Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de São Simão, Apóstolo

São Simão, por Peter Paul Rubens.

Klemens Löffler, Enciclopédia Católica

O nome de Simão ocorre em todas as passagens do Evangelho e Atos nas quais é fornecida uma lista dos Apóstolos. Para distingui-lo de São Pedro, ele é chamado de (Mateus 10:4; Marcos 3:18) Kananaios, ou Kananites, e Zelotes (Lucas 6:15; Atos 1:13). Ambos os sobrenomes têm o mesmo significado e são uma tradução da palavra hebraica qana (o Zeloso). O nome não significa que ele pertencia ao partido dos Zelotes, mas que ele tinha zelo pela lei judaica, que praticava antes de sua chamada. Jerônimo e outros assumiram erroneamente que Kana era sua terra natal; fosse assim, ele deveria ter sido chamado de Kanaios. Os gregos, coptas e etíopes o identificam com Natanael de Caná; os primeiros mencionados também o identificam com o noivo do casamento de Caná, enquanto no Crônica Pascoal (Chronicon Paschale) e em outros escritos ele é identificado com Simão [de Jerusalém, filho de] Cleofas.

Os Abissínios relatam que ele sofreu a crucificação como bispo de Jerusalém, depois de ter pregado o Evangelho em Samaria. Onde ele realmente pregou o Evangelho, é incerto. Quase todas as terras do mundo então conhecido, até mesmo a Grã-Bretanha, foram mencionadas; de acordo com os gregos, ele pregou no Mar Negro, no Egito, no Norte da África e na Grã-Bretanha, enquanto, de acordo com o [escrito] lati[no] “Passio Simonis et Judae” — cujo autor era ([Justo] Lípsio mantém) suficientemente familiarizado com a história da Império Parta no primeiro século — Simão trabalhou na Pérsia e foi martirizado em Suanir. No entanto, é provável que Suanir seja buscado em Cólquida. Segundo Moisés de Corene, Simão encontrou sua morte em Weriosphora (encontro da Turquia, Armênia e Geórgia), na Península Ibérica; de acordo com os georgianos, ele pregou em Cólquida. Seu local de enterro é desconhecido.

Com relação às suas relíquias, nossa informação é tão incerta quanto à sua pregação. Da Babilônia a Roma e Toulouse, encontramos vestígios deles; em Roma, eles são venerados sob o Altar da Crucificação no Vaticano. Seu atributo habitual é a serra, já que se diz que seu corpo foi serrado em pedaços e, mais raramente, a lança. Ele é considerado o patrono dos curtidores. Na Igreja Ocidental, ele é venerado junto com Judas (Tadeu); no Oriente separadamente. A Igreja Ocidental realiza sua festa no dia 28 de outubro; gregos e coptas em 10 de maio.


Fonte: Löffler, Klemens. “St. Simon the Apostle.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 13. New York: Robert Appleton Company, 1912. 25 Oct. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/13796b.htm>.

Traduzido por Igor Primo.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, juntamente com São Judas Tadeu, a 28 de outubro, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Ó Deus, que, pelos vossos bem-aventurados Apóstolos Simão e Judas, nos concedestes a graça de chegarmos ao conhecimento do vosso nome, concedei-nos que celebramos a sua glória eterna, avançando na virtude, e avancemos na virtude por esta mesma celebração. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.
Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.