Vida de São João Batista

 
 São João Batista, por Juan de Juanes


Charles Souvay, Enciclopédia Católica

As principais fontes relacionadas à vida e ministério de São João Batista são os evangelhos canônicos. Destes, São Lucas é o mais completo, porque inclui as maravilhosas circunstâncias que acompanharam o nascimento do Precursor e detalhes sobre seu ministério e sua morte.

O Evangelho segundo São Mateus está intimamente relacionado ao de São Lucas, pois se refere ao ministério público de João, mas não contém nada relacionado ao início de sua vida. De São Marcos, cujo relato da vida do Precursor é muito escasso, nenhum novo detalhe pode ser reunido. Finalmente, o quarto Evangelho tem essa característica especial, que dá o testemunho de São João após o batismo do Salvador. Além das indicações fornecidas por esses escritos, alusões passageiras ocorrem em passagens como Atos 13:24; 19,1-6; mas são poucos e referem-se ao assunto apenas indiretamente. A isto deve ser adicionado o que Flávio Josefo relata em suas Antiguidades Judaicas (XVIII, V, 2); mas deve ser lembrado que infelizmente é errático em suas datas, errado em nomes próprios, e parece manipular os fatos de acordo com suas próprias opiniões políticas; no entanto, o seu juízo sobre João, nos diz sobre a popularidade do Precursor, juntamente com alguns pequenos detalhes são dignos da atenção de historiador. Não se pode dizer o mesmo dos evangelhos apócrifos, já que a escassa informação que eles dão do Precursor é copiada dos Evangelhos canônicos (e não acrescenta autoridade a eles), ou então é um conjunto de divagações infundadas.

Zacarias, o pai de João Batista, era um sacerdote da linhagem de Abias, a oitava das vinte e quatro classes em que os sacerdotes estavam divididos (I Crônicas 24: 7-19); Isabel, a mãe do Precursor, era "um descendente de Arão" segundo São Lucas (1,5); o mesmo evangelista, alguns versos depois (1,36), chama-lhe "primo" (syggenis) de Maria. Estas duas afirmações parecem contraditórias; então, se perguntará, como poderia ela ser prima da Santíssima Virgem sendo "descendente de Arão"? O problema poderia ser resolvido adotando a leitura dada em uma antiga versão persa, onde encontramos "irmã da mãe" (metradelphe) ao invés de "prima". Uma explicação um tanto análoga, provavelmente tirada de alguns escritos apócrifos, e talvez correta, é dada por São Hipólito (em Nicefor., II, iii). Segundo ela, Mathan tinha três filhas, Maria, Soba e Ana. Maria, a mais velha, casou-se com um homem de Belém e era a mãe de Salomé; Soba também era casada em Belém, mas com "um filho de Levi", com quem gerou Isabel; Ana se casou com um galileu (Joaquim) e deu à luz Maria, a mãe de Deus. Assim, Salomé, Isabel e a Santíssima Virgem eram irmãs de primos, e Isabel, "descendente de Aarão" por linha paterna, era, por sua mãe, prima de Maria. A casa de Zacarias é designada apenas vagamente por São Lucas: era "uma cidade de Judá", na "região montanhosa" (1, 39). Reland, defendendo o pressuposto injustificado de que Judá pode ser um erro de ortografia do nome, proposto para ler em vez dele, Jutta (Josué 15,55; 21,16), uma cidade sacerdotal sul de Hebron. Mas os sacerdotes nem sempre viviam em cidades sacerdotais (a casa de Matatias ficava em Modin, a casa de Simão Macabeu em Gaza). Uma tradição que pode ser rastreada até o tempo antes das Cruzadas, aponta para a pequena cidade de Ain-Karim, cinco milhas a sudoeste de Jerusalém. 

O nascimento do Precursor foi anunciado da maneira mais chocante. Zacarias e Isabel, como sabemos de São Lucas, "eram os dois justos diante de Deus e andavam sem culpa em todos os mandamentos e preceitos do Senhor; não tiveram filhos, porque Isabel era estéril" (1,6-7). Eles oraram tanto que sua união seria abençoada com os filhos; mas, agora que "ambos eram de idade avançada", o opróbrio da esterilidade pesava sobre eles. "Aconteceu que, enquanto [Zacarias] oficiava perante Deus, na ordem da sua turma, lhe ocorreu de entrar no santuário do Senhor para acender o incenso, conforme era previsto por seu serviço sacerdotal. Toda a multidão estava em oração fora do templo, [...] na hora do incenso lhe apareceu um anjo do Senhor parado no lado direito do altar. Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e o medo apoderou-se dele. O anjo lhe disse: não temas, Zacarias, porque a tua oração foi ouvida. Isabel, sua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome João; será para ti gozo e alegria, e muitos exultarão com o seu nascimento, pois ele será grande diante do Senhor. Não beberá vinho, nem licor; estará cheio do Espírito Santo já desde o seio de sua mãe e converterá muitos filhos de Israel ao Senhor teu Deus, e será animado com o espírito e o poder de Elias, para converter os corações dos pais para filhos e rebeldes para a sabedoria dos justos, para preparar ao Senhor um povo bem disposto” (1, 8-17). Como Zacarias, hesitou em acreditar nessa previsão surpreendente, o anjo lhe anunciou que, em punição por sua descrença, ele seria afetado pela mudez até que a promessa foi cumprida. E "quando se cumpriram os dias do seu serviço, ele foi voltou para casa. Dias depois, sua esposa Isabel concebeu; e permaneceu escondida durante cinco meses" (1,23-24).

Durante o sexto mês, a Anunciação ocorreu e, como Maria ouvira o anjo que sua prima havia concebido, foi prontamente parabenizá-la. "E assim que Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança" - cheia, como a mãe, do Espírito Santo - "pulou de alegria em seu ventre", como se reconhecesse a presença de seu Senhor. Então a declaração profética do anjo que a criança seria "cheia do Espírito Santo desde o ventre de sua mãe" foi cumprida. Logo, desde que a presença de qualquer pecado é incompatível com a presença do Espírito Santo na alma, segue-se que neste momento João foi purificado da mancha do pecado original. Quando "chegou, a Isabel, o tempo para dar à luz, ela teve um filho (1, 57) e "no oitavo dia eles foram circuncidar a criança, ao que os do templo quiseram nomeá-la de Zacarias, como seu pai. Mas sua mãe, tomando a palavra, lhes disse: Não. Deve chamar-se João. Eles questionaram: Não há ninguém em tua família que tenha esse nome. Então, perguntaram por sinais ao pai como ele queria que se chamasse o garoto. Zacarias pediu uma tábua e escreveu: João é o nome dele. E todos se admiraram"(1: 59-63). 

Em relação à data do nascimento de João Batista, nada pode ser dito com certeza. O Evangelho sugere que o Precursor nasceu cerca de seis meses antes de Cristo; mas o ano do nascimento de Cristo não foi determinado de forma estanque. É bem sabido que a fixação de Festa de Natal a 25 de dezembro não é baseada em evidências históricas, mas é, possivelmente, sugerida por considerações meramente astronômicos, também, talvez, deduzida do raciocínio astronômico-teológico. Dos primeiros anos da vida de João, São Lucas nos diz apenas que "o menino crescia e se fortalecia em espírito; viveu no deserto até o dia da sua manifestação a Israel" (1, 80). 

Passados entre 20 e 30 anos do nascimento de João, ele partiu para levar sua mensagem ao mundo. "No décimo quinto ano do império de Tibério César [...] a palavra de Deus veio a João, filho de Zacarias, no deserto. E ele percorreu toda a circunvizinhança do Jordão, pregando" (Lc. 3,1-3), não vestia roupas finas, como as de tribunal (Mt 11,8; Lc 7,24), mas "de couro de camelo, com um cinto de couro na cintura"; e "seus alimentos" - parecia não comer ou beber (Mt. 11,18; Lc 7,33) - "foram gafanhotos e mel selvagem"; (Mt 3,4; Mc 1,6). Figura firme, longe de sugerir a idéia de uma cana agitada pelo vento (Mt. 11,7; Lc 7,24) mostrou-se imperturbável. Alguns escarnecedores incrédulos fingiram-se escandalizados: "Ele tem demônio" (Mateus 11:18) No entanto, "Jerusalém, toda a Judéia, e toda a região do Jordão" (Mt 3,5), atraídos pela sua personalidade forte e atraente, vieram a ele”. A austeridade de sua vida aumentou imensamente o peso de suas palavras. Para as pessoas simples, era verdadeiramente um profeta (Mt 11: 9; cf. Lc 1,76,77). "Convertei-vos, pois o Reino dos Céus está próximo" (Mt 3,2), tal foi o refrão de seu ensino. Homens de todas as condições reuniam-se em torno dele.

Para confirmar as boas disposições dos seus ouvintes, bem como purificar seus corpos e almas, João batizava-os no rio Jordão. Tanto atraiu a atenção do público que foi apelidado de "Batista" (ou seja, o batizador), mesmo durante a sua vida (por Cristo, Mt. 11,11; por seus próprios discípulos, Lucas 7,20; por Herodes, Mateus 14, 2; por Herodias, Mt. 14,3). Seu direito de batizar foi questionado por alguns (João 1.5) fariseus, que recusaram submeter-se a tal cerimônia, argumentando que o batismo, como uma preparação para o reino de Deus, só foi relacionado com o Messias (Ezequiel 36,25; Zacarias 13.1, etc.). Mais tarde, nosso Salvador trouxe seu testemunho, quando, em resposta aos fariseus que tentavam fazê-lo cair numa armadilha, declarou implicitamente que o batismo de João era do céu (Mc. 11,30). Enquanto batizava, João, para que não cressem que era ele o Cristo, (Lc 3.15) insistia que era apenas seu precursor: "Eu vos batizo com água; mas aquele que é mais poderoso do que eu, e de quem não sou digno de desatar a correia das sandálias, Ele vos batizará com o Espírito Santo e o fogo. 

O Precursor estava pregando e batizando há algum tempo, quando veio Jesus da Galiléia ao Jordão para ser batizado por ele. Pode-se perguntar: por que, se não cometeu pecado? procurar "o batismo de arrependimento para a remissão dos pecados"? Os Padres da Igreja respondem muito apropriadamente que esta foi a ocasião prevista pelo Pai na qual Jesus iria se manifestar perante o mundo como Filho de Deus. Além disso, ao se submeter a ele, Jesus sancionou o batismo de João. "Mas João tentou impedi-lo dizendo: Sou eu quem precisa ser batizado por vós e vós que vindes a mim?" (Mt 3,14). 

Depois do batismo de Jesus, após o qual este saiu a pregar pelas cidades da Galiléia, indo à Judéia apenas ocasionalmente para os feriados, João continuou seu ministério no vale do Jordão. Foi neste momento "quando os judeus enviaram sacerdotes e levitas de Jerusalém para perguntar: Quem és tu? Ele respondeu: Eu não sou o Cristo. Perguntaram-lhe: És tu Elias? Ele disse: Eu não sou. Insistiram: És tu o profeta? Ele respondeu: Não. Então eles lhe disseram: Quem és tu, então, para darmos uma resposta àqueles que nos enviaram? O que dizes sobre si mesmo? Ao que João respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto. 

Entre os muitos ouvintes que cercavam São João, alguns, mais profundamente movidos por sua doutrina, permaneceram com ele, formando assim, ao redor de outros famosos doutores da lei, um grupo de discípulos. A estes exortou-os a jejuarem (Marcos, 2, 18), bem como formas especiais de oração (Lucas, 5, 33; 11, 1). Seu número, de acordo com a literatura pseudo-clementina, chegou a trinta (Hom. Ii, 23). Entre eles estava André de Betsaida da Galiléia (João 1:44). Um dia, quando Jesus estava passando ao longe, João apontou para ele e repetiu sua declaração anterior: "Eis o Cordeiro de Deus". Então André, com outro discípulo de João, ao ouvir isso, seguiu Jesus (João, 1, 36-38). 

O Precursor, após um lapso de vários meses, aparece novamente em cena, e ainda está pregando e batizando nas margens do Jordão (João, 3, 23). Jesus, por sua vez, reuniu em torno de si uma comitiva de discípulos, foi "à terra da Judéia, e ali estava com eles e batizava" (João, 3, 22) - "embora não tenha sido o próprio Jesus que batizava, mas seus discípulos "(João, 4, 2) - "Uma discussão surgiu entre os discípulos de João e os judeus [os melhores textos gregos têm "um judeu"] sobre a purificação" (João 3:25). Os discípulos de João vieram a ele: "Mestre, aquele que estava contigo além do Jordão, aquele de quem você testemunhou, está batizando e todos vão com ele" (João, 3, 26-27). Indubitavelmente, eles queriam insinuar que Jesus usurpara os “direitos de batismo” de João. O Batista respondeu: Ninguém pode reivindicar qualquer coisa se não lhe tiver sido dada do céu. Sois testemunhas de que eu disse que não sou o Cristo, mas sou enviado antes d’Ele. 

A narração acima recorda o fato antes mencionado (João 1: 28), que parte do ministério Batista foi exercido em Peréia. A parte mais significativa de suas ações, porém, foi ao longo das fronteiras da Galiléia. Peréia e Galiléia formaram a tetrarquia de Herodes Antipas. Este príncipe, digno filho de seu pai, Herodes, o Grande, tinha casado, provavelmente por razões políticas, com a filha de Aretas, rei dos nabateus. Mas durante uma visita a Roma, ele se apaixonou por sua sobrinha Herodias, esposa de seu meio-irmão Filipe (filho de Mariamne, o jovem), e induziu-a a ir à Galiléia. Quando e onde o Precursor conheceu Herodes não é dito, mas os Evangelhos sinóticos mostram que João se atreveu a repreender o tetrarca por suas más ações, especialmente seu adultério público. Herodes, influenciado por Herodias, não permitiu que o recriminador os importunasse impune, mandando prender João e amarrando-o na prisão. 

Na prisão, São João foi auxiliado por seus discípulos, que o mantiveram em contato com os acontecimentos do momento. Assim, ele aprendeu das maravilhas realizadas por Jesus. Não há indícios de que sua fé tenha sido abalada em momento algum. Entretanto, definhou por certo tempo na fortaleza de Maqueronte. A ira de Herodias, por sua vez, ao contrário da de Herodes, nunca diminuiu: ela esperou por sua chance. Durante uma festa, enquanto a moça dançava para ele cheia de sensualidade, o rei a disse: Conte-me o que queres e eu te darei. A menina saiu e perguntou à mãe: O que devo pedir? E ela respondeu: a cabeça de João Batista. Herodias voltou ao rei e disse: Eu quero que você me dê, num prato, a cabeça de João Batista. O rei angustiou-se profundamente, mas não iria rejeitar a oferta por causa do juramento. Então, um de seus guardas decapitou o Precursor e levou a cabeça à princesa.

A impressão duradoura deixado por João Batista sobre aqueles que estavam sob sua influência não pode ser melhor ilustrada do que ao mencionar o medo que tomou conta Herodes quando ouviu as maravilhas operadas por Jesus, que, para ele, era João revivido (Mateus, 14, 1,2 etc.). A influência do Precursor não morreu com ele. Foi de grande alcance, e isso sabemos por Atos, 18, 25; 19, 3, onde encontramos que os prosélitos em Éfeso receberam o batismo de Apolo o batismo de João. A data designada nos calendários litúrgicos para a morte de João Batista, 29 de agosto, dificilmente pode ser considerada confiável, porque não se baseia quase em documentos oficiais. O local do enterro foi fixado por uma antiga tradição em Sebaste (Samaria). Mas se há alguma verdade na alegação de Josefo de que João foi executado em Maqueronte, é difícil entender por que ele foi enterrado tão longe da fortaleza de Herodes. Mesmo assim, é perfeitamente possível que, em uma data posterior - desconhecida para nós - seus restos sagrados foram levados para Sebaste. Em todo caso, em meados do século IV, seu túmulo foi ali venerado, como sabemos pelo testemunho de Rufino e Theodoret. Estes autores acrescentam que o santuário foi profanado no tempo de Juliano, o Apóstata (por volta do ano 362), sendo os ossos parcialmente queimados. Uma parte das relíquias resgatadas foi levada para Jerusalém, depois para Alexandria; e lá, em 27 de maio de 395, essas relíquias foram depositadas na magnífica basílica agora dedicada ao Precursor, no local do famoso templo de Serapis. A tumba de Sebaste continuou, no entanto, sendo visitada por peregrinos piedosos, e São Jerônimo contribuiu com o testemunho dos milagres que lá ocorriam. Talvez algumas das relíquias tenham sido devolvidas a Sebaste.

A comemoração do seu nascimento de João Batista  uma das festas mais antigas, se não a mais antiga, introduzida na liturgia grega e latina para venerar um santo. Mas, por que é comemorado o dia de seu nascimento, enquanto nos outros santos é o dia de sua morte? Porque se entende que o nascimento de alguém que, ao contrário do resto, foi "cheio do Espírito Santo do seio de sua mãe", deve ser marcado como um dia de triunfo. João Batista já nasceu santo. Muitos lugares adotaram o costume de um ofício duplo neste dia, como no dia de Natal. O primeiro ofício deveria significar o tempo da lei e os profetas que duraram até São João (Lucas, 16, 16), começava ao pôr do sol; o segundo, que significava a celebração da abertura do tempo da graça. A semelhança da festa de São João com o Natal foi levada mais longe. Em alguns lugares, havia a celebração de três missas: a primeira, tarde da noite, recordou a sua missão de Precursor; a segunda, de madrugada, comemorava o batismo que ele conferia; e a terceiro, na terceira hora, reverenciava sua santidade. Toda a liturgia do dia, repetidamente enriquecida pelos acréscimos de vários papas, era comparável em evocação e beleza à liturgia natalícia. Tão sagrado é julgado o dia de São João Batista que, dois exércitos rivais, tendo se encontrado cara-a-cara em 23 de junho, acordaram o adiamento da batalha para o fim da festa (Batalha de Fontenay, 841). O costume das fogueiras de São João, seja qual for sua origem, permanece até hoje em certas regiões.

____________________________________________
Fonte: Souvay, Charles. "St. John the Baptist." The Catholic Encyclopedia. Vol. 8. New York: Robert Appleton Company, 1910. 23 Jun. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/08486b.htm>.

Traduzido por Gustavo Quaranta a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/San_Juan_Bautista>.

[Segue abaixo oração ao santo por ocasião da festa de sua natividade, a 24 de junho, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que tornastes glorioso este dia pelo nascimento do bem-aventurado João, concedei ao vosso povo a graça das alegrias espirituais e dirigi os corações de todos os fiéis no caminho da eterna salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, qui præséntem diem honorábilem nobis in beáti Joánnis nativitáte fescisti: da pópulis tuis spirituálium grátiam gaudiórum; et omnium fidélium mentes dirige in viam salútis ætérnæ. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.