Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Festa da Santíssima Trindade

D. Crisóstomo d’Aguiar

Não cessaram ainda os ecos da solenidade de Pentecostes, e já a Liturgia canta um novo cântico em honra da adorável Trindade, pois é pela contemplação deste altíssimo mistério que a Igreja, nossa mãe, quer encerrar o Ciclo festivo que relembra a economia da nossa salvação.

A Santíssima Trindade é princípio e fim do culto católico e assim não admira que, pelo ano adiante, se multipliquem, nas fórmulas cultuais, louvores das Três Pessoas divinas.

Em cada uma das Horas canônicas, o Gloria Patri, encontrando-se no fim dos salmos, hinos, cânticos e orações, dá no Ofício divino a maravilhosa unidade que nele se observa. A seu turno todo o Ciclo litúrgico gravita na mesma órbita da glorificação divina.

Iniciando-se no Avento, quando nos mostra a segunda Pessoa, Verbo “descendo do seio do Pai a tomar carne e habitar entre nós”, faz-nos ver o “gigante que salta do seio do Pai”, fazendo rápida carreira na plena execução da vontade do seu Pai, até que “entre as mãos do Pai entrega a sua alma”, ressuscita, sobe ao Céu, e de lá manda o seu Espírito Santo, que continuará, duma maneira invisível, a guiar e a orientar as almas, feito na vida da Igreja como que “agente permanente do Pai e do Filho”.

Não nos admiremos, pois, que a Igreja instituísse uma festa que tivesse por objeto especial o culto da Trindade Santa, depois de nos ser dado contemplar, um a um, os mistérios da Redenção.

Façamos com a Liturgia profissão de fé na santa e eterna Trindade bem como na sua indivisível unidade (Secreta) e estaremos armados contra todas as adversidades (Oração).


[Segue abaixo o texto do próprio da Missa da Festa da Santíssima Trindade]

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.