Vida de Santo Agostinho de Cantuária

Ícone de Santo Agostinho de Cantuária.

Cornelius Clifford, Enciclopédia Católica

Primeiro arcebispo de Cantuária, apóstolo dos ingleses; data de nascimento desconhecida; morreu em 26 de maio de 604. Símbolos: capa pluvial, pálio e mitra como Bispo de Cantuária, e báculo pastoral e Evangelho como missionário. Nada se sabe de sua juventude, exceto que ele era provavelmente um romano da classe alta, e que no início da vida ele se tornou um monge no famoso mosteiro de Santo André, erguido por São Gregório com seu próprio patrimônio na Colina do Celio. Foi assim entre as intimidades religiosas da Regra Beneditina e na atmosfera estimulante de uma fundação recente que o caráter do futuro missionário foi formado. Diz-se que o acaso forneceu a oportunidade para o empreendimento que estava destinado a vincular seu nome de todos os tempos com o de seu amigo e patrono, São Gregório, como o "verdadeiro principiante" de uma das igrejas mais importantes da cristandade e do cristianismo. meio pelo qual a autoridade da Sé Romana foi estabelecida sobre os homens da raça anglófona. Não é necessário insistir aqui na conhecida versão de Beda do encontro casual de Gregório com os escravos ingleses no mercado romano (H.E., II, i), que é tratado no verbete S. GREGÓRIO MAGNO


Por volta de cinco anos após sua ascensão à Sé Romana (590), Gregório começa a buscar formas e meios de realizar o sonho de seus primeiros dias. Naturalmente, ele se recorda da comunidade que governou mais de uma década antes, no mosteiro de Caelian Hill. Destes, selecionou uma companhia de cerca de quarenta monges e designou Agostinho -- àquele tempo Prior do mosteiro de Santo André -- pare ser seu representante e porta-voz. A nomeação, conforme se fará supor mais tarde, parece ter sido de caráter um tanto indeterminado; mas, a partir de então, e até sua morte em 604, é Agostinho “fortalecido pela confirmação do abençoado Padre Gregório (roboratus confirmatione beati patris Gregorii, Bede, H. E., XXV) em que ao inglês, diferente do britânico, o cristianismo deve sua inspiração primária.  


O evento que proporcionou ao Papa Gregório a oportunidade que ele tanto ansiava, de levar a cabo seu ambicioso plano missionário em favor dos ingleses, ocorreu no ano de 595, ou 596. Um boato chegou à Roma: os habitantes pagãos da Bretanha estavam prontos para abraçar a fé em grande número, caso pregadores pudessem ser encontrados para instruí-los. O primeiro plano que parece ter ocorrido ao pontífice, então, foi tomar medidas para a compra de meninos ingleses de dezessete anos ou mais. Estes, ele teria orientado na Fé Católica com o propósito de ordená-los e os enviar de volta,  no devido tempo, como apóstolos ao seu próprio povo. Ele, conforme escreveu a Candidus, um presbítero encarregado da administração de uma pequena propriedade pertencente ao patrimônio da Igreja Romana de Gália, pedindo-lhe que garantisse as receitas e as reservasse para este fim. (Greg., Epp., VI, vii em Migne, P.L., LXXVII.) É possível, não apenas determinar aproximadamente as datas desses eventos, mas também indicar o quarteirão particular da Grã-Bretanha a partir do qual o boato havia chegado. Aethelberht tornou-se Rei de Kent em 559 ou 560 e, em menos de vinte anos, ele conseguiu estabelecer uma soberania que se estendia das rochas do país dos Saxões Ocidentais para o leste até o mar e até o norte, como Humber e Trento. Os saxões de Middlesex e de Essex, juntamente com os homens da Ânglia Oriental e da Mércia, doram levados para reconhece-lo como Bretwada, e ele então adquiriu uma importância política que começou a ser sentida pelos príncipes francos do outro lado do Canal da Mancha. Charibert de Paris ofereceu a ele sua filha Bertha em casamento, estipulando, como parte do acordo nupcial, que ela deveria ter permissão para o livre exercício de sua religião. A condição foi aceita (Bede, HE, I, xxvi). A data deste casamento, tão importante em seus resultados para as fortunas futuras do cristianismo ocidental é, naturalmente, em grande parte uma questão de conjectura; mas da evidência fornecida por uma ou duas observações dispersas nas cartas de São Gregório (Epp., VI) e das circunstâncias que assistiram à emergência do reino dos jutos para uma posição de destaque na Grã-Bretanha deste período, podemos assumir seguramente que isso aconteceu 20 anos antes de o plano de enviar Agostinho e seus companheiros se sugerirem ao Papa. 

O Papa se viu obrigado a reclamar da falta de zelo episcopal entre os vizinhos cristãos de Aethelberht. Quer entendamos a frase ex-vicinis (Greg., Epp., VI) como referindo-se aos prelados gauleses ou aos bispos celtas da Grã-Bretanha do Norte e Oeste, permanece o fato de que nem a piedade de Bertha, nem a pregação de Luidhard, nem a tolerância de Aethelberht nem a fé supostamente robusta dos povos vizinhos britânicos ou gauleses era adequada a uma oportunidade tão óbvia até que um Pontífice Romano, distraído com os cuidados de um mundo que se apressava a eclipsar, primeiro exortou quarenta beneditinos de sangue italiano ao empreendimento. O itinerário parece ter sido veloz, se vagamente preparado; a pequena companhia partiu em sua longa jornada no mês de junho de 596. Eles estavam armados com cartas aos bispos e príncipes cristãos dos países pelos quais provavelmente iriam passar, e foram instruídos a fornecer-se intérpretes francos, antes de pôr os pés na própria Grã-Bretanha. O desânimo, no entanto, aparece cedo para alcança-los em sua jornada. Os contos de ilhéus grosseiros a quem eles estavam indo esfriaram seu entusiasmo, e alguns deles propuseram que deviam recuar. Agostinho, até agora comprometido com os hesitantes, concordou em voltar pessoalmente ao Papa Gregório e colocar diante dele claramente as dificuldades pelas quais seriam obrigados a passar. O bando de missionários esperava por ele no bairro de Aix-em-Provence. O papa Gregório, todavia, reergueu o espírito abatido de Agostinho e o enviou de volta aos seus frágeis irmãos, armados com uma autoridade mais precisa e, ao que parecia, mais convincente. 

Agostinho foi nomeado abade dos missionários (Bede, HE, I, xxii) e recebeu novas cartas em que o Papa faz gentilmente o reconhecimento da ajuda até agora oferecida por Protásio, bispo de Aix-em-Provence, por Stephen, Abade de Lérins, e por um rico funcionário leigo de grau patrício chamado Arigius [Grego., Epp., VI (indic xiv) nº 52  sqq; sc. 3, 4, 5 f da série beneditina]. Agostinho deve ter chegado a Aix em sua viagem de volta n’algum momento de agosto; pois a mensagem de encorajamento de Gregório à festa contém a data e 23 de julho de 596. Qualquer que tenha sido a verdadeira fonte do desencorajamento passageiro, não se registram mais atrasos. Os missionários avançaram pela Gália, passando pelo Vale de Ródano até Arles, a caminho de Vienne e Autun, e  daí para o Norte, por uma das várias rodas alternativas que agora são impossíveis de encontrar com exatidão, até chegarem a Paris. Aqui, com toda probabilidade, eles passaram os meses de inverno; e aqui também, como não é improvável, considerando as relações que existiam entre a família da casa reinante e a de Kent, asseguraram os serviços dos presbíteros locais sugeridos como intérpretes nas cartas do Papa a Theodoric e Theodebert e a Brunichilda, Rainha dos Francos.  

Na primavera do ano seguinte, eles estavam prontos para embarcar. O nome do porto em cujo navio eles embarcaram não foi registrado. Boulogne era àquele tempo lugar de certa importância mercantil; e não é improvável que eles tenham dirigido seus passos para encontrar uma embarcação adequada, na qual pudessem completar a última e não menos perigosa parte de sua jornada. Tudo o que sabemos com certeza é que eles desembarcaram em algum lugar da ilha de Thanet (Bede, H.E., I, xxv) e que esperaram lá em obediência às ordens do rei Aethelberht até que fossem tomadas as providências para uma entrevista formal. O Rei respondeu a seus mensageiros que ele viria pessoalmente de Cantuária, que ficava a menos de vinte quilômetros de distância. Não é fácil decidir nesta data dentre os quatro pontos rivais, cada um dos quais reivindicou a distinção de ser o lugar sobre o qual Santo Agostinho e seus companheiros poriam os pés pela primeira vez. Boarded Groin, StonarEbbsfleet, e Richborough – última nomeada, se o presente curso do Stour não alterou em mil e trezenso anos, em seguida, fazendo parte do continente – cada um tem seus defensores. Os curiosos em tais assuntos podem consultar a literatura especial sobre o assunto citada no final deste artigo. A prometida entrevista entre o Rei e os missionários ocorreu em poucos dias. Foi realizada ao ar livre, sub divo, de acordo com Beda (Bede, H.E., I, xxv), em um ponto nivelado, provavelmente sob um carvalho espalhado em deferência ao pavor do rei dos encantamentos possíveis de Agostinho. Seu medo, no entanto, foi dissipado pela graça nativa e pela gentil personalidade de seu principal convidado, que se dirigiu a ele através de um intérprete. A mensagem dizia “como Jesus compassivo redimiu um mundo de pecado por Sua própria agonia e abriu o Reino dos Céus a todos os que cressem” (Aelfric, ap. Haddan e Stubbs, III, ii). A resposta do Rei, embora graciosa em sua amizade, era curiosamente profética quanto temperamento religioso de seu povo.  “Suas palavras e promessas são muito justas”, diz-se ele ter respondido, “porém, como elas são novas para nós e de importância desconhecida, não posso simplesmente concordar com elas e desistir do que há muito tenho em comum com toda a nação inglesa. Mas, vindo vocês como estrangeiros de tão grande distância e, como posso notar, estando ansiosos para que nós também compartilhemos da crença naquilo que os senhores concebem como bom e verdadeiro, nós não interferiremos; antes, receberemos vocês, em gentil hospitalidade, e trataremos de providenciar o suporte que lhes for necessário para que se estabeleçam. Além disso, não faremos objeção à sua vitória com muitos convertidos, de acordo com seu credo”. (Bede, H.E., I, xxv.)  

O rei mais do que cumpriu suas palavras. Ele convidou os missionários a morarem na capital real de Cantuária, então uma metrópole bárbara e quase em ruínas, construída pelo povo de Kent no local da antiga cidade militar romana de Durovernum. Apesar do caráter esquálido da cidade, os monges devem ter construído uma imagem impressionante à medida que se aproximavam da residência "contra o rei". Rua voltada para o norte ", um detalhe preservado em William Thorne (c. 1397) "Chronicle of the Abbots of St. Augustine's Canterbury", p. 1759, atribuiu-lhes uma habitação. As circunstâncias marcantes de sua abordagem parecem ter permanecido por muito tempo na lembrança popular; para Beda, escrevendo por completo um século e um terço após o evento, esforça-se para descrever como eles vieram em forma romana característica (mais “suo”) carregando "a cruz sagrada junto com a figura do Rei Soberano, Nosso Senhor Jesus Cristo e cantando". em uníssono esta ladainha ", como eles avançaram: " Rogamos-te, Senhor, na plenitude de tua piedade que a tua ira e tua santa ira se desviem desta cidade e da tua santa casa, porque pecamos: Aleluia! " Era um hino de uma das muitas ladainhas da "Rogação" que começavam a ser familiares nas igrejas da Gália e possivelmente também desconhecidas em Roma. (Martine, "De antiquis Ecclesiae ritibus", 1764, III, 189; Bede, "HE", II, xx; Joanes Diac., "De Vita Gregorii", II, 17 em Migne, PL, LXXXV; ed. De Duchesne, "Liber Pontificalis", II, 12.) O edifício designado para seu uso deve ter sido bastante grande para abrigar uma comunidade numerada por quarenta. Ficava no Portão Estável, não longe das ruínas de um antigo templo pagão; e a tradição nos dias de Thorn era que a igreja paroquial de St. Alphage marcava aproximadamente o local (Chr. Aug. Abb., 1759). Aqui Agostinho e seus companheiros pareciam ter estabelecido sem demora a rotina ordinária do governo beneditino, como praticada no final do século VI; e parece que eles acrescentaram de maneira discreta o ministério apostólico da pregação. A igreja dedicada a São Martinho na parte oriental da cidade, que havia sido reservada para a conveniência dos seguidores do bispo Luidhard e da rainha Bertha muitos anos antes, também foi aberta a eles até que o rei permitisse uma tentativa mais organizada de evangelização.   

A evidente sinceridade dos missionários, sua obstinação, sua coragem sob julgamento e, acima de tudo, o caráter desinteressado do próprio Agostinho e a nota não mundana de sua doutrina causaram profunda impressão na mente do rei. Ele pediu para ser instruído e seu batismo foi designado para acontecer em Pentecostes. Se a rainha e seu bispo franco tinham alguma mão real no processo desta conversão relativamente súbita, é impossível dizer. A carta de São Gregório escrita à própria Bertha, quando a notícia do batismo do rei chegara a Roma, nos levaria a inferir que, embora pouco ou nada tivesse sido feito antes da chegada de Agostinho, depois, houve um esforço por parte da rainha. para compensar a remissão passada. O papa escreve: "Et quoniam, Deo volente, aptum nunc tempus est, ágata, ut divina gratia co-operante, cum augmento possit quod neglectum est reparare". [Greg. Epp., XI (indic., Iv), 29.] A remissão parece ter sido expiada, quando levamos em conta a atividade cristã associada com os nomes deste par real durante os próximos meses. A conversão de Aethelberht naturalmente deu um grande ímpeto ao empreendimento de Agostinho e  de seus companheiros. O próprio Agostinho decidiu agir imediatamente sob a instrução provisória que recebera do papa Gregório. Ele cruzou para a Gália e buscou a consagração episcopal nas mãos de Virgílio, o Metropolita de Arles. Voltando quase imediatamente a Kent, ele fez preparativos para aquela forma mais ativa e aberta de propaganda para a qual o batismo de Aethelberht havia preparado um caminho. É característico do espírito que atingiu Agostinho e seus companheiros que nenhuma tentativa seria feita para garantir convertidos em larga escala pelo emprego da força. Beda nos diz que era parte da política uniforme do rei "não obrigar nenhum homem a abraçar o cristianismo" (HE, I, xxvi) e sabemos de mais de uma de suas cartas existentes que o papa se utilizava de um método tão estranhamente heterogêneo, com o ensino dos Evangelhos. No dia de Natal, 597, mais de dez mil pessoas foram batizadas pelo primeiro "Arcebispo dos ingleses". A grande cerimônia provavelmente ocorreu nas águas do Swale, não muito longe da foz do Medway. A notícia desses acontecimentos extraordinários foi imediatamente enviada ao papa, que por sua vez escreveu para expressar sua alegria a seu amigo Eulógio, bispo de Alexandria, ao próprio Agostinho e ao Rei e à Rainha. (Epp., VIII, xxx; XI, xxviii; ibid., Lxvi; Bede, HE, I, xxxi, xxxii.) A mensagem de Agostinho a Gregório foi carregada por Lawrence, o Presbítero -- depois Arcebispo de Cantuária --, e Peter, um dos primeiros da colônia de monges missionários. Eles foram instruídos a pedir mais obreiros evangélicos e, se pudermos confiar no relato de Beda, neste em particular e no curioso grupo de cartas incorporadas à sua narrativa, eles traziam consigo uma lista de dubia, ou perguntas, sobre vários pontos de disciplina e ritual, com respeito a que Agostinho aguardava a resposta do papa. 

A genuinidade do documento ou libellus, como Beda o chama (H.E., II, i), na qual o papa supostamente respondeu às dúvidas do novo arcebispo, não foi seriamente questionada; embora os escolásticos tenham sentido a força da objeção que São Bonifácio, escrevendo no segundo quarto do século VIII, conclama que nenhum vestígio dela poderia ser encontrado na coleção oficial da correspondência de São Gregório preservada no registro da Igreja Romana (Haddan e Stubbs, III, 336; Dudden, "Gregório Magno", II, 130, nota; Mason, "Missão de Santo Agostinho", prefácio, pp. viii e ix; Duchesne, "Origines" , 3d ed., P. 99, note.) Ele contém nove respostas, sendo as mais importantes, aquelas que tocam as diferenças locais de ritual, a questão da jurisdição e o problema perpetuamente recorrente das relações matrimoniais. "Por que", Agostinho perguntara "já que a fé é uma só, deve haver diferentes usos em diferentes igrejas; uma maneira de celebrar a missa na Igreja romana, por exemplo, e outra na Igreja de Gália?" A resposta do papa é que, embora "Agostinho não deva esquecer a Igreja na qual foi educado", ele tem a liberdade de adotar do uso de outras Igrejas aquilo que é mais provável que seja agradável ao Deus Todo-Poderoso. "As instituições", acrescenta ele, "não são para serem amadas por causa de lugares; mas lugares, pelo contrário, por causa de instituições". Com relação à delicada questão da jurisdição, Agostinho é informado de que não deve exercer autoridade sobre as igrejas de Gália; mas que "todos os bispos da Bretanha lhe são confiados, com o fim de que os ignorantes possam ser instruídos, os vacilantes fortalecidos pela persuasão e os perversos corrigidos pela autoridade". [Greg, Epp., XI (indic., Iv), 64; Bede, H. E., I, xxvii.] Agostinho aproveitou a primeira oportunidade conveniente para levar a cabo as disposições mais graves desta última promulgação. Ele já havia recebido o pálio no retorno de Peter e Lawrence de Roma em 601. O grupo original de missionários também havia sido reforçado por novos recrutas, entre os quais "os primeiros e mais ilustres", como observa Beda, "eram Mellitus, Justus, Paulino e Ruffinianus ". Destes Ruffinianus foi posteriormente escolhido o abade do mosteiro estabelecido por Agostinho em honra de São Pedro, fora das muralhas orientais da capital de Kent. Mellitus tornou-se o primeiro bispo inglês de Londres; Justus foi nomeado para a nova sede de Rochester, e Paulino tornou-se o Metropolita de York.  

Aethelberht, como Bretwalda, permitiu que seu território mais amplo fosse mapeado em dioceses, e se esforçou em favor de Agostinho para realizar um encontro com os bispos celtas do sul da Grã-Bretanha. A conferência ocorreu em Malmesbury, nas fronteiras de Wessex, não muito longe do Severn, em um local há muito descrito em lendas populares como Oak de Austin. (Bede, H.E., II, ii.) Nada resultou dessa tentativa de introduzir uniformidade eclesiástica. Agostinho parece estar disposto a dar certos pontos; mas em três questões importantes ele não comprometeria. Ele insistiu em uma rendição incondicional na controvérsia da Páscoa; sobre o modo de administrar o sacramento do batismo; e no dever de tomar medidas ativas em conjunto com ele para a evangelização dos conquistadores saxões. Os bispos celtas se recusaram a ceder e a reunião foi interrompida. Uma segunda conferência foi planejada depois, na qual apenas sete dos bispos britânicos se reuniram. Eles foram acompanhados desta vez por um grupo de seus "homens mais eruditos", chefiados por Dinoth, o abade do célebre mosteiro de Bangor-coed. O resultado foi, no mínimo, mais desanimador do que antes. Acusações de motivos indignos eram livremente pregadas em ambos os lados. A consideração romana de Agostinho pela forma, juntamente com sua pontualidade de precedência pessoal como representante do papa Gregório, causou ressentimento entre os celtas. Eles denunciaram o arcebispo por seu orgulho e se retiraram para trás de suas montanhas. Quando estavam a ponto de se retirar, ouviram a única ameaça furiosa que é registrada do santo: "Se não tiverdes paz com os irmãos, haveis de guerrear com vossos próprios inimigos; e se não pregares o caminho de a vida para o povo inglês, então devem sofrer o castigo da morte pelas mãos deles". A imaginação popular, cerca de dez anos depois, viu um terrível cumprimento da profecia na carnificina dos monges de Bangor nas mãos de Aethelfrid, o Destruidor, na grande batalha vencida por ele em Chester em 613. 

Esses esforços para a unidade católica com os bispos celtas e a constituição de uma hierarquia bem definida para a Igreja saxônica são os últimos atos registrados da vida do santo. Sua morte ocorreu no mesmo ano, diz uma tradição muito antiga (que pode ser rastreada até o tempo do arcebispo Theodore) como a de seu amado pai e patrono, o papa Gregório. Thorn, no entanto, que tenta sempre dar a versão de Cantuária dessas lendas, afirma - um pouco imprecisamente, parece, se suas coincidências forem rigorosamente testadas - que ocorreu em 605. Ele foi enterrado, em verdadeira forma romana, fora da paredes da capital de Kent, em um túmulo escavado ao lado da grande estrada romana, que então passava de Deal a Cantuária, sobre a colina de St. Martin, e perto da igreja inacabada da abadia, que ele havia começado em homenagem aos santos. Pedro e Paulo e que depois foi dedicado à sua memória. Quando o mosteiro foi concluído, suas relíquias foram transladadas para um túmulo preparado para eles no pórtico norte. Diz-se que um hospital moderno ocupa o local de seu último local de descanso. [Stanley, "Memoriais de Cantuária" (1906), 38.] Seu dia de festa no calendário romano é mantido em 28 de maio; mas no próprio escritório em inglês ocorre dois dias antes, no verdadeiro aniversário de sua morte. 


Bibliografia: 


Bede, Hist. Eccl. I and II; Paulus Diaconus, Johannes Diaconus, and St. Gall MSS., Lives of St. Gregory in P.L., LXXV; Epistlae Gregorii, ibid.; Gregory of Tours, Historia Francorum, ibid., LXXI; Goscelin, Life of St. Gregory in Acta SS., May, VI, 370 sqq.; Wm. Thorne, Chron. Abbat. S. Aug. in Twysden's Decem Scriptores (London, 1652), pp 1758-2202; Haddan and Stubbs, Councils and Ecclesiastical Documents relating to Great Britain and Ireland (Oxford, 1869-1873, 3 vols.); Mason (ed.), The Mission of St. Augustine according to the Original Documents (Cambridge, 1897); Dudden, Gregory the Great, His Place in the History of Thought (London, New York, Bombay, 1905); St Gallen MS., ed, Gasquet (1904);Stanley, Memorials of Canterbury (London, 1855, 1906); Bassenge, Die Sendung Augustins zur Bekehrung d. Angelsachsen (Leipzig, 1890); Brou, St. Augustin de Canterbury et ses Compagnons (Paris, 1897); Lévèque, St Augustin de Canterbury, in Rev. des Quest. Hist. (1899), xxi, 353-423; Martielli, Recits des fetes celebrees a l'occ. du 13e centenaire de l'arrivee de St. Aug. en Angleterre (Paris, 1899).

________________________________
Fonte: Clifford, Cornelius. "St. Augustine of Canterbury." The Catholic Encyclopedia. Vol. 2. New York: Robert Appleton Company, 1907. 27 May 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/02081a.htm>.

Traduzido por Isabel Serra.

[Segue abaixo oração ao santo por ocasião de sua festa, a 28 de maio, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que, pela pregação e milagres do bem-aventurado Agostinho, vosso Confessor e Pontífice, Vos dignastes esclarecer a nação inglesa com a luz da verdadeira fé, fazei com que, pela sua intercessão, os corações dos que estão no erro voltem à unidade da vossa verdade, e nós vivamos concordes em fazer a vossa vontade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, qui Anglórum gentes, prædicatióne et miráculis beáti Augustíni Confessóris tui atque Pontíficis, veræ fídei luce illustráre dignátus es: concéde; ut, ipso inerveniénte, errántium corda ad veritátis tuæ rédeant unitátem, et nos in tua simus voluntáte concórdes. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.