Sociedade civil católica, destinada à difusão da Cultura Ocidental e à atuação política em defesa da família, em observância à Doutrina Social da Igreja.

Vida de Santo Hilarião

Johann Peter Kirsch, Enciclopédia Católica

Fundador da vida anacorética na Palestina; nasceu em Tabita, ao sul de Gaza, na Palestina, por volta de 291. Morreu na ilha de Chipre, por volta de 371. A principal fonte de informação sobre a vida desse santo é uma biografia escrita por São Jerônimo (P.L. XXIII, 29-54). Na introdução, Jerônimo menciona uma carta de Santo Epifânio, Arcebispo de Salamina, que trata da vida de Hilarião, a quem Epifânio conheceu pessoalmente durante os últimos anos da vida do eremita. A carta foi perdida. Papadopulous-Kerameus editou uma biografia recém-descoberta. (Analekta Ieroslymikes Stachyologias, V, 1898). Sozomen, historiador eclesiástico, narra algumas circunstâncias especiais relacionadas a Hilarião, extraídas de tradições orais preservadas pelos discípulos deste último. Sozomen também incluiu tradições orais preservadas por seu avô e outro parente que Hilarião converteu ao cristianismo (Hist. Eccl., V. xv).

Hilarião era filho de pais pagãos. Sua data de nascimento é confirmada por Jerônimo (Vita, c. Xxv), que indica que Hilarion tinha 65 anos quando da morte de Antão (356). Quando criança, os pais de Hilarion o enviaram para Alexandria para se educar nas escolas daquela cidade. Foi lá que ele se tornou cristão aos 15 anos de idade e, atraído pelo renomado anacoreta Santo Antão, Hilarião retirou-se para o deserto. Após dois meses em companhia do grande “Pai das Anacoretas”, Hilarião decidiu dedicar-se à vida ascética eremita. Voltou para casa, dividiu sua fortuna entre os pobres e se retirou para uma pequena cabana no deserto de Majuma, perto de Gaza, onde viveu uma vida semelhante à de Santo Antão.

Sua vestimenta consistia em uma camisa de pelos, uma peça de roupa de couro e uma capa curta como as usadas pelos pastores. Jejuou rigorosamente e não participou de sua refeição frugal até depois do pôr do sol. Para se sustentar, trabalhou tecendo cestas. Ele dedicou a maior parte do tempo a exercícios religiosos. Sua fama se espalhou por todo o lugar devido às curas milagrosas e exorcismos que ele fez e no ano 329 tinha numerosos discípulos. Ele converteu muitos pagãos e tantas foram as pessoas que vieram pedir ajuda e conselhos que ele mal encontrou tempo para cumprir seus deveres religiosos. Isso o levou a dizer adeus a seus discípulos e retornar ao Egito por volta do ano 360. Lá, ele visitou os lugares onde Santo Antão havia morado e o lugar onde ele morreu. No caminho para o Egito, conheceu Dracôncio e Filor, dois bispos exilados pelo imperador Constâncio. Hilarião foi morar em Bruccio, perto de Alexandria, mas ao ouvir que Juliano, o apóstata ordenou sua prisão, retirou-se para um oásis no deserto da Líbia. Mais tarde, ele se mudou para a Sicília e viveu por um longo tempo perto do promontório de Paccino. Seu discípulo, Hesíquio, que procurava por Hilarião há muito tempo, o encontrou lá. Pouco depois, Hilarião foi novamente cercado por discípulos ansiosos por seguir seu exemplo.

Saindo da Sicília, mudou-se para Epidauro, na Dalmácia, onde prestou uma ajuda valiosa aos seus habitantes após o terremoto de 366. Finalmente, foi para Chipre e lá, em uma caverna solitária dentro dessa ilha, passou seus últimos anos. Foi durante sua estada em Chipre que ele conheceu São Epifânio, arcebispo de Salamina. Antes de sua morte, ocorrida em seus oitenta anos, Hilarion legou suas roupas pobres, que eram sua única possessão, a Hesíquio, seu fiel discípulo. Seu enterro ocorreu perto da cidade de Paphos, mas Hesiquio o levou secretamente a Majuma, onde o santo havia morado por tanto tempo. Hilarião é homenageado por ser o fundador da vida anacorética na Palestina. Sua festa é celebrada em 21 de outubro. As tentativas de Israel e outros historiadores de vê-lo como uma figura imaginária falharam completamente, pois não há dúvida sobre sua existência ou a veracidade de suas principais características.


Bibliografia: ST. JEROME, Vita S. Hilarionis em PL, III, 29-54; Acta SS., IX, outubro, 43-59; ISRAEL, Die Vita S. Hilarionis des Hieronymus in Zeitschrift fur wissenschaftl. Theol (1880), 129 m²; ZOCKLER, Hilarion von Gaza, Retine em Neue Jahrbucher fur deutsche Theologie (1894), 147 sqq.; GRUTZMACHER, Hieronymus, II (Berlin, 1906), 87-91; VAN DEN VEN, S. Jerome e la vie du moine Malchus (Louvain, 1901), apêndices; WINTER, The literaryische Charakter der Vita S. Hilarionis (Zittau, 1904); SERVIERES, Histoire de S. Hilarion (Rodez, 1884); HEIMBUCHER, Die Orden e Kongregationen der Kathol. Kirche, I (2ª ed., Paderborn, 1907), 115 sq.

Fonte: Kirsch, Johann Peter. “St. Hilarion.” The Catholic Encyclopedia. Vol. 7. New York: Robert Appleton Company, 1910. 20 Oct. 2019 <http://www.newadvent.org/cathen/07347a.htm>.

Traduzido por Leonardo Brum a partir da versão espanhola, disponível em < https://ec.aciprensa.com/wiki/San_Hilari%C3%B3n >.

[Segue abaixo oração ao santo, por ocasião de sua festa, a 21 de outubro, extraída do Missale Romanum, Ed. Vozes, 1943]

OREMOS

Recomende-nos, Senhor, Vo-lo pedimos, a intercessão de Santo Hilarião, Abade, para que consigamos por seu patrocínio o que pelos próprios méritos não podemos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.



Boletim informativo do IJF
Receba, gratuitamente, no seu e-mail, nossas atualizações semanais.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.