Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vigésimo Terceiro Domingo depois de Pentecostes

D. Crisóstomo d’Aguiar

Já ouvimos a Igreja insistindo em nos preparar para o grande “dia de Cristo” – o dia do Juízo, que se há de seguir às derradeiras convulsões do mundo (Epístola). A melhor preparação consiste em fazer o que Jesus disse, quando respondia a uma pergunta capciosa dos seus inimigos: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Evangelho).

Hoje S. Paulo (Epístola) insiste de novo no pensamento da última vinda de Jesus Cristo à terra, pensamento que tão fortemente preocupava as primeiras gerações cristãs, e tanto deve emocionar todos os fiéis que bem pensam e refletem na palavra de Deus.

O mal, no fim do mundo, há de recrudescer na terra, e arrefecerá muito a caridade. Sobre os homens virão provas sem conta, como já se viu sobre os Israelitas inimigos de Jesus (Epístola).

Então chamar-se-á pelo Senhor (Gradual), e Ele, que é Deus de paz e misericórdia, e sempre escuta as preces que se lhe fazem com fé (Comunhão), perdoará as ofensas que recebe, e libertará a todos, gentilidade e sinagoga (Introito e Gradual), figuradas, diz S. Jerônimo, nas duas mulheres que o Evangelho nos apresenta curadas por Jesus.


[Segue abaixo o texto do próprio da Missa do Vigésimo Terceiro Domingo depois de Pentecostes]

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.