Vida de Santo Efrém

Ephrem the Syrian (mosaic in Nea Moni).jpg
Santo Efrém em mosaico do Mosteiro Novo de Quios

Jérôme Labourt, Enciclopédia Católica

Nascido em Nísibis, à época sob o domínio romano, no início do quarto século; morreu em junho  de 373. O nome de seu pai é desconhecido; sabe-se apenas que era um pagão e um sacerdote da deusa Abnil ou Abizal. Sua mãe era natural de Amid. Efrém foi instruído nos mistérios cristãos por São Tiago, o famoso bispo de Nísibis, e foi batizado com a idade de dezoito anos (ou vinte e oito). Daí em diante ele se tornou mais íntimo do santo bispo, que utilizou dos serviços de Efrém para renovar a vida moral dos cidadãos de Nísibis, especialmente durante os anos de 338, 346 e 350. Um de seus biógrafos relata que, em determinada ocasião, ele amaldiçoou, das muralhas da cidade, anfitriões persas, sobre os quais formou-se uma nuvem de moscas e mosquito, obrigando o exército de Sapor II a se retirar. A corajosa campanha de Juliano o Apóstata, que por um tempo ameaçou a Pérsia, terminou, como é bem conhecido, em desastre, e seu sucessor, Joviano, foi feliz em salvar da aniquilação o que sobrou do grande exército cujo seu antecessor havia levado ao outro lado do Eufrates. Para que realizasse ainda mais, o imperador teve de assinar um tratado em desvantagem, pelos termos do qual, Roma perdera as províncias orientais conquistadas no final do século III; dentre as cidades retornadas às mãos dos persas, estava Nísibis (363). Para escapar da perseguição cruel que então ocorria na Pérsia, houve um abandono em massa de cristãos de Nísibis. Efrém foi com seu povo, e se estabeleceram de início em Beit-Garbaya, em seguida no Amici, e finalmente em Edessa, a capital do Osrhoene, onde passou os restantes dez anos de sua vida, um eremita notável por seu severo ascetismo. Todavia, ele teve interesse em todos os assuntos que diziam respeito à população de Edessa. Vários escritores antigos afirmam que ele era um diácono; como tal, ele poderia muito bem ter sido autorizado a pregar em público. Àquela época havia cerca de dez seitas heréticas ativas em Edessa; Efrém combateu vigorosamente todos eles, nomeadamente com os discípulos do filósofo ilustre Bardesanes. A este período pertence quase toda a sua obra literária; além de alguns poemas compostos em Nísibis, o resto de seus escritos-sermões, hinos, e tratados exegéticos datam a partir de sua permanência em Edessa. Não é improvável que ele seja um dos principais fundadores da "Escola Persa" teológica, assim chamada porque seus primeiros alunos e mestres originais eram refugiados cristãos persas de 363. Na sua morte Santo Efrém foi enterrado sem pompa no “cemitério dos estrangeiros." Os monges armênios do mosteiro de São Serguei em Edessa afirmam possuir  seu corpo.

Os fatos acima mencionados representam tudo o que é historicamente certo sobre a carreira de Efrém (ver BOUVY, "Les sources historiqus de la vie de S. Ephrem" em "Revue Augustinienne", 1903, 155-61). Todos os detalhes adicionados posteriormente por biógrafos sírios são, na melhor das hipóteses, de valor duvidoso. Para esta classe pertencem não apenas os traços lendários e ocasionalmente pueris tão caros aos escritores orientais, mas também outros aparentemente confiáveis, por ex. uma suposta jornada ao Egito com uma permanência de oito anos, durante a qual ele teria confundido publicamente certos porta-vozes dos hereges arianos. As relações de St. Efrém e São Basílio são narradas por autores muito confiáveis, por exemplo. São Gregório de Nissa (o Pseudo?) E Sozomen, segundo a qual o eremita de Edessa, atraído pela grande reputação de São Basílio, resolveu visitá-lo em Cesaréia. Foi calorosamente recebido e ordenado diácono por São Basílio; quatro anos depois, ele recusou tanto o sacerdócio quanto o episcopado que o santo ofereceu a ele por meio de delegados enviados para esse fim a Edessa. Embora Efrém pareça ter ignorado o grego, este encontro com São Basílio não é improvável; alguns bons críticos, contudo, mantêm a evidência insuficiente e, portanto, a rejeitam ou, pelo menos, negam sua adesão. A vida de Santo Efrém oferece, portanto, não poucos problemas obscuros; apenas o esboço geral de sua carreira é conhecido por nós. É certo, no entanto, que enquanto ele viveu, foi bastante influente entre os cristãos sírios de Edessa, e que sua memória era reverenciada por todos: ortodoxos, monofisistas e nestorianos. Eles o chamam de "sol dos sírios", a "coluna da Igreja", a "harpa do Espírito Santo". Mais extraordinário ainda é a homenagem prestada pelos gregos que raramente mencionam escritores sírios. Entre as obras de São Gregório de Nissa (P.G., XLVI, 819) há um sermão (embora não seja reconhecido por alguns) que é um verdadeiro panegírico de Santo Efrém. Vinte anos após a morte deste último, São Jerônimo menciona-o da seguinte forma em seu catálogo de ilustres cristãos: "Efrém, diácono da Igreja de Edessa, escreveu muitas obras [opuscula] em siríaco, e tornou-se tão famoso que seus escritos são lidos publicamente em algumas igrejas depois das Sagradas Escrituras. Li em grego um volume dele sobre o Espírito Santo e, embora fosse apenas uma tradução, pude reconhecer o sublime gênio do homem "(Ilustre Men 115). Teodoreto de Ciro também elogiou seu gênio poético e conhecimento teológico (Hist. Eccl., IV, xxvi). Sozomen alega que Efrém escreveu 3.000.000 versos, e dá os nomes de alguns de seus discípulos, alguns dos quais permaneceram ortodoxos, enquanto outros caíram em heresia (História da Igreja III.16). Das igrejas síria e bizantina, a fama do santo se espalhou entre todos os cristãos. O martirológio romano o menciona em 1º de fevereiro. Em suas menologias e synaxaria, gregos e russos, jacobitas, caldeus, coptas e armênios honram o santo diácono de Edessa.

Obras de Santo Efrém

As obras deste santo são tão numerosas e importantes que é impossível tratá-las aqui em detalhes. Basta considerar brevemente: (1) o texto e as principais versões e edições de seus escritos; (2) seus escritos exegéticos; (3) seus escritos poéticos.

Textos e principais versões e edições

O original siríaco dos escritos de Efrém é preservado em muitos manuscritos, um dos quais data do quinto século. Através de muita transcrição, entretanto, seus escritos, particularmente aqueles usados nas várias liturgias, não sofreram pouca interpolação. Além disso, muitas de suas obras exegéticas pereceram, ou não foram ainda encontradas nas bibliotecas do Oriente. Numerosas versões, no entanto, nos consolam pela perda dos originais. Ele ainda estava vivo, ou ao menos não há muito tempo morto, quando a tradução de sua escrita para o grego foi iniciada. Os escritores armênios parecem ter realizado a tradução de seus comentários bíblicos. Os mechitaristas editaram em parte esses comentários e consideram as versões armênias como muito antigas (quinto século). Os monofisitas, como é bem sabido, não costumam ter data para traduzir ou adaptar muitos trabalhos siríacos. Os escritos de Efrém acabaram sendo traduzidos para o árabe e para o etíope (traduções ainda não editadas). Nos tempos medievais, algumas de suas obras menores foram traduzidas do grego para o eslavônico e o latim. Dessas versões, finalmente, foram feitas adaptações em francês, alemão, italiano e inglês dos escritos ascéticos de Santo Efrém. A primeira edição impressa (em latim) baseava-se numa tradução do grego feita por Ambrogio Traversari (Santo Ambrósio de Camaldoli) e editada pela imprensa de Bartholomew Guldenbeek de Sultz, em 1475. Uma edição muito melhor foi executada por Gerhard Vossius (1589-1619), o reitor erudita de Tongres, a pedido de Gregório XIII. Em 1709, Edward Thwaites editou, a partir dos manuscritos da Biblioteca Bodleiana, o texto grego, até então conhecido apenas em fragmentos. O original siríaco era desconhecido na Europa até a proveitosa viagem oriental (1706-07) dos maronitas Gabriel Eva, Elias, e especialmente Joseph Simeon Assemani (1716-17), que resultou na descoberta de uma preciosa coleção de manuscritos no Nitriano (Egito), no mosteiro de Nossa Senhora. Tais manuscritos foram imediatamente transportados para a Biblioteca do Vaticano. Na primeira metade do século XIX, o Museu Britânico foi notavelmente enriquecido por descobertas afortunadas similares de Lord Prudhol (1828), Curzon (1832) e Tattam (1839, 1841). Todas as edições recentes do original siríaco de escritos de Efrém são baseadas nesses manuscritos. Na Bibliothèque Nationale (Paris) e no Bodleian (Oxford), estão alguns fragmentos siríacos de menor importância. Joseph Simeon Assemani apressou-se a fazer o melhor uso de seus manuscritos recém-encontrados e propôs imediatamente a Clemente XII uma edição completa dos escritos de Efrém nas versões original e grega do siríaco, com uma nova versão latina de todo o material. Ele tomou para sua própria parte a edição do texto grego. O texto siríaco foi confiado ao jesuíta Peter Mobarak (Benedictus), um nativo maronita. Após a morte de Mobarak, seus trabalhos foram continuados por Stephanus Evodius Assemani. Finalmente esta edição monumental das obras de Efrém apareceu em Roma (1732-46) em seis volumes de fólio. Foi completado pelos trabalhos de Overbeck (Oxford, 1865) e Bickell (Carmina Nisibena, 1866), enquanto outros savants editaram fragmentos recém-encontrados (Zingerle, P. Martin, Rubens Duval). Uma esplêndida edição (Mechlin, 1882-1902) dos hinos e sermões de Santo Efrém é devida ao falecido monsenhor T. J. Lamy. No entanto, uma edição completa das vastas obras do grande médico siríaco ainda está para ser executada.

Escritos exegéticos

Efrém escreveu comentários sobre as Escrituras, tanto o Velho como o Novo Testamento, mas muito do seu trabalho foi perdido. Existe em siríaco seu comentário sobre o Gênesis e uma grande parte do Êxodo; para os outros livros do Antigo Testamento, temos um resumo siríaco, proferido em uma catena do século IX pelo monge siríaco Severus (851-61). Os comentários sobre Rute, Esdras, Neemias, Ester, os Salmos, Provérbios, o Cântico dos Cânticos e Eclesiastes estão perdidos. De seus comentários sobre o Novo Testamento, sobreviveu apenas uma versão armênia. O cânon bíblico de Efrém se assemelha muito ao nosso. Não é certo que ele aceitou os escritos deuterocanônicos; ao menos nenhum comentário dele sobre tais livros chegou até nós. Por outro lado, aceitou como canônica a terceira epístola aos Coríntios, e escreveu um comentário sobre ela. O texto bíblico usado por Efrém é o siríaco Peshito, ligeiramente diferente, no entanto, do texto impresso daquela versão muito antiga. O Novo Testamento era conhecido por ele, assim como por todos os sírios, tanto orientais quanto ocidentais, antes do tempo de Rabulas, na harmonizada "Diatessaron" de Taciano; é também este texto que serve de base para o seu comentário. Seu texto dos Atos dos Apóstolos parece ter sido intimamente relacionado àquele chamado "Ocidente". (JR Harris, "Fragmentos do Comentário de Ephrem Syrus sobre o Diatessaron", Londres, 1905; JH Hill, "Uma Dissertação sobre o Evangelho de São Efrém, o Sírio", Edimburgo, 1896; FC Burkitt, "Citações de Santo Efrém do Evangelho, Corrigido e Arranjado ", em" Textos e Estudos ", Cambridge, 1901, VII, 2.) A exegese de Efrém é a dos escritores siríacos em geral, sejam ou não helenizados, e está intimamente relacionada com a de Aphraates, sendo, como o último, bastante respeitoso pelas tradições judaicas e muitas vezes baseado nelas. Como um exegeta, Efrém é sóbrio, exibe uma preferência pelo sentido literal, é discreto em seu uso de alegoria; em uma palavra, ele se inclina fortemente para a Escola Antiochene, e nos lembra em particular de Theodoret. Ele admite na Escritura, mas poucas passagens messiânicas no sentido literal; muitas mais, no entanto, profético de Cristo, no sentido tipológico, que aqui deve ser cuidadosamente distinguido do sentido alegórico. Não é improvável que a maioria de seus comentários tenha sido escrita para a escola cristã persa (Schola Persarum) em Nisibis; como visto acima, ele foi um dos seus fundadores, bem como um dos seus professores mais ilustres.

Escritos poéticos

A maioria dos sermões e exortações de Efrém está em verso, embora alguns sermões em prosa tenham sido preservados. Se deixarmos de lado seus escritos exegéticos, o restante de suas obras pode ser dividido em homilias e hinos. As homilias (memrê siríaco, ou seja, discursos) são escritas em versos de sete sílabas, frequentemente divididas em duas partes de três e quatro sílabas, respectivamente. Ele celebra nelas a festa de Nosso Senhor e dos santos; às vezes expõe uma narrativa escriturística ou retoma um tema espiritual ou edificante. No Oriente, as lições para os serviços eclesiásticos (ver DIVINO OFFICE; BREVIARY) foram muitas vezes retiradas das homilias de Efrém. Os hinos (siríaco madrashê, ou seja, instruções) oferecem uma variedade maior de estilo e ritmo. Eles foram escritos para o coral de freiras e estavam destinados a serem cantados por elas; daí a divisão em estrofes, com os últimos versos de cada estrofe sendo repetidos em uma espécie de refrão. Este refrão é indicado no início de cada hino, à maneira de uma antífona; Há também uma indicação da chave musical em que o hino deve ser cantado. O seguinte pode servir como uma ilustração. É retirado de um hino da Epifania (ed. Lamy, I, p. 4).

Ar: Contemple o mês.
Refrão: Glória a Ti do teu rebanho no dia da Tua manifestação.
Estrofe: Ele renovou os céus, pois os tolos adoraram todas as estrelas / Ele renovou a terra que perdeu seu vigor por meio de Adão / Uma nova criação foi feita por sua saliva / E Aquele que é todo-poderoso é endireitou corpos e mentes
Refrão: Glória a Ti etc.

Mons. Lamyu, o erudito editor dos hinos; notou setenta e cinco ritmos e ares diferentes. Alguns hinos são acrósticos, ou seja, às vezes, cada estrofe começa com uma letra do alfabeto, como no caso de várias peças métricas (hebraicas) na Bíblia, ou novamente as primeiras letras de vários versos ou estrofes formam uma determinada palavra. Deste modo, Efrém assinou vários de seus hinos. Na poesia siríaca, St. Efrém é o pioneiro dos gênios, o mestre muitas vezes imitado, mas nunca igualado. Ele não é, no entanto, o inventor da poesia siríaca; essa honra parece devida ao herege Bardesanes de Edessa. O próprio Efrém nos conta que nos arredores de Nísibis e Edessa os poemas deste gnóstico e seu filho Harmonius contribuíram eficazmente para o sucesso de seus falsos ensinos. De fato, se Efrém ingressou no mesmo campo, foi com a esperança de vencer a heresia utilizando suas armas, porém aperfeiçoadas. O leitor ocidental dos hinos de Efrém está inclinado a questionar o entusiasmo de seus admiradores na antiga Igreja siríaca. Seu "lirismo" não é de forma alguma o que entendemos por esse termo. Sua poesia nos parece prolixa, cansativa, incolor, carente de nota pessoal e, em geral, desprovida de charme. Para ser justo, no entanto, devemos lembrar que seus poemas são conhecidos pela maioria dos leitores somente em versões das quais, naturalmente, seu ritmo original desapareceu -- precisamente o charme e a característica mais marcante desta poesia. Estes hinos, ademais, não foram escritos para leitura privada, mas feitos para serem cantados por coros alternados. Temos apenas de comparar os salmos latinos, enquanto cantados no coro de um mosteiro beneditino, com sua leitura privada feita pelo sacerdote na recitação de seu breviário. Também não devemos esquecer que gosto literário não exatamente igual em todos os tempos e lugares. Somos influenciados pelo pensamento grego mais profundamente do que estamos cientes ou gostamos de admitir: Na literatura, admiramos mais as qualidades da lucidez, da sobriedade e da ação variada. Os orientais, por outro lado, nunca se cansam da repetição infinita do mesmo pensamento em forma ligeiramente alterada; eles se deliciam com belos empregos verbais e jogos de palavras, com o jogo múltiplo de ritmo e sotaque, rima e assonância e acróstico. A este respeito, é pouco necessário lembrar ao leitor as peculiaridades e qualidades bem conhecidas da poesia árabe.

Bibliografia

Como dito acima, não há edição completa das obras de Santo Efrém; nem há vida satisfatória do grande médico. Foi feita menção à edição Assemani de suas obras: Ópera omnia quae existente na syriace graece latine no sexo tomos distributa (Roma, 1732-1746). É considerado imperfeito do ponto de vista textual, enquanto a tradução latina é, ao contrário, uma paráfrase. OVERBECK, S. Ephraemi Syri opera sclecta (Oxford, 1865); BICKELL, Carmina Nisibena (Leipzig, 1866); LAMY, Hymni et Sermones (Mechlin, 1882-86 e 1902). Entre as versões, pode ser suficiente mencionar a versão armênia editada pelos MECHITARISTAS (Veneza, 1856, 1893). Veja também BICKELL, Conspectus rei Syrorum literariae (Munster, 1871); WRIGHT, uma breve história da literatura siríaca (Londres, 1894); Zingerle em Kirchenlex., S.v. Ephraem; especialmente BARDENHEWER, Patrology, tr. SHAHAN (Freiburg im Br., 1908), 387-93, excelente apreciação e extensa bibliografia; RODIGER-NESTLE no Realencyk. F. prof. O ol. und Kirche, s.v. Ephram; DUVAL, Hist. de la litt. Syriaque (3d. Ed., Paris, 1906); IDEM, Histoire d 'Edesse, 150-61; LAMY, Prolegomena para Vols. I e II do Hymni et Sermones.

________________
Fonte:  Labourt, Jérôme. "St. Ephraem." The Catholic Encyclopedia. Vol. 5. New York: Robert Appleton Company, 1909. 18 Jun. 2018<http://www.newadvent.org/cathen/05498a.htm>.


Traduzido por Isabel Serra.

[Segue abaixo oração ao santo por ocasião de sua festa, a 18 de junho, extraída do Missale Romanum, 1943]


OREMOS

Ó Deus,  que quisestes ilustrar a vossa Igreja pela admirável erudição e pelos notáveis méritos da vida do bem-aventurado Efrém, vosso Confessor e Doutor, nós Vos pedimos que a defendais, graças à sua intercessão, com vossa constante proteção, contra as emboscadas do erro e da perversidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, qui Ecclésiam tuam beáti Ephræm Confessóris tui et Doctóris mira eruditióne et præcláris vitæ méritis illustráre voluísti: te súplices exorámus; ut, ipso intercedénte, eam advérsus erróris et pravitátis insídias perénne tua virtúte deféndas. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.