonte: Holweck, Frederick. “Candlemas.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 3. New York: Robert Appleton Company, 1908. 30 Oct. 2010 <http://www.newadvent.org/cathen/03245b.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <https://ec.aciprensa.com/wiki/Fiesta_de_la_Purificaci%C3%B3n_de_Mar%C3%ADa>. 

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.