Vida de São Jorge

Herbert Thurston, Enciclopédia Católica


Mártir, patrono da Inglaterra, padeceu em Lida, também conhecida como Dióspolis, na Palestina, provavelmente antes da época de Constantino. De acordo com a investigação muito cuidadosa de toda a questão recentemente proposta pelo Padre Delehaye, o Bolandista, à luz das fontes modernas de informação, o que se afirma acima resume tudo o que se pode afirmar com certeza sobre São Jorge, apesar de seu culto precoce tanto no Oriente, como Ocidente (ver Delehaye, "Santos Militares", 1909, pp.45-76).  

Estudos anteriores sobre o assunto foram geralmente baseados na tentativa de determinar quais dos variados conjuntos de atos lendários pareciam reter mais indicações de um registro primitivo e autêntico. Delehaye corretamente aponta que a primeira narrativa que é conhecida por nós é cheia, mas além do crível, de extravagância e maravilhas. Três vezes Jorge está morto, cortado em pequenos pedaços, enterrado nas profundezas da terra e consumido pelo fogo, mas a cada vez ele é ressuscitado pelo poder de Deus. Além disso, temos homens mortos de volta à vida para serem batizados, conversões generalizadas - incluindo a Imperatiz Alexandra - os exércitos e os ídolos destruídos instantaneamente vigas de madeira, de repente diante folhas, e, finalmente, leite que flui em vez de sangue corte a cabeça do mártir. Existe, é verdade, uma forma suavizada da história, que o bolandista mais antigo tomou até certo ponto sob sua proteção (ver Ato SS, 23 Ap., Nº 159). Mas mesmo isso abunda tanto em maravilhas e contradições históricas, enquanto os críticos modernos, como Amelineau e Delehaye, embora abordem a questão de diferentes pontos de partida, concordam em pensar que tal versão mitigada foi derivada do mais extravagante através de um processo de eliminação e racionalização e não vice-versa.  

Pode ser bastante seguro supor que os atos de São Jorge, embora antigos em data e preservados para nós (com infinitas variações) em muitas línguas diferentes, não fornecem nenhuma indicação para alcançar a verdadeira história do santo. Isso, no entanto, não implica que o mártir nunca tenha existido. Um antigo culto, voltando ao período primitivo e ligado a uma localidade definida, constitui em si um forte argumento histórico. As narrativas dos peregrinos antigos, Teodósio, Antonino e Arculf, entre os sexto e oitavo séculos, todos falam de Lida ou Diospolis como a sede da veneração de São Jorge, além do local de descanso de seus restos mortais (Geyer, " Itinera Hierosol.", 139, 176, 288). A data antiga das devoções ao santo é atestada pelas inscrições existentes nas ruínas das igrejas na Síria, Mesopotâmia e Egito, e a igreja de São Jorge em Salônica também é considerada por algumas autoridades como pertencendo ao quarto século. Além disso, o famoso decreto "De Libris recipiendis", atribuído ao Papa Gelásio em 495, atesta que certos Atos apócrifos de São Jorge já existiam, mas os inclui entre aqueles santos "cujos nomes são justamente reverenciados entre os homens, mas cujas ações eles são conhecidos apenas por Deus. Portanto, parece não haver fundamento para duvidar da existência histórica de São Jorge, mesmo que não seja comemorado no Martirológio Jeronimiano, nem no primitivo.  

Menos ainda pode-se considerar São Jorge, como sugerido por Gibbon, Veter e outros, um duplo lendário do não respeitável bispo Jorge da Capadócia, o oponente ariano de Santo Atanásio. "Esse estranho odioso", diz Gibbon, em uma famosa passagem, “cobrindo todas as circunstâncias de tempo e lugar, assumiu a máscara de um mártir, um santo e um herói cristão e o Jorge infame da Capadócia foi transformado no renomado Jorge da Inglaterra, o patrono das armas, da cavalaria e da Liga ". "Mas essa teoria", diz o professor Bury, o mais recente editor de Gibbon, "não tem nada a dizer". O culto de São Jorge é velho demais para permitir tal identificação, embora não seja improvável que os Atos apócrifos tenham emprestado alguns incidentes da história do bispo ariano. Novamente, como Bury aponta, "a conexão de São Jorge com a lenda matando o dragão não relega a região do mito; como a oposição ao dragão fabuloso Cristiano, podemos colocar Agapito de Synnada e Arsacio, que embora celebrados como matadores de dragões, eram pessoas históricas ". O episódio do dragão é de fato um desenvolvimento muito tardio, que não pode ser rastreado mais para trás do que no século XII ou XIII. Encontra-se na Lenda de Ouro (História do Maelstrom de Jacobo) e esta circunstância provavelmente deve sua ampla difusão. Ele pode ter sido derivado de uma alegorização o tirano Diocleciano, que é chamado como um dragão, mas apesar das investigações Vetter (Reinbot von Durne, pp.lxxv-CIX) A origem da história do dragão continua muito sombria. Em qualquer caso, a ocorrência tardia deste desenvolvimento refuta as tentativas feitas para derivá-los de fontes pagãs. É por isso que certamente não é verdade, como Hartland afirma, que na pessoa de Jorge "a Igreja converteu e batizou o herói pagão Perseu" (The Legend of Perseus, iii, 38). No Oriente, São Jorge, desde o início, foi listado entre os maiores dos mártires. No Ocidente, sua adoração também é muito cedo.   

Arculfo e Adamnan provavelmente o tornaram bastante conhecido na Grã-Bretanha no início do século VIII. Seus Atos foram traduzidos para anglo-saxões, e as igrejas inglesas foram dedicadas a ele antes da conquista normanda. Sem dúvida, as Cruzadas aumentaram sua popularidade. William de Malmesbury nos diz que Santos Jorge e Demétrio, "os mártires cavaleiros" foram vistos auxiliar os exércitos na batalha de Antioquia, 1098 (Gesta regue, II, 420). Conjectura-se, mas não provado, que "as armas de São Jorge" (cruz de prata e gules) foram introduzidas por volta da época de Ricardo Coração de Leão. Encontramos, por exemplo, registrado a partir de 1345, em tempos de batalha de Crecy, que fora feita uma carga para 86 pequenas flâmulas de armas de São Jorge projetadas para o navio do rei, e outras 800 para os soldados (Archaeologia, XXXI, 119). Eduardo III tinha fundado (c.1347) a Ordem da Liga, uma ordem de cavalaria da qual o santo era o patrono principal. A capela dedicada a São Jorge no Castelo de Windsor foi construída para ser o santuário oficial da ordem, e como parte do logo foi adotado um botão ou uma jóia com ele matando o dragão. Assim, a cruz de São Jorge foi, de alguma forma, identificando-se com a ideia de cavalaria.  

Eis uma passagem que ilustra a devoção “jorgiana” à época: “Mas em seu peito era uma sangrenta Cruz, A querida memória da morte do Senhor, por cuja causa doce e gloriosa usava como crachá.” 


São Jorge e o dragão 

A forma mais conhecida da lenda de São Jorge e o dragão é popularizada pela "Legenda Aurea". Segundo ela, um terrível dragão havia destruído todo o campo ao redor da cidade da Líbia, chamado Selena, transformando seu lar em um pântano. Seu hálito causava a peste sempre que se aproximava da cidade e as pessoas davam, ao monstro, duas ovelhas todos os dias para satisfazer a sua fome. Quando, porém, faltavam ovelhas, as vítimas eram humanas. Em uma ocasião, o sorteio de quem seria o próximo escolhido designou a filhinha do rei. Este ofereceu toda a sua fortuna para comprar um substituto, mas o povo não o permitiu e, portanto, a donzela foi levada para o pântano vestida de noiva.  

Então, São Jorge cavalgou pelo local e perguntou a uma empregada o que estava fazendo, mas ela insistiu para que ele a deixasse, a menos que também quisesse morrer. O bom cavaleiro, no entanto, ficou e, quando o dragão apareceu, São Jorge, fazendo o sinal da cruz, atacou-o bravamente e perfurou-o com sua lança. Então, ele pediu à empregada a corda à cintura (um incidente na história que poderia ter algo a ver com sua escolha como patrono da Ordem da Jarreteira), amarrou-a ao redor do pescoço do monstro, e libertou a princesa. Eles, enfim, retornaram à cidade, onde São Jorge ordenou que o povo não tivesse medo, após o que ele cortou a cabeça do dragão e todas as pessoas da cidade foram convertidas. O rei teria lhe dado de seus domínios, mas o santo respondeu que tinha que manter-se cavalgando e pediu, entretanto, que o soberano cuidasse das igrejas de Deus, honrasse o clero e tivesse piedade dos pobres. A primeira referência de tal episódio na arte pode provavelmente ser encontrada em uma antiga lápide romana em Conisborough, Yorkshire, considerada datada da primeira metade do século XII. Aqui a princesa é representada como já nas garras do dragão, enquanto um abade fica ao lado dele e abençoa quem vai para o resgate.

_________________________________

Fonte: Thurston, Herbert. "St. George." The Catholic Encyclopedia. Vol. 6. New York: Robert Appleton Company, 1909. 23 Apr. 2018 <http://www.newadvent.org/cathen/06453a.htm>.

Traduzido por Gustavo Quaranta a partir da versão espanhola disponível em <http://ec.aciprensa.com/wiki/San_Jorge>.

[Segue abaixo oração ao santo por ocasião de sua festa, a 23 de abril, extraída do Missale Romanum, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que nos alegrais pelos merecimentos e intercessão do vosso bem-aventurado Mártir S. Jorge, fazei, por vossa bondade, que pedindo-Vos, por ele, os vossos benefícios, os obtenhamos pelo efeito da vossa graça, por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, qui nos beáti Geórgii Mártyris tui méritis et intercessióne lætíficas: concéde propítius; ut, qui tua per eum benefícia póscimus, dono tuæ gratiæ consequámur, Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.