Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Pedro Canísio

Otto Braunsberger, Enciclopédia Católica

(Kannees, Kanys, provavelmente também De Hondt).

Nascido em Nijmegen, na Holanda, em 8 de maio de 1521; morreu em Freiburg em 21 de novembro de 1597. Seu pai era o rico burgomestre Jacob Canísio; sua mãe, Egidia van Houweningen, morreu logo após o nascimento de Pedro.

Em 1536, Pedro foi enviado para Colônia, onde estudou artes, direito civil e teologia na universidade; ele passou parte de 1539 na Universidade de Lovaina e em 1540 recebeu o diploma de Bacharel em Artes em Colônia.

Nicolaus van Esche era seu conselheiro espiritual e esteve em termos de amizade com católicos tão leais quanto George de Skodborg (o arcebispo expulso de Lund), Johann Gropper (cônego da catedral), Eberhard Billick (o monge carmelita), Justo Lanspergio e outros monges cartuxos. Embora seu pai desejasse casá-lo com uma jovem rica, em 25 de fevereiro de 1540 ele prometeu a si mesmo o celibato.

Em 1543, visitou Pedro Fabro e, tendo realizado os “Exercícios Espirituais” sob sua direção, foi admitido na Companhia de Jesus em Mainz em 8 de maio. Com a ajuda de Leonardo Kessel e outros, Canísio, trabalhando com grandes dificuldades, fundou em Colônia a primeira casa alemã da ordem; ao mesmo tempo, pregava na cidade e arredores, debatia e ensinava na universidade.

Em 1546, ele foi admitido ao sacerdócio e, pouco depois, foi enviado pelo clero e pela universidade para obter assistência do imperador Carlos V, do núncio, e do clero de Liège contra o arcebispo apóstata Hermann von Wied, que havia tentado perverter a diocese.

Em 1547, como teólogo do cardeal Otto Truchsess von Waldburg, bispo de Augsburg, ele participou do conselho eclesiástico geral (que se reuniu primeiro em Trento e depois em Bolonha), e discursou duas vezes na congregação de teólogos. Depois disso, ele passou vários meses sob a liderança de Inácio em Roma. Em 1548, ensinou retórica em Messina, Sicília, pregando em italiano e latim. Nesse momento, o duque Guilherme IV da Baviera pediu a Paulo III que lhe enviasse alguns professores da Sociedade de Jesus para a Universidade de Ingolstadt; Canísio estava entre os selecionados.

Em 7 de setembro de 1549, ele fez sua solene profissão como jesuíta em Roma, na presença do fundador da ordem. Em sua jornada para o norte, recebeu, em Bolonha, o grau de doutor em teologia. Em 13 de novembro, acompanhado pelos padres Jaius e Salmeron, ele chegou a Ingolstadt, onde ensinou teologia, catequizou e pregou. Em 1550, foi eleito reitor da universidade e, em 1552, foi enviado por Inácio ao nova facldade de Viena; lá, ele também ensinou teologia na universidade, pregou na Catedral de Santo Estêvão e na corte de Fernando I, e foi confessor no hospital e na prisão. Durante a Quaresma, em 1553, visitou muitas paróquias abandonadas na Baixa Áustria, pregando e administrando os sacramentos. O filho mais velho do rei (mais tarde Maximiliano II) havia nomeado Phauser, um padre casado, que pregava a doutrina luterana, para o cargo de pregador da corte. Canísio advertiu Fernando I, verbalmente e por escrito, e se opôs a Phauser em debates públicos. Maximiliano foi forçado a demitir Phauser e, por isso, nutriu ressentimentos contra Canísio. Fernando ofereceu a ele três vezes o bispado de Viena, mas ele recusou. Em 1557, Júlio III o nomeou administrador do Bispado por um ano,mas Canísio conseguiu se libertar desse fardo (cf. N. Paulus em “Zeitschrift für katholische Theologie”, XXII, 742-8) .Em 1555, ele esteve presente com Fernando na Dieta de Augsburg e em 1555-56 ele pregou na Catedral de Praga. Após longas negociações e preparativos, ele foi capaz de abrir faculdades jesuítas em Ingolstadt e Praga. No mesmo ano, Inácio o nomeou primeiro superior provincial da Alta Alemanha (Suábia, Baviera, Boêmia, Hungria, Alta e Baixa Áustria). De 1556 a 1757, atuou como conselheiro do rei dos romanos e da dieta de Regensburg, e proferiu muitos sermões na catedral. Por indicação dos príncipes católicos e por ordem do papa, participou de discussões religiosas em Worms. Como campeão dos católicos, ele falou repetidamente em oposição a Melanchthon. O fato de os protestantes discordarem entre si e serem forçados a deixar o campo se deveu em grande parte a Canisius. Ele também pregou na Catedral de Worms.

Durante o Advento e o Natal, ele visitou o Bispo de Estrasburgo em Saverne, iniciou negociações para a construção de um colégio jesuíta, pregou, explicou o catecismo às crianças e ouviu suas confissões. Ele também pregou na catedral de Estrasburgo e fortaleceu os católicos da Alsácia e Freiburg em sua fé. A caminho de Frankfurt para ser proclamado imperador, Fernando encontrou-o em Nuremberg e confidenciou suas aflições. Então o duque Alberto V da Baviera assegurou seus serviços; Em Straubing, pastores e pregadores haviam fugido depois de convencer as pessoas a se afastarem da fé católica. Canísio permaneceu na cidade por seis semanas, pregando três ou quatro vezes por dia e, por sua bondade, desfez muitos danos. De Straubing foi chamado a Roma para estar presente na Primeira Congregação Geral de sua ordem, mas antes de seu término, Paulo IV o enviou com o Núncio Mentuati à Polônia para a Dieta Imperial de Pieterkow; em Cracóvia, ele dirigiu o clero e os membros da universidade. No ano de 1559, ele foi convocado pelo imperador para participar da Dieta de Augsburg. Lá, ao chamado urgente do capítulo, ele se tornou pregador na catedral e manteve esse cargo até 1566. Seus manuscritos mostram o cuidado com que ele escrevia seus sermões. Em uma série de sermões, ele trata do fim do homem, do decálogo, da Missa, das profecias de Jonas; ao mesmo tempo, raramente omitia a explicação do evangelho do dia; Ele discursava sobre conformar-se com o espírito da época, explicava a justificação do homem, a liberdade cristã, a maneira correta de interpretar as Escrituras, defendia a veneração dos santos, as cerimônias da Igreja, os votos religiosos, as indulgências. Ele recomendava insistentemente obediência às autoridades da Igreja, confissão, comunhão, jejum, esmola, censurava as faltas do clero, às vezes talvez muito severamente, à medida que percebia que eram públicas e que deveria evitar exigir apenas a reforma dos leigos. Contra a influência de espíritos malignos, ele recomendou os meios de defesa utilizados na Igreja nos primeiros séculos — fé viva, oração, bênçãos eclesiásticas e atos de penitência. Entre 1561 e 62, ele pregou cerca de duzentos e dez sermões, além de dar retiros e ensinar o catecismo. Na catedral, seu confessionário e o altar em que ele celebrava a Missa eram cercados por multidões, e esmolas eram colocadas sobre o altar. A inveja de alguns clérigos da catedral foi despertada e Canísio e seus companheiros foram acusados de usurpar os direitos das paróquias. O papa e os bispos favoreceram os jesuítas, mas a maior parte do capítulo se opôs a eles. Canísio foi forçado a assinar um acordo segundo o qual reteve o púlpito, mas renunciou ao direito de administrar os sacramentos na catedral.e Canísio e seus companheiros foram acusados de usurpar os direitos das paróquias. O papa e os bispos favoreceram os jesuítas, mas a maior parte do capítulo se opôs a eles. Canisius foi forçado a assinar um acordo segundo o qual reteve o púlpito, mas renunciou ao direito de administrar os sacramentos na catedral.e Canísio e seus companheiros foram acusados de usurpar os direitos das paróquias. O papa e os bispos favoreceram os jesuítas, mas a maior parte do capítulo se opôs a eles. Canisius foi forçado a assinar um acordo segundo o qual reteve o púlpito, mas renunciou ao direito de administrar os sacramentos na catedral.

Em 1559, ele abriu uma faculdade em Munique; em 1562, ele apareceu em Trento como um teólogo papal. O conselho estava discutindo a questão de saber se a comunhão seria administrada de ambos os tipos aos leigos que a solicitassem. Lainez, o Superior-geral da Companhia de Jesus, se opôs incondicionalmente. Canísio acreditava que o cálice poderia ser administrado aos boêmios e a alguns católicos cuja fé não era muito firme. Depois de um mês, ele deixou Trento, mas continuou a apoiar o trabalho dos Padres, instando os bispos a comparecer ao concílio, dando sua opinião de especialistas sobre o Index e outros assuntos, com relatórios sobre o estado da opinião pública e sobre os livros publicados recentemente. Na primavera de 1563, ele prestou um serviço especialmente importante à Igreja; o imperador havia chegado a Innsbruck (perto de Trento), e ele havia convocado vários estudiosos para lá, incluindo Canísio, como conselheiros. Alguns desses homens fomentaram o descontentamento do imperador com o papa e os cardeais que presidiam o concílio. Durante meses, Canísio fez o possível para reconciliá-lo com a Cúria. Ele foi injustamente culpado por comunicar a seu Superior-geral e aos representantes do papa alguns dos planos de Fernando, que, de outra maneira, poderiam terminar contrários à intenção de todos os interessados na dissolução do concílio e em uma nova apostasia nacional. O imperador finalmente atendeu a todos os pedidos do papa e o concílio foi capaz de prosseguir e terminar pacificamente. Roma inteira elogiou Canísio, mas logo depois ele perdeu o favor de Fernando e foi denunciado como desleal; nessa época, ele também modificou suas opiniões sobre dar o cálice aos leigos (ato no que o imperador via uma maneira de mitigar todas as suas dificuldades), dizendo que tal concessão acabaria apenas confundindo os fiéis católicos e promovendo a desobediência dos fiéis recalcitrantes.

Em 1562, Canisio abriu a Faculdade de Innsbruck e, na época, atuou como confessor da “rainha” Magdalena (declarada Venerável em 1906 por Pio X; filha de Fernando I, morava com suas quatro irmãs em Innsbruck) e como conselheira espiritual de suas irmãs. A pedido delas, ele lhes enviou um confessor jesuíta e, quando Magdalena presidiu o convento que ela havia fundado em Hall, ele emitiu suas direções completas para alcançar a perfeição cristã. Em 1563, ele pregou em muitos mosteiros na Suábia; em 1564, enviou os primeiros missionários à Baixa Baviera e recomendou ao sínodo provincial de Salzburgo que não permitisse que os leigos tomassem o cálice, à medida que o sínodo tinha o poder de fazê-lo; Seu conselho, no entanto, não foi aceito. Nesse ano, Canisio abriu uma faculdade em Dillingen e assumiu, em nome da ordem, a administração da universidade fundada pelo cardeal Truchsess. Em 1565, ele participou da Segunda Congregação Geral da ordem em Roma. Ainda em Roma, visitou Filipe, filho do filólogo protestante Joaquín Camerário, então prisioneiro da Inquisição, e o instruiu e o consolou. Pio IV o enviou como seu núncio secreto para entregar os decretos do Concílio de Trento à Alemanha; o papa também a encarregou de estimular sua imposição, de solicitar aos príncipes católicos que defendessem a Igreja na próxima dieta, para negociar a fundação de escolas e seminários. Canísio negociou com mais ou menos sucesso com os eleitores de Mainz e Trier, com os bispos de Augsburg, Würzburg, Osnabrück, Münster e Paderborn, com o duque de Jülich-Cleves-Berg,e com a cidade e a Universidade de Colônia; Ele também visitou Nimwegen, pregando lá e em outros lugares; sua missão, no entanto, foi interrompida pela morte do papa. Pio V queria sua continuação, mas Canísio pediu para ser aliviado; ele disse ter levantado suspeitas de espionagem, arrogância e interferência na política (para um relato detalhado de sua missão, ver “Stimmen aus Maria-Laach”, LXXI, 58, 164, 301).

Na Dieta de Augsburgo (1566), Canisius e outros teólogos, por ordem do papa, prestaram seus serviços ao legado Cardeal Commendone; com a ajuda de seus amigos, conseguiu, embora com grande dificuldade, convencer o legado a não publicar seu protesto contra a paz religiosa e, assim, impediu uma nova guerra fratricida. Os membros católicos da dieta aceitaram os decretos do concílio, os planos dos protestantes foram frustrados e, a partir desse momento, uma nova e vigorosa vida começou para os católicos na Alemanha. No mesmo ano, Canísio foi para Wiesensteig, onde visitou e trouxe o conde luterano de Helfenstein e todo o seu condado de volta à Igreja, e onde preparou para a morte duas bruxas que haviam sido abandonadas pelos pregadores luteranos. Em 1567, ele pregou os sermões quaresmais na catedral de Würzburg, instruía as crianças e habitantes da cidade duas vezes por semana na igreja franciscana e discutia com o bispo a fundação de uma faculdade jesuíta em Würzburg. Depois seguiu-se o sínodo diocesano de Dillingen (no qual Canísio era o principal conselheiro do bispo de Augsburg), viagens a Würzburg, Mainz, Speyer e uma visita ao bispo de Estrasburgo, a quem ele aconselhou, sem sucesso, a estabelecer um coadjutor. Em Dillingen, ele recebeu o pedido de Estanislau Kostka para entrar na Companhia de Jesus e enviou-o com fortes recomendações ao Superior da ordem em Roma. Nessa época, ele resolveu uma disputa na Faculdade de Filosofia da Universidade de Ingolstadt. Em 1567 e 1568, ele foi várias vezes a Innsbruck, onde, em nome do Superior, consultou o arquiduque Fernando II e suas irmãs sobre os confessores das arquiduquesas e sobre o estabelecimento de uma casa jesuíta em Hall. Em 1569, o Superior decidiu aceitar a faculdade em Hall.

Durante a Quaresma de 1568, Canísio pregou em Ellwangen, em Würtemberg; daí foi com o Cardeal Truchsess a Roma. A província da ordem da Alta Alemanha havia elegido o provincial e seu representante para encontrar os procuradores; Essa eleição foi ilegal, mas Canísio foi admitido. Durante meses, ele colecionou nas bibliotecas de Roma material para uma grande obra que estava preparando. Em 1569, ele retornou a Augsburg e pregou sermões quaresmais na Igreja de Saint Maurice. Tendo sido provincial por treze anos (um tempo incomumente longo), ele foi dispensado do cargo a seu pedido e foi para Dillingen, onde escreveu, catequizou e ouviu confissões; seu descanso, no entanto, foi curto; em 1570 ele foi novamente forçado a ir para Augsburg. Um ano depois, ele foi obrigado a se mudar para Innsbruck e a aceitar o cargo de pregador na corte do arquiduque Fernando II. Em 1575, Gregório XIII enviou-o com mensagens papais ao arquiduque e ao duque da Baviera. Quando ele chegou a Roma para fazer seu relatório, a Terceira Congregação Geral da ordem foi convocada e, por favor especial, Canísio foi convidado a estar presente. Desde esse momento, ele foi pregador na igreja paroquial de Innsbruck até a Dieta de Ratisbona (1576), da qual participou como teólogo do Cardeal legado Morone. No ano seguinte, ele supervisionou a impressão de importantes obras em Ingolstadt e induziu os estudantes universitários a fundar uma fraternidade da Santíssima Virgem. Durante a Quaresma, 1578, ele pregou na corte do duque Guilherme da Baviera, em Landshut. O núncio Bonhomini desejava ter uma faculdade jesuíta em Freiburg; a ordem foi inicialmente recusada devido à falta de homens, mas o papa interveio e, no final de 1580, Canísio lançou a primeira pedra. Em 1581, ele estabeleceu uma fraternidade da Santa Virgem entre os cidadãos e, logo depois, fraternidades para mulheres e estudantes; As escolas foram abertas em 1582, e ele pregou na igreja paroquial e em outros lugares até 1589.

A região não era estranha à influência do movimento protestante. Canísio trabalhou incansavelmente com o reitor Pedro Schnewly, o franciscano João Miguel e outros, para reavivar sentimentos religiosos entre o povo; Desde então, Freiburg permaneceu um reduto da Igreja Católica. Em 1584, a caminho de participar de uma reunião da ordem em Augsburg, ele pregou em Lucerna e fez uma peregrinação à imagem milagrosa da Santíssima Virgem em Einsiedeln. De acordo com seu próprio relato, foi nessa época que São Nicolau, o santo padroeiro de Freiburg, tornou conhecido seu desejo de que Canísio não deixasse Freiburg novamente. Muitas vezes os superiores da ordem planejavam transferi-lo para outra casa, mas o núncio, o conselho da cidade e os próprios cidadãos se opunham à medida; eles não concordariam em perder esse renomado e santo homem. Nos últimos anos de sua vida, ele se dedicou à instrução de convertidos, a fazer orientações espirituais para os irmãos da ordem, a escrever e republicar livros. As autoridades da cidade ordenaram que seu corpo fosse enterrado em frente ao altar-mor da igreja principal, a Igreja de São Nicolau, da qual ele foi transferido em 1625 para a de São Miguel, a igreja do colégio jesuíta.

Canísio sustentou que defender as verdades católicas não era mais nem menos importante do que converter hindus. Em Roma e Trento, ele fortemente enfatizou tal compromisso no concílio, na corte papal e em outras partes da Itália, de haver teólogos competentes para escrever em defesa da fé católica. Ele pediu a Pio V que enviasse subsídios anualmente às impressoras católicas alemãs e permitisse que os estudiosos alemães editassem manuscritos romanos; ele induziu o conselho da cidade de Freiburg a erguer um estabelecimento de impressão e garantiu privilégios especiais para as impressoras. Ele também se comunicou com as principais impressoras católicas de seu tempo — Plantin de Antuérpia, Cholin de Colônia e Mayer de Dillingen — e importantes obras estrangeiras foram reimpressas na Alemanha, por exemplo, as obras de Andrada, Fontidonio,e Villalpando em defesa do Concílio de Trento.

Canísio aconselhou os superiores da ordem a criar um colégio de autores; ele pediu a estudiosos como Bartolomeu Latomus, Federico Staphylus e Jerônimo Torensis para publicar seus trabalhos; ajudou Onofrio Panvivio e o controverso Estanislau Hosius, lendo seus manuscritos e corrigindo provas; e contribuiu para o trabalho de seu amigo Surius nos concílios. A seu pedido, o “Briefe aus Indien”, as primeiras histórias de missionários católicos, foram publicadas (Dillingen, 1563-71); “Canisius”, escreveu o pregador protestante Witz, “por essa atividade deu um impulso que merece reconhecimento unânime; de fato, desperta nossa admiração” (“Petrus Canisius”, Viena, 1897, p. 12).

A bibliografia mais recente da Companhia de Jesus dedica trinta e oito páginas a uma lista dos trabalhos publicados por Canísio e suas diferentes edições, e deve-se acrescentar que essa lista está incompleta. Os mais importantes de seus trabalhos estão descritos abaixo; o asterisco significa que o trabalho não leva o nome de Canísio na capa ou no prefácio. Seu trabalho principal é o triplo “Catecismo”. Em 1551, o rei Fernando I pediu à Universidade de Viena que escrevesse um compêndio de doutrina cristã, e Canísio escreveu (Viena, 1555), primeiro para estudantes avançados, sua “Summa doctrinæ christianæ. . . in usum Christianæ pueritiæ “, duzentas e onze proposições em cinco capítulos (a primeira edição apareceu sem o nome do autor, mas mais tarde todos os três catecismos levaram seu nome);depois, um pequeno trecho para crianças em idade escolar: “Summa. . . ad captum rudiorum accomodata “(Ingolstadt, 1556), foi publicado como um apêndice dos” Principia Grammatices “; seu catecismo para estudantes das classes média e baixa,” Parvus Catechismus Catholicorum “(mais tarde conhecido como” Institutiones christianæ pietatis “ou “Catechismus catholicus”), é um trecho do catecismo maior, escrito no inverno de 1557-58. Desde a primeira edição em latim (Colônia, 1558), não se sabe se existe uma cópia; a edição alemã apareceu em Dillingen em 1560. A “Summa” só recebeu sua forma final na edição de Colônia de 1556; contém duzentas e vinte e duas proposições, e duas mil citações das Escrituras e cerca de mil e duzentas citações dos Padres da Igreja estão inscritas nas margens;Mais tarde, todas essas citações foram compiladas no original por Pedro Busæus, SJ, e apareceram em quatro quartos com o título “Autoridades Sacræ Scripturæ et Sanctorum patrum” etc. (Colônia, 1569-70); em 1557 Johannes Hasius, SJ , publicou o mesmo trabalho em um grande volume de fólio, intitulado “Opus catechisticum”, para o qual Canísio escreveu uma introdução. O catecismo de Canísio é notável por seus ensinamentos eclesiásticos corretos, suas frases positivas e claras, sua forma suave e medida. Hoje é reconhecido como uma obra-prima mesmo por não-católicos, por exemplo, os historiadores Ranke, Menzel, Philippson e os teólogos Kawerau, Rouffet, Zerschwitz.

Pio V confiou a Canísio a refutação dos centuriadores de Magdeburgo. Canísio se comprometeu a provar a desonestidade dos centuriadores, desmascarando sua maneira de tratar os personagens principais do Evangelho — João Batista, a Mãe de Deus, o apóstolo São Pedro — e publicou (Dillingen, 1571) sua próxima obra mais importante, “Commentariorum de Verbi Dei corruptelis liber primus: no quo de Sanctissimi Præcursoris Domini Joannis Baptistæ Historia Evangelica … Pertractatur”. Aqui, a refutação dos principais erros do protestantismo é exegética e histórica, e não escolástica; em 1577 “De Maria Virgine incomparabili et Dei Genitrice sacrosancta, libri quinque” foi publicada em Ingolstadt. Mais tarde, ele juntou essas duas obras em um livro de dois volumes, “Commentariorum de Verbi corruptelis” (Ingolstadt,1583, e mais tarde Paris e Lyon); o tratado sobre São Pedro e seu primado só foi iniciado; A obra sobre a Virgem Maria contém algumas citações dos Padres da Igreja que não haviam sido impressas anteriormente e tratam da veneração de Maria pela Igreja. Um renomado teólogo hoje chama esse trabalho de defesa clássica de toda a doutrina católica da Virgem Maria (Scheeben, “Dogmatik”, III, 478); em 1543, publicou (sob o nome de Petrus Nouiomagus) “Des erleuchten D. Johannis Tauleri, von eym waren Euangelischen leben, Göttliche Predig. Eles lêem “etc., nos quais vários escritos do místico dominicano Tauler aparecem impressos pela primeira vez. Este foi o primeiro livro publicado por um jesuíta.” Divi Cyrilli archiepiscopi Alexandrini Opera “(Tradução Latina, 2 fólio vols., Colônia, 1546) ;Em “D. Leonis Papæ huius nominis primi … Opera” (Colônia, 1546, reimpresso posteriormente em Veneza, Lovaina e Colônia), o Papa Leão surge como um testemunho dos ensinamentos católicos e da disciplina da Igreja contra os inovadores; “De consolandis ægrotis” (Viena, 1554), contém exortações (latim, alemão e italiano) e orações, com um prefácio de Canísio; “Lectiones et Precationes Ecclesiasticæ” (Ingolstadt, 1556) é um devocionário estudantil, reimpresso mais de trinta vezes sob os títulos de “Epistolæ et Evangelia” etc.; * “Principia grammatices” (Ingolstadt, 1556); A gramática latina de Aníbal Codrett, adaptada por Canisio para estudantes alemães, reimpressa em 1561, 1564 e 1568; * “Ordnung der Letaney von vnser lieben Frawen” [Dillingen (1558)],a primeira impressão conhecida da Ladainha de Loreto, a segunda (Macerata, 1576) foi provavelmente arranjada por Canisio; * “Vom abschiedt des Coloquij zu Wormbs” (s.l.a., 1558?).

* “Ain Christlicher Bericht,, was die heilige Christliche Kirch … sey” (Dillingen, 1559), tradução e prefácio de Canísio (cf. N. Paulus em “Historischpolit. Blätter”, CXXI, 765); “Epistolæ B. Hieronymi … selectæ” (Dillingen, 1562), uma edição acadêmica organizada e prefaciada por Canísio e subsequentemente reimpressa cerca de quarenta vezes; “Hortulus Animæ”, um devocionário alemão organizado por Canísio (Dillingen, 1563), reimpresso posteriormente, provavelmente também publicado em latim por ele. O “Hortuli” foi posteriormente colocado no Index nisi corrigantur; * “Von der Gesellschaft Jesu Durch. Joannem Albertum Wimpinensem” (Ingolstadt, 1563), uma defesa da ordem contra Chemnitz e Zanger, a maior parte da qual foi escrita por Canísio; “Institutiones, et Exercitamentas Christianæ Pietatis” (Antuérpia, 1566), reimpressa várias vezes, na qual Canísio combinou o catecismo para os graus médios e as “Lectiones et Precationes ecclesiasticæ” (revisadas em Roma); “Beicht und Communionbüchlein” [Dillingen, 1567 (?), 1575, 1579, 1582, 1603; Ingolstadt, 1594, etc.]; “Christenliche. . . Predig von den vier Sontagen im Aduent, auch vonn dem heiligen Christag” (Dillingen, 1570).

A pedido de Fernando II do Tirol, Canísio supervisionou a publicação de “Von dem hoch vnd weitberhümpten Wunderzeichen, so sich … auf dem Seefeld … zugetragen” (Dillingen, 1580), e escreveu um longo prefácio para ele; depois apareceu “Zwey vnd neuntzig Betrachtung vnd Gebett, dess … Bruders Clausen von Vnterwalden” (Freiburg, 1586); “Manuale Catholicorum. In usum pie precandi” (Freiburg, 1587); “Zwo … Historien .. Die erste von … S. Beato, Prediger in Schweitzerland. Die andere von… S. Fridolino, ersten Prediger zu Glaris vnd Seckingen” (Freiburg, 1590): neste, a primeira das biografias populares dos santos venerados, especialmente na Suíça, Canísio não apresenta um ensaio de maneira acadêmica,ao contrário, busca fortalecer a Suíça católica em sua fé e despertar sua piedade; “Notæ in Evangelicas lectionses, quæ per totum annum Dominicis diebus … recitantur” (Freiburg, 1591), um grande volume em formato quarto, valioso por sermões e meditações para o clero. “Miserere, das ist: Der 50. Psalm Davids. . . Gebettsweiss. . . aussgelegt” (Munique, 1594, Ingolstadt, 1594); “Warhafte Histori. . . Von Sanct Moritzen. . . vnd seiner Thebaischen Legion. . . Auch insonderheit von Sanct Vrso” (Freiburg, 1594); * “Catholische Kirchengesäng zum theil vor vnd nach dem Catechismo zum teil sonst durchs Jahr. . . zusingen”(Freiburg, 1596); “Enchiridion Pietatis quo ad precandum Deum instruitur Princeps” (sl, 1751),dedicado por Canísio em 1592 ao futuro imperador Fernando II (Zeitschrift für katholische Theologie; XIV, 741); “Beati Petri Canisii Exhortationes domesticæ”, principalmente esboços curtos, coletados e editados por G. Schlosser, SJ (Roermond, 1876); “Beati Petri Canisii Epistulæ et Acta”: 1541-65, editado por O. Braunsberger, SJ (4 vols., Freiburg im Breisgau, 1896-1905). Quatro ou cinco volumes que ainda contêm mil e noventa e cinco cartas e regestos escritos para ou por Canísio, e seiscentos e vinte e cinco documentos relacionados a seus trabalhos.

“Pedro Canisio”, diz o professor protestante de teologia Krüger, “era um nobre jesuíta; nenhuma culpa mancha seu caráter ” ( “Petrus Canisius” em “Geschichte u. Legende”, Giessen, 1898, 10). A principal característica de seu caráter era o amor por Cristo e por sua obra; ele dedicou sua vida a defender, propagar e fortalecer a Igreja. Daí a sua devoção ao papa. Ele não negou os abusos que existiam em Roma; exigiu remédios rápidos; mas em relação ao poder supremo e total do papa sobre toda a Igreja, e a infalibilidade de seus ensinamentos como Cabeça da Igreja, Canísio os defendeu tão vigorosamente quanto os irmãos italianos e espanhóis da ordem. Ele não pode ser chamado de “episcopal” ou “semi-galicano”; o seu lema era “quem adere à Cátedra de São Pedro é meu homem. Com Ambrósio, desejo seguir a Igreja de Roma em tudo”. Pio V queria torná-lo cardeal. Os bispos Brendel de Mainz, Brus de Praga, Pflug de Naumburg, Blarer de Basileia, Cromer de Ermland e Spaur de Brixen, o tinham em grande estima. São Francisco de Sales solicitou seu conselho por carta. Gozava da amizade dos mais ilustres membros do Colégio dos Cardeais – Borromeu, Hosius, Truchsess, Commendone, Morone, Sirlet; dos núncios Delfino, Portia, Bonhomini e outros; de muitos expoentes líderes do ensino eclesiástico; e de homens de destaque como o chanceler da Universidade de Lovaina, Ruard Tapper, o reitor Martin Eisengrein, Friedrich Staphylus, Franz Sonnius, Martin Rithovius, Wilhelm Lindanus, o vice-chanceler imperial Jacob Jonas e Georg Sigismund Seld, o chanceler bávaro Simon Thaddaeus Eck e os Fuggers e Welsers de Augsburg. “Toda a vida de Canísio”, escreve o teólogo protestante suíço Gautier, “é animada pelo desejo de formar uma geração de clérigos devotos, capazes de servir a Igreja dignamente” (“Etude sur la correspondance de Pierre Canisius”,Genebra, 1905, p. 46) Em Ingolstadt, manteve controvérsias e exercícios de pregação entre jovens clérigos e procurou elevar o nível científico e religioso do Georgianum. Ele reuniu e enviou discípulos para o Colégio Alemão em Roma e proveu os discípulos que haviam retornado para casa. Ele também exortou Gregório XIII a fazer doações e fundar instituições semelhantes na Alemanha; Os seminários papais foram logo construídos em Praga, Fulda, Braunsberg e Dillingen. Em Ingolstadt, Innsbruck, Munique e Viena, escolas foram construídas sob a liderança de Canísio para os nobres e os pobres, as primeiras para educar o clero das catedrais e as últimas para o clero dos graus inferiores. Os regulamentos reformados publicados na época pelas Universidades de Colônia, Ingolstadt e Viena devem ser creditadas sobretudo às suas sugestões.

Com zelo apostólico, ele amou a Companhia de Jesus; o dia de sua admissão na ordem ele chamou de seu segundo nascimento. A obediência a seus superiores foi sua primeira regra. Como superior, ele cuidou com amor paternal das necessidades de seus subordinados. Pouco antes de sua morte, declarou que nunca se arrependeu de se tornar um jesuíta e lembrou os abusos que os oponentes da Igreja haviam acumulado sobre a ordem e sua pessoa. Johann Wigand escreveu um panfleto vil contra seu “Catecismo”; Flácio Ilírico, Johann Gnypheus e Paul Scheidlich escreveram livros contra ele; Melanchthon declarou que defendia erros voluntariamente; Chemnitz o chamou de cínico; o satírico Fischart zombou dele; Andreæ Dathen, Gallus, Hesshusen, Osiander, Platzius, Roding, Vergerio e outros escreveram ataques vigorosos contra ele; em Praga, os hussitas atiraram pedras na igreja onde ele estava celebrando a Missa; em Berna, ele foi ridicularizado por uma multidão protestante. No domingo de Páscoa de 1568, ele foi obrigado a pregar na Catedral de Würzburg a fim de refutar o boato de que ele havia se tornado um protestante. Sem amargura por tudo isso, ele disse: “quanto mais nossos adversários nos caluniam, mais devemos amá-los”. Ele pediu aos autores católicos que defendessem a verdade com modéstia e dignidade, sem zombar ou ridicularizar. Os nomes de Lutero e Melanchthon nunca foram mencionados no “Catecismo”. Seu amor pelo povo alemão é característico; Ele recomendou aos irmãos da ordem a praticar o alemão diligentemente e gostava de ouvir o canto dos hinos nacionais alemães. A seu desejo, Santo Inácio decretou que todos os membros da ordem oferecessem missas e orações mensais pelo bem-estar da Alemanha e do Norte. Sempre um leal defensor dos alemães perante a Santa Sé, obteve misericórdia deles em matéria de censura eclesiástica e permissão para dar absolvições extraordinárias e dispensar a lei do jejum. Ele também desejou que o Index fosse modificado para que os confessores alemães pudessem ser autorizados a permitir a leitura de alguns livros, mas em seus sermões, ele advertiu os fiéis a se absterem de ler esses livros sem permissão. Enquanto ele era reitor da Universidade de Ingolstadt, foi aprovado um acordo que proibia o uso de textos protestantes e, a seu pedido, o duque da Baviera proibia a importação de livros contrários à religião e à moral. Em Colônia, ele pediu ao conselho municipal que proibisse a impressão e venda de livros hostis à fé ou imorais, e no Tirol o arquiduque Fernando II suprimiu esses livros. Ele também aconselhou o bispo Urban de Gurk, o pregador da corte de Fernando I, a não ler tantos livros protestantes, mas a estudar as Escrituras e os escritos dos Padres. Em Nimwegen, ele fez buscas pelas bibliotecas de seus amigos e queimou todos os livros heréticos. Em meio a todas essas preocupações, Canísio permaneceu essencialmente um homem de oração, ele era um fervoroso defensor do Rosário e de suas fraternidades. Ele também foi um dos precursores da devoção moderna ao Sagrado Coração.

Durante sua vida, seu “Catecismo” apareceu em mais de 200 edições em pelo menos vinte idiomas. Essa foi uma das obras que influenciou São Luís Gonzaga a entrar na Companhia de Jesus; ele converteu, entre outros, o conde palatino Wolfgang Wilhelm de Neuburg; e até o século XVIII, em muitos lugares, as palavras “Canisi” e catecismo eram sinônimos. A base e o modelo foram mantidos para catecismos impressos posteriores. Sua pregação também teve grande influência; em 1550, os clérigos da catedral de Augsburg testemunharam que noventa e nove pessoas haviam retornado à Igreja por seus sermões; em maio de 1562, foi relatado que havia mil comungantes contados a mais na Páscoa do que nos anos anteriores. Canísio induziu alguns dos Fuggers mais proeminentes a voltar à Igreja,e converteu o líder dos anabatistas de Augsburg. Em 1537 o clero católico havia sido banido de Augsburg pelo conselho da cidade; Mas depois da pregação de Canísio, procissões públicas foram realizadas, mosteiros ganharam noviços, multidões formavam-se para indulgência do jubileu, peregrinações foram revividas e a comunhão frequente tornou-se regra. Após as eleições de 1562, havia dezoito protestantes e vinte e sete católicos no conselho da cidade. Ele recebeu a aprovação de Pio IV para um Breviário especial em 1561. Canísio prestou grandes serviços à Igreja através da extensão da Companhia de Jesus; as dificuldades eram grandes: falta de noviços, educação insuficiente de alguns dos membros mais jovens, pobreza, pragas, animosidade dos protestantes, inveja por parte de companheiros católicos, interferência de príncipes e conselhos citadinos. Apesar de tudo isso, Canísio introduziu a ordem na Baviera, Boêmia, Suábia, Tirol e Hungria, e abriu o caminho na Alsácia, no Palatinado, no Hesse e na Polônia. Até os antagonistas admitem que se deve principalmente aos jesuítas por salvar uma grande parte da Alemanha da inovação religiosa. Nesse trabalho, Canisio foi o líder. Sob muitos aspectos, Canísio foi o produto de uma época que acreditava em estranhos milagres, executava bruxas e recorria à força contra os seguidores de outra fé; mas, apesar de tudo isso, John Janssen não hesita em declarar que Canísio foi o reformador católico mais proeminente e influente do século dezesseis (Geschichte des deutschen Volkes, 15ª e 16ª edições, IV, p.406). “Canísio mais do que qualquer outro homem”, escreve A. Chroust, “salvou a Alemanha Católica hoje para a Igreja de Roma” (Deutsche Zeitschrift für Geschichtswissenschaft, nova série, II, 106). Muitas vezes se afirma que Canisius se assemelha a São Bonifácio de várias maneiras e, portanto, é chamado o segundo apóstolo da Alemanha. O professor protestante de teologia, Paul Drews, diz: “É preciso admitir que, do ponto de vista de Roma, ele merece o título de apóstolo da Alemanha” (“Petrus Canisius”, Halle, 1892, p. 103).

Relatos de auxílios miraculosos obtidos pela invocação de seu nome espalharam-se logo após sua morte. Seu túmulo foi visitado por peregrinos. A Companhia de Jesus decidiu solicitar sua beatificação. As investigações eclesiásticas de suas virtudes e milagres foram dirigidas primeiro pelos bispos de Freiburg, Dillingen e Freising (1625-90); O processo apostólico começou em 1734, mas foi interrompido por distúrbios políticos e religiosos. Gregório XVI os retomou por volta de 1833; Pio IX, em 17 de abril de 1864, aprovou quatro dos milagres apresentados para consideração e, em 20 de novembro de 1869, a solene beatificação ocorreu em São Pedro, em Roma [1]. Em conexão com isso, mais de trinta biografias diferentes apareceram entre 1864-66. Por ocasião do 300º aniversário de sua morte, Leão XIII promulgou para os Bispos da Áustria, Alemanha e Suíça, sua muito discutida “Epístola Encyclica de memoria sæculari B. Petri Canisii”; os bispos da Suíça promulgaram uma pastoral coletiva; Este tricentenário foi comemorado em muitos lugares da Europa e em alguns lugares dos Estados Unidos e foram publicados cerca de cinquenta panfletos. Para promover a veneração de Canísio, o “Canisius Stimmen” (em alemão e francês) é publicado mensalmente em Freiburg, na Suíça, desde 1896. A enfermaria do Colégio de São Miguel, em que Canisio morreu, é agora uma capela. Os vestidos e outros objetos que ele usou são mantidos em diferentes casas da ordem. O Colégio Canísio em Buffalo possui relíquias preciosas. O quarto onde ele nasceu ainda se apresenta na casa de Canísio, em Broersstraat, Nimwegen. Outros monumentos comemorativos são: a estátua de Canísio em uma das praças públicas de Freiburg, a estátua na catedral de Augsburg, a Igreja do Divino Salvador e a Mãe das Dores, recentemente construída em sua memória em Viena, e o novo Colégio Canísio em Nimwegen. No 26º Encontro Geral de Católicos Alemães, reunidos em Aachen, em 1879, foi fundada uma sociedade canisiana para a educação religiosa dos jovens. A oração geral, recitada todos os domingos nas igrejas originadas por Canísio, ainda é usada na maior parte da Alemanha e também em muitos lugares da Áustria e da Suíça. Existem vários retratos de Canísio: nas igrejas de São Nicolau e São Miguel em Freiburg; na sacristia da catedral de Augsburg; na Igreja de São Miguel em Munique; na prefeitura de Nimwegen; na prefeitura de Ingolstadt; no mosteiro cisterciense em Stams. A xilogravura em Pantaleo, “Prosopographia”, III (Basel, 1566), é indigna. Placas de cobre foram produzidas por Wierx (1619), Custos (1612), Sadeler (1628), Hainzelmann (1693), etc. No século XIX, são: pintura de Fracassini no Vaticano; Gravura em aço de Jeckel; Pintura de Leo Samberger; Gravação de Steinle (1886). Na maioria dessas pinturas, Canísio é retratado com seu catecismo e outros livros, ou cercado por crianças a quem ele está ensinando.

[1] Nota do IJF: São Pedro Canísio foi canonizado e proclamado Doutor da Igreja em 1925 pelo Papa Pio XI, que fixou sua festa em 27 de abril. Tais eventos são posteriores à redação do presente artigo, datado de 1911.
————————-
Bibliografia

B.P. Canisii Epist. et Acta, ed. BRAUNSBERGER, (5 vols., Freiburg im Br., 1896-1905) s.v. Confessions and Testamentum; the Beatification Acts (some printed as manuscripts in only a few copies, the others unprinted); Mon. Hist. Societatis Jesu: Chronicon Polanci, Epistola quadrimestres mittæ etc., so far about thirty volumes (Madrid. 1894–). Of the complete biographies, the following are the most important: RADERUS, De Vita Canisii (Munich, 1614); SACCHINUS, De vita et rebus gestis P. Petri Canisii (Ingolstadt, 1616); BOERO, Vita del Beato Pietro Canisio (Rome, 1864); RIESS, Der selige Petrus Canisius (Freiburg, 1865); LE BACHELET in Dict. de Théol. Cath. (Paris, 1905), s.v. Canisius. Biographies, in German: by PRATISS (Vienna, 1865), MARCOUR (Freiburg, 1881), PFÜLF (Einsiedeln, 1897), MEHLER (Ratisbon, 1897); in Latin by PYTHON (Munich, 1710); in French by DORIGNY (Paris, 1707), SÉGUIN (Paris, 1864), BOVET (Fribourg, 1865, 1881), DE BERTIGNY (Fribourg, 1865), MICHEL (Lille, 1897); in Dutch by DE SMIDT (Antwerp, 1652), SÉGUIN-ALLARD (Nimwegen, 1897); in Italian by FULIGIATTI (Rome, 1649), ODDI (Naples, 1755); in Spanish by NIEREMBERG (Madrid, 1633), GARCIA (Madrid, 1865). Cf. also KROSS, Der selige Petrus Canisius in Oesterreich (Vienna, 1898), from manuscript sources; REISER, B. Petrus Canisius als Katechet (Mainz, 1882); ALLARD, Canisiana, from the Dutch Studien (Utrecht, 1898-99); BRAUNSBERGER, Entstehung u. erste Entwicklung d. Katechismen d. seligen Petrus Canisius (Freiburg, 1893); SOMMERVOGEL, Bibliothèque de la C. de J. (new ed., Brussels and Paris, 1890-1900), II, 617-88; VIII, 1974-83; DUHR, Gesch. d. Jesuiten in den Länden deutscher Zunge, I (Freiburg, 1907); various Nuntiature Reports of Germany and Switzerland published by STEINHERZ, SCHELLHASS, HANSEN, STEFFENS-REINHARDT, etc.

Fonte: Braunsberger, Otto. “Blessed Peter Canisius.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 11. New York: Robert Appleton Company, 1911. 26 Apr. 2020 <http://www.newadvent.org/cathen/11756c.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola, disponível em < https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Pedro_Canisio >.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 27 de abril, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que para proteger a fé católica, fortalecestes com fé e doutrina o bem-aventurado Pedro, vosso Confessor, concedei-nos propício que, por seus exemplos e ensinamentos, o coração dos extraviados volte ao caminho da salvação, e o dos fiéis persevere na confissão da verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

OREMUS

Deus, qui ad tuéndam cathólicam fidem beátum Petrum Confessórem tuum, virtúte et doctrína roborásti: concéde propítius; ut ejus exémplis et mónitis errántes ad salútem resipíscant et fidéles in veritátis confessióne persevérent. Per Dóminum Nostrum Jesum Christum.

Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.