Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Gabriel García Moreno

Ewan Macpherson, Enciclopédia Católica

Patriota e estadista equatoriano, nascido em Guayaquil em 24 de dezembro de 1821 e morto em Quito em 6 de agosto de 1875. Seu pai, Gabriel García Gómez, natural de Villaverde em Castilla La Vieja, estava engajado no comércio de El Callao antes de se mudar para Guayaquil, onde ele se casou com a Sra. Mercedes Moreno, a mãe do futuro presidente equatoriano martirizado. Gabriel García Gómez morreu quando seu filho ainda era muito jovem e a educação do menino foi dada aos cuidados de sua mãe, que parece ter sido uma mulher com uma habilidade incomum para essa tarefa; ela também teve a sorte de ter Fr. José de Betancourt como o tutor de seu filho, o famoso mercedário sob cuja tutela o jovem Gabriel García Moreno faria um rápido progresso.

Tendo perdido grande parte da fortuna de seu pai, o jovem conseguiu, não sem grande esforço, frequentar o curso universitário em Quito. Uma vez superadas essas dificuldades materiais, passou brilhantemente pelas diferentes escolas, destacando-se sobretudo por seus contemporâneos, e em 26 de outubro de 1844 recebeu o grau de Doutor em Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Quito.

Menos de um ano após sua formatura, o jovem García Moreno começou a participar ativamente da política equatoriana, juntando-se ao movimento revolucionário que finalmente substituiu a administração de Flores por Roca (1846). Ele logo se destacou como um satirista político por suas colaborações em “El Zurriago”, mas o que em breve pressagiava as conquistas de sua maturidade foi seu trabalho útil e eficaz no Conselho Municipal de Quito. Ao mesmo tempo, ele estava estudando a prática legal e em 30 de março de 1848 ele foi admitido como advogado. Imediatamente após as Flores deposto, apoiadas pelo governo espanhol, tentaram recuperar a presidência do Equador.

García Moreno saiu indubitavelmente em defesa do governo da Roca e quando essa administração caiu em 1849, entrou em seu primeiro período de exílio. Depois de passar alguns meses na Europa, ele retornou à sua república nativa, trabalhando em um empreendimento mercantil e foi então que ele deu o passo decisivo que o marcaria visivelmente como um inimigo do anti-católico ou liberal, como eles preferiam se chamar.

No Panamá, ele encontrou um grupo de jesuítas que havia sido expulso da República de Nova Granada e desejava encontrar asilo no Equador. García Moreno tornou-se o protetor desses religiosos e navegou com ele para Guayaquil; mas no mesmo navio que transportava os jesuítas e seu campeão, um enviado de Nova Granada também viajou com o propósito explícito de influenciar diplomaticamente o ditador Diego Noboa para garantir a exclusão dos religiosos do território equatoriano. Assim que o navio entrou no porto de Guayaquil, García Moreno conseguiu entrar em um barco e desembarcar algum tempo antes do novo enviado de Granada; a permissão necessária foi concedida pelo governo do Equador e os jesuítas entraram no país.

A rapidez com que a notícia dessa façanha se espalhou entre os anticatólicos da América do Sul é demonstrada pelo fato de que em menos de um ano o neogranadino Jacobo Sánchez atacou García Moreno no panfleto “Don Felix Frias em Paris e os jesuítas em Equador “; cuja resposta de García Moreno foi uma hábil “Defesa dos Jesuítas”.

Em 1853, ele começou a publicar “La Nación”, um jornal que, de acordo com sua perspectiva, visava combater a tendência do governo de explorar as massas para o benefício material das pessoas no poder. Ao mesmo tempo, o programa de García Moreno visava clara e abertamente defender a religião do povo. Ele já era conhecido como amigo dos jesuítas; Ele agora assumiu o papel de amigo das pessoas comuns, com as quais permaneceu sincera e tenazmente até o dia de sua morte. A facção de Urbina, então no poder, rapidamente reconheceu a importância do “La Nación”; sendo suprimido antes do aparecimento de seu terceiro número; e seu dono, exilado pela segunda vez. Entretanto, tendo sido eleito senador pela sua província natal de Guayaquil, foi impedido de ocupar o seu lugar porque tinha regressado a Quito sem passaporte.

Depois de uma temporada em Paita, García Moreno visitou novamente a Europa. Ele tinha agora trinta e três anos e sua experiência na vida política do Equador o convencera profundamente da necessidade de ilustração do povo. É sem dúvida com esta convicção como seu guia e incentivo que ele passa mais de um ano em Paris, em vez de qualquer deleite, como um estudante incansável não só da ciência política, mas também de matemática superior, química e sistema de educação pública da França. Depois de voltar para casa sob uma anistia geral em 1850, tornou-se reitor da Universidade de Quito, uma posição que ele usou para começar a dar master classes em ciências físicas. No ano seguinte, ele estava no Senado, em oposição ativa ao Partido Maçônico que havia conquistado o controle do governo, enquanto ele lutava energicamente e persistentemente, mas sem sucesso, para promulgar uma lei que estabelecia um sistema de educação pública modelado após o França Em 1858, ele novamente fundou um jornal, “A União Nacional”, que se mostrou pernicioso para o governo por sua ousada exposição à corrupção e sua oposição ao uso arbitrário da autoridade; e mais uma vez houve uma crise política.

García Moreno era, em princípio, um defensor dos processos ordenados de governo, a sinceridade de suas declarações a esse respeito foi apenas demonstrada em sua carreira política subseqüente, mas nesse momento ele tinha que perceber que seu país permanecia oprimido por uma oligarquia corrupta, comprometida com a supressão da Igreja, da qual a massa absoluta de seus compatriotas era devotada, também preparada para manter as massas na ignorância, a fim de controlá-las mais facilmente. Nosso personagem havia atacado, anos atrás, a “indústria revolucionária”, frase provavelmente usada pela primeira vez por ele, no prospecto de “La Nación”; agora tornou-se necessário descer a métodos revolucionários. Além disso, a pequena república do Equador estava ameaçada naquele momento por seu vizinho mais poderoso do sul: o Peru.

García Moreno, embora certo da oposição dos chamados liberais, foi reconhecido na época pelas massas como um líder fiel à sua fé comum e sua terra natal, e, portanto, foi capaz de organizar a revolução que o fez chefe do governo provisório estabelecido em Quito. A república estava agora dividida: o general Franco liderou um governo rival em Guayaquil.

Em vão, García Moreno se ofereceu para compartilhar sua autoridade com seu antagonista em prol da unidade nacional. Como medida defensiva contra a ameaça da invasão peruana, ele entrou em negociações com um enviado francês com a intenção de assegurar a proteção da França, um erro político do qual seus inimigos conheceriam ao extremo. Ele foi agora forçado a assumir o papel de líder militar, pelo qual ele possuía pelo menos as qualidades de coragem pessoal e determinação e resolução rápida. Enquanto García Moreno infligiu derrota após derrota aos partidários de Franco; ele, como se representando o Equador, assinou o tratado de Mapasingue com o Peru. O povo equatoriano se levantou, indignado com as concessões feitas naquele tratado; e Franco, mesmo afastado de seus próprios seguidores, foi derrotado em Babahoya (7 de agosto de 1860) e novamente no Rio Salado, onde acabou refugiando-se em um navio peruano. Quando seu adversário já havia sido expulso energicamente do país, García Moreno mostrou sua magnanimidade em uma proclamação em que procurava curar o mais rapidamente possível as feridas da guerra civil: “A república deve considerar-se como uma família; as antigas demarcações dos distritos devem ser eliminadas, a fim de impossibilitar as ambições particulares “. Durante a reorganização da Assembléia Constituinte, convocada para janeiro de 1861, ele insistiu que o sufrágio não deveria ser territorial, mas “direto e universal, sob as necessárias garantias de inteligência e moral, e o número de representantes deveria corresponder proporcionalmente ao dos eleitores representados. ” A Convenção, que se reuniu em 10 de janeiro, elegeu García Moreno como presidente; dando a este seu discurso inaugural o 2 de abril seguinte. Começou então com uma série de reformas, entre as quais a restituição dos direitos da Igreja e uma reconstrução radical do sistema tributário. Imediatamente ele teve que lidar com as maquinações de seu velho adversário Urbina, que de seu refúgio no Peru, manteve intrigas incessantes junto com a oposição local e até com as repúblicas vizinhas. García Moreno logo chegou a um acordo sensato e honrado com o governo peruano.

Uma violação do território equatoriano por Nova Granada, que apesar de ter levado a uma colisão hostil da qual o próprio García Moreno participou, não teve graves consequências até que a administração de Arboledo foi sucedida pela do general Mosquera, cuja ambição era fazer de Nueva Granada o núcleo de uma grande “Confederação Colombiana”, na qual o Equador seria incluído. Urbina escreveu cartas encorajando o neogranadino ou ditador colombiano que conspirou contra a independência do Equador. Um convite a García Moreno para conversar com Mosquera evidenciou com indicações muito claras de que, com relação ao desaparecimento do Equador como nação, não havia nada a conferir. Enquanto isso, a República do Equador havia ratificado uma concordata com o papa Pio IX (1862); e o descontentamento do partido regalista local com as estipulações daquele instrumento deu um excelente pretexto a Mosquera para abusar dos direitos de seus vizinhos. Os regalistas foram, sem o conhecer, um tipo de erastianos que sustentavam que a designação de benefícios eclesiásticos era um poder inalienable do poder civil. O presidente equatoriano foi acusado de “desprezar a Colômbia, acorrentada aos pés de Roma”; Urbina emitiu manifestos do Peru, no sentido de “América do Sul para os sul-americanos”; enquanto ele expunha ponto por ponto a proclamação do Presidente Mosquera, junto com outros aspectos que pareciam introduzidos apenas para fingir; Seus verdadeiros motivos para protestar contra García Moreno eram três: que ele tivesse ratificado a Concordata, mantida por um representante da Santa Sé em Quito e que levara os jesuítas para o Equador. Deve-se enfatizar agora, incidentalmente, que se Mosquera tivesse acrescentado à sua lista de ofensas a insistência na educação primária gratuita para as massas, as rigorosas auditorias nas contas fiscais e um investimento considerável em estradas e outros bens públicos, sua proclamação Teria servido adequadamente como o veredicto pelo qual García Moreno foi condenado e finalmente assassinado por aqueles a quem Pio IX ironicamente chamava de “bravos sectários”.

Mosquera estava determinado a ter uma guerra e todos os esforços do governo equatoriano não valeram a pena para impedi-lo. Na batalha de Cuaspud, todos os batalhões equatorianos fugiram com vergonha, com exceção de dois. É surpreendente, considerando as razões pelas quais ele declarou a guerra, que Mosquera, no tratado de paz de Pisanqui que se seguiu a esta vitória, tenha deixado a Concordata de 1862, o Delegado Apostólico e os Jesuítas como eram antes. Em março de 1863, García Moreno apresentou sua renúncia à Assembléia Nacional; que insistiu que permanecesse no cargo até a expiração de seu mandato. No entanto, ele teve que enfrentar repetidas revoltas e ataques de obstrução durante os dois anos seguintes. Depois de ter poupado a vida dos líderes de um desses movimentos, apesar de terem incorrido tanto por lei como por costume em um crime digno de pena de morte, ele foi severamente criticado por ordenar a execução de outro rebelde quando ficou evidente que tal exemplo foi necessário para a paz da república. Na batalha naval de Jambelí (27 de junho de 1865), na qual García Moreno estava presente, a derrota das forças de Urbina foi completa, e a tranquilidade reinou até o término do mandato presidencial, no dia 27 de agosto seguinte.

No ano seguinte começou o que poderia ser considerado uma série conectada de ataques que terminariam, nove anos depois, com o assassinato de García Moreno. A disputa entre a Espanha e o Peru pelas Ilhas Chincha levou a uma guerra na qual, seguindo o conselho de García Moreno, seu sucessor, Jerónimo Carrión, instou o Equador a compartilhar o destino de sua irmã república e seu então aliado Chile. 

O ex-presidente foi enviado como ministro plenipotenciário do Chile, com uma comissão para chegar a um acordo sobre a forma de um negócio com o presidente Prado del Peru. Após sua chegada em Lima, ocorreu um ataque para assassiná-lo que terminou com a morte do agressor. Sua missão diplomática foi um sucesso para as relações amistosas entre o Equador e seus vizinhos; A permanência em Santiago também inspirou uma profunda admiração pelo Chile, e até concebeu uma mudança na constituição equatoriana para torná-la mais parecida com a do Chile, um projeto que ocorreu na Convenção Nacional de 1869. Voltando ao Equador, foi encontrado em segundo lugar. uma vez no desagradável papel de líder de uma revolução. Para antecipar uma trama que os liberais eram conhecidos para preparar, liderada por um defensor de Urbina, os conservadores do Equador se revoltaram, declarando Carrión deposto, e nomeação de García Moreno como chefe do governo provisório. A justiça das razões que levaram a esta ação extrema foi demonstrada pelo ataque de Veintemilla, em Guayaquil, apenas dois meses depois, em março de 1869.

Tendo sido devidamente confirmado como presidente interino pela Convenção Nacional de maio de 1869, García Moreno retomou seu trabalho para o esclarecimento e o bem-estar religioso de seu povo. Foi durante esses últimos anos de sua vida que ele fez muito pelo ensino de ciências físicas na universidade, colocando ali os padres alemães da Companhia de Jesus. Escolas de medicina e hospitais na capital se beneficiaram grandemente desses esforços inteligentes e zelosos. Em setembro de 1870 as tropas de Victor Manuel ocuparam Roma; e em 18 de janeiro de 1871; García Moreno, sozinho entre todos os governantes do mundo, enviou um protesto ao rei da Itália pelo saque da Santa Sé. O Papa manifestou o seu apreço por essa explosão de lealdade ao conferir ao presidente do Equador a decoração de primeira classe da Ordem de Pio IX com um Breve de louvor datado de 27 de março de 1871. Por outro lado, era notório que certas lojas haviam decretado formalmente a morte de García Moreno, que, em carta ao Papa, na época usava as seguintes palavras quase proféticas: “Que riqueza é para mim, Santo Padre, ser odiado e difamado por meu amor por Nosso Divino Redentor! Que felicidade se sua bênção me der a graça celestial para derramar meu sangue por Ele, que sendo Deus, Ele quis derramar Seu Sangue por nós na Cruz! “. Objeto de inúmeras tramas contra a sua vida, García Moreno continuou sua jornada com confiança tranquila em seu futuro e em sua terra natal. “Os inimigos de Deus e da Igreja podem me matar”, ele disse uma vez, “mas Deus não morre”.

Ele havia sido reeleito presidente e logo entraria em outro mandato, quando, no final de julho de 1875, a polícia de Quito foi informada de que um grupo de assassinos havia começado a seguir os passos de García Moreno. O chefe de polícia, no entanto, advertiu a vítima em potencial; mas desencorajou todas as tentativas de protegê-lo com cautela, quase desculpando o descuido de seus guardiões oficiais. Foi revelado que durante a quinzena que precedeu o ataque bem-sucedido, os próprios assassinos haviam falhado pelo menos duas vezes devido à ausência do presidente nas ocasiões em que era esperado. Finalmente, na tarde de 6 de agosto, os assassinos encontraram suas presas desprotegidas, deixando a casa de alguns amigos muito queridos; eles o seguiram até chegar ao Tesouro e lá Faustino Rayo, o líder da gangue, atacou-o de repente com um facão infligindo seis ou sete feridas, enquanto os outros compareceram ao seu propósito de disparar seus revólveres. Ao saber da morte de García Moreno, o Papa Pio IX ordenou uma missa solene de Réquiem realizada na Igreja de Santa Maria in Trastevere. O mesmo Sumo Pontífice ergueu um monumento à sua memória no Colégio Pio-Latino em Roma, onde é designado:

Religionis integerrimus custos 
Auctor studiorum optimorum 
Obsequentissimus in Petri sedem 
Justitiae cultor; scelerum vindex.


Bibliografia: Os materiais para este artigo são derivados de uma biografia, extremamente rara hoje, escrita por um amigo pessoal e parceiro político de García Moreno: HERRERA, Notas sobre a Vida de García Moreno. Veja também: BERTHES, Gabriel García Moreno (Paris); Les Contemporains (Paris, sd), eu; MAXWELL-SCOTT, Gabriel Garcia Moreno, Regenerador do Equador na série St. Nicholas (Londres e Nova York, 1908).

Fonte: Macpherson, Ewan. “Gabriel García Moreno.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 6. New York: Robert Appleton Company, 1909. 13 Nov. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/06379b.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/Gabriel_García_Moreno>.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.