Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

O Santíssimo Nome de Jesus

[2 de janeiro ou domingo entre a Circuncisão e a Epifania]

D. Crisóstomo d’Aguiar

As primeiras origens desta festa remontam ao século XVI apenas.

A Ordem de S. Francisco celebra-a desde então; mas só por 1721 é que a Igreja a estendeu a toda a Cristandade. Foi por ocasião da Circuncisão que, diz o Evangelho, “o menino recebeu o nome de Jesus”, “como Deus tinha mandado que se lhe desse”, acrescenta a Oração.

Jesus quer dizer Salvador. Se queremos ser salvos, ver nossos nomes inscritos no Céu, como a Liturgia pede na oração depois da Comunhão, tenhamo-lo sempre nos lábios cá na terra.

Para nos estimular à santa prática de pronunciar muitas vezes o nome de Jesus, concederam os Pontífices vinte dias de indulgência a quem respeitosamente inclina a cabeça pronunciando ou ouvindo pronunciar os nomes de Jesus e de Maria, e São Pio X concedeu 300 dias aos que invocarem piedosamente com os lábios ou ao menos com o coração. Utilizemos estas graças.

O santíssimo Nome de Jesus exprime o que de mais sublime e humilde puderam inventar a sabedoria e a misericórdia de Deus para nos salvar.

Havendo-o pronunciado e amado cá na terra, ele figurará na nossa fronte de predestinados, no Céu.

[Segue abaixo texto contendo o próprio da Missa]

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.